This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • darleysantos676 Darley Santos
    2020-12-31 14:46:10 -0200 Thumb picture
    darleysantos676 checked-in:
    Post by darleysantos676: <p><strong style="background-color: initial;">Resid

    Resident Evil CODE Veronica X

    100% (06/12/2020)

    *

    **************************************************************************

    É o quarto jogo dentro da cronologia principal da série Resident Evil, franquia da nossa amada Capcom... Foi lançado em 2000 para Dreamcast, teve uma versão melhorada intitulada Resident Evil Code Veronica X lançada em 2001, e a presente versão em HD do jogo foi lançada para PlayStation 3 em 2011.

    Conheci Resident Evil Code Veronica no PS2 entre 2011 e 2015, não lembro o ano exato. Sempre fui fã da franquia, mas depois que meu PS1 deu problema em meados de 2003, fiquei até 2011, quase dez anos, sem ter um videogame. Durante todo esse tempo, fiquei imaginando como deveria ser a continuação das sagas de videogame que eu amava, como Resident Evil. Quando ganhei o PS2, tratei logo de comprar o RE4, o Dead Aim, os Outbreak, e o Code Veronica. Joguei todos eles, deixando o Code Veronica até por último, pois na minha cabeça, todos os demais eram jogos muito diferentes da trilogia original de PS1, e o que mais escutava era o quanto RE4 era diferente. Quando finalmente resolvi jogar o CV, na esperança que tivesse se mantido na mesma pegada da trilogia, sem nada de mudanças cabulosas, vi ali um jogo de transição – uma sequência não-numerada (CV deveria ter sido o RE4, seguindo a numeração normalmente) que possui características dos RE’s clássicos, mas com características conceituais e de enredo que já apontavam para as transformações pelas quais a franquia passaria. E sim, pra mim isso faz muita diferença. Resolvi jogar novamente o Code Veronica nessa versão remasterizada para PS3 e obter a insígnia de platina/100%, primeiramente por respeito à franquia, e também por ser um ótimo jogo, pois sim, apesar de discordar dos rumos tomados a partir deste Code Veronica em diante, não consigo sentir raiva a ponto de não querer jogar mais, como já vi por aí, é uma atitude infantil, procuro conhecer todos os jogos, considero todos bem divertidos, dá pra entreter e passar o tempo, mas não consigo mais ter aquela identificação e afeição visceral como a que tenho pela trilogia original.

    O game é bem extenso, tanto que o tempo exigido para rank A é de no máximo 04:30:00, o que eu fiz em 03:46:19, mesmo fazendo o glitch da erva infinita (sem o glitch eu teria feito com tempo bem mais apertado). A campanha é de fato longa e por isso mesmo dividida em duas partes: a primeira jogando com a Claire Redfield, sendo a maior parte da campanha na ilha Rockfort, e a segunda com Chris Redfield, tanto na ilha Rockfort quanto na base da Umbrella na Antártida. É interessante perceber como o enredo de RE CV tem uma ligação emocional com a trilogia Raccoon City: Chris e Wesker têm uma relação de inimizade após os eventos em RE 1 na mansão Spencer; Claire consegue se comunicar com Leon Kennedy, seu parceiro em RE2, de um computador na ilha Rockfort e avisa de sua situação, inclusive foi Leon que repassou a informação sobre a situação de apuros que Claire estava passando na ilha, e Chris ficou sabendo; e a sede de vingança por causa da tragédia ocorrida sobre Raccoon City, com sua total destruição, em RE3.

    [SPOILER]

    Resident Evil Code Veronica se passa no mesmo ano da tragédia de Raccoon City, em 1998, três meses depois. Claire continua persistente em encontrar seu irmão Chris, este que está em busca de uma forma de desmascarar a organização criminosa que é a corporação farmacêutica multinacional Umbrella. Ela acaba prisioneira de mercenários da Umbrella ao invadir instalações da matriz francesa da organização e é levada pra uma ilha privada no hemisfério sul, e após alguns eventos dramáticos, acaba parando na base de pesquisas da Antártida (algo sugere que seria uma localidade mais próxima ao país da Austrália do que de qualquer outro país). Só essas informações já são muito interessantes, pois vemos aqui a expansão da Umbrella para além do território americano, abarcando continente europeu, e o alcance do poder patrimonial da corporação, possuindo ilhas e uma base no continente gelado.

    A ilha Rockfort é atacada por forças desconhecidas, que na verdade se trata de Albert Wesker, oficial da Umbrella que busca o controle total da corporação para fins megalomaníacos. Esses ataques aniquilam a população residente na ilha e desestabilizam as instalações de complexos laboratoriais e de treinamento da Umbrella, além dos alvos de interesse adjacentes como as mansões da família Ashford. Num primeiro momento, apesar de ser algo favorável um ataque à Umbrella, você fica se perguntando quem estaria por trás disso – forças do bem? Ou outra organização pior ainda? Descobrir que é Albert Wesker, não só vivo como transformado num quase semi-deus, meio que explode sua cabeça. Enquanto Claire, ainda na ilha, estamos novamente em meio a zumbis e monstrengos bizarros, tendo que arrumar um jeito de escapar. Acabamos por conhecer um mocinho chamado Steve Burnside, filho de um relevante funcionário da Umbrella que planejava fugir daquela ilha levando planos confidenciais da corporação, mas foi assassinado antes disso, e transformado em zumbi. A história de Steve é só uma dentre várias histórias de famílias inteiras tragadas para o mal que a Umbrella criava, e pelo qual estavam para sempre condenadas – algo semelhante à máfia ou facção de drogas, você não entra e depois simplesmente decidi sair... Ao entrar você assinou sua carta de condenação... Apesar da perseguição de Alfred Ashford, um herdeiro da família Ashford, uma das famílias fundadoras da Umbrella, Claire e Steve conseguem fugir para a Antártida. Alfred Ashford é um personagem um tanto bizarro (inspirado num personagem de cinema, o psicótico Norman Bates), que por vezes se traveste para se passar por sua brilhante irmã Alexia Ashford, supostamente desaparecida ou morta, mesmo status de seu pai... É realmente muito interessante conhecer esse aspecto de origem da Umbrella, isto é, como tendo sido fundada através da união de famílias nobres da Europa em prol de atividades de eugenia e manipulação genética, no caso as famílias Ashford e Spencer, além do Dr. James Marcus. Até aí tudo bem, é uma origem perfeitamente plausível. Pena que extrapolaram isso em RE4, quando uma outra família nobre, os Salazar, surge como partícipe de um plano criminoso megalomaníaco: a caracterização dos personagens e a banalização das experiências e manifestações das criaturas dão até ranço, aff...

    Uma vez na Antártida, conhecem a amoral e perversa Alexia Ashford, atualmente ela mesma o resultado bem-sucedido das experiências de fusão do vírus Progenitor com outras formas de DNA, resultando na variante poderosíssima T-Veronica. É outro avanço no plot da saga, um novo vírus (na verdade antigo), para além dos famigerados T-Virus e G-Virus! O que faz pensar em quantas outras linhas de pesquisa não devem existir ao redor do mundo, graças aos trabalhos da Umbrella – e as outras filiais e matrizes da corporação, o que têm desenvolvido?

    Chris, depois de passar pela ilha Rockfort – e lá ter descoberto de forma humilhante que Wesker está vivo -, se dirige à base na Antártida atrás de Claire. Lá chegando deve lidar tanto com Wesker quanto com Alexia. Até que finalmente encontra Claire, que está sozinha sem o Steve, este que já está sendo usado como cobaia de experimentos – descobrimos depois com Claire o fim trágico de Steve, que se tornou uma criatura horrenda, mas mesmo com a ferocidade do T-Veronica, Steve consegue se controlar e não matar Claire, pois tamanho o afeto criado por ela, sua humanidade prevaleceu... Chris resgata Claire mais uma vez e confronta Alexia sob a forma mutante, até finalmente manda-la pelos ares com uma arma anti- BOW que vaporiza o monstrengo.

    Ufa!!! Acontece bastante coisa, o enredo é, sem dúvida, bem denso, com tantos eventos que, sim, são importantíssimos para a franquia – plot de origem, fabricação de novo vírus, expansão e decadência da corporação Umbrella, personagens clássicos e outras coisas mais. Nesse sentido, RE Code Veronica tem extrema relevância para a saga. E em seus aspectos técnicos, considerando a época, é um jogo primoroso, não é à toa que é um dos jogos preferidos dos fãs. Mas não consigo considera-lo da mesma forma que os jogos da trilogia original, estes sim formam o modelo perpétuo da saga Resident Evil.

    No espírito dos jogos anteriores, assim que você termina o jogo pela primeira vez é habilitado um mini-game, o modo Battle Game. Ao estilo The 4th Survivor, de RE2, e The Mercenaries, de RE3, o objetivo do jogo é matar os zumbis e fugir ao mesmo tempo. Você deverá decorar todo o percurso, e quanto menor for o tempo melhor será o ranking. Se me lembro bem, no mini-game de RE2 você só tem que escapar no menor tempo possível, já no Mercenaries a contagem de tempo é regressiva, mas dá pra ganhar bônus de tempo matando os monstrengos, já aqui no Battle Game o jogador só avança se tiver matado todos os inimigos de cada sala, mas dá pra pegar munição e ervas pelo caminho.

    *

    *

    @platinadores

    20
    • Micro picture
      cacotives · 6 months ago · 2 pontos

      Boa! Como é o estilo do controle nesse RE? Tenho interesse nele mas não tenho coragem de jogar games com controle tank.

      4 replies
    • Micro picture
      cacotives · 6 months ago · 2 pontos

      Valeu!

    • Micro picture
      juninhowii360 · 5 months ago · 2 pontos

      Vc disse que o jogo não se manteve com a mesma pegada da trilogia e houve mudanças cabulosas, vc não consegue considerá-lo da mesma forma que os jogos da trilogia original. Eu fiquei esperando pra ver vc explicar o motivo e não teve explicação.

      Pra mim esse RE é muito mais parecido com os anteriores do que o RE3 que vc considera. RE 3 é quase um jogo de ação (rumo que a serie tomaria no futuro), vc usa esquiva, cria munições, toda hora tem um boss te perseguindo pra manter o jogo frenetico. E faz sentido o RE3 ser tão diferente já que ele seria um spin off e o Code veronica seria o 3 de verdade.

      Então realmente não entendo vc considerar o 3 um classico e o RE code veronica que tem todo o gameplay dos primeiros jogos (com melhorias por ser de dreamcast claro) diferente. Queria entende o motivo se é só saudosismo mesmo ou tem um motivo mais plausivel.

      2 replies
  • 2020-11-22 13:41:05 -0200 Thumb picture
    niltondeoliveira checked-in:
    Post by niltondeoliveira: <p>FINALIZADO</p><p>Pois bem, antes de tudo preciso

    FINALIZADO

    Pois bem, antes de tudo preciso reforçar o que falei anteriormente: gráficos ruins até para a época. Não capricharam no trabalho. Chega até a ser um vexame, tendo em vista que os anteriores são muito mais bonitos e com um contraste decente: cansei de, em um ponto escuro, pegar sem querer algum item (principalmente ervas). HORRÍVEL.

    É o primeiro fora da sequência regular que jogo. Com certeza possui muito mais espírito de RE do que o 4 e o 5, por exemplo - sendo que o 4, como game em um todo, é muito melhor, claro.

    Algo fácil de se perceber desde o início é o tom melancólico do jogo, que difere da trilogia original que mistura horror com ação - dando prioridade ao primeiro elemento - (2 e 3) e o 1 com seu clima de constante mistério. Code Veronica tem aura triste do início ao fim (auxiliado por uma trilha sonora braba), uma trama que gira em torno de relações pouco convencionais entre um casal de irmãos e que dá margem para algumas interpretações mais escabrosas sobre - apesar de para mim parecer que não havia algo mais ali, por conta do estilo e postura do irmão Ashford.

    Fui obrigado a derrotar a primeira transformação da Alexia na faca. Deu trabalho, confesso que tive de ir atrás para saber quantas no meio dela eram necessárias. Passei, segui até o fim guardando tudo que era munição para a Claire - pensei que ia finalizar com ela - e quando chego no final tenho 1 bala de shotgun e 18 de pistola para matar o bicho. E dá para matar só com isso? Dá, mas eu não tava com saco. Recomecei no save anterior, tive de refazer algumas tarefas (incluindo a primeira Alexia, mas agora mais fácil) e fui para a "trocação" armado até os dentes.

    Precisa de remake ao estilo do que foi feito do 2? Precisa. E se assim um dia fizerem, tem tudo para ser um jogaço.

    (pois é, Steve, pois é...)

    5
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 7 months ago · 2 pontos

      Não mano... não mesmo que os gráficos são ruins.

      Eu joguei na época e ele era simplesmente maravilhoso e também altamente elogiado. Não viaja!

      Por esse comentário dos gráficos não ia dar LIKE...😁

      Mas pelo final clamando um REMAKE... então mereceu o like 🤗

  • 2020-11-21 18:28:03 -0200 Thumb picture
    niltondeoliveira checked-in:
    Post by niltondeoliveira: <p>Papai Chris&nbsp; (Redfield, não Ronaldo) chegou

    Papai Chris  (Redfield, não Ronaldo) chegou à ilha com seu barquinho e com ele surgiram as criaturas mais asquerosas da franquia  (depois da Ashley, claro): OS HUNTERS. E aqui os bichos tão filhos da puta demais; se você pensa que um tiro de shotgun á queima roupa na cara pode ser o suficiente para matá-los de uma vez ou causar dano o suficiente para consegui-lo em uma segunda tentativa a média distância, está enganado.

    Feito o que tinha que fazer, o bonitão já partiu de CAÇA - sem nenhuma surpresinha no ar - para a Antártida. Agora já tá todo mundo lá. Vamos ver o que a loira venenosa - e o Wesker - nos reserva além de seus tentáculos.

    4
  • 2020-11-20 18:18:49 -0200 Thumb picture
    niltondeoliveira checked-in:
    Post by niltondeoliveira: <p>Claire e seu amante cabaço acabam de chegar à An

    Claire e seu amante cabaço acabam de chegar à Antártida. Não sei se aquele Tyrant vai voltar, mas o travecão é certo.

    Os zumbis desse jogo só parecem ser muito lentos; um descuido e eles grudam no seu pescoço. E aquelas mutações gosmentas - mistura de William Birkin e Dhalsin do SF - são sacanas demais, mas nada que umas poucas flechas de fogo não resolvam.

    3
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 7 months ago · 2 pontos

      Acho massa esses casal: Claire e Steve.

      Tenho um carinho especial por Verônica 👌🏻👍🏻

      Quero REMAKE.

      Traveco 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

      3 replies
  • 2020-10-28 12:12:12 -0200 Thumb picture
    niltondeoliveira checked-in:
    Post by niltondeoliveira: <p><strong>Primeiras impressões</strong></p><p>Graf

    Primeiras impressões

    Graficamente é feio e grosseirao. Tanto na gameplay quanto nas cutscenes. Até chuvisco e má definição flagrantes há. Neste aspecto fica a impressão de que fizeram de qualquer jeito. Aquelas letras enormes que enchem a tela de forma exagerada, até míope entende aquilo a 100 metros de distância. Gráficos prerenderizados  (que nem sei se de fato podem ser chamados assim) horríveis. Feiura também causa desconforto.

    Ok, eu sei que foi game de início de geração, mas dava para ter segurado um pouco a onda de querer deixar muita coisa da geração anteriora para trás. O 2 e o Nemesis são muito mais bonitos, refinados, definidos e agradáveis.

    A mecânica da mira não compromete mas incomoda um pouco, e a Claire aqui não parece ser muito afeita a esmagar cabeças, limita-se a chuta-las.

    Por enquanto fico nisso, até porque até agora não encontrei nada além de um doido tentando me matar com fuzil e um pivete retardado. Nada de monstros.

    9
    • Micro picture
      mastershadow · 8 months ago · 3 pontos

      Dos clássicos (com camera fixa e jogabilidade Tank) esse eu acho o "piorzinho" mesmo,mas ainda é infinitamente superior a todos os outros a partir do RE4.

    • Micro picture
      andre_andricopoulos · 8 months ago · 2 pontos

      Amo Veronica ❤️

      O joguei no DREAMCAST.

      Adoro a Claire

    • Micro picture
      thiagoreis · 8 months ago · 2 pontos

      Eu curto esse game pra caramba !!

  • lucas_okita Lucas Santana
    2020-09-06 23:09:29 -0300 Thumb picture

    Trila Sonora do dia

    Sou um fã das músicas de Save Room, mas essa de Code: Veronica é especial, ela de alguma forma acalma, mas continua te deixando com aquele medinho (pô, não são todas as músicas de Save Room assim? kkkkkk)

    11
  • 2020-07-03 20:12:32 -0300 Thumb picture

    Como fazer o Glitch Bug da Erva infinita no Resident Evil Code Veronci

    Neste video venho ensinar a vocês como fazer o bug de ervas infinitas no resident evil code veronica X.

    6
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2019-12-22 07:21:33 -0200 Thumb picture
    Post by luchta: <p><a href="https://www.gamesymbol.com/Image/covers

    Na moral, eu acho estranho a CAPCOM não ter portado o Resident Evil: Code Veronica para o PC e nova geração de consoles, sendo que ela fez a versão HD para o PS3 e Xbox 360. Mas o RE4 da mesma época foi portado.

    Eu tenho uma teoria, assim como o RE2 e RE3 não levam o nome de remake, e suas versões originais não deram as caras na Steam nem nos consoles de nova geração. Eu sinceramente acredito que a CAPCOM planeja fazer um remake do Code Veronica, para assim substituir o original na nova geração, assim como foi com os remakes anteriores. Isso explicaria a negligencia dela em portar esse jogo que é extremamente importante para a cronologia, além dos fãs pedirem muito um remake dele.

    Eu sei que é cedo para pedir isso, e que nem o remake do RE3 saiu. Mas eu ainda acredito que isso vai acontecer no futuro, não acho que vai ser o próximo RE depois do remake do RE3, mas que vai acontecer, isso é questão de tempo. Ao contrario do RE4 o RE:CV é datado visualmente e em jogabilidade, merece sim um remake.

    9
    • Micro picture
      _gustavo · over 1 year ago · 2 pontos

      Planeja não, eu acho que se o remake do Dino Crsis não for verdadeiro, eles já estão fazendo o do Code Veronica em segredo

      4 replies
  • luchta Ewerton Ribeiro
    2019-09-23 15:49:44 -0300 Thumb picture
    Post by luchta: <p>Acho que já esperei demais para a <strong>CAPCOM

    Acho que já esperei demais para a CAPCOM lançar a versão HD de Resident Evil – Code: Veronica para o PC. Na moral não entendo como a Capcom nunca trouxe esse jogo para a nova geração.

    10
    • Micro picture
      _gustavo · over 1 year ago · 3 pontos

      Penso a mesma coisa, tb não entendi porque ela não trouxe na mesma época que o do PS3 e 360, igual fez com o 4

    • Micro picture
      leoaldrighi · over 1 year ago · 1 ponto

      Capcom anda mais consciente do mercado tanto PC como console e mobile, esperamos que esses apelos sejam vistos

  • 2019-04-01 10:46:09 -0300 Thumb picture

    Desafio dos 30 dias de Games

    Resolvi esperar o primeiro do mês porque tenho toc kkkkk. Começando o @desafio.

    DIA 1: Jogando atualmente

    Na verdade ainda não comecei, mas acabei de terminar o Resident Evil 3 e agora vou pro Resident Evil CODE: Veronica. To bem ansioso, esse parece ser bem diferente dos anteriores e muita gente elogia bastante então estou ansioso, devo começar hoje de noite.

    13
    • Micro picture
      kratos1998 · about 2 years ago · 2 pontos

      Excelente escolha, zerei ele na versão do PS2, tá no meu top 3 dos jogos da franquia

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...