Medium picture

andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos

Um gamer viciado em SHARE (fotos).


almost 5 years ago 2014-04-22

Remember Me

Em quem acreditar quando não se tem o que lembrar?

Esta é a clássica história de um game que gerou um grande “hype” pre lançamento e que acabou decepcionando alguns. O game conta a HISTÓRIA (8.0 / 10) de NILIN, uma caçadora de memórias numa PARIS futurista e deteriorada (Neo Paris no ano 2084). O mundo em geral entrou em colapso e grande culpa disto refere-se às mudanças climáticas e a forma como tratamos o mundo (até então a história bastante baseada na realidade). Outro fato que abalou o mundo veio de uma mega corporação chamada MEMORIZE, que desenvolveu uma tecnologia (SENSEN) capaz de manipular memórias e também compartilhá-las. Imagine ter em sua mente apenas boas lembranças... O problema se inicia quando as pessoas começam a viciar nisto e a gerar graves consequências como mutações e mudanças de comportamento (afinal, ser convencido de que você matou alguém não é nada legal...). Há muito mais para ser dito da história e coletando os 40 diários espalhados pelo game lhe ajudarão a se situar no game (e eles bem que poderiam ser vídeos ao invés de textos tendo em vista se tratar do futuro...).

NILIN é uma personagem marcante, com tons de pele bem morena e outros traços que a denuncia ter descendência negra (bastante ousado tendo em vista não se ver personagens principais negros...). Ela possui um corpo espetacular e muito bem detalhado: boca, olhos, expressões e até mesmo o movimento de sua bunda (sério mesmo, rodei a câmera mil vezes para ver a perfeição do andar/caminhar dela...). O início do game se dá justamente na MEMORIZE onde estão querendo apagar TODAS AS SUAS MEMÓRIAS. Por alguma razão, um desconhecido lhe dá coordenadas para escapar de lá. Algo parecido com o que ocorreu em BIOSHOCK. QUEM É ELE? DEVO CONFIAR? DO QUE SE TRATA MEMORIZE? Não tendo mais em quem confiar e praticamente sem memória, o game se dá início com a sua fuga...

A trama é boa o suficiente para lhe prender a atenção...

GRAFICAMENTE o jogo está ótimo (9.0 / 10) principalmente se você optar em andar ao mesmo tempo em que rotaciona lentamente a câmera. Passear por NEO PARIS em 2084 me remete a grandes clássicos do cinema como BLADE RUNNER, VINGADOR DO FUTURO, INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL, EU ROBÔ... No quesito games, me fez lembrar um futuro alternativo como o descrito em BEYOND GOOD AND EVIL.

Na favela, você irá ver os “viciados em memória”, os mercados, pessoas andando de balsa na cidade inundada, robôs anunciando ofertas, pessoas despejando defuntos no mar (eu falei pra não correr e curtir o visual do jogo...). Na área rica, robôs carregam compras dos cidadãos, pessoas tomam café na lanchonete, compram memórias em caixas 24h... Porém toda essa vivacidade nos detalhes tem um grande problema: VOCÊ NÃO INTERAGE COM NADA!!!

Ainda no quesito gráfico, não devemos esquecer de mencionar que há também excelentes efeitos de luz. E que em certos momentos a opção de utilizar tons de cinza torna o cenário quase similar a uma filmagem. Ex: capítulo 03, com céu nublado, olhe pra cima e envolto os grandes edifícios... Ou a chuva que cai numa cúpula de vidro (após matar MADAME olhe para cima)... Os elementos em geral estão muito bem feitos: além da chuva mencionada escorrendo num vidro... o fogo também está bem vívido com seus movimentos e chamas desprendendo pequenas fagulhas... você praticamente sente o calor das chamas. As batalhas contra os chefes trazem também efeitos muito bonitos, como na batalha contra a MADAME ou o “FINAL BOSS”. Olhar a cidade inundada de uma bancada... à noite, com a chuva caindo e o reflexo dos neons da cidade na água (bem realista também) é lindo demais. Associe tudo isso à um bom áudio (vento, chuva, trovão, pessoas gritando, sirenes...) e pronto, o clima está perfeito!

Porém no aspecto GAMEPLAY (7.5 / 10) ele peca em muitos aspectos. Não há muitos desafios nos momentos “parkour” de ser. É-lhe mostrado constantemente através de um ícone amarelo onde se deve ir / pular / agarrar. Senti falta de desafios e exploração como nos games de LARA CROFT ou dos ASSASSINS CREED’s ou até mesmo do UNCHARTED. Se bem que a tecnologia no game constantemente lhe dá “pop ups” de avisos do tipo “CUIDADO. RISCO ELÉTRICO”, “RISCO DE DESABAMENTO DE PEDRAS” então essas indicações tem uma razão de ser. Porém um pouco de desafio não mata ninguém.

Outro ponto que peca é a linearidade e falta de interação/emoção. Exemplo: vemos COMÉRCIOS com suas propagandas “O MELHOR DA FAVELA... PEÇA AS ESPECIALIDADES DO DIA” mas você não pode comprar nada. Você vê os slogans de loja e suas promoções do dia com preço e tudo mas... NÃO PODE COMPRAR NADA. Vejo um rapaz se deliciando em comprar uma memória no caixa 24h, mas... EU NÃO POSSO. Você pode apreciar os detalhes... interagir JAMAIS.


Os combates são legais porém nada excepcional. Aos poucos você adquire novos combos e neles pode agregar “bônus” – chamados aqui de PRESSENS (regeneração de energia, resfriamento que é o tempo para ativar novamente seus poderes especiais, dobrar o efeito anterior do combo, força). Esquivar em combate é simples e eficiente. Basta direcionar e apertar o botão de pulo. Se feito sobre um oponente, irá passar por cima dele apoiando em seus ombros. Até o final do game você irá adquirir, digamos assim, poderes especiais. O mais genial é o ENFERRUJE EM PAZ que torna robôs inimigos em aliados. Um dos robôs “sugam” seus oponentes gerando uma explosão em câmera lenta... se você esquivar com uma estrela dá um visual bacana em combate ao estilo “MATRIX”. Temos ainda um de FORÇA, outro que ATORDOA INIMIGOS, INVISIBILIDADE, BOMBA...

Para utilizar estes belos e úteis poderes, será necessário preencher a barra de focus (batendo ou apanhando). A cada 05 focus encontrado no game, você irá ganhar uma barra extra. O mesmo ocorre com a energia (a cada 05 CURA SAT você ganha uma barra extra de energia).O divertido é que não basta apertar o botão como um louco... deve se montar certas estratégias de acordo com a situação. Ou seja: os combos com os PRESSENS adequados, utilizar os poderes especiais na hora certa e nos inimigos corretos, sempre se esquivar (inclusive é possível fazer metade de um combo...se esquivar...e continuar o combo em outro inimigo)... Em combate com humanos, temos também umas finalizações bem bacanas (sobrecargas).

Uma das grandes novidades anunciadas no game é permitir MANIPULAR MEMÓRIAS assim que adquirir a LUVA DE CAÇA (mas não basta ter a luva, você tem que ter neurônios funcionais suficientes para realizar tal façanha, e de acordo com um dos diários, são poucos os que conseguem manipular esta tecnologia). Ao entrar numa memória específica, o 1º PASSO é encontrar as falhas de memória para interagir e alterar a cena. Tudo realizado como um retrocesso de um tape/fita via analógico até piscar a falha em questão... para cima PAUSA a cena e o botão de ação irá alterar a falha. 2º PASSO é encontrar a combinação correta das falhas para alterar a cena/memória. Ex: A caçadora de recompensa OLGA está prestes a te matar e, adentrando sua memória, você descobre que ela te persegue porque precisa de dinheiro para pagar o tratamento de seu grande amor (no game você está sendo procurada e estão oferecendo dinheiro para sua captura). Aqui o objetivo é fazê-la acreditar que o médico matou seu parceiro. Ela não mais irá atrás de você... e ainda torna-se sua aliada (inútil, diga se de passagem, tendo em vista que ela apenas lhe dá carona na aeronave dela...). É DIVERTIDO? Eu não achei. Mas também não é ruim. Torna-se um jogo de tentativas e erros que pode vir a ser chato.

Raramente você irá se deparar com bugs (não estou falando dos SCARAMECHS ainda...). Num dado momento tentei mirar e atirar num guindaste (com sua arma de projéteis) e o comando não era realizado. Tive que morrer e tentar de novo. Outro problema são corpos caídos no chão. Você não consegue pular por eles, muito menos passar por cima... dê a volta e prossiga. É um detalhe bobo, mas que incomoda. Na exploração dos colecionáveis: há um problema grave de não poder voltar para explorar uma área/cenário. Ex.: há um colecionável no sentido oposto em seu 1º encontro com o personagem BAD REQUEST. Se você interagir com ele antes de coletar o item... JÁ ERA, NÃO É POSSÍVEL RETORNAR. Ocorre uma cena, a porta se fecha, o game é salvo. Siga em frente. “O que passou, passou.”

A TRILHA SONORA (9.0 / 10) possui a honra de ter na equipe de produção o competente OLIVIER DERIVIERE (ganhador de vários prêmios e bastante elogiado pelas trilhas de OBSCURE 2 e ALONE IN THE DARK). Consegue transmitir a sensação futurista através da música, com muitos efeitos eletrônicos. Os efeitos sonoros (8.0 / 10) também estão excelentes (tiros, porradas, chuva, trovão, crianças chorando...).

Finalizo dizendo que o game em geral é DIVERTIDO (8.0/10). Belos gráficos, batalhas criativas com uma personagem ágil em combate, chefes desafiadores, boa variação de inimigos, muitos coletáveis, história cativante (principalmente se você estiver disposto a ler todos os artigos, revelando detalhes sobre a personagem e o mundo no qual ela está inserida...) e que te instiga a prosseguir. Trabalho muito bonito de áudio em geral. Porém a linearidade do game prejudica a diversão, MANIPULAR MEMÓRIAS não é tão divertido, falta interação com pessoas e lojas do futuro e a ausência de permitir utilizar meios de transporte do futuro também me incomodou. Faltou um pouco de criatividade para realmente lhe transpor para um mundo futurista.

Mesmo com as falhas mencionadas... o game me instigou a jogar uma sequência.


GRÁFICOS: 9.0 / 10

JOGABILIDADE: 7.5 / 10

TRILHA SONORA: 9.0 / 10

EFEITOS SONOROS: 8.0 / 10

DIVERSÃO: 8.0 / 10

REPLAY VALUE: 7.0 / 10

NOTA GERAL: 8.0 / 10

TRAILER:  http://www.youtube.com/watch?v=Z4ofUXGkCh0

8.0 8.0 10
Overall
7.5 Gameplay
8.0 Story
9.0 Music
9.0 Graphics
Gráficos e trilha sonora
Batalhas contra chefes bem elaboradas
ROBOZINHO JAY... eu quero um!!!
Personagem com fortes traços /fisionomia de raça negra.
PODERES ESPECIAIS (em especial o ENFERRUJE EM PAZ)
Linearidade.
Não poder retornar para certas áreas, perdendo os coletáveis.
INTERAÇÃO ZERO (lojas, cidadãos, robôs, transportes...)
MANIPULAR MEMÓRIA não é assim tão divertido...
Não é possível utilizar transportes do futuro.

13 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...