Medium picture

manoelnsn Manoel Nogueira

Só um cara que curte rpgs...


over 3 years ago 2016-02-10

Final Fantasy IV: The Complete Collection

Final Fantasy IV estreou em 1991 no início da vida do gigante Super Nintendo, aqui no ocidente foi lançado com o nome de Final Fantasy II(já que apenas o primeiro título para NES havia sido lançado por aqui). Contudo o projeto inicial era pra ter saído ainda para o NES, mas a Square decidiu adaptá-lo em cima da hora e o resultado foi algo bem aquém da capacidade do novo console...

Felizmente, com o passar dos anos, novos remakes foram lançados pra este jogo, sempre para as mais novas plataformas e com isso muitos dos defeitos dele foram sendo corrigidos, até que em 2011, no seu aniversário de 20 anos,  surgia a versão definitiva deste game para o portátil da Sony: Final Fantasy IV Complete Collection!!!!

Ao invés de utilizar a funesta engine 3D utilizada no DS e nas recentes versões mobile, a Square decidiu fazer diferente e criar estes sprites lindos que beiram à perfeição, tal como foi com os remakes de FF e FFII! Os efeitos das magias também ficaram espetaculares, aproveitando-se bastante da potência do console. Infelizmente os portraits dos personagens não seguiram o artwork do Yoshitaka Amano, o responsável aqui foi Akira Oguro, mas ao menos o traço dele não é genérico como o do Nomura, e até temos uma galeria com as artes clássicas disponíveis para o jogador. O jogo também as mesmas CGs com cara de porcelana da versão DS, mas ignore aquilo lá.

Nesta versão também contamos com duas sequelas do game: Interlude e After Years. Ambas contam os acontecimentos após o término do jogo principal, mostrando o que aconteceu anos depois com os personagens, deixando o pacote ainda mais completo. Contudo, nesta review irei me concentrar em falar apenas do jogo principal, já que além dos outros dois servirem mais como expansão deste, o impacto de FFIV para a franquia em si foi muito grande e exige uma abordagem mais completa.

A história é protagonizada por Cecil, um Cavaleiro Negro(Dark Knight), capitão dos "Red Wings". Em um ataque ordenado por seu Rei, Cecil e seu exército acabam dizimando uma cidade inteira apenas para conseguir um único cristal, o que o faz começar a pensar nos real motivos dele estar fazendo isso. Por contrariar sua Majestade, ele é destituído de seu posto e é ordenado a enviar um pacote para a cidade de Mist, junto com seu amigo Kain(um Dragoon). Contudo, ao chegar no local saem diversos monstros da encomenda e estes destroem o vilarejo, deixando uma única sobrevivente: uma estranha garotinha chamada Rydia. No meio da confusão, a garota acaba se enfurecendo e invoca Titan, causando um enorme terremoto que separa Cecil de seu amigo.

O cavaleiro negro acaba se compadecendo da garota, que ficou ferida durante sua invocação, e esta passa a acompanhá-lo. Também somos apresentados à Rosa, uma White Mage pela qual Cecil é apaixonado, que acaba contraindo uma doença grave, o que o faz ir atrás do antídoto antes que o pior aconteça. Em meio à sua busca, encontram Tellah, um Sage(Classe mais poderosa de magos), que está a procura de sua filha Anna, que se encontra em Damcyan. Porém este castelo é rapidamente atacado pelo antigo exército de Cecil, agora comandado pelo misterioso Golbez. Ao chegarem no local, descobrem que o mesmo se apossou de outro cristal, tal como Cecil havia feito no começo do game, e aparentemente o Rei quer alguma coisa reunindo todos eles. Tellah então parte numa jornada em busca de vingança e Cecil e Rydia se unem à Edward, um bardo sobrevivente da chacina(que que também era namorado de Anna). 

Após curar Rosa, o grupo decide ir proteger o próximo cristal, antes que Golbez o pegue, quando eles conhecem o Monk Yang. Porém no meio do caminho são atacados pelos Red Wings e com a ajuda de Kain, Rosa é sequestrada(a dona fica doente e depois é sequestrada, típica princesinha em perigo). Ao conseguirem se reagrupar, são atacados por Leviathan, que separa a equipe novamente, deixando o paradeiro de Rydia desconhecido. Cecil acorda em Mysidia, a cidade dos magos, onde descobre que para derrotar Golbez precisa se tornar um Paladino e abdicar de uma vez do poder das trevas. Para isso recebe a ajuda de dois magos gêmeos, Palom e Porom. No meio do caminho reencontram Tellah, que ainda procura vingança e quer saber o segredo da magia proibida Meteor, para derrotar Golbez. 

                                           Como Dark Knight ele estava bem melhor...

Por fim, Cecil consegue sua mudança de classe, Tellah consegue Meteor. Então Cecil tenta convencer o Rei que o que ele está fazendo é errado, e se infiltra em Baron, apenas pra descobrir que o Rei nada mais é que um monstro de Golbez e para Palom e Porom se sacrificarem pra salvar a vida do paladino... Não falei que ele estava melhor como Dark Knight???

 Golbez, pra variar, consegue o último cristal em troca de Rosa, não antes de matar Tellah(que tentou invocar Meteor ser tem MP o suficiente). Após conseguir reunir todos os cristais, Golbez parte para o submundo, conseguir os cristais negros, e Cecil e seus amigos, agora com a ajuda do engenheiro Cid, partem novamente para impedí-lo, e adivinha... Falham de novo, até que surge uma fucking Summoner que chega descendo o sarrafo no assassino de Sages: É Rydia, que por algum motivo, cresceu e ficou mais poderosa, mas mesmo assim Golbez consegue fugir com a merda dos cristais...

                                     Isso sim é uma boa "mudança de classe", aheuahua

Ao tentarem sair do submundo, Cid acaba tendo que se sacrificar também(ninguém se importava com ele mesmo), e o grupo parte para a Torre de Babel, onde os cristais estão sendo mantidos. Para isso precisam da ajuda do Ninja Edge(que demonstra um enooorme interesse em Rydia) e de seu veículo para chegarem na bendita torre. Mas adivinha só... São pegos numa armadilha de novo, Yang aparentemente morre(ok, chega de gente morrendo já), eles param de novo no submundo e lá o Rei dos Dwarves(anões que vivem debaixo da terra) lhes diz que a única maneira de derrotar Golbez é utilizando a Lunar Whale... E não, o nome não é apenas enfeite, ela realmente pode alcançar a Lua!!! Coma ajuda de Cid(que ainda estava vivo), conseguem sair do submundo, conseguir a nave espacial e ultrapassar a estratosfera!

                                       Airship o caramba, aqui é spaceship, rapá!!!!

E afinal, o que diabos isso tem a ver com um cara maluco que quer cristais? Simples: na lua descobrem através de um Lunarian chamado Fusoya, que diz que Golbez na verdade está sendo controlado por Zemus, uma entidade que quer destruir os terráqueos utilizando um robô colossal(isso porque ele não queria dormir num sono criogênico, aheuhaua)! Então finalmente a equipe impede Golbez, com a ajuda de Yang(que acordou de seu coma com uma frigideirada, ahuehaua) e os gêmeos, Palom e Porom(que voltam também, afinal a Square deve ter desistido de matar todo o elenco), e quebram sua hipnose, o que automaticamente faz Kain voltar a ser amigo de Cecil, que também descobre que Golbez era seu irmão, e que ambos eram Lunarians, como Fusoya!!! 

                                   Nada melhor que um final boss ET para melhorar o dia!

Por fim, Golbez e Fusoya conseguem derrotar Zemus, mas este volta como um capetão chamado Zeromus, que derrota ambos, mas Cecil e sua equipe conseguem finalmente derrotá-lo. O jogo termina com Kain saindo numa jornada para expiar seus pecados(e esquecer o fato que foi usado como marionete o jogo inteiro), Golbez e Fusoya ficam na lua, Cecil é coroado Rei, junto com Rosa, e todo o resto termina numa boa... Exceto Edge, que não conseguiu nada com Rydia, e nem vai conseguir, ahuehuaehua

Mas, com uma trama maluca destas, como Final Fantasy IV pode ter algum valor para a franquia? Simples: um jogo não precisa de uma trama bem elaborada para ter algum mérito. Sem contar que, mesmo com esse monte de plot twists e ex machina acontecendo, a trama teve uma boa melhoria dos outros jogos: pela primeira vez na franquia temos personagens com background, e mesmo que todos eles sejam bem clichês, ainda dão uma boa surra no que a franquia tinha a oferecer até então(FFII tinha um esboço de personagens assim, mas nada muito desenvolvido). Infelizmente ela continua com a baboseira de cristais, mas ao menos tiraram a alcunha de "guerreiros da luz"...

Antes de mais nada, se você e um jogador veterano de Final Fantasy, deve conhecer a famosa barra ATB(Active Time Battle), que deixa os combates bem mais dinâmicos. Pois bem, então saiba que FINAL FANTASY IV FOI O PRIMEIRO JOGO A INTRODUZIR ESTE SISTEMA EM BATALHA! Antes a prioridade de ataque era de acordo com o maior status de velocidade e você tinha que selecionar o ataque de todos os seus personagens de uma vez. Em FFIV isso mudou, pois agora tanto seus personagens quanto os inimigos possuem a hora certa de atacar e se você não pausar adequadamente o jogo, vai ficar apanhando até morrer. Outra maravilha que FFIV fez foi a evolução do sistema de jobs, desta vez fixas, e não removíveis como no antecessor. Magias e Summons não precisam mais ser compradas: agora os respectivos magos aprendem elas através de level up também.

Cecil começa como Dark Knight, que pode utilizar a habilidade Darkness para cortar seu HP e atacar todos os inimigos, depois se torna um Paladin, que pode usar magias de cura(de uma maneira bem ruim), além da habilidade Cover, que permite que ele defenda algum personagem do ataque inimigo, servindo de escudo humano. Ele é razoável, mas o jogo te obriga a usá-lo até o fim, portanto se acostume com ele.

Rosa é a White Mage, possuindo altas magias de cura e status defensivos bem baixos. Pode utilizar arco e flecha também.

Rydia é uma Sumonner, porém também utiliza Black Mages. Quando criança, pode utilizar algumas White Mages, mas isso some depois que ela fica adulta. Suas Summons são extremamente poderosas, especialmente Bahamut, tornando ela a melhor personagem do game!

Kain é um Dragoon, permitindo que ele salte e ataque o inimigo depois de um certo tempo(muito útil pra escapar de ataques). Um dos melhores personagens também.

Edge é um Ninja,  que pode jogar armas, Shurikens, atacar com as duas mãos e utilizar Scrolls de magia(também de uma maneira bem ruim). Ao contrário da job em FFIII, Edge é fraco e sua única vantagem é sua velocidade.

Yang é um Monk e possui a habilidade Kick, permitindo que ele acerte vários inimigos com um único ataque(bem fraco também). Possui um bom dano físico e HP, mas não é muito útil nas batalhas finais.

Cid é um Engineer, possuindo a habilidade Analize, que vê os stats e fraquezas dos inimigos(idêntico à white speel Libra). Provavelmente o pior personagem do jogo.

Edward é um Bardo, uma das piores jobs de FFIII, mas que aqui tem o seu valor: possui a habilidade "Hide", permitindo que ele se esconda na batalha e fique imune à todos os ataques, podendo curar com itens qualquer um que estiver precisando. Ele é tão frágil quanto Rosa, portanto mantenha-o longe da linha de frente. Também possui o ataque Sing, que de acordo com sua harpa, invoca status nos oponentes ou na party.

Palom é um Black Mage, possuindo as melhores magias do jogo. Ele possui uma habilidade chamada Bluff, que aumenta o dano de suas magias, além de Twincast, que se sua irmã Porom estiver em campo, lhe permitem invocar magias como Pyroblast e Comet. Rydia é mais versátil e permanece mais tempo no game, mas Palom aprende magias mais rápido.

Porom é uma White mage, como Rosa. Porém possui a habilidade Cry, que pode confundir os inimigos, além da já comentada Twincast com seu irmão. Rosa fica mais tempo na equipe, mas Porom pode ser uma boa, se usada junto com Palom.

O jogo também possui Tellah e Fusoya como personagens jogáveis, mas eles ficam pouco tempo na Party e são praticamente sages(job de FFIII que permitia utilizar Black e White mages ao mesmo tempo). Falando em tempo, na versão original do SNES você era obrigado a utilizar Cecil, Kain, Rosa, Rydia e Edge na batalha final, mas a partir do GBA isso não é mais necessário(o que é ótimo, já que Edge é uma droga).

Pela primeira, e última vez, na franquia, também é permitido utilizar 5 personagens de uma única vez. Contudo, os inimigos podem aparecer em hordas também! A dificuldade do jogo é muito boa e alguns inimigos randômicos chegam a ser mais difíceis do que certos bosses!  A versão também conta com a dungeon extra pós-game acrescentada na versão GBA, além dos já comentados Interlude e After Years... este último vale ressaltar alguns pontos...

A história passa 16 anos após o término do primeiro jogo e conta a história de uma garota misteriosa que está atrás... Da droga dos cristais de novo... E ela também consegue roubar as summons da Rydia, tornando ela menos útil do que era no jogo original... Enfim, o jogo adiciona um mundaréu de novos personagens, como Ceodore(filho de Rosa e Cecil), Leonora(uma Sage em treinamento que quer dar pro Palom), Luca(a filha do rei Dwarve que também quer dar pro Palom), Ursula(a filha do Yang, que não quer dar pro Palom, mas que é melhor Monk que o pai); uma renca de capangas do Edge(que possuem habilidades exóticas, mas são tão ruins quanto o mestre)e... Golbez, que está sem armadura e é jogável(ele é o melhor personagem do jogo até próximo do final, quando Palom ultrapassa ele). Alguns antigos até pioraram, como Kain, que virou um tipo de Dragoon Paladin(que além de possuir magias brancas inúteis, teve seu jump acelerado, tornando-o inútil) e Rydia, que perdeu as Summons(e só recupera o poderoso Bahamut antes do final Boss, ou seja, inútil).

Outra inovação de After Years foi o sistema de fases da lua. Assim que o jogador usa uma tent ou algo similar, a fase da lua muda e isso pode afetar o desempenho das Black Mages e White Mages, podendo atrapalhar ou beneficiar o jogador. Agora também é possível utilizar técnicas combinadas com os personagens(antes só Palom e Porom podiam fazer isso), como Golbez e Cecil, que podem utilizar uma inusitada versão de Ultima!

Outro acréscimo do After Years é o boss Rush, que ocorre pouco antes de enfrentar o final boss. Nele é possível enfrentar bosses de todos os outros final fantasy clássicos, com até mesmo Shinryu, Omega Weapon, Phantom Train, Ultros(este é hilário quando possuem garotas na equipe, aheuha) e Deathgaze, que quando derrotado, permite ao jogador ensinar a habilidade Dualcast pra Parom, Polom ou Leonora. Quem dera todos os Final Fantasy clássicos tivesses recebido este mesmo tratamento!

Concluindo...

Final Fantasy IV trouxe muitas inovações para a franquia em si. A principal delas foi aquela que diferenciou a mesma dos outros RPGs de turnos da época: a barra de ATB. O jogo também melhorou o conceito de jobs do FF1, evoluiu algumas ideias de FF2 e aproveitou melhor as jobs de FF3, definitivamente o Super Nintendo foi agraciado na época com uma jóia, que nos remakes mais recentes conseguiu ser lapidada ainda mais e nesta sublime versão de 20 anos lançada para o PSP alcançou um patamar artístico jamais visto por nenhum outro jogo 2D da franquia, tornando-o sem dúvidas, o Final Fantasy mais bonito feito até hoje(a menos que você prefira aqueles andróginos com cara de porcelana do Nomura) e continua sendo o segundo melhor da franquia, perdendo apenas para aquele que conseguiu evoluir seus conceitos ainda mais: Final Fantasy VI.

E se mesmo com tudo isso ainda desmerecerem este jogo apenas por sua história... É melhor irem ver algum filme ao invés de jogar RPG.

9.0 9.0 10
Overall
9.0 Gameplay
7.5 Story
8.5 Music
10 Graphics
Primeira aparição da barra de ATB
Jobs fixas
Extras: Interlude e After Years
Gráficos estupendos
Personagens morrendo/saindo da party em demasia
Um tanto linear
Leseira de cristais sendo utilizada novamente

11 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...