You aren't following diegogonz.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • diegogonz Diego Gonz
    2019-04-17 04:09:01 -0300 Thumb picture

    Zebra ou Búfalo? Quem você captura em Savannah Rodeo Stampede?

    Medium 3716478 featured image

    Rodeo Stampede Savannah é um jogo onde você assume o papel de um cowboy que deve capturar animais e chegar o mais longe o possível no cenário para acumular pontos e moedas. Este game é uma das principais novidades que está disponível gratuitamente na Poki.

    Como um bom jogo de corrida infinita, a ideia é você permanecer o “maior tempo o possível” dentro do cenário, sendo que a medida que você vai avançando, mais desafiador ele vai ficando. A partida acaba quando o jogador bate em alguma parte do cenário ou em algum outro animal.

    No entanto, este game se diferencia dos outros do gênero porque você deve ir pulando de animal em animal para conseguir prosseguir. É possível permanecer em um mesmo, mas caso o faça, depois de um período ele ficará desgovernado e você terá pouco controle sobre ele. No entanto, os pulos precisam ser bem calculados, pois caso você caia no chão, você morre e a partida reinicia.

    Há diversos tipos de animais ao longo da partida, como zebra, búfalo, avestruz e outros. Caso você fique um período razoável de tempo em cima deles, você os doma e eles irão para o zoológico quando a partida for reiniciada. Além disso, cada um dos animais possui suas habilidades individuais que alteram de modo significativo o gameplay, dando diversos tipos de vantagens.

    Quanto ao já citado zoológico, eles são estábulos onde seus animais ficam e com as recompensas em moedas que você ganha ao longo das partidas, você pode construir muros e lares bem legais para os animais. A grande verdade é que eles não interferem em absolutamente nada no jogo, mas é um extra bacana. Provável que muitos jogadores irão ficar horas e mais horas jogando nas savanas em corrida infinita justamente para montar seu zoológico.

    Savannah Rodeo Stampede é um típico jogo para browsers dos bons: simples, divertido, com boas animações e bastante fácil de entender. 

    2
  • diegogonz Diego Gonz
    2019-03-29 13:00:43 -0300 Thumb picture

    E-sports se aproximam cada vez mais dos esportes tradicionais

    Medium 3712701 featured image

    A história dos e-sports é um fenômeno de sucesso. Com poucos participantes há algumas décadas atrás, essa modalidade explodiu em popularidade e hoje em dia conta com números de respeito que se aproximam dos esportes tradicionais.

    Número de fãs e maneiras de participar aumentaram

    O mercado de games chegou ao Brasil no final da década de 70 e mudou muito no país e no mundo até chegar aos níveis de hoje. O crescimento do interesse nos e-sports está ligado ao aumento do número de fãs e é possível observar isso pelo Twitch, principal plataforma do setor no que tange às transmissões.

    Pouco menos de um ano após a sua criação em 2011, a empresa já contava com 20 milhões de usuários mensais. Em 2013 esse número subiu para 45 milhões e desde então não parou de aumentar.

    A empresa Newzoo, especialista em e-sports, afirma que o público chegará a mais de 450 milhões de espectadores, com pouco mais de 200 milhões sendo “entusiastas de e-sports” e cerca de 250 milhões se enquadrando na categoria de “espectadores ocasionais”

    O Brasil é o terceiro maior público da modalidade e quase 9 milhões de brasileiros, cerca de 8,5% da população nacional, se enquadra em uma das duas categorias. Um feito que coloca o país atrás apenas dos da China e dos Estados Unidos, respectivamente o segundo e o primeiro colocados.

    Para efeitos de comparação, as partidas de basquete da National Basketball Association (NBA) e da Liga Nacional de Basquete (LNB), associações de um esporte com décadas de existência, são acompanhadas no Brasil por aproximadamente de 32 milhões de fãs.

    Outra grande maneira que os e-sports estão se tornando mais parecidos com esportes tradicionais é a introdução de apostas no resultado de partidas e campeonatos profissionais. O setor possui um potencial enorme e diversas companhias já oferecem diversas maneiras para os fãs participarem.

    Por exemplo, a Betway, que conta com um dos principais sites de apostas esportivas, permite que os entusiastas apostem no resultado de todos os e-sports mais populares, como League of Legends, Overwatch, CS:GO e muitos outros.

    Altas receitas e prêmios gigantescos que muitas vezes superam os de atletas de modalidades tradicionais

    Já se falou muito sobre a dificuldade dos jogos nos dias de hoje, mas se existe algo indiscutível é que a competitividade entre os grandes atletas dos e-sports nunca esteve tão alta.

    Isso se reflete na necessidade de se dedicar de maneira exclusiva a modalidade escolhida e hoje em dia os maiores competidores recebem salários e premiações similares ou até mesmo superiores a de atletas de modalidades tradicionais.

    Assim como o país está na terceira colocação em relação ao número de entusiastas, um brasileiro também é o terceiro com mais ganhos em e-sports. Trata-se de Gabriel “Fallen” Toledo, especialista em CS:GO que é líder da equipe SK Gaming e já foi duas vezes eleito um dos cinco melhores jogadores do mundo.

    Ao longo dos anos os campeonatos de CS:GO distribuíram aproximadamente US$ 53 milhões e “Fallen” já conquistou mais de US$ 749 mil desses valores. Sua melhor fase ocorreu em 2016, quando o atleta venceu o ESL One: Cologne 2016 e conseguiu US$ 100 mil de uma vez.

    As duas primeiras posições em ganhos nos e-sports são ocupadas de maneira respectiva por Lee “Faker” Sang Hyeok e Kuro “KuroKy” Takhasomi. “Faker” acumulou cerca de US$ 1.17 milhões com League of Legends e “KuroKy” chegou a US$ 3,59 milhões com Dota 2.

    Finais em estádios atraem milhares de entusiastas

    Em 2017, durante as Grandes Finais da The International de Dota 2 na KeyArena em Seattle, o local onde o evento principal aconteceu recebeu mais de 15.000 entusiastas do esporte.

    No Brasil não é diferente e os campeonatos realizados aqui também recebem grandes números de fãs. Por exemplo, a etapa Final do 2º Split do Campeonato Brasileiro de League of Legends 2016 (CBLoL 2016) foi realizado no Ginásio do Ibirapuera e recebeu mais de dez mil espectadores.

    Já as finais da ESL Pro League de CS:GO realizadas em outubro do mesmo ano no nesse mesmo local contou com a participação de mais de seis mil fãs do esporte durante os três dias de competição.

    A média de público do Brasileirão em 2018, maior campeonato de futebol do país, foi de cerca de 18 mil torcedores, o que mostra que o crescimento do do e-sport no Brasil realmente é algo digno de nota.

    Futuro dos e-sports conta com muito potencial para crescer no Brasil e no mundo

    Hoje em dia o mercado de games brasileiro é enorme e conta com vários títulos interessantes que precisam ser mais conhecidos. O fato de ainda não existir um game criado por aqui que seja uma modalidade de e-sports mostra que existe potencial para a indústria nacional se desenvolver ainda mais nesse setor.

    Fora isso, nas últimas décadas o nível de entusiastas não parou de aumentar e com a profissionalização cada vez maior do setor e características cada vez mais parecidas com os esportes tradicionais essa modalidade relativamente nova deve crescer ainda mais no futuro.

    8
    • Micro picture
      artigos · 20 days ago · 0 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • diegogonz Diego Gonz
    2019-03-26 11:49:44 -0300 Thumb picture

    Subway Surfers é interessante também para navegadores

    Medium 3712005 featured image

    A Poki está disponibilizando gratuitamente em sua plataforma o Subway Surfers, clássico do gênero endless runner que faz muito sucesso nos dispositivos móveis. Como os games do gênero, você deve correr em um cenário que vai ao infinito desviando de obstáculos e chegando “o mais longe o possível” para acumular pontos, moedas e itens em geral.

    Pela temática de estação de metrô, você deve desviar de trens, passar por corredores e andar pelos trilhos desviando de tudo que pode ter um lugar do gênero. Quanto mais tempo você consegue permanecer, mais obstáculos vão surgindo e o protagonista fica cada vez mais ágil, aumentando o nível de dificuldade progressivamente e, ao mesmo tempo, a tensão do jogador.

    Justamente este último sentimento que dá toda a graça ao título, já que em vários momentos você pensará “ele está indo muito rápido!”. Mesmo com a jogabilidade bem intuitiva, com o treino você vai pegando todas as “manhas” e passa a entender bem como funciona todo o sistema. Há um ranking onde você pode conferir a pontuação de outros jogadores do mundo inteiro e comparar com a sua. Ficar no “top 10” é uma tarefa para poucos.

    Apesar disso, o game é visivelmente focado nos jogadores casuais, sendo o típico jogo que você pega em um momento de lazer ou tédio só para “passar tempo”. Mesmo assim, muitos casuais podem acabar se viciando nele e se tornar um jogador hardcore que quer completar todas as missões diárias e semanais, além de alcançar cada vez mais lugares mais distantes.

    Além disso, Subway Surfers também tem uma ambientação cômica, já que você é um personagem que está pichando um metrô e, assim que o guarda percebe o que está fazendo ele fica furioso e passa a te perseguir junto com seu cão de guarda. Essa é a “desculpa esfarrapada” para você sair correndo.

    Os visuais são em 3D simples, já que foram feitos pela engine Unity em 2012. Apesar disso, eles não fazem feio, com cores bem distribuídas, e tudo é muito agradável aos olhos, sendo melhor ainda pro rodar com fluidez mesmo em computadores mais modestos. Os personagens são bem carismáticos, até porque, além do protagonista, é possível desbloquear vários outros. Apesar de ser apenas uma variação cosmética, não afetando em nada o gameplay, é mais um ponto que aumenta a longevidade do título.

    Subway Surfers é um clássico do gênero Endless Runner. Divertido e variado, é mais um game viciante do gênero. 

    Subway Surfers

    Platform: Android
    1232 Players
    24 Check-ins

    12
    • Micro picture
      lipherus · 21 days ago · 1 ponto

      Parabéns pelo artigo destacado!

    • Micro picture
      artigos · 21 days ago · 0 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • diegogonz Diego Gonz
    2019-03-21 00:31:53 -0300 Thumb picture

    Super-heróis em vídeo games: Do bom, ao ruim, e para o bom de novo

    Medium 3710924 featured image

    É engraçado perceber a inversão de valores quando tratamos de adaptações de super-heróis a mídias além dos quadrinhos. Para quem não se lembra ou talvez nem era vivo na época, os anos 1990 e 2000 eram repletos de bons jogos baseados em heróis como Batman Returns (1992) e Ultimate Spider-Man (2005) cujo domínio, até então, eram apenas os seus distritos numa Metrópolis, Gotham ou Nova York (fictícia) da vida.

    Os filmes, porém, não seguiam a mesma linha. Longe disso! Por mais forte que a nostalgia batesse quando a SBT exibia uma reprise de um dos filmes do Batman, principalmente aquele onde Arnold Schwarzenegger interpretou Mr. Freeze, era impossível ignorar a falta de qualidade daquelas obras.

    Isso mudou a partir do momento que a Warner, dona da DC, resolveu levar seu acervo a sério. Com Batman Begins em 2005, as portas foram abertas para que filmes de super-heróis pudessem começar a ser levados mais a sério – também com um empurrão dos dois primeiros filmes do Homem-Aranha da Sony, recordistas de bilheteria e prova concreta de que filmes de super-herói poderiam ser bem lucrativos.

    Logo seguiu-se a Marvel com Homem de Ferro, abandonando as adaptações aparentemente feitas no fundo de um quintal na década de 90 em favor de algo bem mais palatável em 2008. E dá para dizer que aquele filme foi uma completa revolução para as adaptações de quadrinhos ao cinema ao tornar um herói até então desconhecido pelo grande público em uma estrela que ninguém poderia mais ignorar.

    Mas no campo dos games... Bem. Aí a coisa ficou bem complicada.

    Grandes filmes costumam ter custos de marketing extraordinários, e no “budget” dos mesmos são inclusos não só ações de propaganda como também adaptações dos filmes baseados em quadrinhos para games em diversos consoles. Entretanto, a atenção dada a esses games infelizmente não é a mesma que o filme recebe.

    Problemas de polimento e otimização são bem comuns, caso de jogos como Batman Begins (2005) e Iron Man (2008). E é claro que há exceções. Exemplos claros são a ótima série de jogos do Batman e o último jogo do Homem-Aranha. Mas estes não são adaptações diretas de filmes para vídeo games, e sim obras separadas.

    O que traz certa esperança de que o caminho a ser seguido para o suposto jogo baseado na Liga da Justiça seja o desses jogos mencionados anteriormente como exemplos de adaptação. O melhor de tudo é que a Rocksteady, cuja fama foi feita justamente em base nos jogos de outra obra da DC, o Batman, é a potencial responsável por essa nova obra.

    Mas se você já quiser se adiantar, você já pode comparar jogos como os melhores caça-níqueis da Liga da Justiça em alguns dos melhores cassinos online visitando sites de comparação. Em sites de comparação de casinos como o Compara Cassinos, você pode verificar mais de 60 cassinos e ler reviews dos melhores jogos que eles oferecem.

    Melhor ainda que o sucesso de jogos como a série Batman e o último jogo do Homem-Aranha, muito graças à qualidade dos mesmos além, é claro, das marcas que eles carregam, está trazendo mais heróis para os games em adaptações que tem tudo para serem excelentes. É de se esperar, por exemplo que um jogo dos Vingadores feito pela Square Enix, como dito em rumores internet afora, vai carregar a qualidade que uma empresa responsável por Final Fantasy e Kingdom Hearts sempre traz.

    E podemos ter também uma sequência para Homem-Aranha pela Insomniac, mostrando à Marvel que vídeo games de alta qualidade são algo a ser investido! No fim das contas, estamos num momento em que heróis de infância finalmente ganham o tratamento que merecem no mundo dos jogos.

    10
    • Micro picture
      artigos · 30 days ago · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • diegogonz Diego Gonz
    2019-02-21 16:46:40 -0300 Thumb picture

    Conheça alguns dos games mais esperados de 2019

    Medium 3705136 featured image

    Novidades e séries famosas estão entre os games mais esperados do ano

    O ano começou perfeito para os amantes dos games. Isso porque já de largada tivemos um relançamento muito aguardado, que trouxe de volta um clássico dos jogos de zumbis. No último dia 25 de janeiro, a pedido dos fãs, a Capcom relançou o Resident Evil 2. Os velhos amigos Leon Kennedy e Claire Redfield retornam à Raccoon City para combater os mortos vivos, neste que é considerado um dos melhores games da série. O jogo foi relançado em PlayStation 4, Xbox One e PC.

    Além deste clássico, 2019 também já teve mais um lançamento importante: Kingdom Hearts 3. Este game conta a jornada de Sora, um herdeiro de um poder espetacular que, acompanhado pelo Pato Donald e pelo Pateta, tem a missão de impedir que uma força maligna conhecida como Heartless invada e domine o universo. Vários personagens da Disney aparecem no game, deixando-o ainda mais interessante. Assim como Resident Evil 2, o terceiro capítulo de Kingdom Hearts já está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC.

    Ficou empolgado com estes dois lançamentos? Então prepare-se, que ainda tem muito mais! Conheça alguns dos games mais esperados do ano.

    Cresce a expectativa por “Days Gone “Com data de lançamento marcada para o dia 22 de fevereiro, o game “Days Gone”é um dos mais aguardados de 2019. Em um mundo pós-apocalipse, o sobrevivente Deacon tenta continuar vivendo em um planeta infestado de “Freakers”, humanos infectados que se tornaram ferozes e sedentos por carne humana. O diferencial deste game é que o jogador vai precisar enfrentar um número grande de Freakers de uma só vez. É muita emoção e suspense. “Days Gone” estará disponível somente para PlayStation 4.

    “Anthem” é esperado pelos gamers de diversas plataformasEste lançamento da EA traz o jogador para um game de tiro cooperativo. A história se passa em um mundo inacabado pelos deuses e sob o domínio de uma facção sombria. A esperança está nos Freelancers e suas armaduras tecnológicas. É possível jogar com até três pessoas. Um dos destaques do jogo é o vasto arsenal de trajes disponíveis para enfrentar os adversários que aparecerem no caminho. O gamer terá mais opções para vencer. Será possível explorar esse mundo no PlayStation 4, Xbox One e PC. O lançamento também acontece em 22 de fevereiro.

    “Jedi: Fallen Order” é um dos games mais esperados em 2019 pelos fãs de Star Wars

    Venha enfrentar as forças malignas do Lado Negro neste jogo superdivertido. “Jedi: Fallen Order” é ambientado logo após a Star Wars: A Vingança dos Sith, onde os Jedi foram dizimados e o Imperador domina com o seu aprendiz Darth Vader. O jogador é um Padawan, um aprendiz de Jedi que busca sobreviver neste mundo. O game tem lançamento previsto para o PlayStation 4, Xbox One e PC, mas ainda não tem uma data de lançamento definida.

    “Sekiro: Shadows die Twice” chega em marçoA Activision apresenta nesta temporada o “Sekiro: Shadows die twice”. Ambientado no período Sengoku do Japão, veremos o herói Sekiro em busca de vingança contra um samurai, após seu mestre ser sequestrado. Esse game tem previsão de lançamento para o dia 22 de março e será disponibilizado para o PlayStation 4, Xbox One e PC.

    Doom Eternal é a nova aposta da sérieA sequência da game série Doom é um dos mais esperados do ano. Neste novo capítulo, a terra será o palco da guerra contra os demônios e inimigos diabólicos. O jogo de tiro segue a estética de terror e violência do clássico, mas com gráficos mais avançados. A data ainda não foi confirmada pela Quakecon. O game será lançado para PlayStation 4, Xbox One e PC.

    “Metro Exodus” já está prestes a sairProduzido pela 4A Games, “Metro Exodus” é narrado sob a perspectiva de Anna, principal atiradora da Ordem que lidera um grupo a caminho de uma Moscou pós-apocalíptica, repletos de criaturas e seres mutantes. Você será o jogador desta jornada ao desconhecido. Este jogo já está disponível para venda para PlayStation 4, Xbox One e PC.

    “Devil May Cry 5” promete ser o jogo do anoUma das game séries mais famosas da atualidade, Devil May Cry 5 chega para deixar os fãs alucinados. A sequência de Devil May Cry 4 coloca os jogadores no controle de Nero, um caçador de demônios que possui um braço robótico e uma espada que pode usar como um motor de motocicleta. A previsão de lançamento do jogo é no dia 8 de março e será disponibilizado para PlayStation 4, Xbox One e PC.

    Além destes jogos citados, dois games também bem esperados são os de futebol. As edições de “Fifa 2020” e “Pro Evolution Soccer 2020” estão previstas para setembro e, pela primeira vez, sairão apenas nas plataformas mais modernas, como PlayStation 4, Xbox One e PC.

    1
  • diegogonz Diego Gonz
    2019-02-01 19:40:57 -0200 Thumb picture

    Dê backflips pela vizinhança em Backflipper Game

    Medium 3701369 featured image

    Já andou na rua e pensou o quanto seria legal dar um backflip em algum lugar inusitado? Em Backflipper o jogo propõe com cenários bem descontraídos para o seu personagem dar os backflips mais estilosos e ganhar pontos e moedas para liberar o conteúdo do jogo.

    Backflipper Game é um jogo divertido e desafiador, desenvolvido pela empresa finlandesa MotionVolt a qual tem outros sucessos com pulos, como, Flip Master e Flip Diving. Flip Master tem como objetivo pular em uma cama elástica sem se machucar enquanto pula ou acabar pulando fora dela. Flip Diving consiste em mergulhos os quais não se pode bater a barriga ou as costas na água. Já o mais novo sucesso da desenvolvedora finlandesa, tem como objetivo dar backflips em lugares extremamente inusitados, começando por telhados, prédios e depois indo para caminhões, elevadores e até mesmo aviões.

    Backflipper é realmente um jogo peculiar e bem divertido. Segundo descrito pela própria MotionVolt, diferente dos seus antecessores, o jogo foi desenvolvido com um motor personalizado e animações Ragdoll Physics, o que é bem notável a diferença entre os jogos anteriores para o Backflipper Game.

    Além das fases totalmente aleatórias que o jogador pode estar liberando através do uso das moedas ganhas, o uso das moedas também pode ser voltado para coisas tão divertidas quanto as fases, os personagens. Uma lista com cerca de 20 personagens cheio de personalidades muito divertidas, onde um astronauta, um presidente, um ninja e um dinossauro se encontram a sua escolha. No entanto, há um personagem que está de graça para adquirido, o Ninja, após iniciar, ele ficará disponível após as 24 horas, quando voltar no mesmo horário poderá jogar com o personagem.

    O jogo é para todas idades, e isso fica visível pelas influências gráficas e também pelo fato de que os personagens ao caírem e/ou baterem em algum objeto, não sofrem nenhum dano visível, muito menos há menção de sangue ou fratura pelos personagens, apenas alguns sons de pancadas e gemidos bem fracos de dor, nada comparados há muitos jogos de navegadores os quais são carregados imagens de dados fortes, cheia de ossos e sangue expostos.

    Backflipper Game foi lançado em janeiro deste ano já tem mais de 5 mil downloads, e acredita-se que logo será um sucesso assim como os jogos anteriores da desenvolvedora finlandesa, que juntos chegaram a faturar mais de 100 milhões de downloads.

    O jogo é free to play e além das versões para navegador, também está disponível para versões para Android e IOS. 

    1
  • diegogonz Diego Gonz
    2018-12-14 16:50:46 -0200 Thumb picture

    Dunkers 2: Basquete para browsers é um passa-tempo divertido

    Medium 3691150 featured image

    Dunkers 2 é um jogo de basquete de um contra um, que pode ser um amigo ou um computador, e possui um gameplay bastante simplório: você é um jogador que deve pegar a bola de basquete do adversário e jogar na cesta, chamando a atenção pelos movimentos “malucos” e propositalmente desengonçados dos personagens, sendo que você movimenta apenas para a esquerda ou para direita e pulando como um “canguru”.

    Sendo gratuito para browsers, como você pode ver ao jogar agora, ele possui três modalidades: o Arcade Mode, onde você joga continuamente contra oponentes para bater seus próprios recordes, sendo que, a cada cesta realizada vem um novo inimigo; o Quick Game, com a missão de fazer o maior número de cestas em apenas um minuto e o Tournament, sendo o modo onde você batalha contra sucessivos adversários em um nível de dificuldade maior e pode se sagrar campeão de um torneio.

    Neste último, é necessário jogar sucessivas vezes no modo Arcade ou no Quick Game para arrecadar moedas ou pontos e assim, destravar os cenários. Por falar nisso, o jogo é muito rico em possibilidades, tendo 56 personagens desbloqueáveis, sendo que todos são bem variados em estilos, tendo até mesmo um televisor antropomórfico, assim como é possível mudar a vestimenta dos personagens, comprar novas bolas etc. Para adquirir as moedas é necessário prosseguir no jogo normalmente, mas o game te dá a possibilidade de duplicá-las ao assistir um vídeo.

    Também há três cenários, sendo que o Street é o que você joga inicialmente, e o Forest e o Pro Stadium são desbloqueáveis. Apesar de todos esses pontos citados até aqui serem mudanças cosméticas, é interessante ver que os desenvolvedores se esforçaram para levar o máximo de variedade o possível para o jogador.

    Há um modo para dois jogadores local, sendo que o primeiro fica com as teclas “A” e “D”, enquanto o segundo fica com as “J” e “L”, sendo a movimentação para a esquerda e a direita respectivamente. No modo opções você pode alterar os controles para uma configuração que esteja mais adequada ao que você prefere. Neste último, também é possível mexer nos efeitos sonoros e nas músicas, aumentando, diminuindo ou até mesmo mutando seus volumes. Há uma aba com um “tutorial”, explicando como joga o game, e também um ranking mostrando suas melhores pontuações.

    Dunkers 2 é um típico jogo divertido para browsers, com bons visuais, riqueza de conteúdo, jogabilidade simples e uma trilha sonora bem ambientada, ele vale a pena a conferida por crianças, YouTubers e amigos com tempo livre.

    1
  • diegogonz Diego Gonz
    2018-11-16 16:27:23 -0200 Thumb picture

    Bastidores da série Sonic - da onde vem a rivalidade com o Mario?

    Medium 3685672 featured image

    "De quem você gosta mais, do Sonic ou do Mario?", essa pergunta representa uma rivalidade existe até hoje, mas sem dúvidas, ela teve seu auge durante a primeira metade dos anos noventa. No entanto, você já se perguntou o por quê?

    Durante os anos oitenta, a Nintendo dominava 90% do mercado de consoles tanto nos Estados Unidos quanto no Japão com seu Nintendo Entertainment System, mais conhecido por nós como Nintendinho 8 bits, lançado originalmente em 1982.

    Eventualmente, a SEGA, que já era "gigante" nos arcades e também muito famosa por jogos parecidos com os de cassinosjogos de apostas, resolveu entrar no ramo de consoles também, lançando alguns protótipos no Japão que eventualmente rendeu o Master System em 1984, videogame que era tecnicamente superior ao concorrente, mas que não conseguiu emplacar grande sucesso nos dois principais mercado. Nesse contexto, ela decidiu ser mais ousada, e em 1989 lançou o Mega Drive, um console 16 bits que era muito superior ao Nintendinho, com visuais e músicas excelentes para os padrões da época.

    Com seu lançamento, a equipe norte-americana da SEGA, chefiada pelo ex CEO da Mattel, Tom Kalinske, decidiu que uma boa estratégia para valorizar o Mega Drive era fazer uma campanha de marketing bem agressiva que ridicularizasse a Nintendo. O primeiro jingle para comerciais de TV era "Genesis Does What Nintendon´t" (O Mega Drive faz o que o Nintendo não faz), sendo modificado anos mais tarde para o "Welcome To The Next Level" (Bem vindos a próxima fase) quando o Super Nintendo foi lançado.

    Já no Japão, o presidente da SEGA, Hayao Nakayama, solicitou aos seus funcionários que desenvolvessem um jogo que vendesse, no mínimo, um milhão de cópias e que substituísse o Alex Kidd como o mascote da empresa. Para isso, uma competição interna foi realizada para apresentarem um personagem carismático, e o vencedor foi o Mr.Needlemouse de Naoto Ohshima, personagem que eventualmente foi renomeado para Sonic.

    Ao apresentar seus conceitos para Nakayama, Ohshima disse que imaginava um jogo onde o personagem pudesse correr por loopings e utilizasse o próprio corpo para atacar inimigos. Ao ouvir essas palavras, Nakayama disse: "A pessoa que pode fazer um jogo assim é o Yuji Naka", um talentoso programador que estava se destacando dentro da SEGA pelo seu bom desempenho em jogos como Phantasy Star e Fatal Labyrinth.

    O desenvolvimento teve várias ideias pensadas e descartadas, além de intervenções da SEGA Americana que suavizou o personagem para ter um apelo mais ocidental, já que desde o início, o objetivo era que o jogo atingisse com força o mercado americano.

    Inicialmente, o Sonic teria presas, uma namorada humana "boazuda" e seria o vocalista de uma banda de Rock, além de ter uma aparência bem mais característica dos desenhos japoneses e ser mais agressivo. Quando o personagem chegou a SEGA Americana, a gerente de produtos, Madeline Schroeder, suavizou o personagem removendo todos esses elementos e dando o aspecto mais "bonitinho".

    No entanto, as mudanças não agradaram nem um pouco a equipe de desenvolvimento e Schroeder teve que ir pessoalmente ao Japão para "racionalizar" do porquê o Sonic deveria seguir aquele estilo e, segundo ela mesma, "não foi um encontro agradável". No fim das contas, os desenvolvedores tiveram que ceder as mudanças, mas muito a contragosto. Em entrevista recente no documentário da G4 TV norte americana, o Yuji Naka disse:

    "Na época eu odiei as mudanças, mas olhando para trás hoje em dia, entendo que foi uma das razões pela qual o jogo foi bem sucedido".

    Com o jogo lançado em 23 de junho de 1991, ele se tornou instantâneamente um sucesso e em pouco tempo se tornou o título mais forte comercialmente do Mega Drive. Sucesso em vendas, a SEGA Americana continuou com seu marketing agressivo e colocou um comercial em horário nobre com duas TVs de 32 polegadas, que para a época eram enormes, comparando o Sonic The Hedgehog com o Super Mario World para o recém chegado Super Nintendo.

    O consumidor olhava para ambos os jogos e via que o Mega Drive era mais barato, e que o jogo do Sonic parecia ser mais divertido do que o do Mario. A escolha do horário nobre veio propositalmente para atingir o máximo de espectadores o possível de uma única vez, já que a SEGA podia levar um processo da Nintendo e ter o comercial suspenso da TV, já que estava utilizando a imagem do Super Mario World sem autorização. No entanto, a Nintendo não só não processou, como "entrou na brincadeira" e passou a fazer comerciais ridicularizando a SEGA.

    Com o sucesso em vendas, Tom Kalinske chegou a conclusão de que a única forma do Mega Drive superar as vendas do Super Nintendo seria incluir o jogo do Sonic junto com o videogame. Só que novamente, os japoneses não gostaram da ideia e dessa vez quem foi ao Japão foi o próprio Kalinske conversar pessoalmente com o presidente Hayao Nakayama. Segundo informações, Nakayama disse:

    "Nós fazemos dinheiro com os softwares, ou seja, os cartuchos, e você quer colocar o nosso principal jogo junto com o videogame? Você só pode estar louco!"

    Kalinske foi bem enfático de que essa era a única solução para que o Mega Drive superasse as vendas do Super Nintendo. Nakayama ficou nervoso, jogou cadeiras no chão, foi até a porta e disse para Kalinske: "Você acha mesmo que assim a gente derrota a Nintendo?! Então faça!" e bateu a porta.

    A estratégia de Kalinske deu certo, e a Nintendo, pela primeira vez desde sua entrada no ramo de consoles, "perdeu seu reinado" e a SEGA ficou com 65% do mercado de videogames graças ao Sonic, que se tornou o mascote da empresa. Graças aos comerciais que comparavam ambos os jogos, as revistas da época que estimulavam a competição e cada um ser o símbolo de suas respectivas empresas, veio a rivalidade que todos nós conhecemos.

    E você? De quem gosta mais? Do Sonic ou do Mario? 

    23
    • Micro picture
      artigos · 5 months ago · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      muser · 5 months ago · 1 ponto

      Mario hoje, Mario amanhã, Mario sempre!!!

    • Micro picture
      kess · 5 months ago · 1 ponto

      Nenhum dos dois, mas é bom ver que conseguiram fazer uma disputa saudável, mas que infelizmente uma das empresas perdeu força, mas não necessariamente por causa de seu rival...

  • diegogonz Diego Gonz
    2018-10-18 12:54:37 -0300 Thumb picture

    Veja curtas metragens live-actions sobre Yakuza 6 da SEGA

    Medium 3679612 featured image

    Para promover Yakuza 6 em seu lançamento, a SEGA explorou personagens que vivenciaram aventuras com a lenda Kazuma Kiryu. Através dos olhos de alguns rostos que tiveram papéis pequenos em jogos anteriores, mas memoráveis, falam sobre a partes da trajetória do herói em Yakuza em suas vidas.

    "Os fãs vão se lembrar de Tatsu, Yuina e Haruka das sub histórias "Filho Pródigo", (Yakuza Kiwami), "The Bouncer" (Yakuza Kiwami) e "Another Haruka" (Yakuza 5)", disse o gerente sênior de RP da SEGA, Jacob Nahin, no PlayStation Blog. “Nesta série, nós nos encontramos com cada um desses personagens enquanto eles se lembram do tempo em que eles cruzaram seus caminhos com o Dragão, que não só se colocou em risco para salvá-los do perigo, mas também demonstrou uma generosidade e determinação que mudou suas vidas por anos que viriam".

    Vale lembrar que a SEGA no Japão, detentora da Atlus, é reconhecida não apenas pelos games, mas também por obter muito sucesso entre animações gráficas computadorizadas, ter parques infantis e de arcades para jogatinas, participar ativamente de eventos culturais do país e principalmente, por máquinas pachinko e de apostas, como em loteria Mega Sena aqui no Brasil e outros. Então, esta série junta um pouco de tudo isso, sendo de grande importância para o público japones, adquirindo muito sucesso no oriente.

    Cada trailer foi filmado em diferentes locais no Japão e fornecem um novo olhar à lenda de Kazuma Kiryu, como aqueles que vivem em seu mundo o veem.

    Yakuza 6 foi lançado 17 de abril nas Américas e na Europa para o PlayStation 4.

    Assista aos trailers abaixo.

    Capítulo 1: The Bouncer

    Yuina, uma respeitável dona de clube, lida com um cliente rebelde conforme se lembra da época em que conheceu Kiryu.

    Capítulo 2: Another Haruka

    Haruka nos leva de volta no tempo pelas ruas e parques da vizinhança em que cresceu.

    Capítulo 3: Prodigal Son

    Tatsu junta memórias espalhadas enquanto vaga pelas ruas do distrito de negócios que ele chama de casa.

    Sobre a série Yakuza

    Yakuza é um jogo de ação em mundo aberto criado pela SEGA em 2005. Trata-se de uma série de sucesso centralizada no mundo do crime organizado do Japão. Embora não diretamente relacionado e com muitas diferenças, muitos veem a série como um sucessor espiritual (e alternativa mais barata de produção) para Shenmue. A série já ganhou muitas sequências e spin-offs, e alguns dos jogos nunca ganharam uma versão ocidental.

    18
    • Micro picture
      artigos · 6 months ago · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • diegogonz Diego Gonz
    2018-10-02 21:54:55 -0300 Thumb picture

    ​RPGs clássicos que todo gamer deveria experimentar

    Medium 3676077 featured image

    Todos os anos são lançados diversos RPGs e nas últimas décadas o número de títulos disponíveis é praticamente imensurável. Apesar dessa quantidade enorme de lançamentos, apenas alguns desses títulos realmente possuem qualidades e características boas o suficiente para merecerem o precioso tempo dos jogadores.

    Nesse artigo, estão dois dos maiores RPGs clássicos e atemporais que já foram lançados para qualquer sistema, um JRPG e um RPG, que todo gamer precisa jogar pelo menos uma vez na vida. Então basta seguir algumas regras básicas e cair de cabeça nesses títulos.

    Foto por BagoGames/CC BY 2.0

    Vale a pena conferir a versão original de Final Fantasy VII (FFVII) antes da chegada do tão aguardado remake. Segundo jogo mais vendido do primeiro PlayStation, o título provou sozinho que havia uma audiência para os JRPGs no mercado ocidental e abriu o mercado para literalmente todos os títulos que vieram depois.

    A produção do game custou impressionantes 45 milhões de dólares e exigiu uma equipe de mais 100 funcionários, uma quantidade de recursos completamente sem precedentes para a época, mas que indubitavelmente resultou em um dos maiores clássicos da história.

    Grande parte disso ocorre porque o jogo apresenta alguns companheiros incríveis. Tifa Lockhart é considerada uma das melhores personagens coadjuvantes da história, mas todos eles têm muita profundidade e fazem sua jornada mais incrível apenas por estarem lá.

    A dinâmica das interações entre os personagens é muito leve e divertida, o que torna fácil perceber de onde surgiu a inspiração para o aclamado time do recente Final Fantasy XV. Por exemplo, durante as longas viagens, Barrett, o líder natural da trupe, repetidamente pergunta a Tifa quanto tempo ainda falta de uma maneira impaciente e engraçada.

    O apego inevitável que começamos a sentir pelos personagens também faz com que as diversas reviravoltas inesperadas e dramáticas no decorrer da história tenham um peso muito maior do que normalmente teriam.

    Algumas das suas cutscenes mais longas inclusive contam com mais de 40 minutos e a soma de tudo isso serve para tornar o jogo praticamente um longo e incrível filme do qual o jogador pode ativamente participar. Isso, aliás, é um dos maiores elogios que se pode fazer a qualquer título de videogame.

     Foto por GOG/Divulgação

    Star Wars: Knights of the Old Republic (KOTOR) e a sua continuação, Star Wars: Knights of the Old Republic II: The Sith Lords (KOTOR II), são os dois melhores jogos de Star Wars já criados e alguns dos melhores RPGs de todos os tempos.

    Assim como FFVII abriu o mercado para os JRPGS, Kotor foi um dos principais responsáveis pela introdução de um sistema de moralidade no qual os jogadores podem gravitar em direção aos lados claro e escuro da força em função das suas escolhas ao longo da trama.

    Cada uma delas tem um impacto drástico no desenrolar dos acontecimentos e no final da história, o que aumenta muito o replay par descobrir como as coisas aconteceriam do outro lado da força.

    Assim como as classes escolhidas, já que em ambos os títulos o jogador eventualmente se torna um Jedi ou Sith, as escolhas morais também afetam os poderes que estão disponíveis para utilização. Além disso, elas também aumentam ou diminuem a eficiência deles de acordo com a afinidade do personagem principal em relação a um dos dois lados.

    A história de ambos ocorre aproximadamente 4.000 anos antes dos eventos que acontecem nos filmes da saga e é possível viajar por diversos planetas da galáxia, como Tatooine e Kashyyyk, para realizar a maioria das atividades incríveis mostradas nos vários filmes da franquia.

    Desde construir o próprio sabre de luz, passando por reunir uma equipe com diversos estilos de personagens clássicos e até chegar em dramáticos confrontos finais com mestres dos dois lados da força, os dois KOTORs dão ao jogador uma das experiências mais completas de Star Wars que se pode ter.

    De diversas maneiras diferentes, cada um dos RPGs mencionados nesse artigo ajudou a indústria de games a se tornar o que é hoje, revolucionou as expectativas do que os jogadores poderiam esperar e eventualmente se tornou um clássico.

    Jogar esses títulos nos dias de hoje é muito mais do que descobrir coisas boas do passado. Fazer isso é viver uma experiência única de história e evolução que qualquer jogador deveria experimentar pelo menos uma vez. 

    0
Keep reading → Collapse ←
Loading...