Medium picture

mateusfv Mateus Vailate

EVIL ADULT™ Jr, Pupilo do @manoelnsn e Jovem Dinâmico nas horas vagas


about 2 months ago 2021-01-03

Super Mario RPG: Legend of the Seven Stars

Super Mario RPG: Legend of The Seven Stars é um jogo de RPG eletrônico desenvolvido pela SquareSoft (Atual SquareEnix), utilizando da mais famosa propriedade intelectual da Nintendo (e talvez dos vídeo joojs) para trazer um dos melhores jogos do encanador bigodudo, este foi lançado no dia 13 de maio de 1996, bem ao final da vida útil do consoles, inclusive sendo o último jogo do encanador para o console.

A capa do jogo, demonstrando dos visuais pré-renderizados do jogo, algo que assim como Donkey Kong Country, também marcou bastante este jogo.

Mas vamos a premissa da vez, que assim como a grande maioria dos jogos deste personagem, começa com Bowser sequestrando novamente a princesa Peach (aqui utilizando ainda do seu nome original americano “Toadstool”), e Mario indo ao resgate, logo após salvar novamente a princesa da grande tartaruga mutante do mal, uma espada gigante acaba caindo do céu, diretamente no castelo de Bowser, separando os 3 personagens em diferentes partes do mundo.

Cabe então a Mario localizar a princesa, e descobrir por que vários monstros estranhos começaram a surgir em seu mundo após a queda de tal espada.

Jogabilidade

O jogo possui um estilo de câmera isométrico, e segue o mesmo esquema básico de muitos RPGs da época, com um sistema de combates por turno, uma party, itens de cura, equipamentos e armas, lojas, entre outras coisas, todo mundo que já jogou um RPG sabe como funciona, e quem nunca jogou, entende rápido.

A party do jogo é composta por 5 personagens, no qual apenas 3 deles podem ficar ativos por batalha, sendo possível substituir um ou dois deles antes de cada batalha, exceto Mario que sempre é fixo.

Falando em combate do jogo, ele é bem simples, porém mais ao final do jogo se tem certo desafio, o sistema de combate é divido nos quatro botões de face do controle, sendo necessário clicar duas vezes em cima do mesmo botão para confirmar a ação, mas vamos a eles que são:

Y – Abre o menu de ataques especiais.

X – Abre o menu de itens, tanto de cura, quanto para ataque.

A – Este é botão de ataque normal, não precisa de muita explicação.

B – Abre o menu com uma opção para se defender, e outra para fugir do combate (exceto nos bosses, no qual esta função fica indisponível).

Um exemplo de tela, demonstrando um combate contra o primeiro boss do jogo.

Outra coisa sobre o combate é que ele segue um estilo meio rítmico, aonde ao apertar o botão “A” em momentos exatos, alguma ação “extra” ocorre, por exemplo, caso um dos personagem apertar este botão no exato momento em que for atacado, o personagem se defende e diminui o dano, ou caso apertar no exato momento em que o ataque atingir o inimigo, o personagem dará um outro ataque extra causando mais dano ao inimigo.

Isto também serve para os ataques especiais, onde dependendo do momento ao apertar o botão “Y”, o jogador será recompensando com um buff extra, ou um ataque a mais, ou mais forte que o normal.

Vale lembrar que o jogo não possui batalhas aleatórias como era o comum de muitos jogos na época, as batalhas apenas se iniciam ao encostar em algum inimigo que está vagando pelo cenário, assim como em Chrono Trigger por exemplo.

Apesar de o jogo se tratar de um RPG, como ele é baseado em uma franquia de jogos de plataforma, ainda existem leves elementos deste tipo de jogo aqui, normalmente é possível ver este tipo de design ao avançar de uma cidade para outra, entre ambas as cidades sempre existe algum tipo de campo, vale, ou algo do tipo.

No qual Mario e CIA devem atravessar, nestes tipo de cenário é sempre necessário fazer algum tipo leve de plataforma, como pular de uma pedra para a outra ou algo do tipo, é algo bem simples, mas que faz lembrar que este é um jogo que se passa no universo do bigodudo.

Além deste elementos de plataforma o jogo também conta periodicamente com algum tipo de mini game bem simples, que acaba recompensando o jogador com moedas, ou em raros casos itens.

Um dos mini games que o jogo possui, neste caso Mario deve tentar sair de uma mina no tempo mais rápido o possível.

O único ponto negativo a se fazer sobre a jogabilidade do jogo, se deve a um momento perto de seu final, no qual ao chegar no castelo do Bowser, o jogador é apresentado com 6 portas, duas delas contêm desafios de puzzles, outras duas possuem desafios de ação, e por último duas delas possuem desafios de combate.

O jogador é apenas obrigado a passar por 4 delas, ainda sim é algo bem desnecessário que só serve para estender artificialmente o tempo de jogo, pois até dado momento, nada parecido ocorre anteriormente no jogo, sendo algo bem chato de obrigar o jogador a fazer, bem próximo de seu final.

Gráficos

O jogo utiliza de gráficos pré-renderizados assim como outro famoso jogo de SNES, Donkey Kong. Este tipo de visual estava ficando famoso, pois trazia um visual bem mais avançado com cara de 32bits, algo que era bem surpreendente de ser ver rodando no console.

Um exemplo de tela, contendo tanto o cenário, quanto os personagens de forma pre-renderizada.

Ainda sim apesar de seus belíssimos gráficos, o jogo tem um porem, algo que não é necessariamente negativo, pois isto da certo charme ao jogo, mas a maioria dos designs de personagens e inimigos não tem nada a ver com o universo do Mario.

E em boa parte são alguns seres antropomórficos bizarros, mas como dito anteriormente isto não é algo necessariamente negativo, apenas estranho.

História

A história do jogo, apesar de bem simples, é bem diferente do que estávamos acostumados a ver em Mario até o momento, com o encanador tendo de viajar a diferentes partes do seu mundo, coletando estrelas para concertar a “Star Road”, esta que concede os desejos da pessoas, pois sem ela nenhum desejo jamais se realizara novamente.

Apesar da premissa simples, a história do jogo é uma boa maluquice divertida, com diferentes personagens, e situações cada vez mais bizarras que a outra, além da várias ótimas piadas que o jogo possui, desde as mais pastelões e absurdas, até algumas de duplo sentido que só o pessoal mais velho percebe.

Música

A trilha do jogo foi composta pela grande Yoko Shimomura (creditada erroneamente como Youko Shimomura nos créditos do jogo), e assim como em seus outros trabalhos de RPG (Xenoblade Chronicles, Final Fantasy XV, entre outros), não existe uma única música mais ou menos, ou ruim na trilha, todas são surpreendentemente ótimas e divertidas de se ouvir.

https://www.youtube.com/watch?v=wpchBo75N68&t=555s

Considerações finais

Super Mario RPG: The Legend of The Seven Stars não é só um ótimo jogo para se introduzir as pessoas ao gênero, pois este é bem similar a grande maioria dos outros jogos do gênero para o SNES, como também é um ótimo jogo para que já jogou dezenas de jogos neste estilo.

O seu combate simples porem divertido, com uma trilha sonora incrível, e sua história maluca com suas dezenas de piadas, são mais que o suficiente para entreter os mais diversos jogadores de diferentes idade.

9.0 9.0 10
Overall
9.0 Gameplay
9.0 Story
10 Music
9.0 Graphics
Combate simples e intuitivo
Trilha sonora magnifica
Gráficos muito bonitos
História maluca, e piadas muito boas
Ótimo para se introduzir pessoas ao gênero
Os designs feitos pela Square, podem ser bem estranhos ao lado dos feitos pela Nintendo
A parte com as 6 portas no castelo de Bowser, é um jeito safado de estender o tempo de jogo

11 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...