gabizerah

Professora, tradutora e campineira. Noob e hacker ao mesmo tempo desde 1988

Você não está seguindo gabizerah.

Siga-a para acompanhar suas atualizações.

Seguir

  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-29 10:00:55 -0300 Thumb picture
    <p>Tá aí um Mario que vai é correr atrás das tartar - Alvanista

    Medium 295911 3309110367

    Tá aí um Mario que vai é correr atrás das tartarugas <3

    11
    • Micro picture
      juray · mais de 2 anos atrás · 2 pontos

      kkkkkkk! Maneiro!!!

  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-24 10:32:01 -0300 Thumb picture
    <p>Créditos na imagem (UOL Jogos)</p> - Alvanista

    Medium 293511 3309110367

    Créditos na imagem (UOL Jogos)

    14
    • Micro picture
      herics · quase 3 anos atrás · 1 ponto

      kkkkkkkkkk

    • Micro picture
      volstag · quase 3 anos atrás · 1 ponto

      hahahahahaah

    • Micro picture
      barbarabai · quase 3 anos atrás · 1 ponto

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-17 21:45:32 -0300 Thumb picture
    gabizerah fez um check-in em:
    <p>Aquela sensação de poder voltar uns 4 anos no te - Alvanista
    Call of Duty: Black Ops

    Plataforma: XBOX 360
    3276 Jogadores
    59 Check-ins

    Aquela sensação de poder voltar uns 4 anos no tempo, quando todo mundo jogava BO ou MW3. Obrigada, retrocompatibilidade <3

    7
  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-17 18:17:54 -0300 Thumb picture

    ​Aprendendo inglês com games

    Medium 3319958 featured image

    Leciono inglês há mais de 5 anos. Para contextualizar as aulas e atrair a atenção do aluno, utilizamos vários tipos de recursos, especialmente audiovisuais, como filmes, música e vídeos, que podem auxiliar em várias habilidades, tais como listening (escuta), reading (leitura) e vocabulário e, consequentemente, a conversação e escrita também melhorarão, já que consistem na reprodução daquilo que lemos e ouvimos. Aliás, admito que aprendi inglês através de games e, principalmente, música. Porém, infelizmente, poucos reconhecem o potencial dos games como ferramenta de aprendizagem. Neste artigo, pretendo dar algumas pequenas dicas para quem já estuda ou pretende estudar inglês e como, além da diversão, os jogos podem te ajudar a canalizar melhor este conhecimento. Nada aprofundado, já aviso, mas espero que ao menos seja o suficiente para que passe a ver os games que gosta, e os que não gosta também, com outros olhos :).

    Antes de tudo, acho legal deixar claro que não importa em qual nível você esteja, é importante sentir-se confortável com a língua. Acostumar os ouvidos/olhos a escutar/ler em inglês já é um caminho para adquirir fluência. Um passo é alterar o idioma de seu console, PC, smartphone, tablet etc. Quanto mais fizer parte do dia-a-dia, mais fácil será o aprendizado. Dito isso, vamos às dicas:

    ..................................................................................................................................................

    1. Newbie/fácil

    Para começar, atenha-se a jogos com poucos diálogos. Conseguindo identificar, no mínimo, contexto e vocabulário, será muito mais fácil de entender a história e as missões.

    Recomendo: The Sims, Mirror's Edge, série Resident Evil, The Legend of Zelda

    ..................................................................................................................................................

    2. Nível médio/intermediário

    Uma vez que esteja acostumado(a) com certo tipo de vocabulário, é hora de expandi-lo. Além disso, é também hora de aumentar o ritmo e a complexidade dos diálogos, além de promover interdisciplinaridade e mostrar diferenças culturais.

    Recomendo: RPG em geral, séries Call of Duty e Battlefield, Red Dead Redemption, Dead Space, Bioshock Infinite. Jogos multiplayer também são uma boa pedida.

    ..................................................................................................................................................

    3. Nível difícil/avançado

    Agora o bicho pega! Neste nível, você provavelmente já terá boas habilidades de listening e reading. Que tal colocá-las à prova em jogos com diálogos mais densos e corridos, com carregada variação de sotaque, gírias e expressões idiomáticas, bem próximos à realidade?

    Então, recomendo: GTA V, Far Cry 3 - sendo que ambos também são ótimos para aprender direções - e World of Warcraft.

    Para um desafio ainda maior, desligue as legendas.

    ..................................................................................................................................................

    4. Nível técnico

    Pequenos enunciados também são fundamentais! Exemplo: sabe quando sua personagem passa perto de algum item específico e aparece na tela algo como "Press B to pick (insira o item)". Suponha que a frase seja "Hold X to pick ammo", e você não sabe o que é "ammo". Caso já saiba o que quer dizer "hold", associando-se imagem + instrução + contexto é possível identificar o significado da palavra desconhecida. Esta dica vale não apenas para games, mas também para livros, filmes, séries etc.

    E aí, qual a sua relação com o inglês? Os games já te ajudaram a aprender e/ou melhorar seu conhecimento?

    81
    • Micro picture
      kevinryman · quase 3 anos atrás · 4 pontos

      Parabenizo-a pelo artigo, mas discordo totalmente de um jogo recomendado, na primeira dica. Resident Evil.

      Pelo seus outros artigos, creio que não me rotulará de fanboy da franquia. Seria muita hipocrisia de sua parte(vulgo apaixonada por games) querer passar uma mensagem de como você se sente perante julgamento alheio e ao mesmo tempo rotular alguém de fanboy; justamente por discordar de algum item de seu artigo. Foi só uma ressalva. Como disse antes: creio que não me rotulará e verá minha crítica como construtiva.

      Bom, vamos à ela: eu não sei qual o seu nível de intimidade com a franquia. Independente disso, eu acho totalmente errado julgar o jogo como de fácil entendimento, e para iniciantes. Primeiro, porquê: se você falasse isso, no artigo, que ao menos mencionasse como de fácil entendimento, as cenas de corte, e não generalizar toda a história da franquia. Eu concordaria com você. Agora à partir do momento que generalizou, eu já discordo. Porque a franquia, principalmente os jogos clássicos, tem files riquíssimos em conteúdo, que julgo eu, ser até de nível avançado/técnico.

      1 resposta
    • Micro picture
      zuppao · quase 3 anos atrás · 3 pontos

      @victorlemes..... olha ai.. =D

      11 respostas
    • Micro picture
      santz · quase 3 anos atrás · 3 pontos

      Também aprendi inglês com os games, em especial o LoZ A Link to the Past e Secret of Evermore. Esse segundo é um caso mais interessante, pois é um RPG completo e complexo, mas como eu era muito criança, saia apertando X igual um maluco para pular o diálogo. Eis que teve um momento que não sabia mais o que fazer e perguntei ao meu irmão, então ele me disse: "Leia o que as pessoas estão dizendo e se vira ai". Foi dito e feito, peguntei ele o que significava tal palavra e consegui destravar. Desde então, sempre leio os diálogos em todos os games.

      3 respostas
  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-13 18:24:41 -0300 Thumb picture

    DOTT

    Medium 288567 3309110367

    Mais alguém já jogou Day Of The Tentacle sem ser na versão remasterizada?

    11
    • Micro picture
      gusgeek · quase 3 anos atrás · 2 pontos

      Eu, tenho ele junto com vários outros clássicos da LucasArts no ScummVR!!! :D

      2 respostas
    • Micro picture
      jokenpo · quase 3 anos atrás · 2 pontos

      Tenho que voltar a jogar esse jogo, tô empacado faz um tempão.

    • Micro picture
      gamesimperdiveis · quase 3 anos atrás · 2 pontos

      Você gosta deste game? :D

      2 respostas
  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-11 17:29:41 -0300 Thumb picture

    Videogames e infância: um caso de amor

    Medium 3315985 featured image

    Sou da velha-guarda dos videogames. Não que não goste dos games atuais ou seja saudosista - sou capaz de perder horas a fio nos multiplayers de Call of Duty, Battlefield e Tekken (aliás, em breve pretendo postar um artigo sobre games multiplayer. Fica a dica :P). Porém, é impossível olhar pra trás, para tempos de quando a maior preocupação na vida era fazer as tarefas escolares exatamente às 3h da tarde, sem bater a nostalgia. Faço parte da Geração Y. Sou do fim de 1988, precisamente de novembro, quando o mundo já conhecia a terceira geração de consoles. Nasci e cresci vendo tecnologias sendo desenvolvidas e tive que me adaptar às novas que foram surgindo. Portanto, o envolvimento logo cedo com o mundo dos games foi um processo bem natural.

    Meu primeiro contato real com este mundo foi quando descobri, em casa, o Master System; precisamente, com Alex Kidd In The Miracle World - que, não por acaso, é a capa de meu perfil aqui no Alvanista. Putz, que tempo bom! Sabia até qual a ordem certa que os desafiantes das partidas de Jokenpô usavam. Posso dizer que foi um dos jogos que mais marcou minha infância regada a tantos outros games do mesmo console, como Hang On, California Games, Sonic, Castle of Illusion, Wonder Boy, Double Dragon... A lista, assim como o número de lembranças, é grande, todas sempre regadas a muito Toddynho. Ou, talvez, sendo a caçula café-com-leite:

    Em meados dos anos 90, veio o Super Nintendo, que já existia desde o início da década, mas só tive acesso anos mais tarde. E, com ele, vieram incontáveis fases, chefões, senhas anotadas, continues, fitas assopradas (e babadas vez ou outra, quando perdemos o controle da própria saliva ao assoprar). Porém, lembra-se do controle desconectado? Pois bem, deu lugar às brigas; tanto no Street Fighter II Turbo quanto na vida real. Aliás, o SF era a maior causa das discussões com meu irmão. Muitas e muitas vezes corri chorando até os braços de minha mãe e acusando-o de ser muito apelão. Esses irmãos, viu... Isso sem mencionar os mini torneios de International Superstar Soccer (Allejo mítico) e Mortal Kombat com um antigo vizinho. E o que resultava disso? Mais discussões, é claro. Embora muito se fale sobre Super Mario World - zerado inúmeras vezes, principalmente quando conseguia achar aquela estrela que teletransportava diretamente pro castelo do Bowser hu3 -, posso dizer que meu jogo favorito dessa época era Donkey Kong Country. Na verdade, a lista também é grande: Top Gear, Sailor Moon, Indiana Jones, Aladdin, Tom e Jerry, Asterix, Bubsy, Animaniacs, dentre tantos outros. Que época boa, amigos.

    E vocês? Quais jogos marcaram sua infância, ou lembranças relacionadas a games têm pra compartilhar?

    160
    • Micro picture
      bakujirou · quase 3 anos atrás · 4 pontos

      :V pretendo postar. republicando @talk_to_the_hand

      5 respostas
    • Micro picture
      willguigo · quase 3 anos atrás · 3 pontos

      Superstar soccer com Juiz e bandeirinhas encachorrados, Donkey kongs, Top gear, Star Fox, Super Mario World, eita nóiz, sem falar nos fliperamas....... <3

      ....o bebê já está trilhando um belo caminho. kkkkk

      2 respostas
    • Micro picture
      spencerv · mais de 2 anos atrás · 3 pontos

      Caramba. Passei por todos esses jogos. Hehehehe
      Mascomo sou um pouquinho mais antigo (1983), tive acesso ao Atari do meu irmão e, mais tarde, ao meu Famiclone com 273 jogos na memória. Mas me apaixonei mesmo pela "coisa" por volta de 1998, quando finalmente consegui compar meu primeiro console (que tenho até hoje), o Mega Drive. ^^

      2 respostas
  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-09 20:54:16 -0300 Thumb picture

    Cinco coisas que uma apaixonada por games gostaria que soubesse

    Medium 3314962 featured image

    Olá, pessoas! Este é o primeiro texto que postarei aqui e espero que gostem. São as cinco coisas que eu, como mulher e fanática por games, gostaria que você soubesse. Sim, chega a ser chato ter que tocar nesses pontos, mas, se escrevi isso, é porque a mentalidade de muitos jogadores e produtores ainda não é lá tão aberta, embora tenha melhorado consideravelmente de uns anos pra cá.

    1. Nem toda mulher que joga é poser, assim como nem todo poser é necessariamente mulher.

    Gente que chama o Luigi de Mario Verde, o Link de Zelda e por aí vai, mas clama o tempo todo ser suuuuper gamer tem um nome: poser. Por sinal, adjetivo atribuído a muitas garotas. Porém, isso não é exclusividade feminina. Eles existem em quaisquer formas, tamanhos, idades, gêneros etc.


    2. Quando algum ID aparentemente feminino te pedir itens no jogo, desconfie.

    Existem garotas que usam do artifício de serem mulheres pra conseguir itens raros, DLCs e afins? Sim, existem. Entretanto, são pouquíssimas perto do número de jogadoras sérias. Ou seja, a chance de, na verdade, ser algum outro cara tentando te fazer de trouxa é muito maior. Fique atento.


    3. Não temos que provar a ninguém que gostamos de games.

    Acredito que toda mulher já tenha passado por algo como um ser aleatório fazendo trocentas perguntas que nem ele saberia responder sem pesquisar no Google só pra “ter certeza” de que a moça realmente gosta de videogame. E ai se ela errar alguma pergunta, será vista para sempre como a maior poser da história. Amigo, não temos que provar NADA a NINGUÉM, assim como qualquer outra pessoa não precisa provar, independentemente do gênero.


    4. Achamos os tais dos “jogos de menina” extremamente sem graça.

    Essa vai especialmente pras produtoras. Achamos ótimo que as mulheres estejam ganhando espaço nos games, como podendo montar chars femininos em alguns FPS, ou como o FIFA 16, que tem também futebol feminino. Porém, existem algumas pessoas que insistem em achar que gostamos de jogos de vestir bonequinhas ou com bichinhos bonitinhos e fofos como único atrativo. Ok, até existem garotas, muito provavelmente crianças e pré-adolescentes, que gostam deste tipo de jogo, mas fica a dica: também gostamos de desafios e de sermos desafiadas tanto quanto os homens, e adoramos despertar o lado competitivo que existe em qualquer ser humano.


    5. E, principalmente: a gente só quer se divertir.

    Parece óbvio, não? Pois é, nem sempre entendem isso. Apesar de tudo o que já foi mencionado antes, há aqueles que acham que mulher só quer jogar pra chamar atenção. Jogamos pelos mesmos motivos que vocês: porque é divertido, porque é um bom passatempo, pra fazer amizades etc. E, no fim das contas, é o que realmente importa.

    338
    • Micro picture
      chavesolt_ · mais de 2 anos atrás · 7 pontos

      Sonho com o dia em que garotas não vão sofrer preconceito por jogar =/

      2 respostas
    • Micro picture
      juray · quase 3 anos atrás · 5 pontos

      Muito bom hein! =3

      Acho que a mulher sofre uma certa resistência por parte desse mundo mais Nerd, Obscuro e o Lado Oculto do Mundo! rsrs!

      Mas acredito que das 5 causas que você comentou acontece principalmente por estarem em ascensão em um universo que até pouco tempo atrás era dominado por homens (gênero). Com isso nossas queridas jogadoras acabam causando um certo desconforto aos seres de testosterona aumentada! rsrs!

      Como comparação [talvez um pouco exagerada, mas minha mente é muito fértil rsrs!], podemos usar as Classes A (ou as pseudo_Classe_A) no Brasil que piram com um Empregada Doméstica passar a ter direito a Carteira Assinada... ou quase tem um infarto ao verem um filho de pedreiro se formando em medicina.

      Não acredito que sejam todos (muito menos que a maioria) que pratiquem essa resistência, tanto no caso da Classe A (ou as pseudo_Classe_A) quanto aos homens de falo grande! Mas é uma minoria que causa polêmica e faz muito... muito barulho!

      1 resposta
    • Micro picture
      maria_luiza · quase 3 anos atrás · 4 pontos

      A nº4 tem muito marmanjo que vive jogando esse tipo de jogo escondido e ainda critica que é "jogo de mulherzinha", vai entender rsrs

      5 respostas
  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-05-03 21:16:42 -0300 Thumb picture
  • gabizerah Gabriela Parisi Ramos
    2016-04-25 19:05:55 -0300 Thumb picture
Continuar lendo &rarr; Reduzir &larr;
Carregando...