Medium picture

juninhonash Juninho Rodrigues

It's gonna be a hell of a party


over 6 years ago 2013-05-17

Persona 2: Innocent Sin

Persona 2 é uma grande saga dos RPG's que infelizmente não é lá tão bem conhecida por aqui no ocidente, mas sua massa de fãs já era relativamente sólida antes dos colegiais jogos posteriores Persona 3 e 4.

Mas antes disso Persona 1 e 2 eram nada mais que os sucessores de SMT de uma forma diferente, obviamente inspirados em Shin Megami Tensei... What If do Super Nintendo.

Persona 1 infelizmente não teve sorte no ocidente de duas formas, a primeira por sua versão americana oficial ter sido brutalmente afetada no PS1 e a versão remake baseada no original do PSP ter uma OST tão mas tão medíocre que nem mesmo parece ter sido feita pelo grande Shoji Meguro.

Mas vamos por partes, porque Persona 2 Innocent Sin é incrível?

O enredo do jogo é no mínimo brilhante e intrigante, baseado em Tatsuya Suou, um garoto calado que é até mesmo criticado duramente por isso sendo o seu protagonista mudo do jogo, mas não se engane porque ele tem um motivo pra ser assim relatado ao passado do jogo, e ao seu lado irão 5 amigos.

Eikichi Mishina, um garoto que era gordo e emagreceu e com isso se tornou narcisista, Lisa, a garota americana que não sabe uma palavra em inglês e por ter sido crescido naturalizada no Japão, acha isso normal mas não é bem assim que todos à veem, Yukino, a garota durona de Persona 1 faz uma participação bem grande no jogo e de crucial importância, Jun, membro substituto de Yukino no decorrer da trama com seu lado emotivo e bondoso que é até mesmo visto de forma errônea por todos no decorrer e Maya Amano, reportar da revista Coolest, uma mulher bem diferente, desajeitada e preguiçosa com suas coisas mas que não deixa o dever a cumprir.

Os personagens são profundos ao extremo mas é complicado falar além disso, boa parte da graça de Persona 2 é desenrolar a trama onde não mostra somente os personagens mas também o universo em si, que é basicamente um mundo onde a realidade se encontra com seu tecido abalado, onde tudo que muita gente acredita acontece, isso mostra claramente muitos efeitos das pessoas de modo geral. O famoso "efeito manada" e o medo coletivo estão mais do que presentes principalmente quando demônios começam a invadir esse mundo.

As pessoas na rua tem medo, desespero, agonia, elas não querem sair pra trabalhar e tremem da cabeça aos pés ao pensar na possibilidade de ser pega por uma criatura mitológica vista em forma de demônio.

Mas a grande diferença do jogo são suas personas. Personas são a face de sua personalidade, e diferente de Persona 3 onde se "força" a invoca-las com uma arma ou a superação e aceitação de sua parte ruim como em Persona 4, aqui as coisas são diferentes. 

Persona 2 mostra um lado mais adulto e humano, onde CADA ASPECTO de sua personalidade é uma Persona. Não se engane achando que pelo fato do jogo ter uma persona principal pra cada personagem que ela é a "fixa" dele.  Por exemplo, a persona definitiva de Eikichi no jogo é Hades, mas ele pode usar várias, isso só mostra como o jogo retrata o fato de que cada face feliz, triste, amarga ou invejosa de sua personalidade pode refletir de forma que gere uma persona.

Graficamente também é um jogo bonito, trata-se de um remake polido ao extremo e simplificando parte do sistema que era pouco prático no seu original de PS1, usaram basicamente o mesmo sistema de Eternal Punishment porém com um layout melhor e mais bonito. Mudaram também as ilustrações do jogo passando elas pra um traço mais padrão de mangá. 

Além das músicas que já eram boas e remixadas transmitindo o clima de tensão certo na hora das batalhas ou mesmo tristeza nos momentos mais emocionantes, e de quebra, se você preferir a original, basta ir ao menu e trocar. A escolha é inteiramente sua e livre.

O gameplay que muitos dizem ser difícil, eu vejo como refinado, com vários elementos e possibilitando com que a grande graça do jogo seja feita: as fusion spells.

Como o próprio nome diz, são as fusões mágicas, misturando vários elementos de várias magias é possível criar uma variedade gigante de fusion spells das mais variadas formas e tamanhos, aumentando não somente dano mas também alcance de 1 pra todos os inimigos da tela e Persona 2 se consiste nisso. Dano físico é pra poucas situações, o ideal é usar Fusion Spells que acertem todos na tela da melhor e mais brutal forma possível.

Persona 2 também por ser uma saga dividida em duas partes, Innocent Sin, a primeira, aborda todos os personagens e foca mais em Maya Amano, que por sinal é o "centro" do jogo, mas Eternal Punishment faz o mesmo com Tatsuya. Mas cuidado, eu disse aprofunda "mais" nela, não quer dizer que os outros não tenham espaço. Porque tem e muito.

Innocent Sin é um verdadeiro jogo adulto, maduro, com uma proposta inteligente que não é passada de graça e sim com necessidade de atenção e dedicação do jogador, mostrando vários problemas de nossa sociedade de uma forma brilhante e intrigante. Vale muito à pena.

10 10 10
Overall
10 Gameplay
10 Story
10 Music
10 Graphics
OST simplesmente soberba, seja ela original ou remix
Profudidade psicológica no enredo
Personagens com um carisma gigantesco
Vilões com motivações inteligentes e Nyarlathotep é de longe um dos melhores vilões de todos os tempos
Toneladas de conteúdo extra e side-quests.
Infelizmente o jogo é em termos linear.

21 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...