Medium picture

thecriticgames Matheus Pontes

O Bruce Wayne do Alvanista. "BY THE PEOPLE FOR THE PEOPLE"


about 5 years ago 2014-04-14

Mega Man 2: The Power Fighters

Quem jogou Mega Man The Power Battle, ou ao menos leu a minha critica, ou viu um video no youtube, ou... sei lah; sabe que o game apresentava a premissa de colocar Mega Man em lutas contra chefes da série. O jogador podia escolher entre 3 personagens, Mega Man, Proto Man e Bass e devia derrotar 6 chefes em um ciclo de lutas até enfrentar um sub-chefe e Willy em sua fortaleza, e o melhor de tudo, você podia fazer isso com ajuda de um amigo no modo co-op.

Com uma engine aperfeiçoada do Mega Man 7 do SNES o jogo possuía um visual coloridíssimo que enchia os olhos de qualquer fã, principalmente para quem quisesse rever os chefes do NES em uma animação mais detalhada. Mega Man 2: The Power Fighters pega o game anterior e refina tudo o que ele tinha de bom ao mesmo tempo que procura corrigir suas falhas.

A primeira novidade é o misterioso novo personagem, Duo um robô espacial que volta a terra para ajudar Mega Man na luta contra Willy que utiliza uma misteriosa energia alienígena.

A mecânica é a mesmíssima do jogo anterior, o jogador controla um dos personagens jogáveis em lutas diretamente contra os chefes com ou sem a ajuda de um amigo no Player 2, as vitórias rendem poderes que podem ser usadas como fraquezas contra outros chefes. A primeira novidade aqui é o novo personagem, o misterioso Duo que dispara tiros energizados no formato de uma mão e pode ferir os inimigos com seus Dashs.

Quem jogou Mega Man 8 já conhece Duo, mas foi nesse game em que Duo fez sua primeira aparição (o jogo foi lançado antes de Mega Man 8 mas se passa após o mesmo) e seu final faz uma propaganda gratuita de Mega Man 8 que estava em produção na época. Os gráficos e a trilha sonora como no game anterior seguem na onda rematerializada que o game anterior trouxe.

Esqueça as adivinhações de poderes x fraquezas, aqui alem de poder escolher contra qual chefe lutar Light da dicas sobre qual é a arma mais eficaz contra o oponente.

A história é quase a mesma do game anterior, com Willy revivendo os robôs já derrotados por Mega Man para começar uma nova guerra, os inimigos atacam o laboratório de Dr. Light sequestrando Roll e roubando upgrades que estavam em desenvolvimento. Os ciclos de chefes dessa vez não são baseados nos jogos mais sim em missões: Buscar Willy, Resgatar Roll ou Recuperar as partes roubadas.

Os ciclos misturam chefes de jogos variados o que da um senso misto, alem de incluir chefes novos que não estavam no game anterior. A jogatina recebe melhorias com a presença de uma barra de energia mais convencional e com a inclusão de um ataque diferente para cada um dos personagens que pode ser utilizado ao soltar o tiro carregado segurando pra cima, Mega Man realiza um Shoryuken, Bass uma chute na forma de bicicleta, Duo um gancho sem sair do chão e Proto Man, um disparo em forma de labaredas de plasma.


Os diferentes finais do game revelam muitos aspectos diversificados, como ligações com a série X, a curiosa antipatia de Bass por Proto Man, e até o motivo de Proto Man ser tão solitario.

O game ainda contem uma vida curta podendo ser zerado em mais ou menos 15 minutos com ajuda de um amigo, a novidade que da vida útil ao game são seus 10 finais diferentes! Sim, final pakaraleo. São 4 finais individuais com cada personagem e mais um para cada dupla diferente no co-op (Mega Man-Proto Man, Mega Man-Bass, Bass- Duo, etc).

Os finais são "OBRIGATÓRIOS" para qualquer fã da saga, isso porque os mesmos revelam ligações com a série X, como no final de Bass onde Willy revela estar fazendo um "certo" robô mais poderoso com o Bassnium (a forma de energia de Bass) ou o final do Mega no qual ele se mostra confrontado com as suas próprias ideologias pacificas ja que ele destrói os robôs, aqui era desenvolvida a filosofia do livre arbítrio robótico. (uma pista clara a criação de X).

Antes de concluir a crítica algo que pode ou não incomodar os jogadores é que os poderes não são mais  entregues a ambos jogadores como no game anterior, mas sim ao jogador que coleta-lo após derrotar o chefe, embora preocupante esse elemento introduz momentos cômicos ao brigar com seu amigo pelo poder do chefe. O jogo é um ótimo titulo para fãs da série e para quem apreciou o game anterior, também disponível como extra em Mega Man Anniversary Colletion.

8.5 8.5 10
Overall
7.5 Gameplay
8.5 Story
9.0 Music
9.0 Graphics
Todos os elementos do game anterior foram aprimorados.
A presença do novo personagem Duo.
Trama mais interessante graças ao sistema de finais diversificados.
Não repartir o poder dos chefes entre os jogadores, pode incomodar alguns.

5 of users found this review helpful.


Outras críticas do mesmo autor:

Keep reading → Collapse ←
Loading...