Medium picture

manoelnsn Manoel Nogueira

Só um cara que curte rpgs...


about 3 years ago 2017-01-15

Mega Man Zero 4

Pois bem, o propósito da Intil Creates era de finalizar Megaman Zero em uma trilogia, porém os fãs estavam tão assíduos para saber o que acontecera com Weil, tal como o destino de Zero, que eles tiveram que lançar um 4º game. Porém, desta vez a história abordaria algo mais direto: o Ragnarok, o fim do mundo da mitologia nórdica, mostrando que realmente queriam acabar tudo neste último título.

Após a maior introdução da franquia, somos apresentados a um grupo de refugiados humanos que estão escapando de Neo Arcadia, agora governada por Weil. Isso mesmo: humanos, pela primeira vez pessoas de carne e osso ganhando destaque em uma história de Megaman(antes eram apenas os cientistas que tinham esse destaque, como no caso da Ciel). Sua líder se chama Neige, uma garota repórter, que diz para Zero que, assim que ele "matou" XClone, Weil tomou o controle de Neo Arcadia na base do terror, e que por causa disso todos o odeiam por lá. Zero não se importa(pra variar), mas mesmo assim continuam defendendo a base de fugitivos das forças de Weil, que para isso envia seus 8 Einherjars, robôs com forma de animais mitológicos(bem parecidos com os marvericks da série X, muito interessante).

Após derrotar 4 deles, Craft lidera um ataque ao acampamento dos refugiados(chamado de Área Zero) e sequestra Neige, por algum motivo. Zero então resgata a repórter, não sem antes saber que ela e Craft eram velhos amigos e tinham sentimentos amorosos um pelo outro, mas que devido ao fato de serem humana e reploid, além de possuírem ideologias diferentes, isso não pode se concretizar. 

Até os pobres NPCs já estão cansados dessas guerras estúpidas que Inafune criou pra tentar deixar a trama mais séria :v 

Após a derrota dos outros 4 Einherjars, Weil revela seu incrível plano: um satélite nomeado de Ragnarok, possuidor de um fucking laser que pode destruir qualquer coisa. Porém, Craft consegue hackear esse dispositivo e diz que irá destruir Neo Arcadia! Ciel então avisa à sua resistência para evacuarem a cidade, não antes do satélite atirar e destruir a cidade inteira, aparentemente com Weil junto, enquanto Zero parte para Ragnarok, indo colocar juízo na cabeça de Craft na porrada.

A coça foi tão boa que Craft acaba morrendo no local mesmo, porém quando todos pensavam que todos estavam salvos, o satélite dispara e ainda entra em rota de colisão com a Área Zero. Então, com a ajuda de Neil, a criação de Willy adentra em Ragnarok novamente, onde encontra Weil vivo, já que o mesmo diz que é imortal, e que Zero não pode matá-lo, porque ele é um humano. Zero está cagando e andando pra isso(ele está cagando e andando pra tudo que aconteceu nesses 4 jogos, aliás) e detona o velho, explodindo o satélite antes que esse adentrasse na atmosfera, e aparentemente morrendo no processo.

No solo, todos estão muito tristes com a suposta morte de Zero(agora os humanos gostam dele). Ciel tenta se enganar, dizendo que sempre esperará por ele e o jogo termina com uma imagem do satélite caído, junto ao capacete quebrado do robô carmesim...

A trama de Megaman Zero 4 termina de forma consistente, da maneira que a Intil Creates queria, dando a entender que Zero morreu no final. A história desta vez aborda humanos e mostra o quanto eles odeiam marvericks por terem envolvido-os em suas guerras idiotas e até temos um relacionamento amoroso entre um reploid e uma humana... Mas espera, por que algo tão importante veio a acontecer com um casal de NPCs e não envolvendo o protagonista, Zero? Não seria a primeira vez que a criação de Dr Willy se envolveria emocionalmente com outra pessoa, afinal temos Iris em Megaman X4(e todos sabem como isso terminou), e seria muito legal ver ele se lembrando disso ao se apaixonar por alguém. 

Mas não, até parece que na cabeça de Inafune Zero precisa ser um personagem sem o menor traço de emoção, tanto que nestes 4 jogos, ao contrário de suas aparições na saga X, ele sequer demonstrou um pingo de emoção, no máximo um "muito obrigado" pra Ciel(uma cientista que está doidinha para conhecer seu Z Saber ( ͡° ͜ʖ ͡°)). Talvez ele tivesse sem emoções por ter perdido a memória? Mas e se ele a recuperou, sequer sabemos se ele lembra algo de seu passado, o jogo possui coadjuvantes e vilões muito mais expressivos do que essa versão cuteness do Zero que vimos nesta quadrilogia.

Quanto ao gameplay, tivemos mais algumas mudanças. Novamente Zero possui as armas sem a necessidade de evolução, porém desta vez temos apenas as duas armas principais, o ZSaber e o Buster pistolinha, além de uma nova chamada Knuckle. Com essa habilidade, Zero pode roubar armas dos inimigos e utilizá-las até o término da fase! É uma adição bem interessante, pena que não seja tão necessária assim, já que Z Saber ainda é a forma mais eficiente de se cortar um boss em 2(literalmente).

O sistema de elfos agora se resume a um único motherfucker Elf: Croire. Essa criatura é o único elfo do jogo e pode aprender as habilidades de vários elfos ao mesmo tempo. Quanto mais níveis tiver, mais habilidades pode aprender e para que ele possa evoluir você já sabe: cristais. Ele possui a mesma função dos satelitte elves do jogo anterior: não pode morrer, porém ele só pode adquirir níveis mais elevados se você derrotar os bosses, demorando um pouco para que o mesmo se torne OP(pra se ter uma noção, ele até possui uma habilidade que faz você carregar o golpe sem precisar segurar o botão!).

O sistema de chips do jogo anterior voltou, só que desta vez você não ganha chips de inimigos e sim apenas materiais para fazê-los. Para saber qual material fundir com qual, é necessário adquirir uma recipe com algum NPC... Ou procurar as receitas na net e poupar o seu trabalho. Infelizmente isso é um tanto maçante e acabou por estragar um pouco essa função.

Uma interessante melhoria se deu por conta da seleção de fases, onde tu pode escolher qualquer um dos 8 bosses, na ordem que quiser. Outra novidade se dá por conta do Weather System, que permite que você mude o clima da fase. Se ele estiver mais propício para o boss, a fase se tornará bem difícil e você ganhará a ex skill do mesmo, independente do seu ranking! Isso foi realmente uma ótima ideia, meio que uma evolução do Cyberspace, mas com um prêmio para o jogador caos ele escolha seguir o caminho mais difícil.

Falando em bosses, todos eles possuem algo em comum(além de não possuírem formas humanoides andróginas) que são algum esquema para sacanear o jogador, exigindo que o mesmo decore seus padrões , tal como era necessário nos dois primeiros jogos. Croix que o diga, tu enfrenta ele duas vezes, e se não decorar seus padrões, morre na certa. O jogo também possui um modo easy, onde o jogador sequer morre com os espinhos/lava e ainda ganha Croire com no LVL 5 logo de começo. Uma boa maneira de atrair jogadores inexperientes sem sacrificar o gameplay pra isso.

Concluindo...

Mesmo após 4 jogos, o que eu disse no primeiro jogo ainda vale: Megaman Zero é a pior opção para se começar a franquia Megaman. O mais engraçado nisso tudo é que, mesmo querendo fazer um jogo próprio para seu querido personagem, Inafune e a Intil Creates acabaram tendo que inserir elementos da franquia clássica no decorrer dos jogos, como seleção de fases não linear e ausência de continues, mostrando que, mesmo se distanciando da essência da franquia principal, Megaman Zero ainda podia voltar às suas origens, mas isso acabou não acontecendo e a saga termina como sendo a pior das 3 que compõem a história das criações de Light e Willy. Sua história é vista por muitos como algo fenomenal, mais sério e dramático do que as outras duas, mas se é isso mesmo, façamos um comparativo: qual cena da saga Zero mostra o personagem mais emotivo do que a morte da Iris, em X4, sua morte em X5 ou mesmo sua reunião com X, em X6? Zero é sem dúvidas o pior personagem de sua própria franquia(Até mesmo Ciel consegue ser melhor que ele, mesmo que esta seja o cientista mais incompetente da saga principal)! Todo o background trágico que a trama possui é completamente inútil se o protagonista, controlado por você, não sente absolutamente nada com tudo que acontece! Zero é quase um protagonista mudo clássico de RPGs, todo seu estilo badass de outrora foi trocado por um raquítico robô sem a menor expressão.

Também podia falar do artwork, que atrapalhou ainda mais, mas acho que já falei dele demais nos outros jogos... Por fim, apesar dos percalços e defeitos que esta saga possui, Megaman Zero 4 é um bom jogo, trazendo alguns conceitos interessantes e fecha a franquia razoavelmente bem. Vale a pena jogá-lo se você gostar de plataformers(e não se importar de jogar com um protagonista mudo que parece uma menina superpoderosa).

7.5 7.5 10
Overall
8.0 Gameplay
8.0 Story
8.0 Music
8.0 Graphics
Sistema de cyber elfos melhorado
Seleção de fases completa, além das mudanças de clima
A arma Knuckle é um tanto interessante
Modo easy disponível no começo para jogadores mais causais
Sistema de chips piorado
Zero é um péssimo protagonista
Afastamento da essência da franquia ainda persiste(mesmo que bem menos que seus antecessores)

6 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...