2020-11-01 13:19:42 -0200 2020-11-01 13:19:42 -0200
kalini Ersatz-Gott
Post by kalini: <p><strong>Combo de Check-in</strong></p><p>Pra que

Combo de Check-in

Pra quem acha que dei uma pausa, se enganou. Na verdade, andei experimentando vários jogos nessas ultimas semanas, a maioria deles casuais ou curtos, além de ter retornado a jogar alguns classicos. Vou descrever brevemente minhe experiencia com cada um:

Among Us (PC - 2018)

Esse foi o game que mais me surpreendeu na minha vida! Nunca imaginei que me viciaria isso, haha! Comecei a jogar através de um convite de uma galera de um grupo do Discord, site que mais uso nesse momento. No começo, fiquei meio receiosa e achei que o jogo seria bem bobo, mas acabou que me encantou e me fez azucrinar a galera a jogar comigo quase todo dia, hahaha! O gameplay é meio que um "survival horror", onde os jogadores (max 10) são divididos em "Crewmate", membros de uma equipe que fazem manuntenção em naves e bases (as tasks), e "Impostor", que podem ser até 3 e são responsaveis pra sabotar o local  e matar todos, sendo assim que ganham a partida. Pra vencer como Crewmate, voce tem que achar o corpo dos mortos, reportar, e mostrar argumentos numa reuniãozinha de quem é o Impostor, ou mesmo terminar todas as tasks. Mesmo os membors mortos podem participar da partida como fantasmas, fazendo tasks ou sabotando o local pra atrasar a coisa toda. É bem simples, mas por incrivel que pareça, não vi defeito nenhum nesse jogo.

Hoshi Wo Miru Hito (Nintendinho - 1987)

Issa, voltei a jogar essa bomba so pra pagar meus pecados na terra, hahaha, mas até que consegui avançar um pouquinho nele e até consegui mais um party member, Shiba, que usa "Teleport", permitindo fugir da batalha (algo impossivel antes), mas esse comando causou ainda mais problemas, pois o teleport as vezes buga e te manda pra um cenario todo roxo, e sempre que voce tenta sair de uma certa cidade, voce é instateneamente teleportado pro mesmo cenario roxo, compromentendo todo o progresso do game, praticamente um softlock. Pra piorar, os iminigos nesse ponto do jogo são quase invenciveis! Não pude fazer mais nada além de dropar esse jogo mais uma vez... mas agora de uma vez por todas. É uma pena, pois tinha muito potencial pra ser o melhor RPG de NES, batendo até mesmo a vaquinha sagrada do Dragon Quest (não que ele ja tnha sido superado, por coisas como Final Fantasy e Mother), mas acabaram contratando uns estagiarios pra programar o game e deu no que deu.

JoJo no Kimyou Na Bouken (SNES - 1993)

Não confundir com o lendário game de luta da Capcom pros Arcades, pois este aqui é um RPG. Isso mesmo, por incrivel que pareça, existe um RPG de JoJo, e ainda por cima em turnos! Misturaram minhas duas maiores paixoes (JoJo e RPG), mas o resultado final não ficou lá muito satisfatório, Visualmente, ele é dinstinto de todo RPG, por rejeitar o super deformed (glorias) e investir em sprites grandes e realistas, fieis a arte de Hirohiko Araki, mas a exploração é meio que um side-scrolling mostrando só os bustos dos chars caminando no cenario. As batalhas são em primeira pessoa, mas mostram os "Crusaders" em ação invocando seus stands... mas as batalhas são repetitivas demais, não existe debuff e cura, so dano, dano e dano, sem falar que a historia não é fiel ao mangá (Polnareff aparece numa biblioteca, ao inves de um restaurante em Hong Kong, Tower of Grey ataca numa escola, ao invés num avião e o pior de tudo: Avdol, Iggy e Kakyoin SOBREVIVEM!) Não sei se sigo adiante, só o visual e as musicas me agradaram mesmo, o gameplay é um tédio. Sem falar que tem um bug quando voce acessa um certo menu e crasha o game. 

JoJo no Kimyou na Bouken: Phantom Blood (Ps2 - 2006)

Todo mundo falando que essa é a pior parte de JoJo, e que o Jonathan é o pior JoJo, mas foi a parte que mais me emocionou, pelo seu final trágico e o sofrimento do JoJo. Quando soube que fizeram um game da parte 1, fui correndo pra baixar, mas meu emulador só rodava bem os menus. Na hora do jogo começar, dava um lag maldito, era impossível de jogar! por isso, SE VOCE SABE DE UMA BOA CONFIGURAÇÃO DE PCSX2 PRA PC FRACO, ME AJUDE E PASSE ESSA CONFIGURAÇÃO E EMULADOR, POR FAVOR! Aham, mas pelo pouco que vi, Phantom Blood era um beat'en'up 3D estilo God Hand, porém bem mais simples, tanto graficamente (usando um cel-shading meio feinho, ainda mais considerando que a NAMCO fez esse jogo) quanto em gameplay (voce fica num cenario unico e pequeno desacendo a porrada nos inimigos com combos bem simples) também existe um sistema de "poses" pra ficar carregando a energia (Hamon) pra usar um especial apertando uns botoes na tela e girar o analogico quem nem um alucinado. Tem um modo onde é possivel jogar com outros chars, como Zeppeli e Speedwagon. Even Speedwagon is playable :D

JoJo's Bizarre Adventure M.U.G.E.N

O M.U.G.E.N é uma ferramenta muito util, talvez a melhor, pra criar games de luta em 2D que nem os que a Capcom e a SNK faziam, e renderam muitas perolas, como Omega Tom Hanks e Ronald McDonald como personagens jogaveis, haha (ou trocentas versoes apelonas de Akuma e Broly), o que despertou meu interesse pelo Mugen ainda em 2010, já que tudo nele é possivel e valido. Eu tentei até fazer um game, mas fracassei. Esse M.U.G.E.N de JoJo foi me apresentado pelo amigo @makomon do Discord, e sem duvidas é o melhor M.U.G.E.N de JoJo que já vi, pois não usa sprites com artes diferentes demais, segue a pegada do Heritage for Future e tem muuuto mais personagens (tem até o DIO Over Heaven). Joguei ontem umas partidas online com o mako e já virou um dos meus games favoritos.

Golden Axe Warrior (Genesis - 1991)

Nunca fui lá muito com a cara dos jogos da ex-maior-rival da Nintendo, a SEGA. Quebrei muito a cara jogando os dois maiores carros-chefe dela: o famigerado Sonic The Hedgehog e os Phantasy Star I e IV, mas foi tudo tão meh que mandei um "sem tempo, irmão" pra eles. Muitos anos depois, veio novamente o @makomon me apresentando mais um game, este aqui, o Golden Axe Warrior, que, apesar do nome, não é um beat'em'up Conanesco com aquela dona de biquini, mas um Zelda-Like cujo protagonista parece o Eldrick do Dragon Quest (até seu nome pode ser selecionado) e é beeem hardcore de se jogar. No começo ja tem imingos bem resistentes, como os porcos e os slimes azuis que se dividem, e sem falr que o mapa mais atrapalha do que ajuda. Joguei contra o Mako e mal pude acompanhar ele, haha, mas foi uma experiencia até legalzinha. Sò não volto a jogar pois perdi o save dele por algum motivo.

Final Fantasy Adventure (Game Boy - 1991)

Falando em clones do Zelda, voltei a jogar o maior (e melhor) de todos eles, melhor até que hypado original da Nintendo. O Golden Axe Warrior me fez lembrar desse game, que ja tinha jogado ainda criança, então decidi revisitar. Ele seria meu primeiro Final Fantasy, mas na verdade ele se chama no Japão de "Seiken Densetsu: Final Fantasy Gaiden", sendo na verdade um jogo da serie Mana, que vou acompanhar todinha ainda esse ano, pois nunca explorei muito os Action RPGs, o que é possivel agora, ja que consegui um joystick (memso que seja o horroroso controle de Xbox). Não é um jogo dificil, mas é bem complicado e nada intuitivo, é bem facil se perder nele, tendo lugares que so são acessiveis se voce derrubar umas arvores, algo que o jogo nem da dicas, masa trilha sonoria incrivel me faz seguir adiante.

Mother (Nintendinho - 1989)

Incrivel como qualquer RPG de NES me interessa mais que Dragon Quest. Com Mother não poderia ser diferente, pois ao contrario do hypado RPG basiquinho da (Square) Enix, Mother tem muita personalidade e visual próprios. O bom humor da série já é visto ainda aqui, além das bizarrices, como batalhas contra um vizinho caipira chato e um hippie ao som de Johnny B Goode, que fica a batalha inteira falando da sua mãe. A história é sobre um garoto chamado Ninten, neto de um sujeito que estudava poderes psiquicos e teve sua mulher raptada por forças alienigenas comandadas pelo terrivel Giygas, que aqui se parece o Mewtwo, anacronicamente falando, ao invés daquela... coisa no Earthbound. Quase todo o gameplay é bem similar ao Dragon Quest (batalha em primeira pessoa, inventario limitado...), mas tem umas coisas diferenciadas: voce não ganha dinheiro em batalhas, e seu pai que deposita dinheiro no banco conforme voce vai lutando contra os inimigos, tendo que ir sacar o dinheiro. Nintem tambem tem uns ataques de asma, funcionando como status negativos, e é necessario ter uma bombinha pra tirar esse status. Pra mim esse já é o melhor RPG de NES, mas acho que vou voltar a jogar  Dragon Quest III e Final Fantasy II/III antes de tirar conclusões precipitadas e irritar os fãs desses jogos (por mais que seja dificil imaginar que existam fãs de FF II, haha!)

E quem souber de um emu de ps2 pra PC fraco ou configuração de PCSX2 pra pc fraco, me avisem, pois preciso urgentemente pra jogar coisas como SMT Nocturne e Shadow Hearts.

Até

Among Us

Platform: PC
69 Players
12 Check-ins

35
  • Micro picture
    mateusfv · 6 months ago · 3 pontos

    Phatom Blood é clichê pra caramba, mas pelo menos é melhor que aquela desgraça de DIU kk

    4 replies
  • Micro picture
    igor_park · 6 months ago · 2 pontos

    Jojo

    2 replies
  • Micro picture
    andre_hirosaki · 6 months ago · 2 pontos

    Pcsx2 e pc fraco são palavras q n combinam. Eu tinha um pc velho q ele desligava sozinho de tanto q esquentava rodando o emulador. Mas meu pc atual (nvidia ge force 940m, i5 e 4gb) consegue rodar decentemente vários jogos de sp2 apesar de algumas quedas d fps de vez em quando

    6 replies
  • Micro picture
    manoelnsn · 6 months ago · 2 pontos

    Jogando bastante coisa, hein?

    O primeiro Mana nunca me interessei em jogar, seja por ser de GB ou pela série só ter feito sucesso no Seiken 2 mesmo, o Secret of Mana (e ter morrido pouco tempo depois, então não me instiguei a vê-la por completo como aconteceu com FF e DQ). E pare de reclamar de Zelda e vai jogar, cacete, tem muita coisa boa na franquia, hauhaua

    Sim, tem uns RPGs interessantes pro Mega, mas é tanta coisa pro SNES que eu até esqueço que ele existe, tanto que demorei pra jogar Phantasy Star mesmo.

    Mother 1 não é o melhor RPG de NES nem fodendo, hauhaua. DQ3, DQ4 e FF3 comem o cu ele com farinha, a única coisa legal nesse jogo é a trilha sonora bem diversa e o clima contemporâneo dele, mas no fim das contas não passa de um rascunho pra Earthbound (que não é lá muita coisa também).

    O PCSX2 exige um certo processamento, mas tu pode ir tentando várias configurações diferentes nos plugins, como colocar Directx Hardware e ir diminuindo gráficos e afins até que ele fique jogável.

    2 replies
  • Micro picture
    ersatzgott · 6 months ago · 2 pontos

    O primeiro Mana é difícil, ele do nada vai te dar uns difficulty spikes danados, sugiro não continuar porque simplesmente não dá pra grindar nesse jogo

    5 replies
  • Micro picture
    santz · 6 months ago · 2 pontos

    Mother 1 é fantástico. Eu considero sua trilha sonora a melhor OAT 8-bits de todos os tempos, sou apaixonado pela música do jogo. O ruim do Mother é que a gente fica perdido muito fácil, mas é só seguir um guia que é sucesso.

    1 reply
  • Micro picture
    makomon · 6 months ago · 2 pontos

    Ótimo chekin, Kalini! Você escreve muito bem, fiquei impressionado aqui (nunca li nada seu antes)

    Precisamos jogar mais JOJO Mugen quando der! (e Among Us quando a galera resolver aparecer na call)

    Poxa, eu não sabia que tu tinha perdido o save do golden axe :'( #forçakalini Ainda irei zerar com voces na call

    Fico feliz que esteja gostando de Mother! Eu ainda vou retornar a esse jogo... Mesmo com seus problemas que me incomodam muito, consigo ver a importância e beleza do game (e provavelmente só joguei errado na época kkkkk)

    4 replies
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...