Medium picture

jcelove José Carlos

Reinforcements? I am the reinforcements. —Ashley Riot


over 1 year ago 2018-08-02

Ace Attorney Investigations: Miles Edgeworth

A série Ace Attorney nasceu no Game Boy Advance mas só ficou conhecida no ocidente após ser portada e localizada para inglês no Nintendo DS e fez um grande sucesso narrando a ascensão do inexperiente Advogado de defesa Phoenix Wright em sua saga para defender os mais bizarros réus em casos mais bizarros ainda mostrando o quão o sistema judiciário japonês é zoado (na ficção, acredito XD)

Alguns dos personagens marcantes da série.

Com a boa receptividade da trilogia original a Capcom deu sequência a franquia com um 4º capítulo dessa vez inédito e trazendo um novo protagonista, Apollo Justice. Esse novo arco mudou praticamente todo o elenco de personagens do original ja que se passa 7 anos depois da primeira trilogia e muitos fãs sentiram a falta de personagens clássicos como o Detetive Dick Gumshoe e os promotores Miles Edgeworth e Franziska Von Karma.

Talvez para consolar esses fãs foi lançado em paralelo o Spin off Ace Attorney Investigations, estrelado pelo Rival e amigo de Phoenix, o Promotor Miles Edgeworth, com uma proposta um pouco diferente da série principal, mas mantendo muito de suas raizes e mais ainda de fanservices.

O enredo do jogo se encaixa entre o segundo e o terceiro Ace Attorney e ao invés de trazer o esquema de partes de investigação/coleta de evidências e embate no tribunal, os jogos do Miles colocam o promotor somente nas partes de investigação de crimes, tendo uma perspectiva em terceira pessoa, como uma adventure “point n click” clássico.

Tela do jogo nas partes de investigação. Pode-se controlar o Edgeworth com o Dpad ou com a stylus tocando na área da tela inferior onde tem o mapa. Ao lado dele pode-se conversar com o parceiro atual.

Basicamente o gameplay se divide em partes de investigação e nos interrogatórios que de certa forma dão no mesmo que a parte do tribunal na série principal, já que Miles pode ouvir os testemunhos, pressionar os supeitos em seus argumentos e contestá-los apontando contradições ou mostrando evidências. Só não tem o juiz intermediando (aliás ele é uma testemunha em um dos casos).

Durante os interrogatórios a perspectiva fica no padrão da série principal, com portraits mostrando as reações dos personagens.

Em todos os casos Miles tem um parceiro, que geralmente é o fiel porém atrapalhado detetive Gumshoe ou a nova personagem a jovem ladra aprendiz Kay Faraday, que assim como a Maya pro Phoenix vira a sidekick do protagonista e tem grande importância na trama que amarra o jogo. 

Como Antagonista principal ao invés de outro promotor ou um advogado de defesa, temos o Agente da Interpol com maior número de prisões ja feitas, Shi Long Lang que por algum motivo odeia promotores e pega no pé do Miles na maioria dos casos.

Voltando aos parceiros, assim como a Maya nos jogos do Phoenix, kay é mais que apenas uma muleta pra destacar o personagem principal e traz a principal mecânica original do jogo que é o uso do gadget “little thief” que cria um holograma reconstituindo qualquer cena de crime desde que a Kay tenha as informações básicas do que aconteceu no lugar. É um "deusex machina" danado, mas isso é algo comum na série então não é nada anormal,  e funciona bem.

Graças a esse pequeno aparelho desenvolvido sabe-se lá como, pelo pai da moça muitos anos antes do jogo é possível investigar áreas onde o Miles tem acesso limitado ou que foram desconfiguradas, permitindo ele chegar a tão esperada verdade por traz dos casos.

Outra novidade em termos de mecânica são os poderes de detetive do Edgeworth. Ele pode usar a lógica pra combinar dois fatos e chegar a uma conclusão que pode ser usada como evidência, usando o comando “logic” e a dedução, onde ele pode usar uma evidência pra apontar uma contradição em determinada imagem ou cenário.

No mais o game segue a estrutura clássica, com 5 casos que a principio parecem desconexos mas que resolvem um grande mistério no final. Destaque para o 4º caso que se passa 7 anos antes dos eventos do jogo mostrando o primeiro dia do Edgworth como promotor e a jovem Franziska ainda em formação mas já cheia de pompa além de uma ponta do próprio Manfred Von Karma, grande vilão do primeiro jogo da série.

Na parte técnica ele está no nível da trilogia do DS, com alguns sprites reaproveitados inclusive, mas contando com os elementos de investigação usando a tela touch como no 5º caso do jogo original ou nos jogos do Apollo, podendo rotacionar itens e usar o microfone pra soprar coisas, além dos clássicos gritos de OBJECTION e HOLD IT no meio das discurssões.

O áudio segue o padrão da série, com faixas bem bacanas como a versão de “porsuit” e algumas da série principal também

https://www.youtube.com/watch?v=1RaG123x_wU

Recheado de fanservices que compensam bem a falta dos personagens clássicos nos jogos da série principal e ainda vários outros secuntários como o Larry e a velha Oldbag, além de brincar com a personalidade do Miles, sempre sério e estoico tentando esconder seu lado fanboy pelo seriado do Steel Samurai, sempre o colocando em sitoações meio constrangedoras, o jogo é um prato cheio pra qualquer um que tenha curtido a trilogia original.

A mudança de perspectiva mais puxada pro adventure pode causar estranheza a princípio, mas na prática é a mesma coisa boa de sempre, casos mirabolantes com um vilão maluco usando alguém como bode expiatório, muito pixel Hunt e tentativa e erro até conseguir entender a lógica do jogo.

Uma coisa que frustrou os fãs foi a expectativa de atuar com o Miles nos tribunal como promotor mesmo, que seria a coisa mais lógica a se esperar realmente de um jogo dele ao invés de focar apenas em investigações que o fazem mais parecer o Phoenix, mas acredito que tenham optado por colocar ele solucionando casos fora da corte pra evitar a criação de um advogado de defesa corrupto como antagonista. Apesar de não ser exatamente o que se espera as investigações condizem com a busca do personagem pela “verdade” e ficou bem legal aprofundar mais coisas como a relação dele com o saudoso Gumshoe.

Concluindo, é uma excelente adição a série. Miles Edgeworth é um dos personagens mais queridos da franquia e merecia mais destaque. O único ponto “ruim” que posso citar é o fato do jogo se estender demais nos últimos casos, mas é algo que acontece na série principal também então provavelmente é intencional.

O jogo teve uma sequência ainda maior que infelizmente não chegou oficialmente ao ocidente dada a baixa recepção da série em geral e da política da Capcom de não arriscar mais com ela por aqui. Uma pena, mas graças a fãs é possível jogar em inglês com a tradução feita por fãs anos atrás. Se você gosta da série Ace Attorney ou de jogos investigativos é uma ótima pedida.

8.5 8.5 10
Overall
8.0 Gameplay
9.0 Story
8.5 Music
8.0 Graphics
Rever personagens clássicos com muito fanservice
O Edge com o destaque que merece ser ser um clone do Phoenix
As mecânicas de lógica e dedução combinam bem com o personagem
Os ultimos casos parecem não terminar nunca
Não tem nenhum trial oficial U_U

15 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...