Medium picture

juninhonash Juninho Rodrigues

It's gonna be a hell of a party


over 5 years ago 2014-03-25

Bloody Roar II: The New Breed

Basicamente, quando Bloody Roar, o primeiro, foi lançado, ele impactou muita gente, era um jogo diferente com pessoas usando poderes de animais e apesar de uma boa ideia, não era tão bem executado.

Quando o II saiu, aí sim, a comunidade gamer recebia um impactante game de verdade, que apesar de tudo infelizmente acabou com o passar do tempo indo pro limbo dos jogos obscuros de PlayStation.

Mas Bloody Roar é um incrível jogo, que apesar de simples tem seu enorme valor!

O jogo consiste em coisas simples como Arcade, sem final, somente com créditos, Versus e Practice Mode. Mas a grande graça e seu verdadeiro valor mora no Story Mode.

O Story Mode tem um prólogo que conta, que existia uma lenda onde pessoas poderiam invocar sua genética animal e externa-las de forma que as deixariam mais poderosas e a Organização Tylor conseguiu fazer isso de forma que ela conseguiu despertar isso em algumas pessoas.

Essas pessoas, são vítimas de preconceito da sociedade e ganharam atenção demais da mídia e com isso criaram uma organização chamada ZLF que inicialmente era pra ser algum tipo de resistência contra o modo que os Zoantrophes eram tratados mas no final das contas acabou por eventualmente se tornando uma organização terrorista, e usando e abusando dos seus poderes de forma que eles acreditavam ser um passo para a evolução.

Eis que assim, o clima perfeito pra um incrível jogo de luta é criado, à partir desse palco você joga com diversos personagens e na hora de escolhe-los cada um tem um subtítulo de história indicando mais ou menos a pegada de cada um.

A maioria dos poucos personagens aqui presentes tem um enorme carisma e se você não gostar deles ao olhar ou mesmo ao transformar, ao menos dê uma chance à eles no Story Mode, a maioria pode surpreender como Stun ou Busuzima. Cada final desse modo é realmente conclusivo, significativo e o jogo não tem um personagem principal ou final verdadeiro, o enredo vai se moldando e adaptando de acordo com o seu personagem escolhido, algo raro de se ver.

Porém, infelizmente o gameplay não é lááá dos melhores, ele é baseado em sistemas de combos já programados pelo jogo e é bem complicado desvenda-los. Com isso o jogo não permite muita liberdade na hora de jogar da sua maneira, tornando assim um jogo que você vai ter que entender a essência de cada personagem e usar aqueles combos já prontos.

É como se os personagens tivessem no máximo uma ou duas estratégias e se limitasse a isso.

O gráfico do jogo é lindo pra sua época e é um 3D bonito, com movimentação ágil e sem frescuras. Só os cenários que poderiam ser mais bem inspirados ao invés de coisas tão simples como as que foram usadas.

E a música do game não é totalmente inspirada, mas não incomoda. Pelo menos você pode escolher entre duas OST's dentro do jogo (versão arcade e console) no menu de opções. Mas infelizmente esse problema consiste em ambas, mas pelo menos não tira o clima.

Só vale citar que tem uma coisa que eu acho que deveria ser invertida, o Arcade que é um modo totalmente sem final porque é super fácil enquanto o Story Mode com a medida que você avança vai ficando ridiculamente difícil, chega a ser absurdo o tanto que se apanha mas felizmente a IA do jogo vai abaixando a dificuldade com o passar de suas derrotas.

Por isso, como eu disse no título, longe de ser perfeito, mas com enredo brilhante. Vale à pena demais.

Se possível jogue a versão européia (Bloody Roar II: Bringer of the New Age) porque essa tem os gritos dos personagens quando batem, algo simplesmente removido da versão americana.

9.0 9.0 10
Overall
7.0 Gameplay
10 Story
7.0 Music
8.5 Graphics
Story Mode impecável, brilhante, instigante e que valoriza todos os personagens
Os personagens tem especiais muito caprichados e bem bolados
Músicas sem inspiração
Dificuldade simplesmente ridícula no decorrer do Story Mode

4 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...