Medium picture

vine Vinicius Do Prado Vieira

Leeeeettt's paaaarrrty... If you think you can keep up


about 4 years ago 2015-10-21

Devil May Cry 4: Special Edition


Devil May Cry
finalmente está de volta! Dando uma arejada na série original (DmC é da mesma franquia, mas constitui uma série diferente) que estava engavetada desde 2008, foram 7 anos de espera para os fans da série! Essa espera toda valeu a pena? É o que busco responder ao leitor até o fim dessa crítica, além de trazer boas notícias e ser otimista em relação ao futuro da série original.

Fortuna e A Ordem da Espada - Resumo do enredo de Devil May Cry 4

O enredo de Devil May Cry 4, diferente dos outros jogos da série, é focado em Nero, um personagem novo (que a essa altura do campeonato já é um velho conhecido de muitos) que vive na cidade de Fortuna, cidade esta ligada à uma religião que cultua Sparda, um demônio que salvou a humanidade 2000 anos atrás e recebeu o título de Lendário Cavaleiro Negro, como um deus. 

A história começa com Nero correndo em direção ao culto enquanto derrota alguns demônios no caminho. Chegando lá, entediado com toda a pregação religiosa, eis que surge, caindo de e quebrando a vidraria do teto do templo, um homem ""misterioso"", alto, de sobretudo vermelho, carregando duas pistolas e uma espada igualmente alta. Esse homem dá um tiro na cara do "pastor" do culto, que lembra mais um "papa" e promove uma verdadeira carnificina ali dentro do templo religioso.

Nero entra em combate com o assassino ""misterioso"" e no meio do combate revela seu incomum braço. Após um diálogo vago com o tal assassino, este se despede de Nero, e a cidade começa a ser invadida por uma avalanche de demônios, e esse é o gancho para o enredo de Devil May Cry 4.

Enquanto o jogo não têm uma história envolvente (e esse nunca foi o ponto da franquia), o desenvolvimento desse enredo simples vale pela atuação dos personagens nas cutscenes, embora em menor grau que seu predecessor, Devil May Cry 3.

O jogo não é uma boa pedida pra jogadores que apreciam mais os enredos do que a jogabilidade de seus jogos. Fica aí o aviso. Se você já era fan da série, vale a pena checar o enredo. Não vou me prolongar muito nesses comentários sobre o enredo porque não mudou quase nada da versão de 7 anos atrás, com algumas pequenas adições, que são, aliás um ponto decepcionante para fans da franquia que esperavam mais elaboração na história de Nero e na sua possível ligação com Vergil, o jogo contém apenas uma cutscene introdutória e uma no final para Vergil e o mesmo para Lady/Trish.

Gráficos antigos, porém atuais (?)

Os gráficos do jogo por si só, datam de 2008, porém, o jogo foi bem produzido mesmo pra sua época e eles continuam lindos, mesmo considerando o padrão atual de qualidade, pouco mudou da versão original pra cá, sendo a principal diferença que agora as versões dos consoles também rodam a 1080p e parecem totalmente livres de quedas de FPS. A cena a seguir é in-game (fora de cutscenes):


O estilo visual do jogo merece um destaque pelos contrastes de áreas visitadas: florestas iluminadas por visíveis raios de sol, cidades, vilas, castelos de arquitetura gótica e laboratórios subterrâneos compõe os ambientes do jogo. Os personagens tem um estilo com suas raízes em algo mais anime (um pouco extravagantes) mas "ajustados" pra padrões mais ocidentais em termos de visuais:

Vamos ao que interessa! - A jogabilidade de Devil May Cry 4: Special Edition

Devil May Cry 4, em sua primeira aparição antes da Special Edition, já se tratava de um jogo esplêndido com uma variedade incalculável, um sem fim de possibilidades para Dante e, em menor escala, para Nero. Agora, com a adição de três personagens: Vergil, Lady e Trish, temos ainda mais variedade pro pacote, e cada um deles têm seu próprio estilo de jogo e mecânicas próprias!

Vergil o irmão gêmeo de Dante está de volta, ele que não dava as caras desde Devil May Cry 3: Special Edition. Além de contar com 3 armas, habilidades expandidas quando em sua forma demoníaca (devil trigger), possui uma mecânica chamada "Concentration Gauge", que funciona como um incentivo pro jogador "jogar como Vergil", evitando errar golpes, evitando correr durante batalhas e evitando tomar ataques dos monstros, a barra de concentração é continuamente preenchida se essas condições são mantidas e sofre reduções quando elas são quebradas, a mesma possui 3 níveis, que intensificam propriedades de cada uma de suas três armas: Yamato ganha um alcance maior quanto maior o nível de concentração, Beowulf ganha maior capacidade de "carregar" os golpes para que eles causem mais dano e efeitos diferentes nos inimigos, Force Edge & Yamato passam a acertar os monstros múltiplas vezes num só golpe o que também acarreta em efeitos diferentes durante os golpes.

A barra de concentração é a barra azul logo acima da barra verde de vida. Na imagem, o golpe "Judgement Cut": a marca registrada do personagem desde sua primeira aparição em Devil May Cry 3 como antgonista e boss.


Vergil têm como projéteis suas "Summoned Swords", pequenas espadas de energia que ele invoca para atacar os monstros, sem nem mesmo precisar piscar para isso. Ele é capaz de invocar essas espadas em qualquer momento: durante seus golpes ou até mesmo enquanto se recupera de algum golpe recebido ou desferido. Ele possui várias formas de usar essas espadas e pode invocá-las uma a uma ou várias em uma formação, que causam efeitos diferentes quando acertam os inimigos.

"Heavy Rain Swords", esse golpe é capaz de paralisar inimigos por um curto período de tempo.


Vergil também é capaz de encurtar distâncias entre ele e o inimigo num piscar de olhos através de "tricks" (movimentos rápidos), usando uma Summoned Sword encravada no inimigo como "referência", ele simplemente aparece na frente do inimigo ao apertar de um botão. Também pode cancelar praticamente todos os seus golpes com esse "trick", o que permite desviar em meio a um ataque ou estender combos.

Lady agora também é jogável, pela primeira vez na série. A ideia básica do personagem é que ela seja um personagem de longa distância, é a personagem mais amigável a novatos e tem um gameplay bastante simples. Ela têm uma barra de "energia" que se assemelha a projéteis, por ser a única personagem totalmente humana, não possui um "devil trigger", e usa essa barra de projéteis pra utilizar ataques especiais como jogar um mol de granadas em torno de si, atirar um mol de misséis de sua Kalina Ann (bazooka), ou atirar velozmente pra todos os lados com sua shotgun.


Trish retorna à série depois de ter sua primeira aparição como personagem jogável em Devil May Cry 2. Também uma personagem de jogabilidade mais simples (em comparação a Dante, Nero e Vergil) e amigável a novatos, ela usa uma espada chamada Sparda e seus próprios punhos imbuídos de eletricidade pra atacar os inimigos. Seus ataques cobrem grandes áreas por um certo período do tempo, o que torna o "crowd control" (controle de vários inimigos numa área) uma tarefa bastante simples jogando com ela, é outra personagem forte similar à Lady apesar de manter um estilo de jogo diferente. Também possui uma barra de "devil trigger", utilizada pra golpes especiais bem potentes.


E também, claro, os dois protagonistas estão de volta: Dante, com a maior lista de movimentos já vista em qualquer hack'n'slash e uma variedade de estilo de jogo imensa: podendo acessar seus 5 estilos, 3 armas de fogo e 3 armas brancas a qualquer momento, ao toque de um ou alguns botões. E Nero, que continua sendo o personagem amigável a novatos mas difícil de dominar, com muitas mecânicas avançadas e sua "devil bringer" que facilita muito os combos aéreos e permite que ele permaneça mais tempo no ar executando combos, diferente dos outros 4 personagens.

Devil May Cry 4: Special Edition tem, de longe, o elenco mais completo e variado em qualquer hack'n'slash já lançado no mercado. E também, os personagens que contém a maior variedade de movimentos no gênero, interagindo com os sistemas do jogo que são complexos e bem polidos, que com uso de algumas técnicas avançadas, jogadores utilizam desses sistemas pra possibilitar muitas coisas novas e interessantes, fazendo do jogo um verdadeiro laboratório de diversão e exploração desses sistemas.

Agora as versões console também contam com Turbo Mode (velocidade do jogo aumenta em 20%) e a dificuldade Legendary Dark Knight, que não é mais desafiadora que o bom e velho Dante Must Die, porém, têm mobs gigantescos de monstros fracos pro jogador destruir e se divertir.

Esse vídeo, de um jogador que eu gosto muito, mostra um tanto da jogabilidade de cada personagem e vale a pena cada minuto, não é muito longo apesar de mostrar todos eles:

https://www.youtube.com/watch?v=ILftIwuvt7s


Veredito final:

Esse jogo vai além de MUITO RECOMENDADO a fans de hack'n'slash pra OBRIGATÓRIO, como se trata apenas de uma "edição especial" o jogo já foi lançado a um preço muito acessível, e próximo da data desse review (21/10/2015), posso confirmar que o jogo custa em torno de 50 R$ na Steam e na PS Store, embora não tenha certeza do preço na Live, mas provavelmente está em torno de 50 R$ também. É um jogo que rende muito também pra fans de jogos de ação em geral, mas não recomendo tanto pra quem gosta mais de assistir jogos do que jogá-los, Devil May Cry como uma série se sustenta em sua jogabilidade e muito pouco em seu enredo e pode decepcionar nesse sentido.

Devil May Cry 4: Special Edition veio pra reafirmar Devil May Cry 4 como o ocupante do trono de rei do gênero hack'n'slash, sem deixar quaisquer dúvidas no ar e fez nossa espera valer, apesar de algumas pequenas decepções. Espero que o próximo jogo da franquia mantenha os padrões de qualidade que essa edição especial estabeleceu, e, como prometi sobre as boas notícias:

O jogo foi citado como "forte vendedor" pra boa performance que a Capcom teve no mercado no período de seu lançamento (em retrospectiva com o mesmo período no ano passado), então, podemos ficar esperançosos sobre uma continuação ou ao menos mais um jogo no universo clássico de Devil May Cry, e, desejavelmente, com a mesma qualidade e conteúdo apresentada nesse jogo.

"Though a fight every now and again does make life more interesting.
...Don't you think?"
- Dante


https://www.youtube.com/watch?v=cZREyEP2rus

9.0 9.0 10
Overall
10 Gameplay
6.0 Story
9.0 Music
10 Graphics
Excelente desempenho nos consoles e PC, acessível até para hardwares antigos.
Boss fights variadas, com boa dificuldade e bosses têm "enemy design" funcional contra todos os diferentes personagem.
5 personagens com jogabilidades distintas e mecânicas únicas
Jogabilidade riquíssima, mecânicas bem trabalhadas e polidas. Excelente para fans do gênero hack'n'slash.
Curva de aprendizado boa para iniciantes no gênero ou franquia, e personagens amigáveis a novatos.
"Backtracking". O jogo te obriga a voltar pelos mesmos cenários e lutar contra os mesmos inimigos, poderia ter sido expandido nesse sentido embora atenha boa variedade.
Falta de cutscenes para os não-protagonistas (Vergil, Trish e Lady).
Furos na história (plotholes). Perderam a oportunidade de elucidar a relação do Vergil com o Nero
Plataforming ruim, tradição da série.

7 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...