Medium picture

mateusfv Mateus Vailate

EVIL ADULT™ Jr, Pupilo do @manoelnsn e Jovem Dinâmico nas horas vagas


3 months ago 2020-12-01

Uncharted: Drake's Fortune

Uncharted: Drake’s Fortune é oprimeiro jogo da franquia mais reconhecível da Sony, tendo sido lançado dia 19 de novembro de 2007 exclusivamente para o Playstation 3, sendo este o primeiro jogo da Naughty Dog para o console.

A arte do jogo, mostrando o até então desconhecido protagonista, Nathan Drake.

Yes, you may questionar, what is the premissa this tempo? E novamente aqui eu irei lhes explicar. Nathan Drake é um caçar de tesouros, que é contratado por Elena Fisher (e seu estúdio) para lhe ajudar a encontrar o caixão do famoso explorador Francis Drake, este do qual Drake é descendente.

Com a ajuda do anel a qual Drake herdou de seu antepassado, eles conseguem localizar o caixão (pois o anel tinha coordenadas que levavam até o local) e descobrem que ele está vazio, quer dizer não tão vazio assim, pois ele contém o diário de Francis Drake, aonde ele fala da localização de um grande tesouro, a da famosa cidade perdida de ouro: El Dourado.

Jogabilidade

O jogo tem grande inspiração pelo reboot da franquia Tomb Raider, este que por sua vez teve como inspiração o lendário Sands of Time, sendo assim o jogo segue o mesmo estilo de se dividir entre seções de combate e seções de escala/puzzle, além de ter como influencia também Gears of War e sua popularização do sistema de cover.

Porém o jogo traz um grande diferencial ao gênero em seu estilo cinematográfico, assim como em um filme de ação, existem alguns set pieces no jogo, seja com Drake tendo de correr de algum local que está desmoronando, ou fugir de jipe enquanto os seus inimigos o perseguem.

Um dos poucos set pieces que o primeiro jogo possui, onde Drake deve fugir de alguns andaimes que estão desmoronando, a quantidade e qualidade de seus set pieces aumentam na qualidade e quantidade em sua sequência, porém infelizmente diminuem novamente de quantidade a partir do 3º jogo.

Porém não é só de inovações e inspirações boas que o jogo sobrevive, este também possui alguns péssimos problemas, principalmente como um jogo praticamente de lauch do PS3.

Como ele foi um dos primeiros exclusivos da plataforma, ele foi obrigado a utilizar do lendário sixaxis, a grande resposta da Sony para a Nintendo e seus controle de movimento, e que com certeza consegue ser pior que o WiiMote, ele é utilizado para jogar granadas e se equilibrar em certas plataformas, nem preciso mencionar que além de desnecessário esta funcionalidade obrigatória atrapalha no gameplay.

Bem retirando este problema que envolve o hardware do console, o jogo tem alguns problema na sua gameplay, sendo o principal o desbalanceamento nas seções de combate, existem muitas seções de combate, as vezes próximas de mais, e além de uma grande de seções também existe uma grande quantidade de inimigos acompanhando ela, sendo normalmente algo de no mínimo 10 inimigos e que sempre fica em torno de uns 15, fora que algumas vezes estes inimigos vem de todos os lados, inclusive por trás do Drake, podendo pegar o jogador desprevenido e se for um inimigo com uma shotgun matando-o com um hit kill.

Outro problema relacionado aos inimigos, além das seções de combate que as vezes acontecem a cada 5 minutos, com 10 inimigos normalmente, é a quantidade de tiros que estes tomam pra morrer, os inimigos são muito “bullet sponges” muitas vezes precisando tomar mais de 5/10 tiros pra morrer, até mesmo nos headshots isso ocorre as vezes.

Além de poder meter a bala nos inimigos, Drake também pode cair no soco com eles, em um sistema de combate bem simples, mas que volta e meia pode lhe ajudar a matar um inimigo ou outro.

Outro problema do jogo é que em boa parte você apenas enfrenta inimigos humanos, porém assim como no primeiro Far Cry, mais próximo do seu final, existem inimigos “sobrenaturais”, que além de acabarem com o clima anterior do jogo, são horríveis de se enfrentar, pois se os inimigos normais são bullet sponge, estes aqui são bullet black holes, a quantidade de tiros pra se matar além de ser exagerada o seu dano também é, pois em apenas 2 ataques eles podem matar Drake facilmente, desbalanceado ainda mais um jogo que já sofre com esse tipo de problema.

Já não bastassem este problemas, o ultimo capitulo do jogo é o cumulo dos seus piores problemas, nele Drake deve matar vários inimigos que possuem shotguns, sem sair do seu cover, pois se um deles ou o boss lhe acertar é hit kill, e já não bastando tudo isso, o jogo termina com uma Boss Battle final em um QTE, que se não prestar atenção pode morrer bem ao seu final e ter que repetir ela do zero.

Gráficos

O visual do jogo é bem bonito, boa parte se passando em florestas e em alguns momentos cavernas/tumbas, oque realmente diferencia o jogo é a sua direção de arte, esta é bem colorida e cartunesca, sendo um grande diferencial de seus jogos contemporâneos que utilizavam muito do cinza e marrom para dar um visual mais “realista”, algo que o jogo até zoa com um dos seus filtros de visual extra chamado de “Next-Gen Graphics”.

História

A história do jogo é relativamente previsível, sendo algo bem na cara do jogador, sendo a única coisa realmente interessante nela o trio de personagens principais: Drake, Elena e Sully, estes são realmente os únicos personagens carismáticos do jogo e que realmente importam, todos os vilões são genéricos e tem ações bem previsíveis.

O resumo da trama é o padrão, deste tipo de jogo, onde Drake tem de ir atrás de algum tesouro (muito provavelmente mágico), algo aceitável e comum das suas inspirações (Tomb Raider e Indiana Jones).

Porém uma coisa que incomoda a quem escreve esta critica e talvez não incomode os outros, é a questão sobrenatural já mencionada anteriormente, que ao invés de ser algo mais sutil e menos presente como em um Indiana Jones da vida é bem na cara aqui, com a situação dos monstros e tudo mais, sinceramente é bem desnecessária e poderia ser removida totalmente da trama, isto é algo que infelizmente permaneceu até o 3º jogo da franquia, só sendo alterado no 4º com a troca de escritores.

Música

A música do jogo é muito boa, e combina com o clima de aventura no estilo indiana Jones de ser do jogo, porém tirando o tema do Drake, não a nada muito marcante.

https://www.youtube.com/watch?v=9KJbBvMR5bo

Considerações finais

Uncharted: Drake’s Fortune trazia algo bem diferente em tom do que a principal concorrente da Sony estava trazendo no 360, com seus caras músculos do tamanho de uma pedra, história dramática e séria e seus gráficos que pareciam uma parede recém concretada, com algo bem mais descontraído e colorido no maior estilo “sessão da tarde” o possível.

Porém apesar de tudo isso, o primeiro jogo desta grande franquia acaba por ser algo bem mediano, oque já era o esperado, já que normalmente o primeiro jogo de qualquer franquia só realiza a fundação para coisas maiores e melhores, porém esta foi uma fundação boa, que trouxe mais dois bons jogos ao finado PS3.

6.5 6.5 10
Overall
6.5 Gameplay
7.5 Story
8.0 Music
8.0 Graphics
Personagens principais carismásticos
Música boa que combina com o clima
Loadings basicamente inexistentes
Alguns bons set pieces
Uso obrigatório do sisaxis em algumas coisas
Leseira sobrenatural é ruim na história e gameplay
Péssimo balanceamento na quantidade de seções de combate e de inimigos
Seções de jet sky são bem mais ou menos
O ultimo capitulo inteiro é horrível, terminando de forma "maestral" com uma boss battle em QTE

2 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...