Medium picture

montanaro Paulo Roberto Montanaro

Professor de Design de Jogos e hoje colaborador da Revista Arkade


over 6 years ago 2013-03-16

Dino Crisis 2

O primeiro Dino Crisis, aproveitando muito do motor consagrado na franquia Resident Evil, da própria Capcom, trouxe uma vida nova aos dinossauros nos videogames, pensando em jogos em terceira pessoa. Contudo, era bastante intrincado e seus puzzles se tornaram referência em quesito de dificuldade. O segundo jugo da franquia seguiu por uma linha diferente, agradando alguns fãs e desagradando outros.

Sua história é bastante interessante, ainda que meio confusa. Depois dos incidentes envolvendo pesquisas em no primeiro jogo da série, Regina, anteriormente a única protagonista, e Dylan são chamados para tentar desfazer as porcarias feitas por cientistas de uma estação militar. A cidade de Edward é levada ao passado e acaba se misturando às criaturas jurássicas. Cabe aos nossos heróis armados até os dentes (a mais alguém que encontram pelo caminho) resolver as coisas. Enfim, é confuso assim mesmo e é um bom pretexto para que o jogador, ora na pele de um, ora na de outro, atravesse vários cenários, tais como matas abertas, estações de pesquisa, ambientes submarinos, cavernas e outros mais, detonando todo tipo de dinossauro que aparecer pela frente. O engine, com "câmeras" fixas que focam o personagem de vários ângulos e enquadramentos, funciona bem, ainda que possa ora ou outra atrapalhar em alguns combates mais dinâmicos, pois alguns dos animais acabam escondendo partes do cenário ou mesmo o protagonista. Mesmo a sistemática de se andar, atirar ou agir é bem parecida com os clássicos RE, com algumas adaptações que permitem mais mobilidade e agilidade. São alterações mais do que necessárias quando seus inimigos não são zumbis e sim, dinossauros rápidos e mais vorazes.

Até mesmo os absurdos são os mesmos: se em RE é necessário atravessar uma cidade inteira atrás de uma chave de bolso, mesmo tendo uma bazuca em mãos, em DC2 é preciso atravessar 2 ilhas cheias dos maiores e mais perigosos predadores para encontrar uma máscara de gás. Obviamente que isso seria ridículo na narrativa de um filme, mas novamente, a intenção é ter um motivo para sair explodindo os miolos de qualquer espécie que apareça. Elas não são poucas - de pequenos e ágeis Dilofossauros até o terrível Tiranossauro Rex, passando pelos clássicos Velociraptors, Triceratops e Pterodáctilos. Para eliminar o último, a solução não é menos absurda que algumas passagens, mas não poderei contar aqui.

Sem dúvida, uma ótima diversão. Trocando quebra-cabeças por muita munição, deixa o cérebro descansar um pouco e permitindo diversão e adrenalina ao máximo. Bons tempos do Playstation 1.

9.0 9.0 10
Overall
9.0 Gameplay
8.5 Story
9.0 Music
9.5 Graphics

10 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...