jogadorpensante

Site destinado a análises e artigos sobre videogames em geral! Em nossos Twitter e Facebook você fic

Você não está seguindo jogadorpensante.

Siga-o para acompanhar suas atualizações.

Seguir

  • jogadorpensante Jogador Pensante
    2015-12-17 22:22:46 -0200 Thumb picture
    <p>@ssa, vc vai divulgar páginas institucionais tam - Alvanista

    @ssa, vc vai divulgar páginas institucionais também?????????

    6
    • Micro picture
      cosmiceffect · 3 anos atrás · 4 pontos

      Seria uma boa

      1 resposta
    • Micro picture
      ssa · 3 anos atrás · 2 pontos

      Olá. Divulgar sem objetivo prático, não. No entanto é uma ideia a ser lapidada.
      Será possível divulgar páginas ou perfis quando tiverem algum projeto interessante para todos, ou então quando for uma notícia que tenha boa utilidade para os usuários do alva.
      Pode surgir, no futuro, alguma parceria com algum portal, empresa ou algo do tipo. É uma possibilidade. Nesse caso pensaremos em maneiras bacanas de compartilhar o conteúdo da parceria e também do parceiro.
      :)

      7 respostas
  • netobtu João Paulo Bonome Neto
    2015-12-16 08:10:00 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    <p>Queria dar uma dica, que é um pedido, pros moder - Alvanista

    Queria dar uma dica, que é um pedido, pros moderadores/administradores do Alva:

    Desativar os perfis que não postam há mais de 6 meses na rede. Acho que esse pessoal foi embora.

    Por exemplo, eu tenho o limite já de 1500 seguidos, e queria seguir uma galera nova, mas sinceramente não sei quem excluir, quem não posta mais, e entrar em perfil por perfil é difícil...

    Podia deixar oculto esses perfis e qdo a pessoa voltasse ela poderia reativar, sei lá, ao invés de excluir de vez da base de dados...

    28
    • Micro picture
      kevinryman · 3 anos atrás · 5 pontos

      Eu não posto pra não ficar enchendo a timeline alheia de coisas que julgo serem desnecessárias. Mas estou sempre aqui comentando nas postagens dos outros.

      Creio que tem muita gente assim, que mesmo não postando gosta de ler o conteúdo que são postados e de grande valia como os seus, Neto.

      E se não comento mais é porque não estou na 8ª geração. T_T Se não posto mais é porque estou num momento bastante difícil, no qual não vejo outra saída há não ser de abdicar por um tempo dos jogos em pról do meu emprego.

      6 respostas
    • Micro picture
      matheusps92 · 3 anos atrás · 2 pontos

      Acho que poderiam usar esse recurso de desativar os perfis naqueles que não são acessados há seis meses, tem muita gente que não posta, mas tá sempre por aí comentando e interagindo. E é um saco mesmo ver esse monte de fantasma na lista de seguidos/seguidores...

    • Micro picture
      mateusmassa · 3 anos atrás · 2 pontos

      6 meses acho pouco tempo e como a rede já está antiga poderia começar com perfis de 2 anos de inatividade e já ia ser muitos desativados.

  • netobtu João Paulo Bonome Neto
    2015-12-15 21:38:58 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Restrospectiva 2015 e planos para 2016

    Como vi no perfil do amigo @vine, vou tentar fazer a minha retrospectiva.

    2015 foi um ano em que joguei bastante. O primeiro semestre até que nem tanto, visto que em janeiro zerei MAX PAYNE, eliminando uma terrível mácula em minha alma de nunca ter terminado esse clássico. Iniciei o segundo, mas não o terminei ainda.

    O ano foi prosseguindo e chegou o mês de BLOODBORNE. Eu nem ia comprar, afinal ainda não fui conquistado pelas produções SOULS da FROM SOFTWARE. Mas vi tanto amigo meu falando, meu Playstation 4 tão paradinho... meti o foda-se e comprei, mesmo sabendo que potencialmente me arrependeria. Ledo engano, depois de um tempo penando para passar da Fera Clerical, consegui finalizar o jogo e ele me prendeu demais demais demais, eu VIVI Bloodborne por uns dois meses. Sério, minha vida era Bloodborne. Eu acordava pensando no jogo e ia dormir também pensando nele, era algo surreal, passava meus períodos ociosos do dia em que não podia jogar olhando wikis e lendo teorias sobre o jogo. Absurdo.

    Aí veio o grandioso The Witcher 3: Wild Hunt. Um jogo fenomenal, mas que joguei "apenas" 40 horas e decidi deixar de lado e terminar mais tarde... vou tentar continuar a partir do dia 20, tentarei finalizar, mas sei que é uma tarefa árdua para mim. 

    Dei uma parada não porque estava cansado do jogo, mas porque lançou BATMAN: ARKHAM KNIGHT, que tive a infelicidade de adquirir no PC. Um jogo que tanto esperei, lançado de maneira porca para a plataforma, um port horroroso, com tudo faltando, e me fez não gostar tanto do jogo quanto eu deveria ter gostado... fui até o final, usando de modificações nos arquivos do jogo, enquanto cada update era esperado como milagroso. Zerei antes e, quando o jogo foi relançado, recentemente, sem o conserto efetuado, pedi o estorno. Nem análise do jogo quis fazer, pois senti que não havia conseguido gostar do jogo por causa somente dele, mas sim por causa dos problemas técnicos da plataforma, que não ocorriam no PS4 e Xbox One.

    Durante boa parte do ano joguei THE LEGEND OF ZELDA: MINISH CAP, até que por fim zerei ele também! Gostei bastante do jogo, não tenho costume de jogar os Zeldas de portátil, mas foi um bom passatempo! :D

    Então vieram as minhas férias do trabalho em agosto! Mas que delícia de férias, cara!!! Me prometi zerar quatro jogos, mas destes quatro zerei apenas um: SUPER METROID. Outra mácula em minha triste vida de jogador de videogame, e joguei tudo no meu Wii U, e foi uma experiência tremendamente agradável, o jogo até hoje é atual, e possui uma das melhores narrativas que já vi em um videogame, na batalha contra Mother Brain. Comecei Metroid Prime na coleção do Wii, mas parei depois de jogar umas 10 horas, porque me deu uma vontade de jogar uma outra coisa...

    Era uma vontade irrepreensível de jogar mais uma vez BIOSHOCK INFINITE, mas dessa vez no PC, em toda sua glória. Esse jogo, já antigo para o padrão ágil do mundo de hoje, ainda possui uma arte tão linda e um esmero técnico tão grande, que bate de frente com a nova geração. Um jogo incrível, fui até o fim nessas minhas férias, deliciando-me com a arte, que havia visto somente no Xbox 360, na época do lançamento.

    Então eu comecei a olhar para o meu negligenciado Xbox One e comecei a jogar HALO: COMBAT EVOLVED ANNIVERSARY, da coleção Halo: The Master Chief Collection. Fui até o final, curtindo bastante o jogo, já querendo partir para os próximos, à espera de Halo 5: Guardians. Até iniciei o Halo 2 Anniversary, mas joguei apenas algumas missões. O jogo é sensacional, muito melhor do que o primeiro, mas outros jogos estavam próximos já, e me deu uma vontade enorme de voltar a outro mundo...

    ... DESTINY: THE TAKEN KING. Comprei na Live do Xbox One e joguei bastante durante quase um mês. Que jogo viciante, meu Deus! Como eu adoro o tiroteio de Destiny, as missões, a lore do jogo. Zerei a campanha normal, muito épica a parte final, também zerei a expansão THE DARK BELOW, e atualmente me encontro travado em uma missão da House of Wolves e estou para iniciar a The Taken King em si.

    Então veio ASSASSIN'S CREED SYNDICATE. Amo a franquia, pode falar o que quiser. Adorei o jogo, joguei mais de 40 horas até zerar, achei que é um jogo que era muito melhor resolvido do que o anterior, Unity. Diverti-me bastante com ele! E incrivelmente senti vontade de rejogar o Unity, e foi o que fui fazer, mas joguei até a metade, mais ou menos, e por incrível que pareça estava gostando mais do jogo agora do que na primeira vez, acho que porque já sabia o que esperar.

    Mas precisava ser veloz, porque logo chegou RISE OF THE TOMB RAIDER. Rapaz, mas que jogo, ein? Não esperava uma melhora tão grande em relação ao anterior. Um jogo estrogonoficamente qualificado, que merece todo o nosso respeito tecnológico, muito bem resolvido, um Metroidvania lotado de exploração! 

    Depois decidi seguir na veia de Metroidvania e fui jogar ORI AND THE BLIND FOREST. Havia comprado no lançamento para Steam, mas tinha jogado só a linda introdução. Encontrei um platformer sólido com estrutura metroidvania. Um jogo obrigatório, que passou meio despercebido por todos.

    http://media.alvanista.com/uploads/timeline_image/20...(img)

    E então, na minha saga de jogador de 2015, chegamos ao hoje... ontem zerei GAME OF THRONES: A TELLTALE GAME SERIES. Gostei bastante também do jogo, nunca tinha levado a Telltale a sério, mas preciso rever algumas coisas que andei dizendo sobre a empresa e seus jogos, afinal diverti-me e consegui me sentir imerso naquele universo de Westeros e Essos. 

    http://media.alvanista.com/uploads/timeline_image/20...(img)

    Daqui pra frente, pretendo apenas prosseguir com The Wolf Among Us, que estou no terceiro episódio, pretendo zerar essa semana, e depois, como já citado, The Witcher 3: Wild Hunt.

    Considero 2015 um ano EXCELENTE para os videogames. Infelizmente não pude adquirir, devido a dólar alto e preços exorbitantes, Splatoon e Super Mario Maker para o meu Wii U, que seguiu o ano todo desligado, e no momento está emprestado para um primo até. Queria ter jogado outras coisas, como Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, Fallout 4 e Mad Max. Aguardarei promoções desses jogos!

    -

    Para 2016 eu espero um ano ainda melhor de jogos! Poxa, logo no começo do ano já vem pedrada: Quantum Break e Uncharted 4: A Thief's End! Nem sei o que vem pro resto do ano, mas tenho certeza que teremos muitos jogos! Essa geração esse ano me surpreendeu, e em 2016 vai surpreender ainda mais!!!!!!!!!

    Abraços, amigos, um bom fim de ano a todos e felicidades em 2016!

    O jogo marcado é o meu GAME OF THE YEAR :P

    Bloodborne

    Plataforma: Playstation 4
    2284 Jogadores
    973 Check-ins

    24
    • Micro picture
      hilquias · 3 anos atrás · 2 pontos

      ori está na minha wishlist, quero jogar ele ano que vem, parece tão bonito

    • Micro picture
      israel_arraes · 3 anos atrás · 2 pontos

      2015 foi um ano bom, agora excelente mesmo vai ser ano que vem hehe.

      1 resposta
    • Micro picture
      flavioczuk · 3 anos atrás · 2 pontos

      Preciso de mais tempo no meu dia!!! Muitos games e pouco tempo! hehehe

      2 respostas
  • netobtu João Paulo Bonome Neto
    2015-12-14 18:44:38 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    <p>É, amigos, o XOne não vai ter como alavancar. É - Alvanista

    É, amigos, o XOne não vai ter como alavancar. É tipo acreditar no Atlético MG quando o Corinthians estava já com mais de 6 pontos na frente e faltavam nem 5 rodadas pro final. Não que o Atlético estava ruim, mas sim que o Corinthians estava muito a frente, há tanto tempo, e também com os ventos do campeonato propiciando seu barco. É o mesmo com Playstation 4, que é o Corinthians do brasileirão de 2015, e o Xbox One, que é o Atlético Mineiro do brasileiro de 2015.

    Apesar de eu gostar muito do console (falando especificamente da interface e dos jogos exclusivos, o XOne é o meu favorito da geração, excluindo Wii U, pq nem comparo), a mutação que ele sofreu desde o lançamento foi um tiro no pé, mas também sua redenção. Digo isso porque se não tivessem mudado, o console seria um natimorto e teria ainda menos aceitação, essa foi a redenção; o tiro no pé é porque o console claramente não foi pensado para não ter essas features anticonsumidor, e então o sistema sofreu, e ainda sofre, muitos problemas, desde o hardware até à interface.

    Don Mattrick matou o XOne em 2013, quando o anunciou ao mundo. Vcs se lembram da apresentação? NBA Fantasy, NFL Fantasy, TV, ver TV, ver suas séries favoritas, online 24h... era um console voltado ao norteamericano que não quer jogar videogame.

    Essa mania de vender as coisas como ALL IN ONE matou o produto ali, naquela apresentação. O PS4 também é uma "central de entretenimento", mas é e sempre foi muito melhor resolvido: antes de um lugar para você ver Netflix ou ouvir suas músicas, ele é um player de games. E isso beneficiou o console, ao passo em que o Xbox One, que veio com um anúncio todo confuso e que AFASTAVA o consumidor gamer (always online e etc), se ferrou. Ser mais ou menos poderoso nunca influenciou para um console dominar a geração, mas do jeito que o XOne foi anunciado, o PS4 ainda tinha o plus de ter o maior poderio tecnológico para games. Multitarefa, possibilidade de ver TV direto pelo console, rede online supostamente mais estável (uma inverdade, a Live anda tendo tantos problemas de conexão quanto a PSN, o que, na verdade, é NORMAL, não existe NENHUM serviço no mundo online 24h/365 dias por ano, uma hora a coisa vai precisar de uma manutenção e coisa do tipo)... nada disso interessa no frigir dos ovos, e a Microsoft investiu MUITO MAL nesse projeto.

    Felizmente o Phil Spencer veio para salvar, e conseguiu em certo ponto. Não se ouve mais sobre jogos da NBA e da NFL no Xbox One. Não se ouve mais sobre como é legal você abrir o menu do lado para ver a novela enquanto você joga... o negócio agora é focar em jogos, em melhorar a plataforma, na sua interface.

    Mas nada disso será suficiente. O PS4 nem precisou se esforçar, e nem precisará. Reparem que, apesar de só ter dois anos, já começamos a ouvir sobre o próximo Xbox. A Microsoft vai encurtar a geração, justamente porque a adesão é fraca, e mesmo com uma lineup muito boa esse ano, nem no mês de Black Friday conseguiu superar o PS4 em vendas.

    Não digo que tudo isso é uma pena, mas é uma lição que a Microsoft, agora com Phil Spencer mandando na divisão do Xbox, aprendeu, ao que tudo indica. O investimento deve ser focado em jogos, o Xbox é um aparelho de jogos, a Microsoft tem que vender é o seu WINDOWS como plataforma de rodar tudo o que você quiser, INCLUSIVE jogos. O Xbox deve ser vendido como uma plataforma para rodar jogos, mas TAMBÉM poder assistir suas séries favoritas.

    Faço essa análise sem querer gerar flame nem nada. Vejo vocês com problemas de update e fico puto da vida, se fosse comigo eu ia estar querendo morrer. Comigo nunca aconteceu, mas é um problema gravíssimo e que, pelo visto, a Microsoft não conseguiu resolver com simples updates até agora, e, com o passar do tempo, acho que não vai conseguir e se bobear fará um recall dos aparelhos, como foi com os 3RL das antigas placas do Xbox 360.

    Torço para o próximo Xbox, porque para o One, de nada adianta torcer... ele já cavou sua cova, e agora vai tentar correr atrás lançando jogos e comprando exclusividades temporárias, nem que seja de DLCs.

    O Xbox One nasceu e morreu. E depois de morrer, ele tentou continuar na luta. É como um zumbi cibernético, que tenta, com remendos, consertar um erro irreparável chamado Don Mattrick.

    Halo 5: Guardians

    Plataforma: Xbox One
    779 Jogadores
    164 Check-ins

    84
    • Micro picture
      lica · 3 anos atrás · 10 pontos

      Concordo plenamente com você e acho louvável a sua postura de fazer uma análise sensata, diferente de muita coisa que vemos por aí. Ser fã é diferente de não se permitir análises mais profundas que admitam o óbvio. Aprendi isso muito cedo com a Sega, minha empresa do coração: por mais que gostemos de algo, precisamos reconhecer os erros e acertos. A própria MS já percebeu isso.
      Eu entendi que o One era bem legal quando adquiri um, mas ele foi o último que peguei dos três, justamente por esse foco em central multimídia, que sempre foi algo que nunca acreditei ou gostei. Sei que muitos fãs levantaram isso como ponto forte do lançamento, só ver os posts sobre o assunto no lançamento, mas não me convenceu.
      Comprei o console quando ele apresentou a possibilidade de escolha da opção com ou sem Kinect. Já tinha tido a experiência do Kinect no 360 e percebi que ele também não é para mim. Em um mês parei de usar e sei que o Kinect e suas funcionalidades no One, como comando de voz, não fazem sentido para mim. Isso foi outro ponto bom que podemos destacar.
      Outra coisa que me lembro ter pegado muito mal para mim foi a fala do Mattrick, quando questionado sobre a necessidade de conexão contínua, e ele respondeu que quem quiser jogar desconectado pode usar um produto MS também, o Xbox 360. Meu, isso pegou muito mal! Foi de extremo mal gosto e deselegante.
      Phil Spencer foi a literalmente a salvação do One. Focou em jogos, é um fofo lindo XD, tem muito cuidado nas relações com a imprensa (vide no evento pré-BGS aqui no Brasil que ele foi além da conta) e busca ouvir os consumidores.
      É um excelente console com excelentes serviços e jogos que estão chamando bastante a atenção, diferente do perfil Shooter que a empresa tinha, por isso me interessam muito mais agora.
      Bom, sorte que a MS tem grana para subsidiar jogos (é nítido isso pelo valor que eles chegam em pouco tempo), negociar exclusividades e buscar alternativas, mas de fato seu tempo se foi.
      Isso não é só uma lição para a MS, mas uma lição para todas as empresas de games. Espero que elas aprendam! ;)

      4 respostas
    • Micro picture
      zir0 · 3 anos atrás · 3 pontos

      pra min o microssoft sempre foi uma oferta + barata de entretenimento multplataforma com online + apurado, mas pro meu caso necessito de jogos japoneses ( e não adianta falar de ff e KH 3, pq pra min jogo japoneses e muito mais que isso) então o one tem um desfalque ai, mas comparado o que era em 2013 ta muito mais vivo que parece, e pode ser mais que isso sim , mas pra eles ta tudo bem tem tudo que o mercado americano quer e sempre foi isso q procurou desde o primeiro

      2 respostas
    • Micro picture
      juninhonash · 3 anos atrás · 3 pontos

      É por essas e outras que eu NUNCA compro console antes de pelo menos uns 4 anos, o One começou realmente muito bem, me identifico atualmente muito mais com ele do que com o PS4 mas a verdade é que pouco a pouco ele ta perdendo o impacto na indústria e mesmo a Sony com MUITA coisa que me incomoda pra caralho (remasterizar jogo de menos de 1 ano, emular jogo de PS2 a preço absurdo, conexão muito da ruim ao menos por aqui na região onde moro, interface péssima e por aí vai), ela acabou se dando praticamente 100% melhor por causa do câncer absurdo que foi o Don Mettrick.

      Quando eu vi os dois naquela conferência (PS4 e One), eu fiquei puto, vi muito caixista que antes tinha argumento sobrando idolatrar a ideia do online obrigatório (e principalmente dos jogos físicos não serem possíveis de venda) e muitos nem jogavam tanto online assim, é totalmente absurdo, quando consertaram isso, minha visão do One mudou e eu passei a ter um respeito muito grande por ele por causa da Microsoft e a política limpa dela ao lado do Phill Spencer ainda mais agora liberando retrocompatibilidade.

      Mas pelo jeito a coisa ainda não vingou e nem vai pelo visto, os números batem forte, a venda dele não ta crescendo como deveria, Phill Spencer pode ajudar mas não faz milagre, enquanto a Sony continua boa das pernas única e exclusivamente por conta do Don, que parece mais ter sido funcionário dela que da própria Microsoft.

      Honestamente, fui de PC na geração, não acho válido comprar console por conta de poucos jogos exclusivos (no momento só me interesso por Gears 4 e Sunset Overdrive do One e Bloodborne e Horizon do PS4) então quando o número de um deles aumentar e o preço colaborar, talvez eu cogite a compra de um deles, mas no momento não. Mas é triste ver todo o esforço da Microsoft provavelmente ser revertido somente numa lição e não em números de vendas e jogos, etc.

  • jogadorpensante Jogador Pensante
    2015-12-11 13:12:13 -0200 Thumb picture
  • jogadorpensante Jogador Pensante
    2015-12-02 10:01:17 -0200 Thumb picture
  • papm22 Galard Malvic
    2015-11-19 02:44:58 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    O jogo do ano de 2015: opiniões

    Medium 3199064 featured image

    Salve galera! Aqui é o Galard com mais um artigo para vocês. Não um artigo qualquer, mas um bem especial para mim. Sobre o jogo do ano de 2015. Assim como qualquer jogador, também fico na expectativa sobre qual será o melhor dos melhores, e quais serão os jogos a se investir mais um tempo e dinheiro! 

    Sem mais,  farei da seguinte forma: usarei como base as categorias do TGA 2015 - http://thegameawards.com/nominees/ -  e comentarei qual eu acho que vá ganhar, qual a minha escolha, se algum outro poderia ter entrado e o motivo de cada uma das minhas escolhas. 

    Como um único adendo, também indico o http://gotypicks.blogspot.com.br/ . Esse blog faz uma listagem anual com todos os "gotys absolutos", uma vez que o prêmio feito pela SPIKE TV não é a única premiação no mercado dos games. Contudo, tenho de reconhecer que é a mais completa e influente, apesar de ter algumas ressalvas.

    Vamos lá ...


    Melhor Jogo Independente:

    Axiom Verge (Tom Happ)
    Her Story (Sam Barlow)
    Ori and the Blind Forest (Moon Studios)
    Rocket League (Psyonix)
    Undertale (tobyfox)

    Quem eu acho que vai ganhar: Ori and the Blind Forest. É dentro dos indicados o jogo mais completo, com gráficos, trilha sonora, história emocionante e cativante, jogabilidade, fator replay de primeiríssima qualidade.

    Meu candidato: Undertale. Para começar, ele é diferente (um RPG baseado nos JRPGs antigos onde vc não precisa matar ninguém). Foi feito na raça através de um crowdfunding que deu certo. E foi feito só por uma só pessoa! Alem de ser um jogo homenagem, também é inovador. eu aprecio muito isso. Obviamente eu tenho de citar pq não o Her Story ou o Axiom Verge, que também foram feitos da mesma forma. O Her Story resgata bastante aqueles Full Motion Video do antigo 3DO. Mas é simples demais e fica bem chato até. Não me agradou. E o Axiom Verge é um bom metroidvania ... assim como o Ori and the Blind Forest. Só que menos divertido. Em relação ao Rocket League e Ori, o 1º eu achei inovador, porém muito enjoativo também e o 2º foi publicado pela Microsoft, que inclusive contribuiu na produção dele com investimentos. Sem falar que a Moon Studios não é uma empresa pequena, já que conta com ex-integrantes da Blizzard. Não consigo nem chamá-lo de independente ...

    Análise de Undertale:  

    Melhor Jogo para Mobile/Portátil
    Downwell (Moppin/Devolver Digital)
    Fallout Shelter (Bethesda Game Studios | Behaviour Interactive/Bethesda Softworks)
    Lara Croft GO (Square Enix Montreal/Square Enix)
    Monster Hunter 4: Ultimate (Capcom)
    Pac-Man 256 (Hipster Whale/Bandai Namco Entertainment)

    Quem eu acho que vai ganhar: Monster Hunter 4: Ultimate. O jogo é um fenômeno no Japão, foi muito bem recebido no ocidente, alem de ser o mais massivo e completo. E eu concordo com isso, também escolho ele.


    Melhor Roteiro

    Her Story (Sam Barlow)
    Life is Strange (Dontnod Entertainment/Square Enix)
    Tales from the Borderlands (Telltale Games)
    The Witcher 3: Wild Hunt (CD Projekt Red/Warner Bros Interactive Entertainment)
    Until Dawn (Supermassive Games/Sony Computer Entertainment)

    Quem eu acho que vai ganhar: Tales from the Borderlands. A Telltale Games não brinca em serviço quando o assunto é roteiro e esse jogo continua com o padrão definido pela empresa. A crítica o adorou por causa do roteiro e como muitos dos votantes do TGA são redatores, avaliadores, jornalistas especializados em games, acho que vão levar isso em consideração.

    Meu candidato: The Witcher 3: Wild Hunt. Por quê? Simples, é o único dos indicados que cada coisinha, cada detalhe tem a sua própria história tornando cada side mission única e nem um pouco discartável. The Witcher 3 não tem uma história como os demais candidatos. Tem milhares. E elas são muito bem contadas. Me lembra um pouco o Skyrim neste quesito, inclusive.

    Melhor Trilha Sonora
    Fallout 4 (Bethesda Games Studios/Bethesda Softworks)
    Halo 5: Guardians (343 Industries/Microsoft Studios)
    Metal Gear Solid V: The Phantom Pain (Kojima Productions/Konami)
    Ori and the Blind Forest (Moon Studios/Microsoft Studios)
    The Witcher 3: Wild Hunt (CD Projekt Red/Warner Bros Interactive Entertainment)

    Quem eu acho que vai ganhar: Halo 5. É o costume da Spike premiar Halo nessa categoria e não acho que irão mudar.

    Meu candidato: Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Essa era a única categoria que eu pensei em colocar um legítimo "qualquer um deles" já que não tem candidato fraco. Aliás, só tem obra-prima! Escolhi o The Phanton Pain por ser o jogo mais equilibrado nesse quesito, por ter tanto uma trilha sonora original memorável e emocionante quanto a trilha sonora licenciada impecável, com uma ótima escolha de músicas que te fazem viver o melhor do auge musical da década de 1980. 

    OBS: o Fallout 4 faz a mesma coisa, só que eu achei a do MGS V melhor, por ter me agradado mais.

    Melhor Atuação
    Ashly Burch as Chloe Price (Life is Strange)
    Camilla Luddington as Lara Croft (Rise of the Tomb Raider)
    Doug Cockle as Geralt of Rivia (The Witcher 3: Wild Hunt)
    Mark Hamill as The Joker (Batman: Arkham Knight)

    Quem eu acho que vai ganhar: Mark Hamill as The Joker . Figura carimbada, sempre vence e não vai ser diferente. E ele é realmente muito bom mesmo.

    Minha candidata: Ashly Burch as Chloe Price. Fez um trabalho impecável como a Chloe, tão bom quanto o do eterno Luke. Escolhi ela por ser uma dubladora muito boa e em ascensão. Simplesmente adorei o trabalho dela como a Tiny Tina no Borderlands 2 (melhor personagem da série inteira!) e continuo adorando o trabalho dela. 

    Games for Change
    Cibele (Nina Freeman)
    Her Story (Sam Barlow)
    Life is Strange (Dontnod Entertainment/Square Enix)
    Sunset (Tale of Tales)
    Undertale (tobyfox)

    Quem eu acho que vai ganhar: Life is Stange. É o jogo mais aclamado pela crítica e melhor produzido. Isso vai pesar na votação.

    Meu candidato: Undertale. Por tudo aquilo que disse acima. Eu realmente não gostei do Cibele, me pareceu estranho e banal demais e o Sunset não me agradou na gameplay, que me lembrou um pouco o Gone Home, só que pior. 

    Melhor Jogo de Tiro
    Call of Duty: Black Ops 3 (Treyarch/Activision)
    Destiny: The Taken King (Bungie/Activision)
    Halo 5: Guardian (343 Industries/Microsoft Studios)
    Splatoon (Nintendo)
    Star Wars: Battlefront (DICE/Eletronic Arts)

    Quem eu acho que vai ganhar: Destiny: The Taken King. Apesar de ser uma DLC, eles finalmente cumpriram tudo (ou quase tudo) o que prometeram ano passado para o Destiny, revitalizando o jogo e trazendo mais jogadores. Isso sem falar na melhoria gráfica, de gameplay (que já eram excepcionais e só ficaram melhores!) e na história. Ela finalmente ficou boa! Não é a melhor do mundo, mas ficou muito bacana.

    Meu candidato: Splatoon. De longe é o mais inovador dos candidatos. E isso é muito importante para a indústria. Ou ela vai cair na mesmice sempre. Alem disso, o jogo faz um excelente uso do split screen e do gamepad. Um ótimo exclusivo do Wii U.

    OBS: eu realmente espero que um desses dois ganhe, já que CoD é uma série anual que mal inova, Halo não trouxe nada de novo, Battlefront é um Battlefield do Star Wars ...

    Melhor Jogo de Ação/Aventura
    Assassin's Creed Syndicate (Ubisoft Quebec/Ubisoft)
    Batman: Arkham Knight (Rocksteady/Warner Bros Interactive Entertainment)
    Metal Gear Solid V: The Phantom Pain (Kojima Productions/Konami)
    Ori and the Blind Forest (Moon Studios/Microsoft Studios)
    Rise of the Tomb Raider (Crystal Dynamic/Microsoft Studios)

    Quem eu acho que vai ganhar: Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Dentre os candidatos é o que tem disparado as melhores qualidades técnicas, alem de ser o jogo mais completo dentre os indicados. Tem as maiores médias e a mídia está ligada nisso, alem de ser o último jogo da série feito pelo Kojima. Tudo isso será levado em consideração e dificilmente outro jogo tira esse título dele. Ele também é o meu candidato, não só por tudo isso que eu já falei, mas também por causa de sua gameplay, que diferente do que dizem, não é nem um pouco repetitiva, já que ela te da a liberdade de fazer o que quiser. Inclusive te incentiva a repetir, o que só aumenta mais ainda a vida útil desse jogo, que é gigantesco! O meu único porém é quanto ao enredo, que está levemente disperso, destoando do resto dos games da série.

    Melhor RPG
    Bloodborne (FromSoftware / Sony Computer Entertainment)
    Fallout 4 (Bethesda Game Studios / Bethesda Softworks)
    Pillars of Eternity (Obsidian Entertainment / Paradox Interactive)
    The Witcher 3: Wild Hunt (CD Projekt Red / Warner Bros Interactive Entertainment)
    Undertale (tobyfox)

    Quem eu acho que vai ganhar: Fallout 4. Essa categoria vai funcionar da seguinte forma, um vai levar o goty e o outro o de melhor RPG. Nem preciso dizer qual é o outro ... E também não direi o meu candidato dessa vez, apenas vou concordar com o Fallout 4.

    Melhor Jogo de Luta
    Guilty Gear XRD - SIGN- (Arc System Works / Aksys Games)
    Mortal Kombat X (NetherRealm Studios / Warner Bros Interactive Entertainment)
    Rise of Incarnates (Bandai Namco Entertainment)
    Rising Thunder (Radiant Entertainment)

    Quem eu acho que vai ganhar: Mortal Kombat X. É o jogo melhor produzido, mais famoso, com melhores qualidades técnicas, etc. Como não joguei os outros, sigo o voto do relator nessa tb ...

    OBS: Entretanto, ressalto que o Guilty Gear tem uma força gigantesca no oriente. Mas como o TGA é uma premiação ocidental, isso vai pesar para o lado deles e eles não costumam premiar muitos jogos orientais.

    Melhor Jogo para Família
    Disney Infinity 3.0 (Avalanche Software/Disney Interactive Studios)
    LEGO Dimensions (Traveller's Tales / Warner Bros Interactive Entertainment)
    Skylanders: Superchargers (Vicarious Visions | Beenox Studios / Activision)
    Splatoon (Nintendo)
    Super Mario Maker (Nintendo)

    Quem eu acho que vai ganhar: Super Mario Maker. Aqui é sempre a Nintendo e isso não vai mudar. Como o Super Mario Maker foi considerado o melhor jogo da Nintendo esse ano, isso deve pesar na escolha dos votantes.

    Meu candidato: Splatoon. Não é um jogo para a família? Acho mais divertido um multiplayer local com o titio, o priminho catarrento do que eles enchendo meu saco por acharem muito chato só ficar me vendo criar umas fases para um tal de Mario ai ...

    Melhor Jogo de Corrida/Esportes
    FIFA 16 (EA Canada/EA Sports)
    Forza Motorsport (Turn 10 Studios/Microsoft Studios)
    Rocket League (Psyonix)
    NBA 2K16 (Visual Concepts/2K Sports)
    Pro Evolution Soccer 2016 (PES Productions / Konami)

    Quem eu acho que vai ganhar: NBA 2K16. Competição americana, eles são nacionalistas e o basquete é a paixão nacional deles enquanto que a nossa é o futebol. Coerente e injusto.

    Meu candidato: Rocket League. Não é o melhor jogo de "Corrida/Esportes"? Quer algo que defina mais essa frase do que carros jogando futebol???? Alem do mais, foi o jogo mais inovador também.

    Melhor Experiência Online
    Call of Duty: Black Ops 3 (Treyarch / Activision)
    Destiny: The Taken King (Bungie / Activision)
    Halo 5: Guardians (343 Industries / Microsoft Studios)
    Rocket League (Psyonix)
    Splatoon (Nintendo)

    Quem eu acho que vai ganhar: Destiny: The Taken King. É o multiplayer mais jogado, que recebe mais investimentos e blá blá blá... Mesmo motivo do melhor shooter. 

    Meu candidato: Splatoon ou Rocket League. São os mais divertidos e inovadores.

    Melhor Direção de Arte
    Batman: Arkham Knight (Rocksteady Studios / Warner Bros Interactive Entertainment)
    Bloodborne (FromSoftware / Sony Computer Entertainment)
    Metal Gear Solid V: The Phantom Pain (Kojima Productions / Konami)
    Ori and the Blind Forest (Moon Studios / Microsoft Studios)
    The Witcher 3: Wild Hunt (CD Projekt Red / Warner Bros Interactive Entertainment)

    Quem eu acho que vai ganhar: Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Por tudo o que eu disse acima sobre ele e também pela genialidade do Kojima em alguns itens, seus aliados e por te deixar criar um pouquinho do mundo também com a sua mother base. Não ficarei irritado se ele ganhar esse prêmio.

    Meu candidato: Ori and the Blind Forest. Esse jogo é A definição de arte neste ano. Tudo nele é artístico, trilha sonora, enredo e principalmente seu level design "metroidvânio". Colorido, cheio de detalhes e efeitos e meticulosamente bem pensado nos desafios.  

    OBS: Ori então é melhor que o Metal Gear Solid V nesse sentido? Por pouquíssima coisa, só por ser um jogo mais artístico mesmo. Qualquer um dos dois que ganhe estou muito satisfeito.

    Jogo Mais Esperado
    Horizon Zero Dawn (Guerrilla Games / Sony Computer Entertainment)
    No Man's Sky (Hello Games)
    Quantum Break (Remedy Entertainment / Microsoft Studios)
    The Last Guardian (GenDesign/ Sony Computer Entertainment Play Trailer)
    Uncharted 4: A Thief's End (Naughty Dog/SCEA)

    Meu candidato: No Man's Sky. Aqui por ser voto popular não vou dizer quem eu acho que vai ganhar, só em quem votei. É o jogo mais hypado dos 5 e isso vai pesar no voto popular. Eu ia votar no The Last Guardian, mas como não aguento mais esperar, eu já desisti de tanto votar nele ano após ano ...

    OBS: não votei e nem me interesso pelas outras categorias do voto popular. São só babação de ovo para um bando de gente chata. Nunca votei e não vou mudar de ideia agora.

    Desenvolvedora do Ano
    Bethesda Game Studios
    CD Projekt Red
    FromSoftware
    Kojima Productions
    Nintendo

    Quem eu acho que vai ganhar: CD Projekt Red. E desde já aviso: é a categoria pela qual mais estou torcendo. Por vários fatores:

    1º é uma empresa europeia. E do leste europeu! Ela veio do zero, com poucos recursos, de um lugar de pouquíssima visibilidade na área, enfrentou um mercado consolidado e dominante, entregando um produto praticamente impecável sobre algo da cultura deles! É esse tipo de trabalho que ainda me dá esperanças de ver um game brasileiro estampando uma posição semelhante. Eles acreditaram no sucesso do trabalho deles e fizeram uma obra-prima.

    2ª eles ouvem o consumidor. Basta ir no fórum deles  - http://forums.cdprojektred.com/forums/174-Tech-Sup... - e ver o quão rápido será respondido. Excelente suporte técnico!

    3º eles valorizam o consumidor. De várias formas: seja produzindo expansões (sim! Eu me recuso a chamar a Hearts of Stone de DLC pela ótima aquisição de horas de gameplay), agradecendo aos consumidores - http://www.internerdz.com.br/2015/06/09/the-witche... -, distribuindo muitas DLCs gratuitas e entregando brindes fantásticos - http://games.tecmundo.com.br/noticias/copias-fisic... - como mapa, cd de trilha sonora etc.

    4º o produto final é impecável e memorável. Só por isso já merecia o prêmio!

    Acho que depois dessa nem preciso mencionar quem é meu candidato nessa categoria ...

    Jogo do Ano
    The Witcher 3: Wild Hunt (CD Projekt Red)
    Fallout 4 (Bethesda Game Studios/Softworks)
    Metal Gear Solid V: The Phantom Pain (Kojima Productions/Konami)
    Super Mario Maker (Nintendo)
    Bloodborne (FromSoftware/Sony Computer Entertainment)

    Quem eu acho que vai ganhar e que também é o meu candidato. Aqui só tem casca grossa e todos merecem o prêmio. Qualquer um que ganhe eu não me incomodarei. Vou explicar os motivos da minha escolha falando sobre cada jogo em específico. Na ordem do "menos melhor" ao "melhor jogo da nova geração até então".

    5º Bloodborne: apesar de ser muito bom, com jogabilidade perfeita, design e etc. ele ainda é um jogo para um público específico. E o jogo do ano não deve ser para um nicho determinado. Sem falar que ele não difere muito dos jogos da série Souls, mas difere.

    4º Super Mario Maker:  inovador e estimula a criatividade. Por não ser um jogo tão convencional, quase que uma engine, ele também não é eclético atendendo a uma demanda determinada. 

    3º Fallout 4:  jogo muito eclético, imersivo, gigantesco, divertido, mas pecou por não inovar tanto quanto e pelos já conhecidos bugs da bugsheda. Não é que não tenha força para ganhar, só que os outros dois candidatos fizeram isso melhor. Contudo, para mim, é o jogo mais divertido do ano! Adorei explorar a wastland, modificar armas, criar abrigos, fuçar cada cantinho atrás de qualquer lixo ... 

    2º Metal Gear Solid V: The Phantom Pain: sabe o que falei acima sobre o Fallout 4? Agora retire os bugs e o problema da inovação e temos o The Phantom Pain! Como eu disse antes, o jogo está tecnicamente impecável (inclusive na velha geração que teve um downgrade bem baixo) com a melhor gameplay do ano! O único pecado? A sua história, que é visivelmente inferior aos demais da série. E que não deixa de ser excelente! Candidato fortíssimo! 

    1ºThe Witcher 3: Wild Hunt: É o jogo mais completo e memorável dentre os 5 candidatos também completos e memoráveis! Não peca em nada. É cativante, lindíssimo, muito imersivo, divertido, eclético, dinâmico, com a melhor história do ano, longa e excelente gameplay que não enjoa. Junte isso ao melhor suporte que já vi para um jogo e tenho a minha difícil escolha. The Witcher 3: Wild Hunt é um trabalho primoroso que demonstra o quão longe podemos chegar com muito trabalho e um sonho a ser realizado. Coloco este jogo no mesmo patamar (talvez acima da maioria) dos gotys dos anos anteriores. Foi massivo e  imersivo igual ao Fallout 3, Oblivion e Skyrim. História envolvente como Bioshock, Uncharted 2, The Walking Dead. Emocionante como Red Dead Redemption e The Last of Us. Sem falar que superou o Dragon Age Inquisition, goty de 2014, em todos os quesitos. Por essas razões ele é o meu escolhido para Game of The Year de 2015.

    E as opiniões de vocês? Qual jogo se encaixa em cada categoria? Qual o GOTY de 2015 para vocês? Opinem ai embaixo com educação e respeito.  

    Galard se despedindo, um abraço para todos!

    Fallout 4

    Plataforma: PC
    320 Jogadores
    222 Check-ins

    35
    • Micro picture
      matheusps92 · mais de 3 anos atrás · 3 pontos

      Acho que Life is Strange leva fácil em todas as categorias em que foi indicado e torço muito por Splatoon como melhor shooter. E convenhamos, seria espetacular se Mario Maker levasse como o jogo do ano =P

      1 resposta
    • Micro picture
      tierry · mais de 3 anos atrás · 2 pontos

      Excelente postagem, parabéns :D
      Dos candidatos ao GOTY eu só joguei o MGSV, então não dá pra dizer qual foi o melhor do ano pra mim, mas acredito que o The Witcher vai ganhar o prêmio.

      1 resposta
    • Micro picture
      zir0 · mais de 3 anos atrás · 2 pontos

      mario maker soa tao fora de contesto no meio dessas imagens cinzas e sombrias xD

      1 resposta
  • netobtu João Paulo Bonome Neto
    2015-11-17 15:07:23 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Franquias antigas esquecidas que deveriam ganhar uma repaginada

    Amigos, estava aqui pensando em jogos esquecidos, franquias que estão no limbo e como poderiam ser refeitas hoje... pensei em duas:

    Uma delas é Pitfall!. É da Activision, mas está no limbo. Pitfall! é um dos ícones dos videogames da época do Atari, e no Super Nintendo/Genesis/Saturno/PC/Ummontedeoutroconsole virou um jogo excelente de aventura e plataforma, com ambientes lindos e atmosféricos da selva americana. Depois teve um Pitfall 3D que ninguém liga e também um do PS2 que era cartoonesco, e ninguém ligou também. Seria bom resgatar o clima do jogo na geração 16 bits e fazer o jogo em 3D com tiroteio, caçadas... nesse jogo, com subtítulo The Mayan Adventure, o personagem enfrenta animais pela floresta, e daria pra inserir outros inimigos humanos e tem até uns inimigos mitológicos pela selva e templos (como havia no The Mayan Adventure), pra possibilitar um tiroteio, tipo uma civilização antiga com poder de fogo por lá e tal... e usa um monte de gadgets fodas, como bombas, boomerangues... dava pra fazer um jogo muito bom com alto valor de produção, arte excelente, músicas cheias de batuques pra dar o tchan pra atmosfera de floresta... Poderia ser tipo um Far Cry em terceira pessoa, mas com uma atmosfera mais pesada, só um pouco a mais do que um Uncharted, e um pouco menos do que Tomb Raider (novos). Aqui um pouco do Pitfall!:

    A outra já iria requerer uma reformulação: Carmen Sandiego. Quem lembra desse jogo no DOS e SNES? Especialmente o WHERE IN THE WORLD IS CARMEN SANDIEGO?... o jogo se baseava em investigar os lugares onde Carmen tinha roubado algo e ir seguindo as pistas pelo mundo, mas só entrevistando o pessoal na rua e resolvendo os puzzles que eles falavam, tudo isso em uma tela bem simples, o jogo era só de clicar e digitar palavras. Aí a reimaginação da série eu acho que ficaria fantástica. Você seria um detetive atrás da Carmen e de outros bandidos (no jogo antigo você ia atrás não só da Carmen, mas de vários, de acordo com as informações dadas, você tinha que colocar elas em um computador e obter um mandato de prisão, e não podia errar), ao redor do mundo. O jogo envolveria investigação (com bastante exploração pelo local do crime e por onde o bandido iria passando), questionários a testemunhas (podia ser baseado no que vemos em L.A. Noire) e bastante tiroteio nesse meio tempo. Acho que tem chance pra ser um jogo com cenários maravilhosos e variados, e o gameplay seria bem diversificado, mas, se bem feito, tudo poderia sair bem, e não só um monte de feature fraca. Essa série como videogame está no limbo, tem desenho, mas acho que também já era, nem sei quem é dona disso. Vídeo do jogo clássico (tem vários):

    E aí amigos, quais séries antigas poderiam ser reimaginadas pros dias de hoje? O que acharam do que eu falei?

    Pitfall: The Mayan Adventure

    Plataforma: SNES
    1260 Jogadores
    5 Check-ins

    30
    • Micro picture
      slashgoodboy · mais de 3 anos atrás · 2 pontos

      WHERE IN THE WORLD IS CARMEN SANDIEGO?
      Jogo fantástico! Meu primeiro game que joguei no PC.
      Com certeza seria uma boa uma nova versão desse jogo. Seria uma compra certa pra mim.

      1 resposta
    • Micro picture
      sergiotecnico · mais de 3 anos atrás · 2 pontos

      Cara... que saudade desse Pitfall... joguei demais nos Windows de antigamente...

      1 resposta
    • Micro picture
      netobtu · mais de 3 anos atrás · 2 pontos

      Valeu pelos comentários, galera!

      Um empecilho que lembrei agora: Carmen Sandiego é um jogo EDUCACIONAL! Não sei se estariam dispostos a deixar o jogo ter morte, explosões e etc :P mas como é só um pensamento, tá autorizado ahuauha

  • netobtu João Paulo Bonome Neto
    2015-11-11 20:01:24 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Jogador Mimado

    Medium 3194421 featured image

    Se levarmos a palavra videogame ao pé da letra e a dividirmos em seus dois componentes, temos vídeo e jogo. Vamos deixar nesse artigo um pouquinho do design de jogos de lado e falar sobre o componente de vídeo, ou seja, os visuais.

    Estamos em uma época de intensa “guerra de consoles”. É só olhar pela internet: grupos de discussão se dividem em cinco: aqueles que preferem o Playstation, aqueles que preferem o Xbox, aqueles que preferem o Wii U, aqueles que preferem o PC e aqueles que não têm preferência fervorosa, e jogam em qualquer lugar.

    Guerra de consoles não é algo novo. Ela vem desde lá o final dos anos 80, com a disputa entre Sega e Nintendo, basicamente. Quem não se lembra, pode procurar aí, que até as próprias empresas duelavam em publicidade. A Sega respondia a líder Nintendo com termos como Blast Processing e tinha um slogan de “Sega does what Nintendon’t” (“Sega faz o que a Nintendo não faz”). Ali já tínhamos os istas se formando. Só que havia um motivo um pouco diferente para essa guerra: os consoles eram muito diferentes. Nem falo de poderio, porque se equiparavam, com um se sobressaindo de um lado, e o outro de outro. Falo mais dos jogos mesmo, até mesmo os multiplataformas eram diferentes. Eram dois consoles muito distintos! Pegue as versões de Aladdin para ambos os consoles e verá, e esse é só um dos casos.

    Hoje temos praticamente a mesma guerra, mas que é lutada com armas diferentes: primariamente, fala-se de exclusivos, tanto em quantidade quanto em qualidade. Se determinado console está perdendo a guerra, logo surge um soldado (conhecido como ista) bradando que este console pode estar perdendo agora, mas tem um futuro promissor, ou lançou um jogo com uma nota maior do que os exclusivos do outro console no Metacritic (site que agrega análises da imprensa e de jogadores comuns). Depois, vem discussão sobre gráficos, ou seja, visuais.

    Não é novidade, isso vem desde, pelo menos, a época do Playstation 2, Xbox e Game Cube. A concorrência estreitando cada vez mais, a entrada de uma nova empresa no ramo, jogos que eram mais bonitos em um console do que nos outros, tudo isso deixava a coisa mais incendiada.

    E aí chegamos a hoje, com análises intrincadas da DigitalFoundry (e de outros canais do Youtube e sites) sobre a performance e os visuais. Um dos maiores lançamentos do ano, Fallout 4, veio com gráficos, digamos, modestos para a geração, e com graves problemas de performance em todas as plataformas, até mesmo no poderoso PC, que normalmente roda os jogos da Bethesda com os pés nas costas, enquanto os consoles sempre sofreram com uma otimização ruim por parte da empresa.

    E aí, para onde olhamos, vemos dois extremos na briga: de um lado, um grupo que insiste que gráficos não importam, e nem mesmo alguns problemas de performance, o que importa é a diversão; do outro, um grupo que insiste que gráficos ruins torna o jogo ruim também, e que alguns problemas de performance são a morte do jogo.

    Será que é assim mesmo a coisa? Para qual lado devemos pender?

    O avanço da informação pela internet traz mais sabichões para todos os meios. Política, negócios, economia, filmes e até mesmo os videogames. Lembrem-se de que essa área é povoada por pessoas que gostam de se aprofundar no assunto, mas que às vezes acabam ficando muito, mas muito chatas. Eu mesmo me acho um cara chato com videogames. Seja pela idade, ou por escrever artigos e análises, acabei virando um cara que se diverte mais jogando uma segunda vez do que a primeira, onde minha cabeça fica analisando cada canto da coisa que está acontecendo. Vira burocracia, e justamente aí que temos que ficar atentos.

    Lembram-se de que citei a DigitalFoundry? Pois é, esses vídeos são usados por todos os lados dessa guerra de console para afirmarem alguma coisa. “Veja só, o Fallout 4 chega a 0 FPS em determinados pontos do jogo, injogável!”, ao passo em que a defesa vem a galope “Mas no PS4 fica a 23 FPS nos tiroteios, veja no vídeo, prefiro o jogo dar engasgos em determinada parte do que rodando feito uma apresentação de slides na hora de dar tiro!”. Pior ainda quando chega um pessoal falando “mas você viu ali as sombras não renderizaram”, “o HBAO+ está ausente em determinada cena”, “as nuvens parecem de algodão”… meu Deus, por que estamos assim tão chatos e críticos? Será que é impossível nos divertirmos? O 0 fps acontece ocasionalmente, em momentos em que o jogo está renderizando, os 23 fps não acontecem em todo tiroteio… mas esses vídeos querem justamente isso: que você discuta, à exaustão, os aspectos técnicos, que espalhe ele para seus amigos, para que ganhe mais e mais visualizações. Claro que essas coisas merecem críticas para a desenvolvedora produzir patches e, se possível, não lançar um futuro jogo com tais problemas, mas estou vendo algumas pessoas reduzirem o jogo a basicamente isso em suas discussões, desde que tal vídeo da DigitalFoundry foi lançado. E não é algo exclusivo de Fallout 4, ocorre com basicamente qualquer jogo.

    Veja bem, eu acho o trabalho da DigitalFoundry muito, mas muito importante e sério, e também acho o agregador Metacritic excelente para nos dar uma boa base das notas e vereditos das análises . Só que eles são usados de uma maneira muito boba pelos jogadores. Mas aí, para coroar a discussão, vai ter um que vai chegar e dizer “mas que burrice, jogavamos com gráficos pixelados no NES e vocês reclamando de gráfico?”. E esse é o outro extremo que queria mostrar: isso de achar que reclamar de gráficos é uma bobagem completa, só porque há 30 anos jogávamos em 8 bits, e hoje os PCs já chegam a resoluções 4K.

    O videogame, como qualquer outra tecnologia, evolui. Se não tivéssemos evolução gráfica, provavelmente não conseguiríamos várias inovações para o gameplay. O advento do 3D, por exemplo, é uma evolução gráfica, e mudou nossa maneira de jogar completamente. Com maiores resoluções e poder de hardware nos consoles e PCs, podemos enxergar mais longe nos jogos, subir alturas inimagináveis e continuar enxergando o chão… portanto, o outro extremo é ainda mais tolo: não é porque há 30 anos jogávamos NES que hoje é proibido criticar os visuais de um jogo da oitava geração de consoles.

    Essa era de extremos está acirrada e estamos cada vez mais enjoados e mimados por esses sites que sensacionalizam ou que, ao menos, botam lenha na fogueira nessa guerra de consoles. Temos cada vez mais acesso à informação, e ela nos consome de uma maneira que regurgitamos de volta tudo o que lemos por puro despeito. Temos pessoas que comemoram quando um jogo multiplataforma não roda bem em um console fora de sua preferência. Será que estamos doentes? Por que iríamos querer que um jogo rode mal no console que nossos amigos e parentes têm? Que ideia! E nem estou falando de pessoas que fazem isso na brincadeira, tem gente que leva isso tão a sério que é lamentável.

    Estamos mimados, verdade seja dita. Pelos sites, por desenvolvedores, pelos nossos consoles. No fim das contas, é claro que os gráficos importam, porque são parte da evolução natural da tecnologia, mas são eles tão importantes ao ponto de vermos indivíduos desistindo de jogar determinado jogo porque ele aparentemente não está nos altos padrões estabelecidos pela pessoa? No fim, a diversão e o gameplay são o que mais importam? Sim, com toda certeza, mas um pouco de senso crítico é necessário para ver que os gráficos importam, mas devemos ser um bom tanto menos críticos para conseguirmos ver que o jogo não é formado somente pelos seus visuais, também.

    Discutir performance, gráficos… tudo isso é super válido, mas quando nos tornamos um chatos, sem olhar para o jogo que está sendo traduzido por essas imagens… fica difícil sair alguma conversa realmente construtiva.

    Sejamos menos mimados. Eu sou um cara chato com videogames, mas tento, a todo custo, não ser, e curtir de boa tudo o que me surge. Deixe de lado essas avaliações técnicas que, no final das contas, 90% dos jogadores não entendem direito e que, sem as barrinhas e o computador que analisa cada imagem renderizada, de nada servem. Afinal, enquanto você reclama e ri, outro, que jogou e gostou, está jogando, se divertindo, zerando, pegando todos os trofeus e conquistas, jogando online… quem será que é o mais esperto daí?

    (teve gente que perdeu um jogão porque achou os gráficos ultrapassados em Dishonored)

    Comente também em nosso site:

    http://jogadorpensante.com/2015/11/11/consciencia-gamer-jogador-mimado/

    Fallout 4

    Plataforma: Playstation 4
    674 Jogadores
    289 Check-ins

    56
    • Micro picture
      firerockbird · mais de 3 anos atrás · 4 pontos

      guerra de fanboys é a maior perda de tempo que existe,ao invés de aprenderem a respeitar a plataforma do outro,ficam desperdiçando seu tempo com ofensas e xingamentos,no final das contas,essa guerra só é entre eles,pois tenho visto muito que as empresas se respeitam sem falsidade,e então,se empresas diferentes se respeitam,porque uma caralhada de manés que fazem briguinhas sem rumo também não.

    • Micro picture
      juninhonash · mais de 3 anos atrás · 3 pontos

      Concordo em gênero, número e grau.

      Na boa, não ligo se o gráfico é feio e se tem quedas assim e assado, se mudou demais ou repetiu a fórmula. Desde que seja bom, ótimo.

      Tanto é, que eu só analiso o jogo depois que eu termino, eu NUNCA tento ser "imparcial" ou seguir padrões de notas, eu pego e escrevo e dou nota com base no feeling que eu senti sem ser técnico demais justamente pra evitar esse tipo de "chatice" para comigo mesmo.

      5 respostas
    • Micro picture
      fpsdungeon · mais de 3 anos atrás · 3 pontos

      Tem um ditado que diz que "quem se define se limita" e é exatamente isso que eu acho de quem fica defendendo plataforma X ou Y. Todas tem vantagens e desvantagens, as pessoas tem que aprender isso de forma saudável. Eu e boa parte dos meus amigos aqui da cidade praticamente sempre tivemos um console na sala e um PC no quarto, então isso foi muito bom pra gente porque conseguimos apontar o lado bom e ruim de um ou outro e até fazer piadas sem nem ligar. Essas empresas tão cagando pra guerrinha dos istas. Ficam jogando dinheiro pro alto e rindo da cara deles, porque é isso que elas querem e o pessoal cai que nem patinho.

  • netobtu João Paulo Bonome Neto
    2015-11-03 22:39:50 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Nova Persona: criticas!

    Pessoal, acabo de criar uma nova persona com o intuito de agregar e divulgar conteúdo de análises, artigos e críticas dos membros da rede, para que ganhem mais visibilidade e dar mais prestígio a quem ainda tem o hábito de escrever!

    Sigam a persona: http://alvanista.com/criticas

    E não se esqueçam de sempre marcá-la quando quiser divulgar algo que você escreveu! Pode ser até uma crítica postada no seu check-in, o texto de videogames que você publicou no seu site, a sua crítica que está na página do jogo... se tá escrito, tá valendo!

    23
    • Micro picture
      andrefonema · mais de 3 anos atrás · 2 pontos

      Qdo escrever te manda link, marca a persona?? como que faz? rsrsrs

      1 resposta
    • Micro picture
      netobtu · mais de 3 anos atrás · 1 ponto

      Gostaria de pedir ajuda a algumas personas grandes na divulgação, como a @xbox.

    • Micro picture
      hallison · mais de 3 anos atrás · 1 ponto

      Legal... muito boa sua ideia! :D

Continuar lendo &rarr; Reduzir &larr;
Carregando...