This game doesn't have any review. Be the first one to review it!

Add Review


  • 2020-03-19 10:55:23 -0300 Thumb picture

    #226 - Flashback: The Quest for Identity [3DO] 1993

     Originalmente lançado para o Amiga em 1992 e com versões para várias plataformas, o jogo foi uma das primeiras surpresas no 3DO. Conrad perdeu a memória e acorda na lua Titã, no meio de uma densa selva. Com a ajuda de um cubo holográfico, Conrad deve explorar a área e sobreviver aos ataques dos nativos. Paul Cuisset usou técnicas aprimoradas de rotoscopia para criar animações realistas de movimentos. As versões em CD do jogo traz cenas de computação gráfica de alta qualidade e com áudio dublado. O jogo não possui rolagem de tela e cada área está repleta de armadilhas que podem matar o jogador instantaneamente. Conrad possui uma pistola de munição ilimitada e obtém itens para resolver os quebra-cabeças do jogo.

     - A estreia do 3DO traz um dos jogos mais realistas até então. O alto nível nas animações dos personagens é muito fluído e o jogo é bem rápido. Os gráficos do jogo são de cair o queixo, com cenários extremamente detalhados e sons ambiente que deixa tudo ainda mais natural. A mecânica do jogo lembra muito Another World, com telas cheias de armadilhas mortais e itens diversos para resolução de puzzles. É preciso andar sempre em alerta e com muita cautela, pois os checkpoints são raros. Ainda sim, você vai morrer muitas e muitas vezes até aprender o que se deve fazer. As cenas em CGI são impressionantes e mostra o que a nova geração é capaz de reproduzir.

    Nota pessoal: ★★★★☆

    @andre_andricopoulos, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @noyluiz, @marlonildo, @joanan_van_dort, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @kb, @sergiotecnico, @srdeath, @melkorbelegurth, @avmnetto, @spider, @denis_lisboadosreis, @rogerlopezx, @fredson, @mjdias, @hyuga [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    28
    • Micro picture
      hyuga · 12 days ago · 2 pontos

      é neste jogo que o personagem encosta as costas na parede e com isso pode desviar de tiros ou passar stealh pelos inimigos?

      5 replies
    • Micro picture
      leopoldino · 12 days ago · 2 pontos

      Jogo bonito...

      1 reply
    • Micro picture
      old_gamer · 12 days ago · 2 pontos

      Só joguei o do Snes, gosto muito.

      1 reply
  • 2019-11-23 23:57:28 -0200 Thumb picture
  • darleysantos676 Darley Santos
    2019-11-10 22:07:04 -0200 Thumb picture
    darleysantos676 checked-in:
    Post by darleysantos676: <p><strong>FLASHBACK</strong></p><p><strong>100% (0

    FLASHBACK

    100% (08/11/2019)

    -

    -

    ***************************************************************************

    Uma trama envolvendo aventura espacial num futuro indeterminado... Você está numa colônia terráquea distante denominada Titan, e no papel do agente da GBI (sim, uma alusão a FBI) Conrad, você descobre que uma raça alienígena tem conspirado para tentar colonizar e dominar o planeta Terra, planos esses que nosso agente espertamente tenta frustrar. 

    Um remake primoroso e exemplar! Essa versão conta também com o jogo original de 1993, sendo o remake um lançamento de 2013. É realmente notável como conseguiram recriar o mundo do game de forma tão detalhadamente bonita e viva, em todos os cenários - selva, cidade, porto espacial, planeta alien! É realmente de impressionante!

    -

    Flashback é um jogo de plataforma cinemática (isto é, com aquela proposta de física realista e efeitos cinematográficos, dentre outras coisas), de ação/progressão 2D ou rolagem lateral, mas com efeitos  tridimensionais em sua repaginação moderna, e uma suavizada no quesito dificuldade, se tornando um jogo bem menos punitivo e acessível que o original dos anos 90. 

    O jogo combina uma história interessante com uma gameplay funcional e duração curta, uma combinação ótima, pode-se dizer. Mas o jogo tem sim uns bugs, como o personagem ficar preso do nada em determinados lugares, mas nada que estrague a diversão. 

    O jogo tem um ótimo fator replay também! Acabei jogando umas 7 vezes, sem enjoar muito. O jogo em tese te motiva a continuar evoluindo de nível e fazendo todas as melhorias/upgrades possíveis, mas depois da terceira jogada você já pode ter conseguido todos os upgrades.

    Recomendável!

    *

    *

    *

    @platinadores

    16
  • rshadowss Ricardo
    2017-08-10 20:09:55 -0300 Thumb picture
    rshadowss checked-in:
    Post by rshadowss: <p>Só pra deixar registrado, fechei hoje, peguei o

    Só pra deixar registrado, fechei hoje, peguei o Flashback numa flash sale faz tempo :v Faz tanto tempo, que nem sabia que era da Ubisoft, e nem que era um remake.

    Enfim, é legal, na ultima fase deu muito erro, muita queda de frame rate, cenário não aparecia, caia num vácuo e morria, o pior foi quando aconteceu isso na contagem regressiva :/

    Mas de boa, eu gostei do jogo, pretendo fazer 100% futuramente, como eu não conheço o original, não tem como comparar, mas fiquei pensando em alguns remakes, como por exemplo o Sunset Riders, por conta de ser no estilo plataforma, mas o Flashback tem exploração, uns puzzles, enfim, só venho na minha mente mesmo.

    5
  • 2016-09-23 08:29:40 -0300 Thumb picture
    igor_park checked-in:
    Post by igor_park: <p>Não comprem, só agradeço aos céus por que foi 1

    Não comprem, só agradeço aos céus por que foi 1 real na época, zerei isso para nunca mais tocar mesmo, achei terrivel, desde dos controles a dificuldade, e forma como o jogo funciona em geral.

    9
  • mateusmassa Mateus Melo Massa
    2016-01-11 15:34:45 -0200 Thumb picture
    mateusmassa checked-in:
    Post by mateusmassa: <p>Comecei ontem e mesmo não tendo jogado o origina

    Comecei ontem e mesmo não tendo jogado o original estou gostando do Remake.

    Até o momento a história está confusa e não gostei muito da escolha de como fazer as cenas de lembranças

    12
  • 2015-12-19 04:18:16 -0200 Thumb picture
    Post by canal03: <p>#img#[218860]</p><p>#img#[218859]</p><p>O 3DO é

    O 3DO é o nome dado a uma série de consoles fabricados a partir de 1993 por algumas marcas famosas ou nem tanto da indústria de eletrônicos do mundo que seguiam as especificações criadas e fornecidas pela 3Do Company. É isso mesmo, a 3Do Company não produzia seus consoles: a ideia era lucrar com o recebimento dos royalties de quem quisesse fabricar o aparelho e de quem quisesse lançar jogos nele, uma ideia bastante inteligente mas que obrigatoriamente, dependia do sucesso de vendas do console. E sem entrar em detalhes, suas especificações eram bastante robustas. Seu processador de 32 bits e seu leitor de CD de 2x (vixe) o transformavam em uma invejável central multimídia capaz de tocar CDs de música, reproduzir fotos, filmes e aplicativos em CD além da capacidade de rodar jogos 3D poligonais cheios de filminhos reais e em CG, fatores que certamente tornariam o console muito atrativo para a época.

    Os primeiros aparelhos foram fabricados pela Panasonic, só que, do grande número de empresas que adquiriram licença para produzir o raro artefato, somente a Sanyo e Gold Star também entraram na jogada. Motivo: o fracasso era iminente e transparente. Causa: o exorbitante e arrogante preço de lançamento (os já citados U$799), justificado pelo fabricante como sendo um valor justo a ser pago pelo primeiro e único console 32 bits do mercado. Só que o povão, acostumado a pagar valores que não passavam muito de U$400 por um videogame, não engoliu essa história de preço justo não, e os aparelhos criaram poeira nas prateleiras das lojas, um fato que foi citado em revistas como sendo o pior lançamento de console daquele ano, e que mais tarde seria conhecido por ser um dos maiores fiascos de vendas da história dos videogames. 

    A situação alarmante que não mudava e que não apresentava sinais de que poderia vir a melhorar, culminou por gerar aquele famoso grilo atrás das orelhas do pessoal das grandes softhouses, que já não tinham certeza alguma de que realmente valeria a pena produzir games para aquele console, sendo que os concorrentes Mega Drive e Super Nintendo eram casas já consolidadas e de retorno financeiro garantido.

    Mesmo com a redução considerável no preço do console que aconteceu no final de 1994 (de U$799 pra U$499), o poderoso aparelho continuava encalhado e não convencendo ninguém, e o resultado foi o quase total abandono das softhouses, ainda mais após o lançamento das plataformas PlayStation, Neo-Geo CD e Sega Saturn, que aconteceu no final daquele mesmo ano, e apresentava três plataformas mais baratas, mais potentes e mais confiáveis que o console da 3Do. Em 1996 a última pá de terra era jogada em cima do caixão: a Nintendo lançava seu Nintendo 64, e a Matsushita pulava fora do projeto que poderia vir a ser o console sucessor do atual defunto.

    Desde o surgimento da indústria dos vídeo games o que se viu foi a adaptação de empresas, ou de setores específicos delas, para conquistar e abocanhar uma fatia do mercado emergente dos jogos eletrônicos. Porém, no início dos anos 1990, a indústria e os consumidores viram o surgimento de uma empresa cujo objetivo único e exclusivo era atender a esse mercado. Assim nasceu a 3DO Company surgiu em 1991 na Califórnia como uma sociedade entre 7 empresas diferentes – entre elas Electronic Arts e Atari Games – e foi responsável pelo desenvolvimento das especificações do primeiro vídeo game 32 bits da história: o 3DO Interactive Multiplayer. 

    Sim, a 3DO Company criou as especificações do 3DO e não o console em si. A ideia da 3DO Company era lucrar com o licenciamento dessas especificações e com o pagamento de royalties das empresas que tivessem interesse em produzir o 3DO e as third-parties que desejassem desenvolver para o console. Fazendo uma breve analogia, podemos comparar o modelo de negócios da empresa aos saudosos videocassetes, cuja tecnologia foi concebida pela JVC. A partir de então, toda e qualquer empresa que fabricasse um videocassete teria que pagar um pequeno royalty para a JVC.

    O modelo de negócios da 3DO Company era bastante ousado para a época  principalmente para uma empresa recém criada – e seu console era mais ainda (ou pelo menos tinha a intenção). Batizado de “console da próxima geração baseado em mídia digital”, o 3DO pretendia conquistar os consumidores que gostariam de ter em casa não só um vídeo game, mas um sistema audiovisual de altíssima qualidade. As coisas, no entanto, não saíram tão bem quanto se previa.

    Com tudo o que foi dito, engana-se quem estiver pensando que o 3DO foi apenas uma jogada da 3DO Company para ganhar dinheiro fácil. Tá, pode até ter sido, mas o console era realmente bom e tinha especificações bem avançadas para a época. Além de sua arquitetura 32 bits, o 3DO apresentava dois coprocessadores de vídeo, um processador de sinal digital de 16 bits – responsável por processar os sinais de áudio e vídeo – e um coprocessador matemático. Além disso, ele ainda tinha 2MB de memória RAM e driver de CD que rodava a 2X (sim, isso era incrível para a época) que permitia rodar não só CDs de jogos, mas também Photo CDs e VCDs – esqueça seu videocassete.

    Além das especificações monstruosas para a época, pelas definições estabelecidas pela 3DO Company o console não tinha trava de região. Sendo assim, um jogo desenvolvido no Japão ou na Europa poderia ser rodado normalmente em um console americano – sem dor de cabeça. Percebam que foi feito de tudo para que o console fosse realmente popular e alcançasse todos os públicos.

    Contudo, de que adianta tanta potencia, tanto hardware disponível, se você não tem os jogos? A pouca diversidade na biblioteca de jogos do 3DO fez com que a maioria dos bons jogos dele fossem ports dos arcades ou dos PCs. Ao passo que Alone in the Dark, Myst e Star Control II foram os três principais ports que fizeram sucesso na plataforma, Gex, The Need for Speed, Killing Time e FIFA International Soccer foram os principais lançamentos para o sistema.

     O 3Do chegou ao seu fim tendo uma biblioteca de pouquíssimos jogos realmente bons, onde as versões memoráveis de Flashback, Out of this World e Super Street Fighter II Turbo mostravam o excelente nível técnico que os games desenvolvidos para o aparelho poderiam atingir. Uma pena.

    Esse texto que eu criei, para fazer um vídeo no meu canal espero que gostem até mais...

    @neilsonthrash80

    22
    • Micro picture
      julio777 · over 4 years ago · 2 pontos

      Ótima matéria man, o 3DO também marcou a estréia da Naught Doug nos games com uma cópia escrota de Mortal Kombat o Way of The Warrior.

      2 replies
    • Micro picture
      mastershadow · over 4 years ago · 1 ponto

      Joguei muito na locadora....Gex era muito popular, Road Rash, Need For Speed.... e Super Street Fighter 2 Turbo rendeu atos campeonatos na época!

      1 reply
  • zuppao Alexandre Zuppo
    2015-10-07 12:51:35 -0300 Thumb picture

    Hololens

    Eu acho que, com o dólar a R$4  e pouco, esse brinquedinho acaba saindo um pouquinho caro... só um pouquinho... =(

    8
  • tiozeca Tio Zeca
    2015-08-20 11:44:06 -0300 Thumb picture
    tiozeca checked-in:
    Post by tiozeca: <p>Finalmente retomando este remake!!!</p><p>Gosto

    Finalmente retomando este remake!!!

    Gosto muito deste gênero de plataforma 2.5D e dessa temática futurista.

    Lembra muitos filmes de SciFi dos anos 90.

    1
  • loco__dan Dan Medeiros
    2015-08-06 22:48:31 -0300 Thumb picture
    loco__dan checked-in:
    Post by loco__dan: <p>Primeira jogada, fechei mais de 30% do game. Est

    Primeira jogada, fechei mais de 30% do game. Está bem divertido e tá bonitinho até...rs
    Não tive o prazer de zerar no SNES, mas bateu até uma curiosidade de tentar posteriormente.

    0

Load more updates

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...