gabrielbottignon

Colecionador, 24 anos, nas horas livres to jogando

You aren't following gabrielbottignon.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • 2019-06-21 18:48:12 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    59
    • Micro picture
      lukenakama · 2 months ago · 1 ponto

      kkkkkkkkkkkkkkkk essa do Fullmetal foi foda.

    • Micro picture
      tiagodantas · 2 months ago · 1 ponto

      Kkkkkkkkkkkkkkkk

    • Micro picture
      vante · 2 months ago · 1 ponto

      Escravoceta de armadura kkkkkkkkkkkkk

  • 2019-05-16 15:19:07 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Porque jogos competitivos são os que mais causam raiva nos jogadores?

    Medium 3721855 featured image

    Eu sei, a reposta parece meio óbvia, mas deixe-me ao menos “expandir” o que você provavelmente já sabe. jogos competitivos já estão ai no mundo desde o primeiro pong lançado em 1972, um pvp simples onde dois jogadores tentam marcar pontos fazendo a bola atravessar o campo do outro, algo básico mas funcional que fazia duas pessoas se enfrentarem arduamente (mesmo que de maneira simples) até surgir um vencedor, e desde de então, mais e mais jogos nesse formato foram surgindo, inovando mais na formula e expandindo mais o pvp “básico”, conquistando mais e mais espaço, como por exemplo o próprio esports, transmitido para o mundo inteiro, onde vemos vários jogadores profissionais mostrando para o publico o porque deles serem “os proporcionais” naquele jogo. mas, com tanta inovação surgindo para esse género, porque ainda sentimos tanta raiva ao jogamos jogos como Overwatch, LoL ou até mesmo um Street Fighter V?

    Numa competição, vence quem é o melhor, correto? Suas habilidades são o fator decisivo para alcançar a vitoria, e se o seu oponente vencer, isso significa que ele teve mais habilidades e que necessariamente ele seja melhor que você? Não, ao menos não na maioria das vezes, e certo fazer esse veredito se comparamos um idoso a um corredor profissional em uma corrida de cem metros, mas em jogos, o buraco e mais em baixo, o que acontece muitas vezes são que a “oportunidades especiais” para um jogo podem realmente ditar o rumo de uma partida por inteiro, e também, algo que muitos odeiam e outros amam chamado RNG (random number generator, gerador de numero randomico) explicando de maneira breve, seria a “possibilidade” de algo acontecer ou não em determinado momento em um jogo, como, ao pular um buraco, o seu personagem pode ou não dar uma rolada ao atravessa-lo ou um inimigo errar um ataque que geralmente ele acerta em você, a muitos fatores que determinam um RNG em um jogo, e é ambíguo se ele é associado a sorte ou não.

    Essa é uma possibilidade do rng, assim como, essa situação nunca poderia se quer ter acontecido, as possibilidades do que pode acontecer ou não são finitas, mas ainda sim são grandes.

    Ok, mas como isso tudo me faz ter raiva de jogar jogos competitivos? Exemplificado melhor o primeiro fator de “oportunidades especiais”, deem uma olhada nesse vídeo:

    Desculpe a qualidade, foi o melhor que eu achei

    Admita, por mais que você parabenizasse o cara por esse feito você ainda sim sentiria um pouquinho de raiva por ter perdido para ele quando você estava quase ganhando, o jogo street fighter 3 permitiu essa possibilidade ao jogador daigo de bloquear o que seria o golpe final de seu adversário justin, por mais que essa façanha tenha um pouco de RNG, ainda sim é uma das mecânicas do jogo, e mecânicas, caro leitor, são uma das coisas que jogadores mais reclamam em qualquer jogo, mesmo os jogos single recebem duras criticas por terem coisas “quebráveis” (gíria para “desbalanceamento”) em seus gameplays, e jogos competitivos estão no topo dessas reclamações, e fácil achar pessoas que dizem “nerfem tão personagem” ou “proíbam tão personagem de ser usado pois ele é forte demais” para jogos como overwatch, e, por mais que essas reclamações possam ser coerentes e plausíveis, as empresas donas desses jogos muitas vezes não fazem o devido balanceamento de tão mecânica ou personagem.

    “E se tão mecânica/personagem é forte, porque eu me daria ao luxo de usar algo que considero fraco/sem garantia de que não ira me trazer a vitória fácil?” e com esse pensamento que muitos jogadores vão e vencem de maneira fácil e barata muitos oponentes que tentam coisas diferentes, o que frustra e te faz questionar se aquilo é justo ou não, “a mas e o RNG? o que ele tem haver com tudo isso?” bom, como no exemplo acima, daigo bloqueou o golpe de justin com um certo grau de RNG, você poderia dizer que isso é trapaça e que é desbalanceado, mas não, isso é uma mecânica até que justa, mas, por ter um fator rng nela, as chances de dar certo são mínimas, tanto que esse feito dele é quase impossível de se repetir sem algumas horas treinando, agora, seria realmente injusto se, apenas se isso fosse algo que pudesse ser executado a qualquer hora sem o mínimo de esforço/técnica/custo possível e fosse um bloqueio perfeito que nada pudesse parar, mas se esse exemplo ainda não te convenceu do que quero falar, então aqui vai mais um:

    No jogo X-men children of atom, Wolverine pode executar uma sequencia interminável de ataques que o fazem vencer uma luta sem o mínimo de esforço, isso aqui é um perfeito exemplo de mecânica quebrada entrando em ação, e sabe o que é engraçado? o RNG interfere em quase nada nesse combo simples de se fazer que mal leva uma hora para ser aprendido, e essa meu leitor é a “origem do mal” que te faz entrar em modo berserk (estado de fúria), uma mecânica simples mas ao mesmo tempo “roubada” que qualquer um pode fazer que faz toda a sua estratégia/planejamento/dedicação ir por agua a baixo num piscar de olhos.

    Em resumo, o que te traz raiva em jogos competitivos e sentir que sua partida não foi satisfatória/justa e que seu oponente venceu da forma fácil, barata e talvez de maneira trapaceira do seu ponto de vista, você buscar se entreter competitivamente, e muitas vezes, você se vê olhando o seu oponente como sendo tão forte quanto você e que ambos tem chances iguais de ganhar, porém, tirando partidas com jogadores profissionais aos quais estão em outro nível, quando você se depara com alguém que usa e abusa do exemplo que dei acima, você logo se decepciona e deixa-se consumir pela raiva de sofrer uma “injustiça” no jogo, agora, mudando um pouco o foco desse artigo, se jogos competitivos andam te dando raiva atualmente, eu sugiro fortemente que você os abandone o quanto antes ou fique um longo período de tempo longe deles, eu não sou nenhum medico, mas sei bem as consequências que uma raiva “gratuita” pode trazer, e como vivemos em um país nenhum um pouco agradável, manter sua saúde mental estável é fio entre fazer uma idiotice amanhã que você ira se arrepender depois, termino aqui meu artigo agradecendo a todos que puderam dedicar um tempinho seu a essa leitura, fiquem com deus e tchau.

    PS:um compiladinho do que raiva demais pode fazer com você.

    League of Legends

    Platform: PC
    8582 Players
    2602 Check-ins

    20
    • Micro picture
      tecnologgamer · 3 months ago · 3 pontos

      Pode-se resumir com apenas uma palavra: Ego, ego e ego.

      1 reply
    • Micro picture
      artigos · 3 months ago · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

      1 reply
    • Micro picture
      kess · 3 months ago · 2 pontos

      Já fiquei irritado, mas nunca fiquei dando grito, jogando controle longe, batendo em coisas... Já vi um amigo meu socar o monitor (na época dos tubões), não deu nada, mas ali eu percebi que eu não era tão irritável. Pelo menos na época, hoje em dia eu saio do sério, mas normalmente com outras coisas.

  • natnitro Renata
    2019-04-27 22:21:23 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Batman Arkham Crisis - Rumores e hype nas alturas!!!

    Depois de fechar o Arkham Knight um dia desses, fui direto pro new story+ e ai, enquanto fazia a 5ª missão do Charada pra pegar as chaves da Catwoman, ele soltou umas baboseiras aleatórias como sempre, mas uma coisa que o Charada falou me deu um estalo na hora, daqueles que nos fazem acordar do saco cheio de ficar repetindo aquelas missões de novo, que era sobre os predadores, mais exatamente sobre corujas e morcegos...

    E pra quem curte as hqs, essa referência ai é um baita easteregg de uma série do Batman de 2011, uma melhores novels do morcegão e uma das poucas coisas que se salvam da perda total na fase New 52, que é justamente a série "Corte das Corujas/Noite das Corujas"...

    Fiquei com isso na cabeça e então fui pesquisar na net se aquilo era mesmo um easteregg das corujas e se tinham mais deles no jogo que não peguei na hora, e a melhor surpresa do dia foi descobrir que não era só um simples easteregg da hq, mas do próximo jogo da saga Arkham, que poderá se chamar "Batman Arkham Crisis" e há rumores fortíssimos de que já está em produção há uns 2-3 anos e pode ser anunciado agora na E3, com lançamento previsto pro halloween, dia 31/10 próximo...

    E alguns sites por ai até especulam sobre detalhes do jogo, que teriam vazado recentemente, e são os seguintes:

    "– A trama será muito mais complexa do que nos jogos anteriores.

    – Gotham City apresenta um ciclo dia/noite e é 1,7x maior que o mapa de GTA V.

    – Batwing substituirá o Batmóvel. Pode ser usado em combate ou como meio de transporte.

    – Possui multiplayer co-op, mas não integrado na história principal. Co-op será jogável por algumas missões secundárias.

    – As missões secundárias foram drasticamente alteradas e não terão 15 minutos de duração. Cada missão terá em média 3 horas de história.

    – Não há mais troféus Riddler. Eles foram substituídos por 31 desafios complexos."

    Ai foi aquele lindo momento WTF quando que li que a história do jogo poderá ser baseada justamente na "Corte das Corujas", onde ele investiga uma antiga lenda urbana de Gotham, que vem dos primórdios de sua criação, e pode ser mais real do que ele imaginava e tudo ai combina perfeitamente com as leaks, já que a história é realmente muito mais complexa na parte de investigação e o morcegão atua tanto como Bruce Wayne durante o dia, quanto como Batman à noite, o que justificaria bem os turnos dia/noite, e com um mapa maior de Gotham e possivelmente arredores também, o Batwing será perfeito mesmo pra locomover mais rápido e também na parte da "Noite das Corujas", onde ele cai como uma luva nas partes de ação aérea como na luta contra os Garras...

    E outra coisa que bate em cheio é a parte do co-op, já que tem várias partes da história em que o Batman trabalha junto com o Asa Noturna, que inclusive é uma das peças chave pra ele conseguir resolver o caso, além do Capuz Vermelho e a Barbara Gordon ainda como Batgirl, que também entram em cena, o que ficaria perfeito no próximo jogo, ainda mais depois do Arkham Knight, onde o arco da história deles foi bem apresentado na trama...

    Agora é esperar a E3 em breve e torcer pra que seja verdade mesmo, porque só de imaginar isso tudo ai no Arkham Crisis, o hype já foi pra estratosfera... \o/

    PS: Por obséquio Rocksteady/WB, dessa vez façam uma versão decente pra pc, porque o Arkham Knight estava ferrado de doer... >-<

    Fontes:

    #IGN - Próximo jogo da Rocksteady é Batman Arkham Crisis.

    #IGN-BR Batman - Game com a Corte das Corujas pode estar em desenvolvimento.

    #Ovicio - Próximo jogo do Batman se chamará Arkham Crisis.

    Batman Arkham Knight

    Platform: PC
    510 Players
    225 Check-ins

    37
    • Micro picture
      raiden · 4 months ago · 2 pontos

      Seria ÉPICO DEMAIS se isso tudo fosse colocado em prática!!!!!!! *-*

      1 reply
    • Micro picture
      zefie · 4 months ago · 2 pontos

      A Corte das Corujas é umas das histórias dele que eu não conheço absolutamente nada além da premissa, então se for baseada nela mesmo, até eu vou me animar pra jogar xD

      3 replies
    • Micro picture
      msvalle · 4 months ago · 2 pontos

      Ótimas expectativas, @natnitro! Tomara que se confirmem! Vou até reler a Saga das Corujas hehe

      1 reply
  • gabrielbottignon Gabriel Bottignon
    2019-04-21 13:33:44 -0300 Thumb picture
    gabrielbottignon checked-in to:
    Post by gabrielbottignon: <p>Fala pessoal blz !?</p><p>Alguem tem The Crew 2
    The Crew 2

    Platform: Playstation 4
    22 Players
    11 Check-ins

    Fala pessoal blz !?

    Alguem tem The Crew 2 de PS4 ?? 

    To precisando de uma ajuda no online 

    16
  • speedhunter Renan Loiola
    2019-04-12 13:13:53 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Jornalistas precisam respeitar o legado da FROM SOFTWARE.

    Medium 3715511 featured image

    Minha história com a FROM SOFTWARE começou há muitos anos antes de seu explosivo e importantíssimo sucesso da famosa formula “Souls”. O que para muitos a primeira entrada foi Demon’s Souls e para outros Dark Souls, em meados de 2000/2001 eu já mergulhava no bizarro mundo de Shadow Tower, um RPG de ação em primeira pessoa (que na época já era muito antiquado, hoje em dia, quase injogável) e o popular jogo de furtividade, Tenchu. Isso não quer dizer, que eu seja melhor do que outros jogadores que conhecerem a desenvolvedora após seu estrondoso crescimento de popularidade entre o público mais “hardcore”, apenas quero deixar claro minha experiência com a “era” pré e pós Miyazaki.

    (Shadow Tower foi a minha primeira experiência com a from Software)

    Para quem não conhece, Hidetaka Miyazaki é um dos maiores e mais importantes produtores dessa década. Não é exagero dizer que ele criou o gênero “Souls Like"(por mais que ele seja modesto e recuse essa alcunha), um estilo único e inovador de jogos com alto nível de refinamento em combate, sistema complexo de progressão para um RPG e enredo fragmentado. Sua infância foi extremamente pobre (que foi contada pelo mesmo em diversas entrevistas para a imprensa), seus pais nunca tiveram condições de comprar um console da época para ele, o que não deixou o futuro gênio da indústria desanimar. Miyazaki lia livros com kanjis avançados para sua idade, livros em inglês e muitos outros materiais que eram complicados para sua faixa etária, obviamente, ele não entendia tudo, mas tentava preencher o vazio com sua imaginação e foi aí que muitos anos depois ele repassou esse valor para sua forma de contar estórias.

    Me atento a falar um pouco sobre sua infância, pois foi ali que tudo realmente começou. Apesar de suas inúmeras dificuldades no passado para entrar no mercado extremamente competitivo de produção de jogos (Miyzaki era formado em ciências sociais e não programação), não se pode ir direto ao ponto sem antes explicar o contexto e o que desencadeou toda a atual filosofia da FROM SOFTWARE. Da sua juventude até o mainstream, foi um processo turbulento e arriscado, preço que nenhuma empresa ou desenvolvedor quer pagar para ver!

    Em 2009, o primeiro projeto ambicioso foi lançado. Em parceria com o Japan Studio, a FROM SOFTWARE desenvolveu um RPG de ação exclusivamente para o Playstation 3. Seu nome era Demon’s Souls, um peculiar e diferente RPG de seus principais concorrentes da época. Inicialmente o título já dirigido pelo Hidetaka Miyazaki foi um fracasso de vendas, deixando seu diretor e demais desenvolvedores muitíssimos decepcionados. Sua segunda semana de lançamento também foi muito abaixo das expectativas. Se um título não vende bem em suas semanas iniciais, a probabilidade do fracasso comercial é praticamente iminente. Apesar de suas baixas vendas nas primeiras semanas, o milagre aconteceu! Demon’s Souls começou a ter uma excelente propaganda “boca a boca” sendo bem avaliado por quem teve a coragem de comprar, jogar e desbravar o obscuro e demoníaco mundo de Boletaria. Outros veículos de mídia especializada criticou o jogo por sua elevadíssima dificuldade, sendo para alguns, impossível a sua finalização. Já os próprios jogadores procuravam em sites ou lojas pelo título que se encontrava esgotado em muitos pontos de vendas (isso ocorreu pela a baixa tiragem que o jogo teve e sua repentina alta demanda pela a fama da alta dificuldade). Graças aos fãs que se apaixonaram pelo o particular e diferente título, Demons’s Souls vendeu quase insanos 2 milhões de cópias, marca na qual a empresa jamais tinha alcançado, tudo sem mídia ou imprensa a favor, apenas recomendação de “fã para fã”.

    (O inicio de um lendário gênero).

    Em um mercado cada vez mais saturado de jogos genéricos de mundo aberto, FPS focado em online e RPGs sem profundidade, Miyazaki, após 10 anos de sua ascensão com outros títulos de sucesso “pós Demon’s Souls” na bagagem (Dark Souls e Bloodborne como por exemplo) seguindo a mesma filosofia de dificuldade e respeito aos seus fãs, ousou em repaginar o gênero “Souls” em um game ambientado no sangrento período de sengoku no Japão e uma pitada de “dark fantasy” como já é de praxe. Sekiro: Shadow Die Twice é um sucesso absoluto de vendas e críticas, rendendo também muitas polêmicas em cima de sua alta dificuldade, gênero no qual já é de conhecimento e fama por ser alto por toda a comunidade mundial. A falta de cooperativo online e combate ainda mais complexo deixaram diversos jornalistas enfurecidos, pois dessa vez, Sekiro é bem mais punitivo no combate que seus antecessores. Criticas infundadas e lágrimas de ódio foram traduzidas em palavras por parte de alguns jornalistas e algumas pessoas que fazem parte de grupos ativistas, onde colocaram a acessibilidade como pauta para um possível atualização do jogo. Para quem não sabe, quase todos os títulos da FROM SOFTWARE não há seleção de dificuldade, eles já são complicados pelo próprio DNA da empresa, respeitando assim seu público alvo que compram o jogo justamente pelo seu desafio. Comprar um jogo produzido pela FROM e Miyazaki é garantia de qualidade e desafio, principalmente falando em um atual mercado nos quais jogos assim estão cada vez mais raros e se distância de uma massa mais casual.

    (A era 8/16 bits foi marcada pelo alto nível de desafio, a formula Souls abraça essa filosofia e reinventa um estilo esquecido pelo tempo). 

    Esses mesmo jornalistas, jogadores e ativistas, não entendem e não respeitam a história da desenvolvedora, não respeitam a filosofia e curva de aprendizado do jogo e colocam pessoas que são portadoras de deficiência física no meio do fogo cruzado de debates acalorados e desproporcionais, sendo, que há diversos jogos que são destinados a esse público ou que podem ser jogados por essas pessoas. Há espaço e jogos para todos os tipos de idades e diversificados públicos. Colocar uma pauta tão importante como acessibilidade e usar Sekiro e a FROM SOFTWARE como bode expiatório chega ser o cúmulo do ridículo! Essas mesmas pessoas que causaram essa confusão, são as mesmas que pouco contribuem para a comunidade, se a defesa da pauta é a acessibilidade, por que não criaram um artigo com uma lista de recomendações para pessoas que possuem esse tipo de problema? Assim como abutres, eles só querem tumultuar, gerar confusão, causar intrigas e um debate nada saudável. É perceptível a frustração dessas pessoas e a preguiça para aprender mecânicas de evolução e combate que Sekiro proporciona, são os mesmos que reclamam que a industria está saturada, mas ao provar de uma experiência nova e desafiadora desistem e não se permitem experimentar a amargura da derrota ou de um chefe difícil. São pessoas que questionam campanhas pequenas, mas quando são confrontadas por um mundo mais complexo e desafiador se queixa de alta dificuldade. A hipocrisia é o lema do preguiçoso, eles levantam o estandarte de uma causa justa para camuflar sua falta de paciência, perseverança e dedicação.

    A visão artística de Hidetaka Miyazaki e sua equipe talentosa, juntamente com a FROM SOFTWARE deve ser respeitada! Ele projetou o jogo para ser assim, adicionar um modo fácil tira toda a essência de sua filosofia de criação e fere o legado que deixou a desenvolvedora tão conhecida, ela só é o que é hoje exatamente pela sua base apaixonada de fãs. Se não fosse pela coragem de lançamento do Demon’s Souls, não teríamos Sekiro e isso precisa e deve ser respeitado.

    Sekiro: Shadows Die Twice

    Platform: Playstation 4
    126 Players
    86 Check-ins

    72
    • Micro picture
      leandro · 4 months ago · 3 pontos

      Cara, que belo artigo. Eu ainda estou pra iniciar nessa serie. O texto já esclarece bem o tipo de desafio que se espera. E eu gosto disso

      1 reply
    • Micro picture
      thiones · 4 months ago · 2 pontos

      Excelente texto meu caro!

      1 reply
    • Micro picture
      luis_fajardo · 4 months ago · 2 pontos

      Eu fujo de games difíceis, jogo até onde me divirto, quando começo a me estressar, largo e troco, mas respeito empresas que mantém essa tradição de desafio, chega a ser ridícula a ideia de algum pseudo-jornalista gamer querer falar desse título criticando o fator dificuldade, parece falta de conhecimento para tal feito.

      1 reply
  • dantlast Danilo Oliveira
    2019-03-21 12:47:55 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    A relação entre games e violência

    Medium 3710994 featured image

    Na manhã de uma quarta-feira, 13 de Março de 2019, um massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), deixaram sete mortos, sendo cinco alunos e dois funcionários do colégio, além de um dos atiradores ter matado o próprio tio minutos antes. Ao final, o mesmo atirou em seu comparsa e cometeu suicídio logo em seguida. Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25. Ex alunos do colégio. O crime abalou o Brasil e nos fez recordar de forma terrível do massacre de anos atrás em Realengo, no Rio de Janeiro.

    Está se tentando entender o motivo que levaram os dois atiradores a cometerem este crime, mas em especifico a declaração do vice-presidente da República, Hamilton Mourão veio causando controvérsia. Mourão afirma que um dos motivos do crime foi a forte influência dos games, que estão muito violentos e deixando seus jogadores agressivos. Isso se deve ao fato de que Guilherme, era fã da franquia de jogos Call of Duty, um shooter em primeira pessoa.

    Não é a primeira vez que jogos são associados à crimes violentos. O massacre de Columbine foi um dos alvos, aonde os dois assassinos eram fãs de jogos como Doom e Duke Nukem, o que bastou para que os jogos fossem banidos por algum tempo, acusados de causar comportamentos violentos nos jogos. Não devemos tentar achar uma justificativa para os atos cometidos, jamais, entretanto também não podemos culpar algo para nossa comodidade. Mas afinal, games causam ou não este comportamento?

    Não existe nenhuma conclusão cientifica que afirma que games causam comportamentos agressivos e deixam jovens mais violentos, muito pelo contrário, muitas vezes jogos mais violentos são recomendados para “desestressar”. Uma pesquisa divulgada esta semana pela Universidade de Oxford indica que não há correlação entre comportamento agressivo em jovens e contato com games violentos. O experimento reuniu 1004 adolescentes entre 14 e 15 anos, e a mesma quantidade de pais ou responsáveis, totalizando 2008 participantes.

    Jogos foram influência para os massacres cometidos? A resposta é sim. Entretanto não foram culpados direto e isso é fato. Muitos outros fatores contribuíram para isso, bullying, frustrações pessoais, pressões da sociedade, descaso, etc., tudo isso aliado de um desequilíbrio mental causa uma situação como essa que vimos. Mas não foram exclusivamente jogos que são culpados, fossem filmes, músicas, clips, livros...O que fosse, alguma mídia de entretenimento poderia influenciar os assassinos, como já vimos no passado livros e filmes inspirado inúmeros crimes.

    Os games hoje dominam a área do entretenimento e lucram mais do que a indústria do cinema e da música juntos e, o seu público maior são adolescentes e jovens adultos. A ligação entre jogos, violência e assassinatos só podem ser feitas incluindo o fator desequilíbrio mental nisso tudo. Quantos de nós conhecemos amigos, primos ou até alguns possuem filhos, que sempre jogaram jogos violentos, designados para maiores de idade e que em nada implicaram? Claro, deve ser responsabilidade dos pais guiar e controlar aquilo que os filhos leem, jogam e assistam, de acordo com suas respectivas idades.

    A incansável atribuição da mídia contribui para um cenário completamente caótico, aonde fatores como campanhas efetivas contra o bullying, acompanhamento psicológico, maior segurança nas escolas e etc,. são deixados de lado, afinal se torna mais confortável por a culpa em jogos e tentar evita-los, do que se criar precauções para o problema.

    É válido lembrar, que este texto não tenta inocentar os assassinos dos atos cometidos ou sequer arranjar justificativa para os atos, muito menos usar uma tragédia como ‘palanque’ para uma discussão, mas sim para tentar elucidar o tema e não culpar aquilo que não possui culpa.

    39
    • Micro picture
      artigos · 5 months ago · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      jonomaia · 5 months ago · 2 pontos

      Excelente artigo! Não há como não concordar.
      O desafio que julgo ser o maior é pensar numa forma de minar este tipo de oportunismo midiático sobre tais eventos que lucra com o terrorismo sobre o videogame. Como já vimos infinitas vezes, é uma discussão cíclica. Todo ano ela reaparece de alguma forma por NUNCA chegamos nem perto de resolvê-la.
      Questionamos do efeito da violencia sem antes questionar o começo: como ela é construida, porque vende, quais midias e realidades inspiram-na e até perguntasessenciais como "o que é o video game", que nunca respondemos satisfatoriamente.
      Para mim, para reverter esse quadro, precisamos começar a ir além do questionar a "acusação da mídia" e educar as pessoas sobre o video game, legitimar o seu valor sociocultural que é igualmente relevante a um livro, filme ou o que quer que seja e fazer com que as pessoas comecem a enxergar essa mesma violencia transitando em muitas outras esferas. Como vc mostra, é tornar Complexo o que é burramente simplificado.

      1 reply
    • Micro picture
      seufi · 5 months ago · 2 pontos

      Todos sabem que o causa a violência não são os games - mas o lag!

  • 2019-02-23 17:06:04 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Trocando alguns minutos por alguns centavos

    Medium 3705603 featured image

    Esse vai ser um post bem grande, então para poupar o tempo de vocês eu vou resumir os pontos básicos já agora.

    Do que se trata? 
    Como trocar um tempo ocioso na internet por dinheiro ou pontos que você pode gastar resgatando recompensas.

    Vou ficar rico, poder comprar tudo o que eu quero da Steam? Dá pra eu viver disso?
    NÃO!

    É seguro? Preciso por informações pessoais?
    Todos os sites que eu vou postar, eu mesmo uso já a bastante tempo e nunca tive nenhum problema. Alguns deles você precisa sim por informações pessoais (pois enviam suas recompensas em casa, por exemplo).

    Aposto que você só quer farmar inscrições de recomendação!
    Eu vou deixar os links por recomendação sim, quem se cadastrar por eles eu ganho uns pontinhos de bônus por isso. Mas caso alguém não queira se cadastrar por eles por qualquer motivo, por achar que estou enganando ou porque acha que eu simplesmente não mereço mesmo, eu vou deixar o link direto de cada site para vocês se cadastrarem por conta própria também.

    Então vamos lá! Quem viu este post meu um tempinho atrás já deve entender, mas vou explicar do começo. Inclusive, eu queria ter feito este artigo antes, mas a preguiça aliada à questão de uns problemas com recompensa de um site me fizeram adiar.
    Basicamente é o que o título do post diz mesmo: trocar um tempo ocioso na net, aquele momento onde a gente só quer ouvir música e ficar boiando (sem vontade de jogar ou assistir alguma coisa) por alguns pontos ou centavos de alguma moeda, afim de ir acumulando e poder pegar algo em troca por isso. É importante eu ressaltar aqui que isso DEMORA BASTANTE! Você não vai comprar jogo todo mês dessa forma, mas em algum momento você vai sim conseguir um jogo de graça.

    O método consiste em responder pesquisas de mercado, que geralmente são sobre hábitos de consumo e suas preferências de entretenimento. As empresas contratam essas pesquisas para saberem como direcionar seus produtos, então muitas vezes você avalia comerciais recentes e tal. 
    O tempo dessas pesquisas podem variar de 2 minutos a meia hora, e a recompensa é proporcional. Para quem trabalha, chega em casa cansado e tem pouco tempo livre, dificilmente vai gastar esse tempo precioso respondendo pesquisas por migalhas, mas para quem está desempregado e tem bastante tempo livre na net, perder 30 minutos (que com certeza se perde muito mais às vezes só vendo merda no Facebook) acaba valendo à pena depois de um tempo. Eu comecei a fazer isso justamente numa época onde eu estava sem trabalho e com muito tempo livre xD
    Um detalhe muito importante é que em alguns desses sites você pode FALHAR NAS PESQUISAS. Falhar significa que você não tem o perfil de consumidor que eles estão buscando, o que encerra a sua pesquisa prematuramente (e, em alguns casos, você não recebe nada pelo que já respondeu).
    Outra coisa é que algumas pesquisas pedem seu CEP. Eu costumo colocar só 00000-000 e algumas vão, mas as que realmente verificam, eu acabo não fazendo porque não quero colocar o meu verdadeiro.

    Então sem mais enrolações, vamos aos sites de pesquisas.

    Resumo: a grande maioria das pesquisas do MeSeems são super curtas (geralmente durando menos de 1 minuto), mas também dão pouquíssimos pontos. Ele também tem um app de celular, mas eu particularmente só faço no site mesmo (desde 2016). Não há como falhar nas pesquisas.
    Moeda: pontos dos site, os "seems".
    Recompensas: cartões pré-pagos e de desconto em geral, incluindo crédito de celular, da Steam, Spotify, Netflix, Play Store, Saraiva, Xbox Live, PSN, ingresso de cinema etc. Também dá pra trocar os pontos por dinheiro em conta do Paypal.
    Informações pessoais: para fazer a troca dos pontos, é preciso que seu perfil tenha preenchido o RG e CPF.
    Link de referência: https://meseems.com.br/invite/bgpju e para o link normal é só tirar a parte depois do "br".

    Resumo: as pesquisas do Livra costumam ser mais demoradas, indo de 10 até 40 minutos. Eles entregam as recompensas mas são bastante incompetentes na parte de supply chain, então frequentemente os vale-compras se esgotam e tem que esperar reestocarem. Eu não recomendo muito não por conta disso (e porque eu to salgado até hoje que não reestocam mais os cartões da Amazon), mas os lados positivos é que se você falhar na pesquisa, você ainda ganha um pouquinho de pontos de consolação. Além disso, é o site que dá pra conseguir pontos mais rapidamente, pois as pesquisas são longas mas as recompensas em pontos são podem ser bem grandes também.
    Moeda: pontos do site, as "estrelas".
    Recompensas: vários tipos de lixo, digo, bugigangas. Tem desde lâmpadas de LED à pipoqueira elétrica, jogo de toalhas, chaveiros e outras coisas que ninguém dá a mínima. Só o que compensa de verdade são os vale-compras (Saraiva, Americanas, Submarino, crédito de celular etc).
    Informações pessoais: não precisa por nenhuma, mas para os mais paranoicos vale ir nas configurações > config de privacidade > avançadas e desabilitar o que acharem que é invasivo. Eu desabilitei tudo mas sempre ficou tudo ativo por aqui e nunca liguei (tem um monte de adblock aqui mesmo ahuahuau).
    Link de referência: https://social.livra.com/ esse é o link normal mesmo. Referência é feita por convite de email (caso alguém queira ser convidado assim, é só me passar o email). 

    Resumo: este é um site gringo, todo em inglês. O tempo das pesquisas varia bastante e há outros tipos de tarefas também, como avaliar tags no Pinterest ou fazer certos tipos de buscas no Google. Há tarefas como gravar vídeos de você mesmo, áudio, testar apps etc, mas eu não faço nenhum desses (só as pesquisas e avaliações de tag), e também há testes de "proficiência", que se você se qualifica, pode receber tarefas diferentes de sites parceiros. Se falhar, você não recebe nada, então pode ser bem frustrante.
    Moeda: euro
    Recompensas: você ganha alguns centavos de euros por cada tarefa, podendo até ganhar euros inteiros, mas para poder resgatar o valor é preciso que o total acumulado seja de, pelo menos, 5 euros. A transferência vai direto para conta do Paypal, então é importante que o email de cadastro seja o mesmo email da sua cona do Paypal.
    Informações pessoais: algumas coisas são obrigatórias de se preencher e, sinceramente, não sei se funciona colocando dados falsos. Como é uma empresa que de fato faz pagamentos em dinheiro, eu coloquei as informações de endereço verdadeiras (porque se não bater com as infos do Paypal, talvez dê problema).
    Link de referência: https://www.clickworker.com/en/. Quem não quiser o de referência, basta copiar o endereço e colar no navegador.

    Resumo: este aqui, apesar de ter cara de site vagabundo que provavelmente é scam, não é não. Não tem muito o que falar dele exceto que as pesquisas às vezes demoram MUITO pra vir (eu acho que recebo no máximo 1 por semana desse). Se falhar, você não recebe nada.
    Moeda: dólar americano.
    Recompensas: funciona igual ao Clickerworker, mas com dólar ao invés de euro. Para receber o valor na sua conta do Paypal é preciso que a quantia acumulada seja de, no mínimo, 6.25 dólares.
    Informações pessoais: eu só preenchi meu primeiro nome e os 5 primeiros números do meu CPF na parte do CEP por engano. Ou seja, considerando que não deu problema eu ter colocado um negócio nada a ver, provavelmente pode por qualquer coisa mesmo ahueauhaehueahu.
    Link de referência: https://www.mobrog.com/pt-br/ esse é o link normal, referência é só convite por email (se alguém quiser, é só me passar).

    Resumo: a Inside Brasil, antiga ILUMEO, é uma empresa brasileira. As pesquisas podem falhar e você não recebe nada por isso, mas o legal dela é que geralmente no final de cada pesquisa (mesmo se você falhar) você pode por seu email para participar de sorteio de vale-compra da Livraria Cultura (nunca ganhei T__T). Elas costumam ser curtas.
    Moeda: real
    Recompensas: diferente das outras, que trabalham majoritariamente com centavos, a Inside paga de forma inteira. Cada pesquisa respondida com sucesso pode dar de 1 a 3 reais.
    Informações pessoais: não sei se funciona com dados falsos, pois cadastrei os meus verdadeiros.
    Link de referência: http://insidebrasil.ilumeobrasil.com/ este é o link normal, para a referência basta por este número na hora do cadastro 10038884.

    Bom gente, este post está gigantesco, mas acredito que pode ajudar alguém. Eu já peguei algumas coisas bem legais por pesquisas (desde panela elétrica de arroz à cartões pré-pagos da PSN US). Caso alguém tenha alguma dúvida (porque eu sinceramente não lembro se faltou alguma info), basta me perguntar.
    Inclusive, eu achei um site onde dá pra comprar cartões pré-pagos pelo Paypal, é o https://www.pcgamesupply.com.

    É isto, agora vou pro Persona 5 de novo.

    34
  • 2019-01-01 19:11:50 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    33
    • Micro picture
      leopoldino · 8 months ago · 7 pontos

      Pensei que ia mandar um "mudar de sexo" na vez do Shun.

      1 reply
    • Micro picture
      maomaru · 8 months ago · 2 pontos

      Que pulta referência cara!

  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-12-29 17:14:01 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 7 (Final)

    Medium 3694259 featured image

    Evitando Frustrações

    Quando comecei a jogar games de luta nos fliperamas, meu objetivo era sempre vencer a CPU e ver o final do meu personagem preferido. Pra isso, eu não precisava ser tão bom como alguns jogadores, só o básico já era  suficiente , mas sempre acontecia de alguém querer jogar contra mim, e como não estava preparado, na maioria das vezes,  acabava perdendo a ficha e me sentia um pouco frustrado.

    Isso durou um certo tempo, até perceber que a galera se divertia muito mais jogando um contra o outro do que sozinho contra a CPU e quem perdia sempre procurava treinar mais pra tentar vencer numa próxima oportunidade. Existia uma rivalidade interessante, pois todos queriam vencer o cara que era bom  não perdia.

    Em todos os jogos sempre haviam jogadores que se destacavam e que quase nunca perdiam fichas. Todos sentiam - se desafiados a tentar vencer mas sabíamos que não seria tão fácil. Esse desafio motivava muita gente a melhorar, da mesma forma que fazia com que muitos nunca mais olhassem para o game.

    Havia casos de brigas, discussões e até mesmo agressões, iniciadas, na maioria das vezes por quem não sabia perder. Tá certo que o pessoal que assistia botava pilha, e isso infelizmente acabava tendo consequências boas ou ruins, dependendo do caso. 

    O que eu quero dizer é que você não deveria se cobrar tanto por algo que foi feito apenas pra divertir. Tirando jogadores profissionais que vivem disso, você não tem obrigação nenhuma de vencer e ser bom, o importante é apenas se divertir e curtir seu game.  É uma questão de escolha e saber o que você quer.

    Se a frustração da derrota o incomoda e você não quer abandonar o jogo, cabe a você tomar providências.

    Se você perde sempre pra algum adversário, você pode treinar pra tentar vencê - lo, desde que isso não se torne uma obsessão e não atrapalhe sua vida. Você precisa ter a consciência de que pessoas que são muito boas em algo se dedicaram e abriram mão de outras coisas pra conseguir isso, portanto merecem os títulos que tem. 

    Vejo muitos gamers começando nos jogos de luta e querendo aprender tudo de maneira rápida e fácil, e se não for dessa forma, simplesmente não jogam mais dizendo que não são boas o suficientes. Talvez essas pessoas não devessem mesmo jogar esse gênero, que é bem mais exigente que um jogo de aventura por exemplo, mas os que quiserem verdadeiramente aprender, terão seguir alguns passos e se dedicar.
    Não existe outra maneira de se atingir esse objetivo: dedicação é a palavra chave.

    O importante é se divertir 

    Juntar os amigos pra jogar "uns contras" é muito divertido. Estar com pessoas que curtem o mesmo jogo que você é maravilhoso.
    Seja num encontro em casa com os amigos ou até em algum evento de games, o importante é se divertir e muito com a competitividade que os games de luta trazem.

    Eles, acima de tudo, nos mostram que precisamos aprender a lidar com nossos sentimentos.
    Numa partida, por exemplo, são aplicadas técnicas de coordenação motora, calma, paciência, capacidade de ação e reação e auto controle. Sim, é muita coisa envolvida numa partida. Algo que você só sentirá jogando. Note que os que dominam isso são ótimos jogadores e que passaram por tudo que escrevi aqui nesses artigos.

    Eu fico por aqui. Espero sinceramente que você tenha êxito em tudo que for fazer. Se você conseguir ser um bom jogador com algumas das dicas que dei  ficarei muito feliz.  E você, que esta começando agora e que está se esforçando pra aprender, saiba que está no caminho certo e colherá os frutos mais pra frente.  

    O importante é não desistir dos games que você gosta e se divertir!


    Muito obrigado pela sua atenção!

    Arbiter Gamer

    26
    • Micro picture
      artigos · 8 months ago · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-11-19 21:13:46 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 6

    Medium 3686242 featured image

    Não tenha medo de perder

    Certa vez, num evento de games, fiz a seguinte pergunta pra um conhecido: "cara, você vai participar do campeonato?" E ele disse: "não vou porque já vi que só tem ótimos jogadores e não sou tão bom quanto eles". O que mais me deixou chateado, foi que ele sequer tentou, e olha que ele sabia jogar o jogo muito bem.   

    Entenda uma coisa: ganhar ou perder uma partida vai depender do seu grau de dedicação ao jogo e qual seu objetivo. É claro que se quisermos ser competitivos, teremos que treinar sempre e mesmo assim não é garantia de vitória, mas pelo menos você não será surpreendido. E uma coisa eu te digo: pra você conseguir bons resultados você vai perder e perder muitas partidas.

    Eu posso afirmar, com toda certeza desse mundo, que os melhores jogadores perderam muito mais partidas do que ganharam pra chegar onde estão, mas com um detalhe: eles aprenderam a perder.
    E como isso é possível? Você deve estar se perguntando. Você realmente perde no jogo quando simplesmente não tenta e vira as costas pra ele, como nosso amigo fez. 

    Saber perder é aprender com seus erros e fazer uma análise daquela partida e ver o que precisa para melhorar,  e aprimorar sem deixar de jogar e se divertir, e lembre-e: quanto mais você jogar mais experiencia ganhará e isso com certeza vai te ajudar a ser um jogador melhor. 

    Você não deve ter medo de jogar com alguém mais habilidoso e sim encarar aquilo como um aprendizado. Não se sinta intimidado. Ele tem muita coisa pra te ensinar, mas é preciso estar atento e absorver esse conhecimento mesmo na derrota. Talvez você possa usar o estilo de jogo dele como inspiração ou conversar com ele depois da partida e pedir umas dicas. 

    Reconhecer a superioridade do seu adversário  jamais será humilhante, muito pelo contrário: isso só mostra que você é um ótimo competidor e que merece uma revanche no futuro depois de melhorar seu jogo.

    Grandes jogadores sempre estarão dispostos a ajudar quem está aprendendo, seja dando alguma dica ou até jogando com você quando possível.   

    Isso que diferencia os bons dos maus jogadores: a humildade e a vontade de que todos tenham o mesmo sucesso, atributos esses que só os bons tem.

    36
    • Micro picture
      artigos · 9 months ago · 3 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      filipessoa · 9 months ago · 2 pontos

      E isso vale não apenas pra os games de luta como também qualquer um desses multis super jogados. Quantas partidas onde já perdi que vieram babacas dizer: "gg izi" ou "desinstala que tu ganha mais". Acho que ainda existem muuuuuuita gente que não aprendeu a perder e o pior é que, com essa atitude, não é só na partida onde são derrotados :-/

    • Micro picture
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...