hdpatrick

how about kids? / gabinales.wordpress.com

You aren't following hdpatrick.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-06 14:30:05 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Não consigo jogar esse jogo. Fica travando, injo
    Out There Somewhere

    Platform: PC
    322 Players
    77 Check-ins

    Não consigo jogar esse jogo. Fica travando, injogável. Não sei qual é a explicação, porque o jogo é leve demais pra ficar lento do jeito que fica, e além disso eu jogo outras coisas bem mais pesadas. Talvez o jogo seja mal otimizado, talvez seja alguma incompatibilidade com o Windows 10, sei lá. Comprei na Steam, então não pode ser problema da fonte. Muito estranho.

    Alguém já passou por isso?

    0
  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-06 03:12:51 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Matei mais um boss, o tal do <strong>Alexander</
    Rogue Legacy

    Platform: PC
    993 Players
    166 Check-ins

    Matei mais um boss, o tal do Alexander.

    Não foi fácil, mas fiquei surpreso por ter conseguido matá-lo de primeira. Só acabei levando uma porrada, mas foi o bastante pra me deixar com 5 de HP. A partir daí foi adrenalina pura.

    Só que a conquista da noite mesmo foi conseguir derrotar o Neo Khidr:

    Essa foi foda. O cara era tipo quase 200 levels acima do meu. Morri umas 40 vezes pra conseguir matar, porque não tava conseguindo pegar o timing perfeito dos ataques dele. No fim a satisfação foi grande.

    1
    • Micro picture
      thii · over 3 years ago · 2 pontos

      Ta foda passar o começo. Tenho que morrer muuto mesmo para dar upgrade e poder avançar melhor?

      2 replies
  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-05 20:20:39 -0200 Thumb picture
    Post by hdpatrick: <p>Esses dias eu tava jogando <strong>Hotline Miami

    Esses dias eu tava jogando Hotline Miami e a minha namorada tava perto, do lado, me olhando enquanto eu jogava. Eu estava tentando pegar a conquista "Get A Life", que consiste em receber o conceito A+ em todos os capítulos do jogo. Depois de tentar muito, ficar estressado, xingar o PC e desistir, minha namorada chegou,  do alto da sua sabedoria, e disse: 

    "Sabe por que você não tá conseguindo ganhar? Porque você não tá jogando pra se divertir."

    E não é que é verdade? Eu não sou de ficar viciado em conquistas, mas nesse caso específico do Hotline eu queria a todo custo liberar tudo, e por conta disso estava deixando a diversão de lado por uma bobeira. E olha que a minha namorada nem joga videogame.

    Hotline Miami

    Platform: PC
    1769 Players
    226 Check-ins

    5
  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-05 19:52:30 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Jogar o ovo no vulcão foi fácil. Depois disso os
    Breath of Fire

    Platform: SNES
    1375 Players
    78 Check-ins

    Jogar o ovo no vulcão foi fácil. Depois disso os Dark Dragons resolveram atacar Prima, então a Bleu (a tal feiticeira que estava adormecida no deserto) se uniu à party pra ajudar a defender a cidade. E não é que a mulher é sinistrona mesmo? Destruiu uns três navios com uma magia só. 

    Depois de uma luta rapidinha contra um chefe, Gobi finalmente recuperou sua licença de comerciante, além da habilidade de se transformar num peixão. Eba. Dessa forma eu pude explorar uma nova parte do mar e continuar a aventura.

    Enquanto isso, Zog e Jade tramam seus planos diabólicos no covil do mal. No fim, o cabeludo mandou seus quatro capangas atrás de mim. Parece que o clímax do jogo se aproxima.

    Continuando, encontrei algumas coisas legais do outro lado do oceano. Primeiro, uma caverna habitada por sapinhos (ou algo parecido; ainda não entendi qual é a desses bichos, mais tarde eu volto aqui pra resolver algo).

    Segundo, uma cidade onde os moradores só se comunicam cantando notas musicais. Esquisito. Mas achei o visual desse lugar muito bonito, e provavelmente vou ter que voltar pra cá pra resolver alguma coisa, também.

    E terceiro, uma cidade onde as pessoas aparentemente enlouqueceram e decidiram ficar dançando ou falando coisas ininteligíveis. Também não entendi, mas tenho fé que no fim tudo vai se resolver.

    Daí continuei por uma trilha onde encontrei umas coisas brilhantes no chão que faziam a tela brilhar e me falavam exatamente as mesmas coisas ininteligíveis que as pessoas da cidade anterior ficavam falando. Já vi que as duas coisas estão relacionadas.

    Depois segui por uma porta grande e suspeita e me vi numa espécie de labirinto. Atravessei umas poucas telas e dei de cara com um maluco que eu reconheci ser um dos capangas do Jade, um tal de Cort. Até esse ponto eu só estava andando à esmo pelo mapa sem saber se estava no rumo certo ou não, mas agora eu tive certeza de que fui pelo caminho que devia ir.

    Então o cara me jogou um feitiço que me deixou pequeno e depois fugiu. Com direito até a cutscene tipo Shinobi de NES, algo que eu não me lembro de ter visto antes no jogo. Aí eu entrei num buraquinho na parede, matei umas baratas e encontrei uma "cidade" de ratos, que me pediram ajuda.

    Mais tarde eu continuo.

    4
  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-05 01:28:06 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Entrei no castelo, matei o chefão. Depois voltei
    Breath of Fire

    Platform: SNES
    1375 Players
    78 Check-ins

    Entrei no castelo, matei o chefão. Depois voltei pra Prima (a cidade subaquática) e conversei com um velho sobre uma tal estátua que me permitiria entrar em Wisdon.

    Eu não sabia onde era Wisdon, pra variar. A falta que faz as cidades terem nome no mapa é grande, não sei se na versão física do jogo ele vinha com algum tipo de manual e só quem joga no emulador é que precisa passar por essas dificuldades,  mas eu já tinha decidido que nem vou ficar procurando onde fica cada coisa: vou direto na internet.

    Então eu já descobri que Wisdon é aquele vilarejozinho que fica se mexendo no deserto. Gostei, porque deserto é um ambiente que eu acho  legal e eu tinha achado ruim só ter uma cidade pouco interessante no deserto do BoF. Pelo menos agora tem mais algum conteúdo por lá.

    Daí eu entrei em Wisdon pra encontrar com uma tal feiticeira num templo. No final enfrentei três chefões e acordei a mulher, que tava tipo num sono profundo. Conversamos brevemente e ela me deu um ovo, que é pra eu colocar no topo de um vulcão no fundo do mar. Já sei onde é, depois vou lá.

    0
  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-04 01:17:43 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Nunca fui de jogar roguelikes, <strong>Rogue Leg
    Rogue Legacy

    Platform: PC
    993 Players
    166 Check-ins

    Nunca fui de jogar roguelikes, Rogue Legacy é provavelmente meu primeiro.

    Achei muito legal o esquema de "ninguém é perfeito, nem mesmo os heróis". Todo descendente novo - isso também é legal no jogo, você vai jogando com os descendentes dos personagens anteriores na medida em que você vai morrendo, de forma que você tem que acumular dinheiro pra fazer upgrades e comprar equipamentos pras gerações futuras - tem uma característica diferente. Miopia, gigantismo, glaucoma, magreza, aletrorofobia (medo de galinhas), nanismo, dislexia, vertigem, alzheimer, TDH, insensibilidade à dor, daltonismo, hipocondria, e por aí vai. Cada uma dessas características afeta a jogabilidade.

    A variedade de upgrades também é bem grande, e eu fico até sem saber o que upar. O jogo tem um começo bem lento, com muitas mortes e a quantidade de dinheiro coletada no fim da partida acaba não dando pra muita coisa. Foi algo que me desanimou bastante no começo, porque parecia que o jogo se resumiria àquilo. Mas conforme fui conseguindo novas habilidades e comprando mais equipamentos, eu consegui ir cada vez mais fundo no castelo. Aí o jogo começou ficar bom mesmo.

    A aventura segue uma historinha básica, que fala de um herói do passado que se aventurou no castelo na busca por salvar o rei. Andando pelas salas tem umas anotações de diário que são relatos do cara, e é bem interessante ler as dicas que ele dá. Algumas passagens são até engraçadinhas. Pelo que eu já vi até agora, existem quatro chefões principais (um pra cada área do castelo) e a porta principal só se abre depois que eu derrotar todos. Bom.

    O primeiro já foi:

    1
  • hdpatrick Patrick Diego
    2016-01-03 15:59:07 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Ainda no primeiro mundo. A ideia do jogo é muito
    Closure

    Platform: PC
    407 Players
    21 Check-ins

    Ainda no primeiro mundo. A ideia do jogo é muito boa, tô gostando.

    0
  • hdpatrick Patrick Diego
    2015-12-30 21:37:25 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Consegui o tal do B. Rang, falei com o velho e d
    Breath of Fire

    Platform: SNES
    1375 Players
    78 Check-ins

    Consegui o tal do B. Rang, falei com o velho e descobri que poderia entrar no castelo com a ajuda de umas galinhas gigantes que vivem lá por perto. Achei a informação meio vaga, mas segui. 

    Cheguei no lugar, vi as galinhonas, vi um ovo gigante, resolvi mexer no ovo, uma galinha veio em cima. Enfrentei um boss rapidinho e peguei o ovo. Nessa parte aqui fiquei meio travado, não entendi o que fazer. Como usar o ovo? O que o velho queria dizer? Qual a utilidade das galinhas? Empaquei.

    Resolvi seguir e ver o que tinha no tal castelo. Cheguei lá e dei de cara com um monte de guardas que me barraram a passagem. Eu não tinha nada o que fazer lá, disseram. Voltei, tentei interagir com as galinhas mais uma vez e empaquei de novo.

    Depois de um tempo, como última solução, resolvi pesquisar um detonado na internet pra saber como avançar naquele ponto. A solução, pra minha surpresa, era que agora as galinhas me seguiam, por causa do ovo que eu carregava. Só que eu nunca ia reparar nisso, porque é preciso andar muito devagar pra uma delas "enganchar" no fim da minha party e elas começarem a andar comigo de fato. Uma ideia muito estranha, digo logo, e que poderia ter sido melhor trabalhada pra que essa confusão toda fosse evitada.

    Então eu finalmente pude avançar pro castelo e entender qual era o propósito de toda essa andança: eu precisava jogar o ovo dentro do castelo e deixar as galinhas loucas, pra que assim eu pudesse invadir o lugar enquanto os guardas se defendiam das aves. Achei curiosa a sacada do jogo, porque até então ele não tinha feito nenhuma interação assim entre um item de quest e um NPC. Normalmente eu só chegava no lugar e pum, lutava contra o cara. 

    Talvez essa saída tenha sido um pouco deslocada, sim, mas uma variada às vezes é bom.

    5
  • hdpatrick Patrick Diego
    2015-12-29 00:27:09 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p>Super Meat Boy, por que os seus controles são tã
    Super Meat Boy

    Platform: PC
    3694 Players
    154 Check-ins

    Super Meat Boy, por que os seus controles são tão escorregadios?

    1
    • Micro picture
      hdpatrick · over 3 years ago · 1 ponto

      Acabei pedindo o reembolso e peguei em troca Closure e Out There Somewhere (um indie brasileiro que tem muita cara de ser bastante divertido). Não foi dessa vez, Meat Boy.

  • hdpatrick Patrick Diego
    2015-12-28 22:23:39 -0200 Thumb picture
    hdpatrick checked-in to:
    Post by hdpatrick: <p><em>The end</em>. Zerei. Até que foi rápido, uma
    Hotline Miami

    Platform: PC
    1769 Players
    226 Check-ins

    The end. Zerei. Até que foi rápido, umas 5 horas no máximo. A jogabilidade é tão viciante que eu recomecei o modo história de novo, dessa vez sendo mais atento com os colecionáveis e também pra liberar todas as armas e as máscaras.

    Falando em máscaras, retiro o que eu disse no último check-in, que não tava ligando mais pra história. Depois de um tempo ela vai ficando cada vez mais insana e instigante, bom demais. 

    Toda a atmosfera do jogo é muito impessoal, ultraviolenta (pegando o termo emprestado de Laranja Mecânica) e paranoica.  Impessoal porque você não é ninguém, não tem nome, não tem identidade própria; cada máscara esconde uma pessoa e todas revelam um único ato: matar. Eu cheguei até a arrumar uma "namorada", mas o jogo não me deixava interagir com a garota, o que me ajudou a ter uma sensação de isolamento durante o desenrolar da história.

    Ultraviolento porque o jogo se resume a matar. Você pode matar com armas brancas, com armas de fogo, com tijolos, com tesouras, com as próprias mãos (o que é um desafio bem legal nos níveis finais, tem até um achievement sobre isso). É brutal.

    E paranoico porque  o próprio protagonista é paranoico; à princípio é tudo muito estranho e os propósitos são obscuros demais. Mas com o tempo a insanidade do jogo chega até você e a loucura começa a fazer sentido (ou não).

    Enfim, o jogo é muito bom, mas senti falta de um multiplayer co-op pra jogar com os amigos. Fiquei com vontade de jogar a continuação, mas fica pra uma próxima promoção.

    1
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...