historia_dos_games

Revivendo a história dos games em ordem cronológica

Você não está seguindo historia_dos_games.

Siga-o para acompanhar suas atualizações.

Seguir

  • 2018-12-05 08:58:26 -0200 Thumb picture

    Combo#122 [Arcade] (1988): Super Contra & Bloody Wolf

    Após o grande sucesso nos Arcade do primeiro jogo do Contra, a Konami lança a sequência do Run ‘n’ gun, onde Bill e Lance devem salvar a Terra de mais uma invasão alienígena que se apoderou de alguns soldados humanos. O jogo segue o mesmo estilo de seu antecessor, porém, as etapas 3D foram substituídas por fases com visão de cima onde podemos andar e atirar em 8 direções. - A continuação do jogo se mostrou meio morna. A ação é boa, mas a dificuldade ficou bastante elevada, principalmente por causa do estilo gráfico adotado nas fases de ação lateral. Dá a impressão que é possível nos mover pelo eixo Y, mas isso acaba confundindo na hora acertar um inimigo ou desviar de um tiro.

    Nota pessoal: ★★☆☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     Sneak e Eagle são enviados a uma missão para resgatar o presidente e os prisioneiros de guerra que foram capturados pelas forças inimigas. O jogo segue o estilo Run ‘n’ gun, mas nossos personagens podem andar livremente pelo cenário. Ambos começam com uma metralhadora infinita e uma faca para combates próximos, mas ganham novas armas ou itens quando resgatam algum aliado preso. - Um jogo de tiro muito bonito e difícil. Quando junta um monte de inimigos na tela atirando ao mesmo tempo é muito difícil desviar devido a lerdeza do personagem, mas pelo menos tem uma barra de energia que deixa a coisa mais justa. Os gráficos do jogo são bastante realistas, com direito a sangue inimigo quando baleado.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Super Contra

    Plataforma: Arcade
    21 Jogadores

    33
    • Micro picture
      volstag · 3 meses atrás · 3 pontos

      Essa versão do contra tem seu charme, mas ainda prefiro a do Nes.
      Esse outro jogo eu tenho certeza que já joguei, mas talvez com outro nome, não tenho certeza.

      2 respostas
    • Micro picture
      porlock · 3 meses atrás · 2 pontos

      nao conhecia esse contra.

      1 resposta
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 3 meses atrás · 2 pontos

      Nunca ouvi falar...
      Bacana conhecê-lo aqui!

      3 respostas
  • 2018-12-03 08:52:26 -0200 Thumb picture

    #122 - N.A.R.C. [Arcade] 1988

     A Williams cria o primeiro jogo da história a usar um processador de 32 bits, bem como o primeiro jogo a utilizar gráficos digitalizados com cores. Max Force e Hit Man são enviados a missão de combater uma quadrilha de terroristas e traficantes de drogas. Cada um é equipado com uma metralhadora automática e um lança míssil e podemos matar todos os inimigos que aparecem pelo caminho ou então prendê-los. Foi o primeiro jogo a apresentar a ultra violência, com pessoas sendo decapitadas e explosões de sangue e tripas para tudo quanto é lado. Devido a isso, o jogo foi alvo de críticas, principalmente por utilizar pessoas reais digitalizadas dentro de um jogo tão violento.

     - Mais um jogo revolucionário para a sua época. Os gráficos do jogo são belíssimos, principalmente nos efeitos de explosões e pela enorme quantidade de inimigos na tela ao mesmo tempo. Há segmentos que podemos pegar um carro e sair atropelando todo mundo pelo caminho. Como é tradicional em jogos de Arcade, a dificuldade é bastante elevada, mesmo com 2 jogadores, pois vários inimigos atiram ao mesmo tempo mal te dá tempo para pensar. Tudo no jogo é muito frenético e violento, além disso, a cada fase, surgem novos tipos de inimigos com ataques diferente para deixar tudo ainda mais complexo e difícil.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    IMPORTANTE: Terei que diminuir a frequência de posts aqui na persona devido ao TCC que tenho fazer. Ao invés de ter post novo de segunda a sexta, agora teremos apenas segunda, quarta e sexta.

    NARC

    Plataforma: Arcade
    8 Jogadores
    1 Check-in

    45
    • Micro picture
      filipessoa · 3 meses atrás · 3 pontos

      Boa sorte no TCC!

      2 respostas
    • Micro picture
      manoelnsn · 3 meses atrás · 3 pontos

      Boa sorte no tcc, bro!

      1 resposta
    • Micro picture
      volstag · 3 meses atrás · 3 pontos

      A primeira vez que vi esse jogo foi num filme, que não lembro agora qual foi, mas era famoso, algum filme de gangues, tráficos de drogas e etc hahaha, e era tão rápido que aparecia, fiquei acho que alguns anos querendo poder jogar, infelizmente só consegui emulando mesmo muitos anos depois.
      Ahh, boa sorte com o TCC!!

      1 resposta
  • 2018-11-30 08:32:33 -0200 Thumb picture

    Combo#121 [MS-DOS] (1988): Battle Chess & King's Quest IV

    O primeiro jogo publicado e desenvolvido pela Interplay era inovar um dos estilos mais clássicos da história dos games: o xadrez. O jogo segue as mesmas regras do tabuleiro tradicional, porém, todas as peças são representadas por figuras humanas ou um golem de pedra, no caso da torre. Quando uma peça vence a outra, há uma animação de combate que deixava tudo mais interessante. Cada duelo contra uma peça diferente possuía uma animação única, totalizando 35 animações diferentes. - Um jogo de xadrez convencional, porém, com visual e animações que deixam a partida muito mais divertida. A IA é mediana, dando ao jogador de xadrez aquele gostinho da vitória, tão raro em jogos deste tipo.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     Após ser resgatada pelo seu irmão no jogo anterior, King’s Quest III, Rosella vê a morte de seu pai, o rei Graham, com um fulminante ataque cardíaco. Surge então a fada Genesta e teleporta Rosella para um mundo fantástico para que ela pegue uma fruta mágica capaz de salvar seu pai. Este foi o primeiro jogo de computador da história a contar com suporte a placas de som, bem como o seu primeiro adventure a trazer um novo interpretador e suporte a mouse, o SCI. - Mais um adventure da Sierra e seu interpretador de texto que deixa a coisa um pouco complicada. O visual do está muito mais detalhado que os outros jogos da série, além disso, há transição e dia e noite e jogo possui um contador de 24 horas, que dá mais urgência para terminar o jogo.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Battle Chess

    Plataforma: PC
    46 Jogadores

    41
  • 2018-11-29 08:32:23 -0200 Thumb picture

    #121 - Wasteland [MS-DOS] 1988

     Depois de 5 anos de desenvolvimento, a Electronic Arts lança um RPG com uma temática bem diferente do convencional. No ano de 2087, em uma Terra pós-apocalíptica devido a Guerra Nuclear de 1998, uma força remanescente nos EUA, os Desert Rangers (seu grupo) partem para pequenas missões. Aos poucos, é revelado que uma inteligência artificial planeja destruir toda a raça humana existente. Este foi o primeiro jogo a mostrar o conceito de mundo persistente, onde alterações no ambiente do jogo se mantém durante todo o seu progresso. Para economizar espaço no disquete, o jogo vinha com uma coleção impressa de parágrafos que davam dicas e ajudavam a explicar melhor a história. De quebra, ainda servia como um sistema antipirataria.

     - Um dos poucos jogos que explora o ambiente de futuro pós-apocalíptico. O visual é colorido e cheio de detalhes. A movimentação e as mecânicas em geral lembram os jogos da série Ultima, mas os combates são semelhantes ao jogo The Bard’s Tale. Um dos pontos mais interessantes são as armas que nossos personagens podem ficar equipados, que vão desde metralhadoras à facas. Podemos criar nossos personagens e atribuir a eles habilidades especiais, como destrancar uma porta ou lábia para que novos personagens possa entrar no grupo. Como a maioria dos RPG ocidentais para computadores, é complexo e cheio de opções, principalmente durante algumas conversas, onde podemos perguntar em texto puro.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Wasteland

    Plataforma: PC
    25 Jogadores

    38
  • 2018-11-28 08:46:17 -0200 Thumb picture

    Golden Joystick Awards de 1988

    Medium 3687820 featured image

    Sejam bem vindos a 1988. Este será o último post sobre premiações da Golden Joystick Awards. Mesmo que ela seja a premiação mais longa e antiga entre todas (existe até hoje), ela se foca muito em jogos de computadores europeus. A partir de 1989, vamos trazer os melhores do ano de acordo com EGM, que renasceu em 1988, antes chamada Electronic Games.

    Jogo do ano: Out Run (C64) venceu de The Last Ninja e Renegade.

     O jogo de corrida da Sega teve ports belíssimos para consoles e computadores. A versão de Commodore 64 impressionava não apenas nos gráficos, mas também pela trilha sonora.

    Jogo mais original: Nebulus (ZXS) venceu de Wizball e Driller.

     Um jogo com uma proposta bem diferente. Se trata de um game de plataforma onde ao invés do nosso personagem se mover, é a torre que gira, causando um efeito visual muito interessante.

    Jogo de aventura: The Guild of Thieves (DOS) venceu de Knight Orc e Shadows of Mordor.

     A continuação do jogo The Pawn trouxe gráficos ainda mais sofisticados e quebra cabeças inteligentes. Nosso personagem faz parte de uma guilda de ladrões e tem o objetivo de adentrar um castelo e roubar todos os itens valiosos lá de dentro. Os diálogos são bem humorados, típico de jogos britânicos.

    Jogo de estratégia: Vulcan (ZXS) venceu de Defender of the Crown e Annals of Rome.

     Um jogo de estratégia em turnos baseado na guerra da Tunísia, entre os anos de 1942-43. Há diversos objetos pelo cenário e você deve dar as ordens para seu exército a fim de conquistar territórios e vencer a guerra.

    Jogo estilo Arcade: Out Run (CPC) venceu de Renegade e Bubble Bobble.

     Mais uma vez, o jogo de corrida da Sega aparece aqui como vencedor, recebendo ports de alta qualidade para os computadores domésticos. A versão de Amstrad CPC vem com cores mais bem definidas e mais sprites simultâneos na tela se comparado às outras versões.

    Empresa de jogos: U.S. Gold venceu de Ocean Software e Elite Systems.

     Fundada em 1984 por Geoff Brown, a empresa visava distribuir jogos americanos nos países da Europa por um preço mais acessível. Em 1985, chegou a ter um faturamento de 60 milhões de dólares.

    Programador de jogos: Jon Ritman venceu de Andrew Braybrook.

     Começou a trabalhar com computadores aos 13 anos, em um ZX81. Dentre seus principais trabalhos, estão a série de jogos de futebol Match Day e o jogo do Batman para computadores domésticos. Já trabalhou na Artic e na Ocean Software.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    25
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 3 meses atrás · 2 pontos

      kkkkkkkk...gostei da parte do "venceu fulano de tal" cortado....
      OUTRUN realmente é massa.

      1 resposta
    • Micro picture
      thecriticgames · 3 meses atrás · 2 pontos

      Joguei muito Outrun de NES, e quem diria a US Gold ja foi boa, ela é famosa em boa parte da internet por ser a publisher de suas próprias sequels medonhas de Street Fighter e Strider.

      1 resposta
  • 2018-11-27 08:38:07 -0200 Thumb picture

    Combo#120 [Master System] (1987): Zillion & Aztec Adventure

    Baseado no anime Zillion do mesmo ano, a Sega cria um jogo de plataforma e exploração para seu console. J.J., o protagonista do jogo e do anime, deve se infiltrar no planeta X, recuperar 5 disquetes, salvar 2 amigos e inserir o código de destruição do planeta. O jogo se passa nas instalações subterrânea deste planeta, repleta de inimigos. Devemos destruir compartimentos para descobrir os códigos que permitem J.J. prosseguir com a exploração. - Um jogo de exploração fantástico. Lembra um pouco Metroid, pois podemos pegar itens que vão dar acesso a outras áreas do planeta. Além de conseguir novas armas e level, pegando o Opa-Opa do Fantasy Zone, é possível trocar de personagem após resgatá-los, dando ainda mais opções ao jogador.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     Ambientado na cultura asteca, Niño deve explorar 10 terras em busca do paraíso, destruindo uma certa quantidade de inimigos pelo caminho. Podemos adquirir diferentes armas e itens para ajudar Niño a destruir seus inimigos. É possível contratar até 2 mercenários jogando sacos de dinheiro neles para que os sigam, caso contrário, eles são apenas mais inimigos para serem derrotados. - O jogo conta com gráficos lindos, coloridos e bem infantil. O jogo não é difícil, mas o alcance do ataque de Niño é muito curto. Contratar mercenários é uma boa, porém, eles morrem rapidamente. Como eles seguem Niño em formação, acabam caindo em armadilhas ou levando golpes dos inimigos facilmente.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Zillion

    Plataforma: Master System
    237 Jogadores
    4 Check-ins

    40
    • Micro picture
      porlock · 3 meses atrás · 4 pontos

      o aztec adventures tem uma carinha de goof troop. rsrsrsr

      6 respostas
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 3 meses atrás · 4 pontos

      Mano...como eu era apaixonado por AZTEC ADVENTURE. Tanto que até o coloquei no "FAVORITOS" logo quando entrei no ALVA.
      ---
      ZILLION, apesra de bom, não era tão fã quanto AZTEC...
      ---
      Muito legal relembrá-los...

      2 respostas
    • Micro picture
      zandryx · 3 meses atrás · 2 pontos

      Nossa! Não lembrava de Aztec Adventure, lembro q eu aluguei aleatoriamente, joguei e achei dificil p dedéu, ai eu emputeci pq queria continuar esse jogo e fiquei alugando durante vários fds rs Agora não lembro se eu terminei ou não :/

      1 resposta
  • 2018-11-26 09:16:25 -0200 Thumb picture

    #120 - Phantasy Star [Master System] 1987

     Em resposta a série Dragon Quest no Famicom, a Sega lança um RPG muito avançado para o seu Master System. O jogo mistura elementos futuristas, como naves espaciais, com toques medievais, como espadas e magias. O imperador Lassic controla o sistema solar e o irmão de Alis morre em um confronto. Buscando vingança, Alis junta mais 3 aliados e partem em busca de itens especiais para enfrentar Lassic. O jogo possui gráficos incríveis, com animações de ataques para os inimigos nunca antes visto. Além disso, as masmorras 3D davam um efeito incrível. Foi o cartucho mais caro e de maior memória para a época, 4 MB. A versão japonesa do jogo no Mark III conta com todas as músicas em qualidade FM.

     - A resposta da Sega para os RPGs do NES foi incrível. O visual do jogo está em outro nível com grande qualidade de animações. A trilha sonora é única e divertida. Apesar do combate se dar por turnos, ele é bem mais rápido que os outros RPGs da época. Alis é a primeira protagonista feminina em RPGs e os outros aliados do grupo possuem seu próprio background, algo não muito comum. A falha do jogo se dá pela navegação nos calabouços 3D, que não possui mapa e é muito fácil se perder. Além disso, o uso de itens específicos em certas partes do jogo é também meio complicado. O jogo conta com sprites lindíssimos e cenários de fundo durante os combates, sem contar a viagem entre planetas, que algo espetacular de se ver.

    Nota pessoal: ★★★★★

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Phantasy Star

    Plataforma: Master System
    694 Jogadores
    77 Check-ins

    53
  • 2018-11-01 09:48:42 -0200 Thumb picture

    Combo#119 [NES] (1987): Ai Senshi Nicol & Esper Dream

    Nicol desenvolve uma tecnologia capaz de transportar objetos entre dimensões, mas um demônio do sistema solar Dairasu rapta sua namorada e usa sua invenção para propósitos malignos. O jogo possui 7 fases e em cada uma devemos coletar os 3 cristais para prosseguir. É possível coletar diversos power-ups para ajudar na jornada. - Um jogo muito bonito e ambientação futurista muito bem feita. A trilha sonora é muito divertida, como a maioria dos jogos de Famicom. A jogabilidade é simples, porém, o jogo possui uma dificuldade alta. Podemos pular, mas se Nicol cair em um buraco, vai para uma parte cheio de lava e devemos sair de lá o quanto antes. A maioria dos power-ups não fazem muita diferença na jogatina.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    ----------------------------------------------------------------------

    ----------------------------------------------------------------------

     Um jovem adentra um mundo de conto de fadas através de um livro mágico. Esper inicia o jogo em uma vila e algumas casas o teleportam para um mundo fantástico, como área de gelo, terra gramada, mundo dos gigantes, etc. Os combates não são aleatórios, ao invés disso, pegadas aparecem pelo cenário e ao tocar nelas, uma batalha com ação se inicia em um campo fechado. É possível comprar novos equipamentos e subir de nível, como em qualquer RPG. - Um jogo para Disk System muito bonito e com trilha sonora divertida. Apesar de todas as áreas estarem disponíveis para explorar, é importante seguir a ordem predeterminada pelo jogo, pois os inimigos lá são fáceis.

    Nota pessoal: ★★★☆☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]


    **Entrarei de férias, então as postagens da persona só voltam a partir do dia 26/11. Falow galera o/

    Esper Dream

    Plataforma: NES
    8 Jogadores

    33
    • Micro picture
      msvalle · 4 meses atrás · 2 pontos

      Os dois protagonistas se parecem, devem ser primos hehe

      1 resposta
    • Micro picture
      porlock · 4 meses atrás · 2 pontos

      num sei pq, mas o cenario do ai senshi nicol me lembrou de bomberman.. kkkk

      1 resposta
    • Micro picture
      old_gamer · 4 meses atrás · 2 pontos

      Gostei do primeiro jogo, pena que ele saiu apenas para famicom disk system.

      1 resposta
  • 2018-10-31 09:59:08 -0200 Thumb picture

    #119 - Final Fantasy [NES] 1987

     A Squaresoft passava por uma crise financeira e Hironobu Sakaguchi arriscou em um RPG que poderia ser o último jogo da companhia. De acordo com a profecia, 4 Guerreiros da Luz iriam aparecer para derrotar os 4 demônios elementais e trazer paz de volta ao mundo. O jogo começa com a opção de escolher 4 das 6 classes disponíveis, guerreiro, monge, ladrão e os magos branco, negro e vermelho. O combate ocorria de forma aleatória e era por turnos, como em Dragon Quest, porém, é o primeiro a mostrar os personagens de lado e permitir até 12 inimigos no mesmo duelo. As magias podem ser compradas em lojas, assim como armas, armaduras e itens. O jogo se provou um enorme sucesso devido a suas mecânicas inovadoras e trama bem contada.

     - O primeiro RPG da Squaresoft se mostra realmente revolucionário. Os gráficos são belíssimos, tudo muito bem colorido, detalhado e cheio de sprites diferentes. A trilha sonora é fantástica e possui mais de 20 músicas do compositor Nobuo Uematsu. O enredo é muito bem trabalhado, envolvendo os 4 elementos e viagens no tempo. Os combates acontecem com menor frequência, quando comparado a jogos da série Dragon Quest, porém, como a quantidade de inimigos é grande, as lutas costumam demorar bastante. O que mais agrada no jogo é a customização, tanto de classes quanto de equipamentos. Há também um uso de estratégia com alguns inimigos fracos contra alguma magia elemental.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    Final Fantasy

    Plataforma: NES
    1219 Jogadores
    54 Check-ins

    68
    • Micro picture
      thecriticgames · 4 meses atrás · 4 pontos

      Até hoje acho incrivel o quão a frente de seu tempo é o plot desse primeiro game, uma vez que toda a concorrencia ainda jogava como base em geral mais a fantasia, ou simplemente trabalhava um ponto unico (como vida alieningena em Mother ou demonios em Megami Tensei), mas o primeiro FF soubre mesclar uma dose de ficção cientifica ao cenario de fantasia.

      4 respostas
    • Micro picture
      fabiorsodre · 4 meses atrás · 3 pontos

      Parei no momento que saí de uma cidade submersa. Não sei oq fazer! Rsrs

      3 respostas
    • Micro picture
      l_perugia · 4 meses atrás · 2 pontos

      Final Fantasy>Dragon Quest hehehe

      5 respostas
  • 2018-10-30 09:47:02 -0200 Thumb picture

    Os primeiros computadores no Brasil

    Medium 3682127 featured image

    Em 1917, a IBM inicia suas operações no Brasil cria sua fábrica em 1939 no bairro Benfica, no Rio de Janeiro. Em 1957, o governo do estado de São Paulo compra seu primeiro mainframe para calcular o consumo de água, o Univac-120. Em 1961, 4 estudantes do curso de engenharia do Instituto Tecnológico de Aeronáutica criam o primeiro computador transistorizado totalmente nacional, chamado Zezinho. Em 1972, estudantes da USP criam o primeiro minicomputador nacional, chamado de Patinho Feio. Para fomentar uma independência tecnológica no Brasil, a Capre é criada em 1972 e dois anos depois surge a primeira fábrica de computadores nacionais, chamada Cobra, que tinha a missão de transformar o G-10 em um produto nacional.

     Em 1979, é criada a SEI (Secretaria Especial de Informática) juntamente com uma intervenção governamental intensificada sobre os produtos tecnológicos importados. A Lei de Reserva de Mercado dificultava a importação de hardware e software para fomentar o crescimento nacional da indústria. O empresa Prológica foi fundada em 1976 e se tornou a maior fabricante de equipamentos para processamento de dados. Em 1979, a Elebra Informática é fundada e se torna a maior fabricante de impressoras do Brasil. A Microdigital é fundada em 1981, no mesmo ano que surge a primeira revista voltada para microcomputadores, a MicroSistemas. Em 1984, nasce o primeiro sistema de videotexto no Brasil, a Telesp e em 1985 a Gradiente Informática é fundada para competir no mercado.

     O primeiro computador inteiramente nacional foi o Cobra 530, lançado em 1980. Para diminuir custos de desenvolvimento, as outras fabricantes optaram por criar clones compatíveis com algum equipamento estrangeiro. Em 1981, a Prológica lança seu compatível com CP/M, o Sistema 700. Era caro e com poucos softwares disponíveis. Ela também é a pioneira ao lançar um compatível com Sinclair ZX-80, o NE Z80, com o selo Nova Eletrônica. Era o computador mais barato do mercado. A Microdigital vem também com um clone do ZX-80, o TK-82. Em 1982, a Prológica lança o CP 200, compatível com o ZX-81 e o CP 500, compatível com o TRS-80. A Unitron Eletrônica lança o primeiro clone compatível com o Apple II, o Unitron AP II.

     Em 1983, a Prológica lança uma versão mais barata e sem monitor do clone de TRS-80, o chamado CP 300, já a Microdigital lança o TK 85, compatível com o ZX-81. Em 1984, 2 clones de Apple II+ chegam ao mercado nacional, o TK 2000 da Microdigital e o MC-4000 Exato da CCE. A Prológica lança o primeiro computador capaz de gerar cores em baixo custo, compatível com o TRS-80 Color Computer II, chamado CP 400. Em 1985, o TK-90X da Microdigital era a opção mais barata e compatível com as centenas de softwares e jogos do ZX Spectrum. Dentre todos, certamente o computador mais popular no Brasil foram os compatíveis com MSX. O HotBit HB-800 da Sharp e o Expert XP-800 foram as principais linhas de MSX nacional e disseminou a computação pelo Brasil.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    45
    • Micro picture
      porlock · 4 meses atrás · 3 pontos

      eu tive o msx, o q naum eh novidade pra quem acompanha a persona e tb tive contato direto com o tk2000 e o tk90x... rsrsrs

      1 resposta
    • Micro picture
      msvalle · 4 meses atrás · 3 pontos

      Nossa! Tive um TK-85, um CP-400, um HotBit e um clone do Apple II, todos graças a meu pai, um entusiasta da área :)

      5 respostas
    • Micro picture
      leopoldino · 4 meses atrás · 2 pontos

      Tive um MSX Expert da Gradiente. Antes disso o acesso a computadores no Brasil era bem mais caro e difícil.

      1 resposta
Continuar lendo → Reduzir ←
Carregando...