Medium picture

renann Renan Valadão

Nintendista, Nintendeiro, Nintendete, Nintendoma, Nintendio, e fanboy.


almost 6 years ago 2013-06-22

Fire Emblem

Fire Emblem foi minha primeira experiência em jogos táticos, estilo que nutri algum preconceito por julgar pouco empolgante e com ação limitada. Errei.
Impulsionado por uma coleção particular, adquiri toda a série Fire Emblem sem nunca ter tentado, um tiro no escuro, e fui logo para o primeiro título de GBA, nada mais justo começar pelo começo.
joguei todos os capítulos, fiz o tutorial da Lyn que, além de te ensinar a jogar, te prepara o coração para o que está por vir.
Fire Emblem é cativante, os persongens não são meros agentes executores de comando, todos tem personalidade e um contexto por trás, o que gera a desconfortável sensação de apego por eles. Isso mesmo, eu não conseguia batalhar e perder um personagem, ficava aflito, com peso na consciência, e reiniciava o capítulo. Sacrifícios foram inevitáveis ao longo do caminho, mas o coração jamais deixou de pesar. Grande responsável desse envolvimento é a sacada de te colocar como um personagem. Isso mesmo, você é o tático do exército, quem bola as estratégias, tem sprite e tudo mais, apesar de aparecer apenas em alguns eventos pontuais, mas nas passagens de capítulos e até no final do jogo você é sempre lembrado pelo protagonista, com diálogos que você é quase coibido a responder do outro lado da tela, a fala sempre em tom grato que nos faz achar mesmo que estávamos ali, viajando e lutando ao lado deles não tem como te deixar alheio e não sentir uma dor no coração quando vê as unidades que faleceram ao longo da aventura, no final do jogo, onde o destino de cada personagem é contado.
A trama principal é de uma maturidade ímpar, confesso que não estava munido para um conto tão complexo, cheio de reviravoltas e intrigas. É uma trama muito madura, não fica atrás de nenhum Game of Thrones, que gira em torno de contextos políticos num jogo de interesses, não é um conto sentimental regado à magias e impossibilidades cotidianas. Claro, há elementos fantásticos no jogo, existem magos, dragões e outras criaturas imaginárias, mas usadas apenas para pintar o cenário inspirador e romântico de uma cruzada medieval.
A ação do jogo em alguns momentos servem apenas para traçar a diferença entre o game de estratégia e uma visual novel, mas ainda assim te oferece um desafio muito bem elaborado, mesmo no nível de dificuldade normal, o jogo é bastante desafiador e te faz questionar todo momento sobre determinadas ações que podem determinar a possibilidade de seu exército estar apto a terminar o jogo ou não.
Dentre outros aspectos técnicos, a música e animação dinâmica do jogo transforma o que seria entediante em empolgante, é natural no gênero RPG as músicas de batalha rapidamente tornarem-se irritantes, mas o jogo achou tons certos para não tornar a experiência massante.
É altamente recomendado para quem gosta de uma boa leitura. Isso mesmo, sua rica história é tão densa que a obra pode facilmente ser realocada na arte literária, e me arrisco a dizer que um volume apenas não seria o suficiente.

10 10 10
Overall
8.0 Gameplay
10 Story
10 Music
8.0 Graphics

5 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...