edfalcao

"You see, doc, God didn't kill that little girl [...] God doesn't make the world this way, we do."

You aren't following edfalcao.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • 2019-04-30 05:48:44 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Exterior Art Of The Borrower Arrietty

    Exterior Art Of The Borrower Arrietty Hiromasa Yonebayashi (2010)

    17
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-30 10:43:17 -0300 Thumb picture
    edfalcao checked-in to:
    Post by edfalcao: <p>Check-In 2 em 1! Zerei no <em>PlayStation 2</em>
    Tom Clancy's Splinter Cell Double Agent

    Platform: Playstation 2
    446 Players
    7 Check-ins

    Check-In 2 em 1! Zerei no PlayStation 2 e comecei no PC!

    Fiz a última missão duas vezes, baseado nas escolhas feitas no fim da penúltima missão (uma escolha importante em que a canônica só foi revelada em Conviction, até onde eu sei [ao fim das duas versões que eu vou poder dizer com certeza]). Confesso que fiquei um pouco decepcionado ao ver que a mudança é apenas uma fala, antes de o jogo voltar aos seus trilhos.

    Dito isso, a última fase foi um desafio à parte. Acredito, agora, que os Splinter Cell tendem a ser cada vez mais lineares quando vão chegando ao fim, porque houve momentos em que a única opção era um corredor à frente. Na minha opinião, isso quebra um pouco a sensação de "predador das sombras" que faz a série ficar tão famosa. O jogo tem muito mais a se beneficiar de um level design que permita que o jogador tenha diferentes rotas pra realizar suas escolhas, reforçando a sensação de submarino, em que seu poder é muito maior quando furtivo em relação à sua fragilidade quando exposto. Enfim, divago. Voltando...

    A última fase, apesar disso, tem umas escolhas interessantes e um final que coloca a série num caminho diferente dos outros três jogos. Talvez fosse hora, já que a trilogia inicial quase pode ser jogada em ordem diferente (talvez aqui e ali haja uma referência, mas o todo permanece o mesmo entre o começo e o final).

    Há vários anos eu jogava as três fases iniciais, sem entender inglês e me frustrando ao querer zerar mas não tendo as ferramentas necessárias. Foi muito interessante, depois desses anos todos, finalmente entender o que eu não entendia e poder agir de acordo, fazendo dessa experiência muito mais pessoal pra mim. Meu eu de 12 anos ficaria feliz!

    Então eu fui jogar a versão de PC.

    Após o sucesso que foi esse post, no qual o @sergiotecnico me forneceu um excelente suporte técnico (hahaha) para fazer com que funcionasse a versão de PC, consegui fazer as missões iniciais e de cara já notei as diferenças entre as versões das 7a (PC, PlayStaion 3 e Xbox 360) e 6a (Xbox, PlayStation 2, GameCube e o penetra da sétima, o Wii) gerações (denominadas, respectivamente, de Versão 1 e 2 de acordo com a Wikipedia do Splinter Cell). O foco na narrativa é muito maior na Versão 1, com mais cutscenes e interações. A discrepância entre orçamentos entre as versões fica ainda mais clara, já que todo o foco publicitário foi pra ela, por exemplo. As missões de Quartel General da JBA são muito mais críticas, visto que agora você não tá com a touca ninja, mas com o rosto à mostra e correndo risco de perder confiança caso seja visto espreitando onde não devia. Agora, também, Emile tem uma presença muito maior, aparecendo e te olhando nos olhos enquanto espera que você tome uma decisão difícil. Achei muito legal!

    O problema com a versão de PC parece totalmente arbitrário  (como sabemos, máquinas já possuem personalidade e é uma questão de tempo até a Boston Dynamics nos dominar) e por vezes a missão carrega, por vezes não. Outra coisa que percebi que ajuda é ligar uma tela na entrada HDMI e deixar o Task Manager aberto enquanto o jogo carrega, o que não faz sentido nenhum, mas funciona.

    Já quero continuar! Obrigado @sergiotecnico!

    11
    • Micro picture
      sergiotecnico · 19 days ago · 2 pontos

      Precisando, estamos aí... o importante é nunca parar a jogatina!

  • 2019-04-23 05:46:29 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    The Art Of A Spirited Train Journey 千と千尋の神隠し (2001)

    The Art Of A Spirited Train Journey 千と千尋の神隠し (2001).

    19
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-23 09:05:20 -0300 Thumb picture
    edfalcao checked-in to:
    Post by edfalcao: <p>#img#[632389]</p><p>Existe uma pessoa nessa foto
    Tom Clancy's Splinter Cell Double Agent

    Platform: Playstation 2
    446 Players
    7 Check-ins

    Existe uma pessoa nessa foto. Não, não estou usando nenhum cheat. Fique até o fim do Check-in que eu conto, mua ha ha ha ha.

    Ontem finalizei a missão do navio mercenário e fiquei chateado com mais uma mudança entre as versões PS2-Xbox. Spoilers a seguir.
    Ao entrar no cargueiro, no Xbox, ao desativar as bombas, a porta da sala onde se encontra o manifesto com o que tava sendo transportado é liberada e a gente pode completar mais uma side mission pra o Echelon. No PS2 esse lugar tá fechado, o que dificulta bastante pessoas que, como eu, preferem fazer as side missions antes da missão principal.

    Tudo bem que pelo menos os andares superiores abrem depois da parte das bombas, mas só é possível abrir a porta da salinha com o manifesto ao ser capturado e destrancar as algemas. Mas PUTS: se no Xbox essa parte é liberada, por que colocam um obstáculo no PS2 que afeta o desempenho da missão? arg

    Enfim. A missão é até legal, mas nem se compara à seguinte: perder todos os equipamentos, inclusive os visores, e ter que me virar só como Stealth é bem empolgante!

    P.S.: Há um buraco no chão e só a cabeça de Sam Fisher tá pra pra fora. huahuahuauhauhuauha

    .

    .

    .

    .

    .

    .

    8
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-22 09:25:40 -0300 Thumb picture

    Tópico: Como fazer rodar no PC?

    E aí, galera.

    Eu tava pronto pra escrever um textão descrevendo esse tópico, mas o título dele é bastante autoexplicativo: eu e mais uma galera na Steam não estamos conseguindo fazer ele rodar bem no PC.

    Isso, aparentemente, já é comum nos jogos Splinter Cell. O Elite Echelon Collection, que vem com Splinter Cell Original, Chaos Theory, Double Agent e Conviction é uma negação no sentido "rodar decentemente". Chaos Theory só me deixou usar os modos de visão depois de baixar um update que um usuário colocou na comunidade, pois a Ubisoft aparentemente está cagando para Splinter Cell. Conviction não chegou nem a abrir, dizendo que minha versão do Windows não era compatível nem quando eu tentava rodar em modo de compatibilidade (que provavelmente vai ser outro tópico quando eu zerar as duas versões de Double Agent).

    Então esse desabafo/pedido de ajuda também é pra perguntar se mais alguém aqui no Alva sofreu ou sofre desse mesmo problema que eu tô sofrendo. E aí?


    Ih, rapaz... acabou saindo textão.

    Tom Clancy's Splinter Cell Double Agent

    Platform: PC
    403 Players
    15 Check-ins

    25
    • Micro picture
      _gustavo · 26 days ago · 3 pontos

      Estranho o jogo oficial dar problema assim, eu sei que um dos Splinter Cell antigos (se me lembro é o Chaos Theory que usava no passado aquele Starforce como DRM, uma porcaria que travava o windows , mas a Ubisoft deve ter retirado ele na mudança do antigo Game Launcher para o Uplay) para os jogos mais antigos se vc ta com o windows 10 tenta xp sp3 com privilégio de Administrador, o Conviction eu joguei na época do Windows 7 no teclado e mouse, se vc tentar jogar os antigos com controle é complicado, igual os Tomb Raider anteriores ao Legend que só funcionam no controle na base do Xpadder. Se vc der um panorama geral de que tipo de erros que os jogos estão dando talvez de pra separar e trabalhar em cada um deles porque podem ser diversos fatores que dão problema.

    • Micro picture
      sergiotecnico · 26 days ago · 2 pontos

      Numa pesquisada rápida vi diversos relatos de que roda tranquilo no Windows 10.
      Qual o problema exatamente?

      8 replies
    • Micro picture
      lordsearj · 26 days ago · 2 pontos

      Passeia meama coisa no Prince of Persia. Axho que só otimizam os jogos de PC a partir da loja deles. Watch Dogs rodou de boa. Já Assassin's Creed III seneu rodar via atalho na Steam, o controle fica zoado. So roda em teclado / mouse. Rodando pela Uplay, tudo normal. Babaquice da Ubisoft.

      1 reply
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-22 09:16:53 -0300 Thumb picture
    edfalcao checked-in to:
    Post by edfalcao: <p>Seria impossível jogar esse jogo sem as vantagen
    Tom Clancy's Splinter Cell Double Agent

    Platform: Playstation 2
    446 Players
    7 Check-ins

    Seria impossível jogar esse jogo sem as vantagens de um Emulador, pelo menos pra mim. Save states são boa parte do meu gameplay de Splinter cell até agora, principalmente pra ver outras táticas de furtividade, e abandonar isso seria um pé no saco.

    Passei da missão do trem de carga e do transatlântico sem maiores problemas.

    Como tô tentando zerar num modo ghost (sem alarmes e apagando o mínimo de inimigos possível), fiquei frustrado ao preparar todo o terreno pra trazer Enrica junto comigo e ela dizer que me encontrava lá. Podia ter deixado todo mundo respirando huahuahuauhhua.

    Enfim, comecei a missão do navio cargueiro e até agora tá tudo tranquilo!

    7
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-20 23:23:17 -0300 Thumb picture
    edfalcao checked-in to:
    Post by edfalcao: <p>Colocando mais um Splinter Cell pra lista dos qu
    Tom Clancy's Splinter Cell Chaos Theory

    Platform: PC
    390 Players
    14 Check-ins

    Colocando mais um Splinter Cell pra lista dos que eu zerei!

    As missões finais desse me agradaram bem mais do que do SC original. Apesar de o jogo ainda tentar, o combate não é tão à força do jogador. Consegui fugir de todos!

    A história é mais interessante, também! Cutscenes mais feitas e mais profunda até agora. Double Agent ainda tem a história mais forte, pra mim, mas esse conseguiu uma colocação elevada!

    9
  • jugemu 寿限無
    2019-04-17 05:47:15 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-16 08:53:15 -0300 Thumb picture
    edfalcao checked-in to:
    Post by edfalcao: <p>Acho que esqueci de falar aqui.</p><p>Essa minha
    Tom Clancy's Splinter Cell Double Agent

    Platform: Playstation 2
    446 Players
    7 Check-ins

    Acho que esqueci de falar aqui.

    Essa minha maratona de Splinter Cell se deu depois que eu comprei o Elite Echelon Collection, composto do Splinter Cell Original, o Chaos Theory, o Double Agent da 7º geração (mais sobre isso depois) e o Conviction.

    Então eu zerei o Splinter Cell original, aos trancos e barrancos, como eu explico aqui. Então duas coisas me levaram a instalar o emulador PCSX2 (mesmo com medo de explodir meu computador), 1- a falta do Pandora Tomorrow, tanto na Steam quanto em qualquer outro lugar acessível, 2- a infinidade de adaptações que eu tenho que fazer pra os jogos funcionarem (estou olhando pra vocês, Steam e Ubisoft, que não lançam patches decentes pra atualizar a experiência pra computadores modernos, que fez com que nenhum dos jogos funcionassem "de primeira") e 3- Double Agent e suas duas versões.

    Pra mim sempre foi natural, visto que joguei primeiro o de PlayStation 2 (6º geração) pra depois jogar o de PlayStation 3 (7º geração), e pra vocês é provável que também seja, mas aparentemente pouca gente soube dessa divisão entre Ubisoft Montreal e Ubisoft Shanghai, e a publicidade ter sido exclusiva para a 7º geração não ajudou. Até as fotos desse jogo, aqui no Alva, são da versão da "nova geração".

    Dito isso: eu prefiro a versão da 6º geração. A falta de HUD, a queda de FPS constante e os menus de interação diferentes, pra mim, foram só uma "ida com a onda" que morreu logo no jogo seguinte, fazendo com que Double Agent de PS3, X360 e PC fosse só um ponto fora da curva (que talvez eu goste quando finalmente der chance, que nem foi a primeira vez que eu joguei Hitman).

    Resumindo, quase choro ao jogar novamente um jogo de PS2, me sentindo com 12 anos, chegando da escola sem preocupações.

    7
  • edfalcao Ed Falcão
    2019-04-15 09:42:56 -0300 Thumb picture
    edfalcao checked-in to:
    Post by edfalcao: <p>Confesso que tinha um preconceito com a série <e
    HITMAN

    Platform: Playstation 4
    187 Players
    39 Check-ins

    Confesso que tinha um preconceito com a série Hitman.

    Jogador de Metal Gear Solid e Splinter Cell, não achava plausível que todas as roupas coubessem no Agente 47 e que os funcionários não conhecessem os rostos uns dos outros. Não ajudou quando, acho que em 2007, eu tentei jogar uma fase que vi no computador de um amigo e falhei miseravelmente.

    Isso mudou com a PSN Plus, que me deu a chance de jogar essa peça maravilhosa.

    Acredito que a suspensão de descrença aconteça em todos os jogos. Se uma caixa se mexer, no chão, eu vou saber que há alguém lá dentro carregando uma USP, uma FAMAS, uma Nikita e vários outros equipamentos que não cabem em um ser humano; se, no escuro, houver uma tríade de luzes verdes, eu sei que há alguém que nunca fica com dor nas coxas pelo tempo que fica agachado (e que vai arrancar qualquer verdade de mim). O desenvolvedor se esforça pra convencer tanto quanto o jogador precisa colaborar para ser convencido.

    E assim eu dei uma chance a Hitman.

    De cara, fiquei impressionado com a fluidez que ele roda no meu PS4 Slim. Aparentemente, é uma engine muito bem construída quando entra em contato com o sistema compatível.
    A jogabilidade tem a mesma fluidez e foi natural passar pela sessão dos testes. 

    De uns tempos pra cá eu venho me desafiando a passar no estilo "Ghost" nos jogos Stealth, e o resultado disso é que eu não posso dizer se gosto do sistema de combate (das 500 vezes em que eu falhei nas missões, eu voltava antes de bater de volta).

    A fase do desfile é um mundo por si só. Existem várias histórias. Confesso que me disfarçar de top model e me esconder à vista de todos, numa passarela, foi tão prazeroso quanto me esconder no escuro e me infiltrar em Shadow Moses.

    Ainda não sei como funciona a relação entre Hitman e Hitman 2. Vi missões de um no outro e acredito que, quando com mais tempo, vou olhar mais a fundo. Baixei os dois e não sei qual era o gratuito na PSN. O resultado disso é um monte de tela de compras que não me responde o que eu tenho e o que ainda não.

    Resumo: a série Hitman antes tinha meu desprezo; passou a ter minha curiosidade quando vi na Plus; hoje, depois de ter jogado algumas fases do 2018 ela tem meu interesse; tudo indica que, em algumas jogatinas, ela terá meu carinho.

    11
    • Micro picture
      edknight · about 1 month ago · 2 pontos

      Eu joguei o Absolution (também na Plus, mas para o PS3), sempre ouvi a galera criticando e dizendo que era um dos mais fraquinhos. E olha, se aquele é o mais fraquinho, os outros devem ser realmente MUITO bons.
      Além dele ter esse stealth maneiro, que eu sentia falta desde os Metal Gear, ainda tem um mundinho extenso e com uma cacetada de possibilidades pra se resolver o problema, inúmeros disfarces, formas diferentes de se eliminar seu alvo... Realmente foi um jogo que me capturou na primeira jogada (e que a cada replay ficava melhor)

      2 replies
    • Micro picture
      ryou · about 1 month ago · 2 pontos

      Coloca aí na lista de suspensão de descrenças: entender que em muitos jogos, corpos mortos somem após um tempo. Você, jogador, sabe que isso é por questão de processamento. O personagem, no entanto, deve ficar maluco com isso.

      1 reply
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...