This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • jcelove José Carlos
    2021-04-19 17:05:47 -0300 Thumb picture

    Valor x Preço

    Esses papos sérios do Marcel são sempre aulas sobre o mercado de games contextualizadas com conceitos de economia marketing e administração de uma forma bem legal de acompanhar.

    Nesse episódio temos, dentre outras coisas:

    -comodidade da  intangibilidade sobre o tangivel,

    -a origem dos cartões de crédito.

    -definição de preço e valor

    -exemplos de empresas que tem valor agregado a suas marcas em diversos niveis,

    -porque os jogos da Nintendo são caros?

    -Porque outros jogos são caros?

    -Porque colecionadores não vendem seus jogos raros?

    -Porque colecionadores vendem tudo de repente?

    Queria saber contextualizar assim temas geralmente chatos em minhas aulas.

    15
    • Micro picture
      neilson1984 · 3 days ago · 2 pontos

      Só falta ele ser sucinto e sem rodeios, não é todo mundo que tem 2 horas para assistir qualquer coisa no youtube mano!

      4 replies
    • Micro picture
      speedhunter · 3 days ago · 2 pontos

      Eu acompanho ele há algum tempo. Apesar do formato de vídeo ser longo, aprecio bastante a visão dele sobre colecionismo. Vou assisti mais tarde.

      1 reply
  • supernova Alexander
    2020-04-15 16:25:00 -0300 Thumb picture

    Zeldinha puro isto ai

    no final tive ate pena do ganon kkk

    15
    • Micro picture
      santz · about 1 year ago · 2 pontos

      OP pra caralho!

  • mateusmaster Mateus Antonio da Silva
    2020-01-08 18:47:35 -0200 Thumb picture
    Post by mateusmaster: <p><strong>Jogo finalizado #231-&nbsp;</strong><str

    Medium 680566 3309110367

    Jogo finalizado #231- The Legend of Zelda: Breath of the Wild - The Champion's Ballad (Switch)

    #1º em 2020

    Começando o ano de 2020 terminando a expansão desse que é um dos melhores games dessa geração, se não o melhor.

    É um pacote de expansão bem robusto que traz uma nova linha de missões principais que oferecem mais 16 novas shrines, uma nova Dungeon (como se fosse uma Divine Beast), lutar novamente contra os 4 bosses das Divine Beasts do game original, só que de maneira pré-determinada, além de um novo chefão final que é mais difícil que o próprio Ganon do final do game original. Ahh e tbm tem algumas secundárias que novs levam a roupas e armaduras novas. 

    Essa expansão aprofunda nos personagens secundários, os campeões de Hyrule escolhidos pela princesa Zelda para pilotar (?) as Divine Beasts. É bem emocionante ver as novas cut scenes sabendo o destino desses personagens. Aquece o coração..

    Foi interessante revisitar esse game após mais de 2 anos que eu tinha jogado, foram 180 horas que agora beiram as 200 hehehe e é impressionante que mesmo após tanto tempo, eu ainda tenha conseguido jogar o game de boas, e tem mecânicas bem complexas..

    5/5 estrelas

    3
  • mbc07 Mateus B. Cassiano
    2018-12-05 17:36:14 -0200 Thumb picture
    mbc07 checked-in:
    Post by mbc07: <p>Check-out. Sabe quando você vê uma propaganda de

    Check-out. Sabe quando você vê uma propaganda de praticamente qualquer rede de fast food, onde eles mostram uma foto perfeita do produto, mas quando você finalmente compra o produto a aparência é meio duvidosa? Então, acho que é a melhor forma de descrever essa segunda (e última) DLC do Zelda Breath of the Wild.

    A DLC tem boas ideias mas a execução delas derrapa um pouco, podemos dividi-la em 3 partes. Primeiramente, para acessar essa DLC você precisa ter completado todas as 4 Divine Beasts e ter finalizado o jogo pelo menos uma vez (EDIT: erro meu, não precisa ter finalizado o jogo), feito isso você pode ir na Shrine of Resurrection pra iniciar a primeira parte da DLC colocando o Sheikah Slate no terminal, o que te dá acesso ao One-Hit Obliterator, uma arma inquebrável e que pode matar qualquer inimigo do jogo com apenas 1 hit, mas em compensação o Link também morre com apenas um hit.

    Nessa parte você precisa eliminar 4 bases de inimigos, todas localizadas no Great Plateau, área inicial do jogo. Uma nova shrine (as mini dungeons do Breath of the Wild) é revelada ao eliminar cada base inimiga, garantindo mais 4 Spirit Orbs. Você termina essa primeira parte da DLC ao completar a última shrine (não tem uma ordem específica), o que retornará o One-Hit Obliterator para a Shrine of Ressurection e marcará 4 pontos específicos no mapa do jogo.

    Aqui começa a parte mais tediosa e repetitiva de toda a DLC. Em cada ponto que foi marcado no mapa brota um monumento como o da screenshot acima, e você vai encontrar o Kass tocando sua sanfona em todos eles. A música do Kass é diferente em cada monumento, mas os versos dela sempre darão 3 dicas beeeeeem vagas do que fazer/onde ir. Ao completar cada tarefa, uma nova shrine brotará no mapa, mas a recompensa ao completá-la será um emblema referente à Divine Beast citada na música e não um Spirit Orb, como o habitual. 

    Completando as 3 shrines você ganha acesso novamente à Divine Beast em questão, mas a diferença é que você vai cair diretamente na luta com o mesmo boss, porém limitado apenas a um conjunto de equipamentos pré-definidos. Sua recompensa vai ser uma cutscene de 2 ou 3 minutos que supostamente era pra revelar mais sobre o back-story dos campeões mas que na prática não tem nada de útil pro enredo do jogo e um pequeno upgrade na habilidade do campeão em questão, que agora recarrega na metade do tempo. Terminou? Agora repita tudo isso mais 3 vezes para os outros campeões/Divine Beasts.

    Algumas das tarefas necessárias pra revelar as shrines dessa parte são divertidas, como a de enfrentar um Molduking ou um Igneo Talus Titan (versões mais poderosas e fortes do Molduga e do Igneo Talus, respectivamente) ou a de descer a Hebra Mountain com Shield Surfing, passando em checkpoints específicos, mas outras são MEGA tediosas, como ir em um ponto específico no mapa e ficar parado fazendo vários nadas esperando um anel de luz brotar na água ou a boa vontade do Great Dragon aparecer.

    Tendo completado a parte dos monumentos, você deve retornar à Shrine of Resurrection para começar a última (e melhor) parte da DLC. Usando o Sheikah Slate no terminal te dará acesso a um nível subterrâneo onde se encontra uma Divine Beast escondida, com tudo que se tem direito. Nesse jogo o que mais se aproxima das dungeons clássicas são as Divine Beasts e ter acesso a uma inteiramente nova com certeza é algo muito bem vindo, especialmente considerando que o jogo base contém apenas 4.

    Os puzzles da nova Divine Beast são mais elaborados e você precisa utilizar tudo que aprendeu ao longo do jogo para resolvê-los, temos também um boss novo que me atrevo a dizer ser muito mais interessante e desafiador que as reciclagens variações do Ganon que apareceram nas Divine Beasts do jogo base, e ao vencê-lo temos acesso a uma ótima recompensa, a Master Cycle Zero, a motocicleta do Link que também apareceu no Mario Kart 8 Deluxe.

    A Master Cycle Zero é acessível através de uma nova runa no Sheikah Slate, permitindo que você a invoque em virtualmente qualquer lugar do jogo, além de possuir um farol relativamente forte e ser mais rápida que uma grande parte dos cavalos disponíveis, sem contar que você pode cair de praticamente qualquer altura com ela sem que o Link sofra dano. Como todo veículo automatizado, a motoca possui um tanque de combustível, que pode ser reabastecido com praticamente qualquer material coletável (frutas, partes de monstros, minerais, etc).

    Isso basicamente resume o conteúdo principal da DLC 2 do Zelda Breath of the Wild. Outras adições incluem o diário de cada campeão, acessível em sua respectiva "cidade-natal", contendo alguns detalhes do back-story deles, mas assim como as cutscenes dos monumentos não adicionam nada de útil para o enredo geral do jogo. Já na parte das side-quests você encontra algumas roupinhas cosméticas com referências a outros jogos da franquia (não fui atrás) e uma muito útil que te recompensa com o Ancient Horse Gear. 

    O Ancient Horse Gear é composto de dois itens que dão um belo upgrade em um cavalo registrado de sua preferência, o Ancient Saddle permite chamar o seu cavalo em qualquer parte do mapa (e não apenas no continente do mapa específico em que você o largou da última vez), e o Ancient Bridle adiciona mais 2 "turbos" no seu cavalo. Outra parte interessante é que você não precisa necessariamente equipar ambos no mesmo cavalo.

    Enfim, apesar dos seus altos e baixos, a segunda DLC me rendeu mais 13 horas de jogatina, totalizando meu progresso no Zelda Breath of the Wild em 78 horas (incluindo o jogo base e a primeira DLC). A Korok Mask que obtive na primeira DLC se provou extremamente útil, pois sem muito esforço consegui praticamente dobrar a quantidade de Korok Seeds que havia coletado durante a jogatina do jogo base, o que aliviou bastante a limitação na quantidade de armas que o Link pode carregar, uma das minhas principais reclamações. Meu progresso geral terminou assim:

    Nessa segunda DLC a Nintendo fez o mínimo pra entregar o que prometeu, ficou meio que feito as coxas. No anúncio prometeram novos bosses: entregaram apenas 1 novo boss (muito bom por sinal) e reciclaram mais uma vez os que já tinham. Prometeram também novos detalhes do enredo: entregaram uma meia duzia de cutscenes pequenas e o diário dos campeões, mas só tem filler e nenhuma adição útil ou importante para o enredo. Ponto mais alto, não prometeram uma nova Divine Beast, mas entregaram (de longe a melhor parte dessa DLC). E pra mim o ponto mais baixo, prometeram novas shrines e entregaram, porém tirando o principal objetivo delas, que é aumentar a quantidade máxima de vida ou stamina. 

    A segunda DLC adiciona 16 novas shrines, o que somado com as 120 shrines do jogo base seriam suficientes para conseguir o máximo de vida (30 corações) e também o máximo de stamina (3 rodas completas) caso resolvesse platinar o jogo. No entanto, 12 das novas shrines não te recompensam com Spirit Orbs, o que te limita a no máximo 28 corações e 3 barras de stamina ou então 30 corações e 2 barras e meia de stamina. Tirar o principal objetivo das novas shrines só aumentou mais minha sensação de tédio e repetição na parte dos monumentos, pois foi resumidamente decifrar e completar tarefas chatas (salvo algumas exceções) pra liberar shrines que NÃO me recompensam com Spirit Orbs pra então liberar uma batalha com um boss repetido do jogo base e assistir uma cutscene breve que não adiciona nada de útil no enredo. 

    O que (parcialmente) salvou a parte chata dos monumentos foi o upgrade na habilidade do campeão, mas que nessa altura do jogo não é tão útil assim visto que você já estará bem forte quando atingir os requisitos pra iniciar a segunda DLC. Dito isso, poderiam ter melhorado bastante o andamento dessa DLC pulando da parte do One-Hit Obliterator diretamente para a parte da nova Divine Beast, por fim oferecendo o upgrade das habilidades dos campeões através de side-quests, mas paciência ¯\_(ツ)_/¯

    9
    • Micro picture
      manoelnsn · over 2 years ago · 1 ponto

      Uma pequena correção: você não precisa ter terminado o jogo pra completar as DLCs, apenas ter passado as 4 divine beasts.

      Apesar da DLC se chamar Champion's Ballad ela não adiciona nada muito novo pros personagens, apenas mais background pra... Zelda! E tu também se esqueceu de falar do desafio da Master Sword, que infelizmente só adiciona alguma dificuldade limitando seu personagem, assim como a rebatalha contra os minions do Ganon usando um equipamento específico(que neste caso é mais do que suficiente pra derrubar esses babacas).

      Eu acho que a Nintendo deveria lançar mais uma DLC de BOTW. Seria duca ter uma missão pós game junto com a Zelda por exemplo, ou mesmo uma batalha decente contra o Ganon.

      2 replies
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...