This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • vithanks Vitor Augusto Fernandes
    2020-10-03 22:15:14 -0300 Thumb picture
    vithanks checked-in:
    Post by vithanks: <p>Avançando!</p><p><a href="https://photos.app.goo

    Avançando!

    13
  • vithanks Vitor Augusto Fernandes
    2020-09-26 16:21:50 -0300 Thumb picture
    vithanks checked-in:
    Post by vithanks: <p>Vamos que vamos!</p><p>#img#[737845]</p>

    Vamos que vamos!

    19
    • Micro picture
      msvalle · 2 months ago · 2 pontos

      Conto de fadas em forma de jogo.

    • Micro picture
      lgd · 2 months ago · 2 pontos

      Boa jogatina! Terminei há alguns dias.

      1 reply
  • vinizard Vinícius Cherubino Kuster
    2020-09-15 21:35:19 -0300 Thumb picture

    Zerado! \o/

    Medium 735767 3309110367

    Meu 20° zeramento no total.

    Seria tbm o meu primeiro jogo a conseguir 100% se a fdp da Ubisoft não tivesse colocado uma conquista que depende dos servidores funcionando!

    13
    • Micro picture
      zefie · 2 months ago · 2 pontos

      Que conquista é essa? Eu lembro que peguei o 100% tanto na Uplay quanto no Vita sem problema e não lembro de ter precisado fazer algo online.

      2 replies
  • lgd Leandro
    2020-08-22 01:11:32 -0300 Thumb picture
    lgd checked-in:
    Post by lgd: <p>Estou na dúvida se eu finalizei ele ou não... ap

    Estou na dúvida se eu finalizei ele ou não... apareceu créditos e tudo mais mas continuou a jogatina...

    9
  • vithanks Vitor Augusto Fernandes
    2020-06-19 19:11:50 -0300 Thumb picture
    vithanks checked-in:
    Post by vithanks: <p>Enfim, terminei a demo.</p><p>#img#[716642]</p><

    Enfim, terminei a demo.

    7
  • vithanks Vitor Augusto Fernandes
    2020-06-16 15:27:12 -0300 Thumb picture
    vithanks checked-in:
    Post by vithanks: <p><strong>Que jogo bom! Me surpreendeu um RPG mist

    Que jogo bom! Me surpreendeu um RPG misturado com poesia.

    Só a música no começo já dá pra imaginar que o jogo é no mínimo interessante.

    Jogabilidade diferente.

    Gráficos bonitos.

    Todo em português.

    Sistema básico de RPG.

    Tá bem legal! Continuarei e depois posto mais capturas de tela.

    9
  • vithanks Vitor Augusto Fernandes
    2020-06-16 13:58:32 -0300 Thumb picture
    vithanks checked-in:
    Post by vithanks: <p>Testando outra demo, agora de um jogo que nunca

    Testando outra demo, agora de um jogo que nunca ouvi falar.

    10
  • darleysantos676 Darley Santos
    2020-05-25 05:24:49 -0300 Thumb picture
    darleysantos676 checked-in:
    Post by darleysantos676: <p><strong>CHILD OF LIGHT</strong></p><p><strong>10

    CHILD OF LIGHT

    100% (08/02/2020)

    ***************************************************************************

    *

    Sobre a minha história com esse jogo, o que me fez adquiri-lo foi justamente a fama de ser um RPG simples, ou relativamente simples... Eu não sou um jogador inveterado desse gênero de game, e falo especificamente desses jogos ao estilo RPG japonês (JRPG), com as características batalhas de turno (ou “sistemas de combate por menus”), as quais eu sinceramente nunca assimilei e não tenho muito saco; mas ao mesmo tempo, amo jogos de RPG de ação (ações/batalhas em tempo real), como The Legend of Zelda e similares - sim, gosto de pensar a franquia Zelda dentro desse subgênero, então seria um jogo de aventura e/ou ação com elementos de RPG. Mas apesar de não gostar de batalhas de turno, isso não me impediu de amar à primeira vista um game como Chrono Trigger (que inclusive nunca terminei)... Enfim, nunca desisti de querer entender o que faz alguns gamers verdadeiros fanáticos por jogos de RPG com batalha de turno. E Child of Light foi uma bela oportunidade para isso!

    E lembro aqui, em paralelo, de “Ni No Kuni - Wrath Of The White Witch” (que está no meu backlog mas que já experimentei por algumas suaves horas), um jogo com uma arte ainda mais bonita (aquela qualidade característica do famoso Studio Ghibli) e com uma história tocante. Aliás, gosto de ver várias similaridades entre ambos, como por exemplo, o fato do plot dos jogos possuir em sua temática o cruzamento entre mundo real e mundo fantástico, ou ainda, o tema do fim abrupto da infância ou maturidade precoce – os personagens são crianças que são obrigadas a lidar com sentimentos de tristeza e luto sem sequer terem recursos intelectivos para isso, ou seja, enfrentam isso tão somente com o coração puro e a inexperiência próprias da pouca idade... Quando então, de repente, são extirpadas/teletransportadas deste mundo e lançadas em outro mundo, colocadas diante do desconhecido e levadas a buscar respostas para o que lhes acometeu, para então aos poucos irem reconhecendo certas figuras e elementos familiares, fechando seu ciclo existencial dentro da aventura...

    Em Child of Light, a protagonista Aurora, durante sua trajetória, vai encontrando outros personagens que se juntarão para lhe fazer companhia nessa jornada, a princípio cada um segundo seus interesses próprios, numa relação a priori de conveniência, mas ao longo da aventura vão ajudando-a a superar os obstáculos e inimigos, como costumam ser os bons de coração predestinados. A princípio, cada amigo é muito bem-vindo, pois cada personagem tem habilidades próprias (ou diferentes o suficiente), e dessa forma temos mais opções estratégicas durante as batalhas, alternando as ações dos personagens dentre as modalidades possíveis – ataque e defesa, física ou mágica, além dos efeitos buff e debuff -, o que será necessário para progredir ou avançar com mais facilidade. Enfim, coisas que amantes de RPG já sabem de cor. Mas sobre o número de personagens, acho mesmo que ficou no limite do justificável, sendo o bastante para incrementar o plot e mais que o suficiente para fornecer um painel de diversidade em termos de opções de estratégia; aliás, acho até que isso contrasta com o caráter aparente de simplicidade do jogo.

    Durante essa jornada em recuperar e restabelecer a ordem cósmica “inter-planos” ou interdimensional, temos que prestar atenção também em recolher itens de uso, como as pedras preciosas (oculi), e itens coletáveis (as ”confissões”, fugidias no ar, a serem coletadas). O jogo também possui o aspecto de craft, sendo as tais pedras preciosas fonte de energia para os recursos a serem utilizados nos combates; as pedras podem ser obtidas em diversos estados e trabalhadas para serem melhoradas ou potencializadas, então obtemo-las e/ou utilizamo-las em seus diversos estados (brutas, polidas, lapidadas), podendo combiná-las também, para fornecer energia durante os combates, tanto para defesa quanto para ataque ou ainda timeline. Esse aspecto do jogo pressupõe a adoção de uma classificação de metais nobres ou gemas, que fornecerá a atribuição de hierarquia de valor/poder correspondente a cada gema, a saber – safira, esmeralda, turmalina, rubi, citrino, diamante, ametista, onyx.

    Acabei jogando Child of Light numa sequência de jogos da Ubisoft – “Valiant Hearts: The Great War” e a saga “Far Cry” -, isso sem contar meu histórico com toda a saga Assassin’s Creed pra PS3, além de Splinter Cell. Quero dizer, a Ubisoft possui portfolio com jogos grandiosos, mas também tem espaço para games com uma pegada mais minimalista, por assim dizer, e isso é uma coisa curiosa de se notar; mas o fato dos jogos serem mais “minimalistas”, não exclui um investimento dedicado.

    *

    Depois que finalizei Child of Light, fui procurar mais informações sobre o game, e descubro que houve parceria com o Cirque du Soleil (produtora de circo) para o desenvolvimento do jogo, e percebe-se essa contribuição nos aspectos visuais, de figurino, ambientação e interação. E outro aspecto em que se percebe a preocupação artística do game se encontra no texto do jogo, isto é, nos diálogos e nas transições de tela, pois a construção textual é feita em formato de poemas com estrofes rimadas. O visual já foi descrito como “arte em aquarela, dando ao jogo a aparência de uma pintura animada e a sensação de progredir em uma ilustração e de estar em um mundo subaquático” (web). E a trilha sonora conta com orquestra, proporcionando “belas combinações de piano e violino que dão um leve tom melancólico ao jogo” (web). E na dublagem temos a notável Luiza Caspary interpretando Aurora; foi ela que também dublou a Ellie de “The Last of Us”.

    Descobri também que o plot possui vários elementos de correspondência com a realidade: o ducado de Aurora na Áustria está localizado em Carníola, cuja capital sofreu um terremoto, catástrofe esta que é adaptada no jogo na forma de uma barragem que estoura e inunda a capital; e a terra de Lemúria é baseada na tese de um continente perdido – semelhantemente a tese de Atlântida, ou ainda, Éden, o paraíso perdido.

    Quanto a gameplay e mecânicas, o jogo é definido como RPG em 2D com traços de plataforma e puzzle. Nesse tocante, convém lembrar que na aventura contamos com a presença indispensável de Igniculus, o sidequick de Aurora, uma criatura que parece um vagalume azul, ele é parte indispensável na interação com muitos elementos do cenário e na resolução dos quebra-cabeças, tanto em atuação solo quanto nas ações coordenadas em dupla; e nos combates, o jogador pode usar o Igniculus para atrapalhar o tempo de carregamento do turno do inimigo, além de recarregar MP do time. Sobre a gameplay ainda, é possível escolher enfrentar os inimigos comuns, pois estão visíveis na tela, semelhante ao referido Ni No Kuni, e diferente de outros jogos de RPG como Final Fantasy.

    Enfim, é um jogo recomendado tanto pra iniciantes ou não experts em RPG, quanto para jogadores veteranos também, já que possui características únicas e é divertido, mesmo que possa não ser considerado desafiador.

    *

    *

    *

    @platinadores

    20
    • Micro picture
      kratos1998 · 6 months ago · 2 pontos

      Parabéns mano! Ainda quero testar esse! Ni no Kuni é excelente. Espero q dê continuidade a ele!

      1 reply
  • mun Laise Araújo
    2020-04-29 21:02:53 -0300 Thumb picture
    mun checked-in:
    Post by mun: <p><strong style="background-color: initial;"><em>E

    Encantada *-*

    Os comandos são chatos mas simples, mas é uma questão de costume só.

    A história promete ser linda, e tô até sentindo umas vibes de desenho dos anos 90 <3

    E já tô com vontade de fazer cosplay da Aurora~

    21
    • Micro picture
      jokenpo · 7 months ago · 2 pontos

      esse jogo é muito bom, estou pensando em rejogar ele!

    • Micro picture
      thiagoreis · 7 months ago · 2 pontos

      Esse rpgzinho e uma delicia de jogo !! Muito bacana 👏🏻👏🏻

    • Micro picture
      juray · 7 months ago · 1 ponto

      Eu joguei só o comecinho desse jogo! Preciso voltar nele!

      Po...! Voce faz cosplay? Que maneiro! Um dia ainda quero fazer o cosplay do BigDaddy (Bioshock), sou mega fã desse personagem!

  • juninhonash Juninho Rodrigues
    2020-03-25 16:56:56 -0300 Thumb picture
    27
    • Micro picture
      santosmurilo · 8 months ago · 2 pontos

      VEM GENTE VEM!!!

    • Micro picture
      _gustavo · 8 months ago · 2 pontos

      O Gog trolou o povo porque grande parte dos jogos são games que sempre foram grátis la mas ninguem nunca deu a minima kkkk, de qualquer maneira, um que eu recomendo de lá é o Flight of the Amazon Queen, é um point-click onde-school do pc que roda em dosbox, mas é bem divertido

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...