darleysantos676

Amante de games, música, séries e filmes, e crente no poder de formação de caráter dessas mídias!

You aren't following darleysantos676.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • peron Peron Queiroz
    2019-02-02 14:25:13 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Breath of Fire no Spotify

    A quem interessar possa, a Capcom disponibilizou oficialmente as trilhas sonoras dos três primeiros BoF no Spotify:

    Breath of Fire Sound Collection: https://open.spotify.com/album/3sVkuulTWK5S5HGeYX6t6f
    Breath of Fire II Sound Collection: https://open.spotify.com/album/6nJWvn5WMTaNJKKwUSiLKy
    Breath of Fire III Sound Collection: https://open.spotify.com/album/2IBb2ojl0DMaX0Mcga7skM

    Breath of Fire II

    Platform: SNES
    1076 Players
    57 Check-ins

    36
    • Micro picture
      jcelove · 7 months ago · 3 pontos

      Opa, som de qualidade

    • Micro picture
      avmnetto · 7 months ago · 3 pontos

      BoFIII: Uma das melhores trilhas sonoras de todos os tempos.

      1 reply
    • Micro picture
      mateusfv · 7 months ago · 3 pontos

      Se o Spotify começar a ter bastante trilha dos joojs, aí na vou ter mais motivo pra baixar nenhuma hsushsh

  • jonomaia João Gabriel Maia
    2019-02-02 16:34:36 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    DUSK: Um tributo para além do passado

    Medium 3701532 featured image

    Ao longo da história do video game, o gênero First person shooter transitara por diversas fases e convenções. O que hoje assimilamos como o padrão contemporâneo do FPS não necessariamente condiz com muito do que era produzido há decadas atrás.

    Esta análise do jogo DUSK, que busca se vender como um throwback à era de ouro dos jogos de tiro em primeira pessoa, destrinchará elementos que tal nos apresenta levando em consideração quais são suas propostas, discutindo seus pontos positivos e negativos na experiência.

    Autor: Meu primeiro contato com qualquer tipo de video game se deu com Wolfenstein 3D. Desde então dediquei milhares de horas à inúmeros exemplares do gênero, sendo um ex-jogador competente de Modern Warfare, dedicando 4000 horas em CSGO e outras centenas em seus antecessores. Após o início da vida acadêmica no curso de História, o estudo científico do video game fez-me fascinado pelo redescobrimento de clássicos da indústria, análises técnicas relativas a performance e gamedesign e hoje elenco DOOM – 1993 - como uma das obras de arte coletivas mais fantásticas da modernidade.

    ____________________________________________________________________

    DUSK - A PROPOSTA

    ____________________________________________________________________

    Desenvolvido por David Szymanski e distribuido por New Blood Interactive, DUSK se apresenta como um retorno a um mundo de jogos em que parte essencial de sua filosofia é o Mastering – Domínio – de suas mecânicas e sistemas. Como descrito em sua página na loja virtual STEAM, o jogo busca inspiração em clássicos do gênero como Doom, Quake, Blood, Heretic, Hexen, Half-life, Redneck Rampage e “todos os seus clássicos favoritos dos anos 1990”. Porém, Dusk não é o único a clamar tal feito – ou se arriscar a fazê-lo – como já vimos em Amid Evil, Strafe, Devil Daggers, Immortal Redneck. O que diferencia Dusk neste vasto espectro de cultura retro que vemos hoje?

    ____________________________________________________________________

    Acessibilidade - look feel & Sound

    ____________________________________________________________________

    Dusk pode ser visto como um dos melhores exemplos da reprodução da mentalidade dos FPS antigos com a intuitividade de hoje. Uma rápida navegação pelas opções do jogo nos revela uma pluralidade de opções que nos permite mudar os visuais, o controle e sons do jogo de formas interessantes

    Em visuais, as opções convencionais como resolução, tamanho da tela e sincronização Vertical estão presentes ao longo de outras muito requisitadas porém muitas vezes esquecidas por outros jogos como a barra de modificação do campo de visão, tamanho do modelo da arma na tela, limitação da taxa de quadros, customização da paleta de cores dos gráficos e da retícula de mira. Também somando ao conjunto, o jogador tem opções de pós processamento de imagem a ativar ou desativar, como Bloom, Light Flares, Pixelização, filtro bilinear e mais com toda a explicação necessária em quadros de ajuda sobre todas as opções disponíveis.

    Já no campo “Feel”, temos acesso a controles e outras opções como dificuldade e efeitos específicos. As dificuldades estão divididas entre 5 predefinições que vão de um “muito fácil a um frustrantemente difícil” que serão melhor discutidas adiante.

    Outras opções contam com animações de câmera (ao tomar danos por exemplo), a movimentação da arma durante a corrida, outros tipos de controle sob a água e no ar, além de sensibilidade do mouse, mira automática, habilitar controles e joysticks, trocar de armas automaticamente ao pegar e muito mais.

    Na área do som, o jogo é mais limitado, permitindo ao jogador somente o alterar do volume geral e volume da música. Ainda que não faça tamanha falta, talvez algumas opções a mais como regular o volume das armas e das vozes de “narração” ao fundo, Stereo, 5.1 ou outros tipos de áudio seriam tão bem-vindas como as inúmeras opções de vídeo.

    ____________________________________________________________________

    Trilha sonora

    ____________________________________________________________________

    A trilha sonora é um ponto a se atentar no jogo. Composta por Andrew Hulshult, as músicas transitam entre a ambientação macabra na maior área das missões e o metal agressivo reservado às sessões de combate e chefes principais ou momentos de tensão, lembrando fortemente Quake e Doom respectivamente.A trilha produzida tem muita qualidade e se funde bem com o tema do jogo. Acrescento apenas que talvez fosse bem vinda a adição de maiores sessões mais aceleradas para acompanhar o ritmo do combate do jogo.

    ____________________________________________________________________

    TECH

    ____________________________________________________________________

    Uma boa notícia aos que jogam em plataformas menos poderosas, os requisitos necessários para se jogar Dusk até mesmo em suas melhores opções são consideravelmente simples para os padrões de hoje, o que faz com que ainda mais pessoas tenham a possibilidade de jogar. O único problema que experienciei foi uma certa estranhesa com o movimento do mouse, um certo delay parecido com o causado por efeitos como de sincronização vertical, mas fora resolvido com alguns minutos de exploração nas opções.

    PC de análise: GTX970 OC Edition. 16gb RAM. FX8370E 4.2Ghz. SSD Galax 120gb

    __________________________________________________________________

    O que faz de Dusk bom não é o fato de ser retro ou nostálgico. O que o torna bom é o fato de ser um jogo bom de verdade. De abraçar sua causa e defendê-la com maestria.

    _____________________________________________________________


    ____________________________________________________________________

    Campanha e Level Design

    ____________________________________________________________________

    A campanha de DUSK é dividida em três capítulos, mais uma vez relembrando os clássicos FPS. Cada um destes explora mais a fundo algumas temáticas estéticas e mecânicas de gameplay – The Foothills, The Facilities, The Nameless City. Assim como vemos uma transição dentre os cenários de Doom, passando pelas instalações da UAC, pela fusão da UAC com porções do inferno e por fim o próprio inferno, Em Dusk, caminhamos igualmente por sessões distintas, sendo a primeira as áreas abertas, pântanos, plantações e cenários rurais. Adiante, The Facilities insere o player em ambientes confinados de zonas industriais repletas de maquinário, ferrugem e militares possuidos. Ao final, The Nameless City pode ser vista como o “inferno” de Dusk, onde o player começa a se aventurar por cenários muito mais sobrenaturais.

    Em si, os mapas oferecem desafio interessante tanto nos combates quanto no seu design muitas vezes labiríntico. Para os com boas memórias de Quake, Hexen, Heretic e outros do gênero, Dusk oferece uma experiência que é similar o suficiente para invocar nostalgia e nova o suficiente para se apartar como algo novo. E isso é ótimo.

    As críticas na questão do Level Design vem em dois pontos principais: alguns dos cenários são confinados demais e acabam por “colidir” demais com a movimentação frenética. Somando alguns projéteis grandes e numerosos inimigos, alguns ambientes se tornam limitantes demais.

    Apesar dos pesares, Dusk consegue aproveitar bem de seu level design e estética até mesmo na hora de produzir cenas grandiosas ou com grande sensação de escala. Talvez um maior proveito deste potencial possa tornar o jogo mais “espetacular”. É interessante notar, em outro ponto positivo, que o estilo de gráficos adotados toma um rumo muito mais interessante que outros “retro-shooters”, justamente por não tentar tornar o “lo-fi” – a baixa qualidade de texturas – algo diferente. Dusk realmente se parece um jogo antigo! Não apenas um jogo novo tentando se passar por antigo. Este abraça sua estética e tem fé na sua caracterização, no design de seus personagens e cenários, o que o torna “bonito mesmo sendo feio”.

    Neste mesmo contexto, o jogo faz uso do environmental storytelling de maneira bem convincente – enredo contado pelo ambiente. A passagem de missões, os cenários do mundo, escritos nas paredes e transições revelam aos poucos contos de uma interessante trama ocultista e sobrenatural, somando-se aos pequenos excertos de texto nos finais de capítulos.

    ____________________________________________________________________

    Inimigos e chefes

    ____________________________________________________________________

    A apresentação dos inimigos é feita de maneira extremamente eficaz, onde cada um é trazido ao jogo aos poucos para que o jogador aprenda a lidar com cada um destes de forma progressiva e isso é algo essencial ao notarmos que cada inimigo possui atributos bem diferentes entre si, como tipo de ataque, velocidade, resistência e até mesmo silhueta.

    Algo que seria bem vindo é uma maior experimentação entre inimigos e cenários. Doom original de 1993 brinca com ideias de compor inteiras sessões ou mapas com apenas um tipo de inimigos por exemplo. Em algumas salas, o player se depara com configurações diferentes destes ou posicionamentos peculiares de cada um no mapa. Esse tipo de level design fora da caixa poderia acrescentar um certo charma a mais ao jogo.

    Ao final de cada capítulo e em partes intermediárias, Dusk nos coloca em arenas para enfrentar Chefes e Sub-chefes. É uma adição interessante para constratar com os inimigos normais, que atacam em grandes quantidades.

    Ainda assim, um ponto que poderia ser aprimorado em futuros jogos do desenvolvedor ou na mentalidade de tais jogos é enriquecer e variar o desafio destes chefes. Quando paramos para analisar, vemos que o desafio que o jogador enfrenta nestes é demasiadamente semelhante entre os vários bosses que nos deparamos. O inimigo dispara uma série de projéteis em sequência, se movimenta rapidamente perseguindo o jogador e resistindo a uma maior quantidade de dano. O único momento que vemos uma mudança maior – e muito bem vinda – diz respeito à fase final do último inimigo, Nyarkathitep, em que o jogador precisa desviar dos tentáculos da criatura e descobrir a fraqueza do vilão – a luz – quebrando as rachaduras que previnem o sol de iluminá-lo e permitir que dano seja causado.

    Ponto final a se atentar é o balanceamento das dificuldades. Durante o gameplay senti um pulo um pouco desproporcional da dificuldade entre a média e dificil, em que a mediana acaba por ser um “passeio no parque” e a dificil um pouco irritante em alguns momentos. Já a dificuldade máxima, como a descrição diz, consumirá sua alma de ódio. Mas é uma adição interessante e bem vinda

    ____________________________________________________________________

    Arsenal

    ____________________________________________________________________

    O equipamento bélico que os developers nos presenteiam vão de pistolas, metralhadoras, escopetas à bestas e lança-granadas. De forma convincente, a maioria das armas consegue preencher um espaço de utilidade distinto. As pistolas e metralhadoras servem como equipamento para despachar os inimigos mais fracos ou mais distantes, enquanto a escopeta os elimina de forma mais rápida em curtas distâncias. O Rifle de ferrolho tem dano consideravelmente superior a estas e abate inimigos mais fortes a longas distâncias com poucos disparos e o lança granadas e o riveter causam dano ainda maior, em área e de forma muito mais espetacular, porém, o projétil tem de ser disparado considerando sua velocidade.

    Onde o jogo peca é em inserir algumas armas que acabam por não ter muito sentido ou poderiam ter sido simplificadas ou redirecionadas como secundárias em outras armas já existentes. Exemplos: a pistola, além da convencional, pode ser usada em dupla. Porém, a pistola dupla poderia ser deixada de lado e um maior foco dado à metralhadora. Ambas usam tipos diferentes de munição, o que faz com que algumas vezes nos vemos obrigados a usar as pistolas – que são pouco eficazes em partes posteriores do jogo. O rifle de caça e a besta também são duas que poderiam ter se fundido. A principal diferença entre ambas é o fato do projétil do arco ser mais lento e atravessar múltiplos inimigos. Acredito que seria mais eficiente ao jogador somar os efeitos das armas em apenas uma, diminuindo um pouco mais o arsenal de armas que acabamos por usar pouco e extender demais as possibilidades, o que as vezes acaba por se tornar problemático por confundir um pouco o jogador na velocidade do combate.

    A mesma experimentação descrita no que diz respeito ao level design e uso de inimigos de formas diferenciadas poderia contemplar as armas. Ainda que perfeitamente atendendo às necessidades, seria interessante vermos ao menos uma arma que se sobressaísse no jogo, assim como Doom possui BFG e Quake introduziu o lança-granadas com a física até hoje aplicada, Half-life traria lança-foguetes teleguiados e armas armas alienígenas insetoides. Vemos uma pequena fagulha disso com os cristais da loucura – cristais espalhados em alguns cantos do mapa que, ao serem atirados os inimigos, os fazem se voltarem contra si mesmos – mas que não é demasiadamente aproveitado. Mesmo assim, é algo a chamar a atenção.

    ____________________________________________________________________

    Preço

    ____________________________________________________________________

    Sendo desenvolvido por apenas um homem, apresentando conteúdo suficiente para satisfazer boas horas de jogo e não só com quantidade, mas com qualidade – além do multiplayer que não fora discutido aqui - o preço de R$37,00 me parece extremamente justo. Caso para você não seja, em uma futura promoção, não deixe de comprar 

    ____________________________________________________________________

    Conclusão

    ____________________________________________________________________

    Dusk é uma homenagem ao passado suportada pelo futuro. Não tem medo de se apoiar no material que o inspira mas reconhece a necessidade e importância do novo e do intuitivo. Aprimorado por uma trilha sonora diferenciada e um gameplay flúido e extremamente competente, Dusk é um dos melhores, ou talves o melhor throwback aos clássicos do FPS desenvolvidos até os dias de hoje. Ainda assim, possui certos problemas no gameplay, level design e sistemas que o impedem de ser um jogo perfeitoLink Para Compra:

    https://store.steampowered.com/search/?term=dusk

    ____________________________________________________________________

    Acompanha a gente S2

    João Gabriel Maia

    Sobre o autor: Formado em História pela universidade federal de Uberlândia, apaixonado e curioso pelo universo do video game e “músico desprofissional” há 10 anos.

    https://open.spotify.com/show/3vuHkXmewsXkyLvf1vNnSY#upsell

    https://soundcloud.com/tru_cast">https://soundcloud.com/tru_cast

    https://www.instagram.com/tru.cast/

    12
  • hard_frolics David Waters
    2019-02-02 18:51:30 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Mega Man e Foucault

    ...Eu preciso falar qual Mega Man foi o inicio do declínio e o fim da essência dentro de toda essa questão filosófica que pode ser usada de forma simples dentro de game design!? 

    PS: Estou tentando me afastar de redes sociais, mas não dessa, só que tomar um tempo fora no geral faz bem :)

    Mega Man X5

    Platform: Playstation
    4765 Players
    93 Check-ins

    21
    • Micro picture
      fla14 · 7 months ago · 2 pontos

      A Ciel deve ter vivido quantos anos?

      1 reply
  • anduzerandu Anderson Alves
    2019-02-02 22:02:39 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Registro de finalizações: Horizon Zero Dawn

    Zerado dia 02/02/19

    O ano é 2017. Breath of the Wild ganha o prêmio de jogo do ano (mais do que merecido) mas nem todo mundo curtiu isso. Vi um bocado de gente falando que o jogo ganhou pela popularidade da série e que Horizon Zero Dawn merecia muito mais! Eu já queria muito jogar a aventura da Aloy mas esse hype todo em cima do jogo tava me matando de curiosidade. Imagine o visual das florestas, matando robôs num jogo d emundo aberto! Não tem como dar errado!

    Pois bem, peguei HZD emprestado junto a outros 3 jogos, incluindo o The Last Guardian e o novo Shadow of the Colossus, ambos que já postei aqui recentemente, e chegou a hora de finalmente jogá-lo.

    Eu postei aqui que me surpreendi muito com o mais recente God of War, pois o jogo é incrível de várias maneiras (embora não seja perfeito) mas Horizon foi exatamente o oposto: eu achei o jogo terrível. É sério. Eu vi tanta coisa mal executada ou mal pensada nesse jogo que nem sei se vou ter a capacidade de falar sobre tudo, mas enfim, se você for fanboy do jogo e não gosta que falem mal, talvez seja melhor parar de ler por aqui, e se continuar saiba que as minhas análises dificilmente puxam pro pessoal ou nostalgia. Basicamente, eu só vou dizer quais foram as minhas impressões, ok?

    Então, o jogo começa legalzinho. Seções lineares, mostrando as belezas da natureza e as texturas incríveis das roupas e modelos dos personagens. Logo são apresentadas mecânicas básicas, como o stealth e o uso do arco e flechas para caçar. A protagonista, Aloy, tem um dispositivo que permite escanear os arredores para ter noção de onde os inimigos estão e até o percurso que eles farão! É legal porque faz sentido, afinal, são robôs!

    O cenário tem plantas em destaque para serem coletadas e usadas como medicamento. Outras, junto com partes que você coleta de robôs derrotados, podem ser usadas para confeccionar munição, poções e afins. Tudo é simples e fácil.

    Esse jogo é um FUCKING ASSASSIN'S CREED! Um AC com elementos de The Last of Us, Tomb Raider e até Batman Arkham. É como se ele fosse uma grande mistura de vários jogos grandes, e isso é bom e ruim ao mesmo tempo.

    Passado o início linear do jogo e a apresentação de um bocado de personagens que acabaram sendo relevantes, o jogo te joga no seu grande mapa. Ande daqui pra lá, depois de lá pra cá etc. Nas primeiras horas, os primeiros mapas são legais, mas eles nunca realmente vão ficar diferentes. Tem partes com mato, outras no deserto, outras no gelo, mas eu nunca sei onde realmente estou a menos que eu fique olhando o mapa, pois tudo se parece com o início. É sempre a mesma coisa, com exceção das raras vezes que chove ou anoitece e a lua cheia faz a grama brilhar lindamente.

    Ainda assim, eu sempre acho que estou em um lugar e quando abro o mapa, estou no lado oposto!

    Quem já jogou qualquer coisa de mundo aberto, nem que seja GTA III sabe que o cenário deve ter elementos que te localizem visualmente! Mas deu pra ignorar esse fator graças ao marcador de missão principal que fica constantemente na tela. Siga ele e seja feliz.

    Mas é o mapa que insiste em ser chato. As missões te obrigam a ir de um lado a outro sempre super distante! Como você sempre tivesse que ir de uma extremidade a outra constantemente.

    Porque isso é ruim? Primeiro que é chato. Ir a pé demora muito e sempre há robôs te enchendo o saco e depois que eles engatarem a batalha, fugir é um saco e lutar contra 5 deles (algo normal) te deixa em uma super desvantagem. A solução é andar e caçar uma montaria, mas a habilidade de domá-los não é dada exatamente no começo e só alguns tipo de inimigos podem ser montados. Tem como ver no mapa onde tem montarias, mas muitas vezes eles estão longe e você acaba andando por 20 minutos só de raiva (fast travel só pode ser usado para localizações já visitadas e ainda custa um item específico).

    Em segundo lugar: o jogo não proporciona o que todo jogo de mundo aberto oferece que é a exploração dos arredores mandatória. Em Red Dead Redemption, por exemplo, você fica na fazenda e resolvendo coisas por lá. O jogo progride, você vai pra primeira cidade e SEMPRE fazendo reconhecimento, aprendendo o mapa e sabendo onde está (ou tendo uma noção). HZD caga pra isso e como eu disse, fica te mandando de um ponto a outro mais distante e pouco se importa com a sua imersão e se quiser conhecer o mapa e tentar decorá-lo, por ser tudo tão igual, que fique dando volta que nem besta.

    Seja andando ou cavalgando, os monstros vão continuamente encher seu saco. E embora eu AME o design desses animais cibernéticos, eu acaba evitando passar perto de seus campos de visão pela batalha nesse jogo ser tão chata. Quando um inimigo te ataca, ele ACABA com seu HP e seus golpes são quase sempre injustos, por exemplo:

    -o tigre carrega uma patada, você rola, rola, rola e ele ainda consegue te alcançar. Isso aconteceu tanto que comecei a evitá-los completamente.

    -um robô carrega um golpe em área, que fica sinalizado no chão. Eu rola pra fora da marcação e ainda assim sou acertado. Frustrante. É muito chato não ter liberdade de andar ou explorar porque você tá sempre sendo alvo de mil inimigos e sempre procurando evitar passar perto deles.

    Juntam 3 inimigos em cima de você e prepare-se para dar o melhor de si. Se der sorte você consegue fugir, sobretudo nas primeiras missões. Dependendo da área e inimigo, uma luta pode levar tempo demais!

    Pra completar, bater em robô é como bater em pedra. Não tem graça! Você bate com o taco nele e o maldito mal reage, e no máximo solta um choquezinho. Eu gosto da satisfação de ver meus golpes surtirem efeitos. Até meter uma flecha forte em um ponto fraco é super sem graça.

    Na hora de fugir, explorar e mesmo continuar no seu caminho na natureza, não dá pra entender exatamente o que fazer em diversas partes. Não estou dizendo que o jogo tem que me segurar pela mão, mas não fica muito claro com o que posso interagir. Acaba que eu saio pulando em cima de pedras e escalando com os pés pelo cenário de forma louca como num jogo 3D do Sonic. Nem Skyrim era tão zoado!

    Isso se torna um problema justamente quando você está em combate. Rochas te atrapalham a todo momento, você rola e uma pedra te para como se fosse uma parede e sempre te fazem perder o ritmo em partes de parkour e tal. De forma resumida: colocaram tanta coisa desnecessária no mapa que só atrapalha, mesmo pra visualizar o cenário!

    Em alguns chefes isso é elevado a décima potência: um monte de metal pra toda parte, você pulando tentando se livrar do monte de mini paredes enquanto o inimigo está mirando um laser em Aloy e caras atiram flechas, você tenta escalar uma pedra que obviamente é escalável mas a personagem não escala. Já aqueles destroços grandões vão te proteger dos mísseis do chefe, né? Opa, que nada!

    Falando em visualização, HZD é MUITO zoado com a quantidade de informação na tela. Em uma cidade, parece MMO, mostrando ícones de missões principais e secundárias, lojas, pessoas de interesse etc mesmo quando eles não estão no seu campo de visão. Felizmente consegui esconder muitos ícones do hud nas opções, mas isso não impediu de continuar cheio de informação desnecessária.

    Os gráficos começam a ficar sem graça quando você percebe que tudo é bem robotizado e que a Aloy, e alguns outros personagens importantes, tem um tratamento especial com expressões faciais e tal. Uma coisa que começou a me dar agonia é a expressão corporal dos personagens, que é meio que igual pra todo mundo, com aquela instância "Velozes e Furiosos". Aliás, as falas e a estória do jogo são bem hollywoodianas também, algo que eu definitivamente não esperava. Velho, que jogo genérico!

    Se você buscar imagens do jogo no Google, vai perceber que 90% não representa o visual ingame desse título, mas sim imagens publicitárias ou feitas no seu modo foto. Pura ilusão.

    Entediado com os cenários iguais, combate meh, stealth nem sempre funcional, IA ridícula ou injusta, fraqueza da Aloy e personagens e falas que ficam se repetindo a toda hora, como se o jogador fosse um imbecil e não conseguisse acompanhar o enredo (que pra dizer a verdade, é uma parte boa do jogo), eu não via a hora de terminar a jogatina, então fui no gamefaqs.com conferir quantas missões principais são e mais ou menos onde eu já estava (faço isso bastante com jogos por missão/capítulos mais longos pra localizar meu progresso e me surpreendi que estava bem perto do final). Eu não sabia se ficava feliz em acabar logo ou triste em saber que o jogo nunca engataria pra mim.

    Fui jogando e a próxima missão não tinha o nome que deveria ter, então voltei no site pra descobrir algo bizarro: imagine que o jogo tenha 22 partes em missões principais. Seguindo apenas o único indicador pra onde ele me mandava, eu fiz: 1, 2, 3 até a 12. Depois disso, pulei pra 18 e assim por diante. Bem que eu achei que o jogo tava bem difícil.

    Depois o jogo, ao invés de me mandar da 20 pra 21, me mandou pra 13, 14 e assim por diante, até chegar na 17 e depois continuar na 21 e assim por diante. Como isso não afetou diretamente o contexto das missões, eu julguei que seria como GTA, em que você pode seguir as missões que quiser, mas deve fazer todas pra continuar depois de um certo ponto. Mas, repetindo, eu só segui onde a marcação me mandava o tempo todo.

    Resumindo: Horizon Zero Dawn é um jogo "ok". É bonito, mistura elementos de diversos jogos em uma ideia mito legal: tribais contra máquinas futuristas. A ideia é boa, mas a execução não é. Essa foi a maior decepção com videogames que tive em muito tempo, ainda mais por ser exclusivo e por tudo o que poderia ser. É o pior jogo do mundo? Não, mas na época do PS3, HZD seria só mais um jogo mais ou menos.

    De bom: bonito em relação à texturas, modelos de personagens, luz solar ou da lua refletindo no mapa. Sistema de upgrades e habilidades, assim como de equipamentos (que mudam sua aparência mesmo). Robôs muito legais (adorei um boss que é um boi). Enredo intrigante que me deu vontade de jogar no nível mais fácil só pra continuar a estória (inclusive, parece que qualquer coisa entre as cinemáticas é irrelevante no progresso da narrativa). rilha sonora maneira e os sons dos inimigos são demais!

    De ruim: quase tudo. O jogo é chato e há zero satisfação em combater, destruir uma máquina ou eliminar inimigos no stealth. Inclusive, os inimigos te acham quando você faz algo no stealth, é muito zoado. Cenários irregulares e as vezes confusos e frustrantes. A Aloy é fraca tanto pra bater quanto pra tomar dano. Matar inimigos grandes leva tempo e dificilmente compensa o número de flechas que você usou ou teve que confeccionar durante a batalha. O jogo força constantemente a protagonista a ter uma personalidade forte, mas suas respostas são muitas vezes sem fundamento e eu só conseguia me perguntar: "de onde saiu esse desenvolvimento de personagem?" Cenários parados, bem chatos e parecidos. Necessidade de se locomover constantemente para longe e nunca aproveitar onde você está, assim como a necessidade de ficar achando montaria, pois se você entra numa cena, a que você já tem, desaparece. O jogo sempre mostra a sua personagem com o equipamento atual nas cenas, mas por algum motivo nas missões finais, ela só aparecia com a roupa "default". Zero imersão graças ao número de informações na tela, a distância da personagem da câmera e os cenários, que não dão uma sensação de mundão, mas de uma área comum. Pouquíssima variedade de inimigos. Muitos problemas de tradução (textos). Loadings terrivelmente longos, seja pra iniciar o jogo, voltar à vida ou fast travel.

    No geral, eu acho que finalmente entendi porque a versão completa de Horizon é praticamente dada pelas lojas por aí. É um jogo sem graça. Sem sal. E que quase me matou de tédio. Possivelmente o jogo relevante mais fraco que joguei no PS4, uma grande decepção que nem tem cara de exclusivo, que me fez não querer voltar a jogar e o deixar em hiato por dias e mesmo mais de uma semana numa outra vez. O final dá o entender que pode haver uma continuação, e eu jogarei, claro, mas esperando que mudem um pouco a fórmula e o deixem mais interessante e original e que invistam menos tempo animando a cara da Aloy e mais no fator diversão. Passável.

    Horizon Zero Dawn

    Platform: Playstation 4
    1405 Players
    777 Check-ins

    31
    • Micro picture
      marviiu · 7 months ago · 2 pontos

      Para mim foi um parto terminá-lo também. O que me motivou foi querer saber o que tinha ocorrido naquele mundo. Os encontros com robôs maiores que me desmotivavam.
      Não sei se vc chegou a comprar, mas chegou um momento que eu também estava frustrado com a viagem rápida ser tão complicada, mas os vendedores tem um item de viagem rápida infinita. Aí resolveu meu problema.

      2 replies
    • Micro picture
      kleber7777 · 7 months ago · 2 pontos

      Você tem uns pontos bem interessantes. Bacana ver um ponto de vista diferente. Eu adorei o jogo.

    • Micro picture
      sergiotecnico · 7 months ago · 2 pontos

      🤷‍♂️

      2 replies
  • 2019-01-30 17:57:42 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Ranking Mensal de Dificuldade - Dezembro 2018

    Olá @platinadores! Fechando o último ranking mensal de 2018 temos um novato no primeiro lugar, @ike_teshima conseguiu se destacar sem ter nenhuma platina no mês! @xande38 retorna aos destaques mensais na segunda posição. @srnicko012 conseguiu umas coroas de desempenho, mas também aparece por aqui, mostrando que não foi só quantidade os troféus conquistados. @trycster pode estar em último ranking geral da série A, mas aqui está entre os cinco primeiros. E @matheusps92 fecha o nosso top 5.

    Eis o ranking do mês de Dezembro:

    CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

    CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

    Nosso Top 5:

    Marcando os esforçados:

    Boa caça!

    Wild_Dark_Shadow (@wild_dark_shadow) | bmslf (@bymyself) | diogopaixao (@diogo_paixao) | u3_Marcos (@supermarcosbros) | SladerAngel (@sladerangel) | TheLastNineDays (@matheusps92) | misterpumpkin97 (@misterpumpkin) | ExuGuerreiro (@leopoldino) | Fanherine (@fanherine) | igor_park (@igor_park) | DragonMaxpower (@z3karlos) | TheGamerClubber (@andre_andricopoulos) | LucasBarcelos29 (@lucasbarcelos5) | msvalle2011 (@msvalle) | TirantValzy (@valvatorez) | JhunVallim (@jhunvallim) | RiFF_Ric (@ricriff) | Rafaelnasso (@rafaelseiji) | Vitor_Sephiroth (@bahamut) | pedrotriforce (@pedrotriforce) | ed_great (@edeziomatias) | ZandryX (@zandryx) | RockySilvaBR (@rockysilvabr) | havink (@havink | Barroq (@barroq) | jhonyfera-rio (@jhonyfera) | ragafe (@vianna) | Sr-Nicko (@srnicko012) | mbsierra (@mauriciobsierra) | RafaaaTheater (@rafaaatheater) | DeadMemories25 (@deadmemories25) | FaelRocker (@faelrocker) | cacotives (@cacotives) | CRISTALESCUITE (@cristalescuite) | Daniel_Canelinha (@daniel_sobreira) | bcns29 (@brunocesar10) | Marculin039 (@marculin0) | chimianopao (@chimianopao) | Hero-of-time-JJJ (@kratos1998) | Lu4n_N3rg1n0 (@luannergino) | PRMontanaro (@montanaro) | jonnykamui (@jonnykamui) | nery_de_lima (@emphighwind) | Andregemeo23 (@andrexdl23) | lKatsuragiKeima (@katsuragi) | GlacialZefie (@zefie) | Cris_bolla (@ccmendes) | MVRigonati (@mrigonati) | DanOrichalcum (@danielori) | Thraphik (@thraphik) | HilquiasCortez (@hilquias) | Eisfeld_L3al (@eisfeld_l3al) | SirXavier676 (@darleysantos676) | zirototoro (@zir0) | licatrek (@lica) | AlphaGaara (@alphagaara) | EridsonKess (@kess) | Bottignon_G (@gabrielbottignon) | sergiotecnicobr (@sergiotecnico) | Ramzarify (@ramzarify) | Matsugaki01 (@matsugaki) | lordxsnow (@kalasjunior) | darlanfagundes (@darlanfagundes) | blinknn (@blinkn) | superfuso10 (@gv_silva) | FredSeph (@fredson) | Neophytu (@neophytu) | AllanWerghi (@allanwerghi) | thiagofslima_ (@thiagofslima) | maninhodmj14 (@maninhodmj) | Renato1bmatos (@warbraz) | gregalexander00 (@gregalexander00) | Adriano__AA (@_adriiano) | Winterstadter (@bubdaniel02) | iketeshima (@ike_teshima) | Thiones (@thiones) | GhostSnakin (@ghostsnakin) | joey_edig (@ralphdro) | DantyBr (@game_zone) | kIeber7777 (@kleber7777) | Xande_38 (@xande38) | Norax_Trycster (@trycster) | rodrigoqueiroz (@rodrigoq) gus_geek (@gusgeek)

    __________________________________________________________________

    @marviiu

    Assassin's Creed Origins

    Platform: Playstation 4
    346 Players
    159 Check-ins

    26
    • Micro picture
      ike_teshima · 7 months ago · 1 ponto

      Olocooo hahaha 😁😁

    • Micro picture
      kess · 7 months ago · 1 ponto

      Último mês sem aparecer nessa lista.

    • Micro picture
      xande38 · 7 months ago · 1 ponto

      Caramba, consegui voltar ao topo desse tipo de ranking que é sempre mt disputado

  • 2019-01-29 23:27:15 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Atenção, @platinadores!

    Primeira badge do ano! O que não falta é jogo de zumbi, é só planejar bem.

    Romero ficaria orgulhoso!
    Conquiste a platina de um jogo com zumbis no dia 4 de fevereiro, aniversário de George Romero.

    Marcando o povo:

    Wild_Dark_Shadow (@wild_dark_shadow) | bmslf (@bymyself) | diogopaixao (@diogo_paixao) | u3_Marcos (@supermarcosbros) | SladerAngel (@sladerangel) | TheLastNineDays (@matheusps92) | misterpumpkin97 (@misterpumpkin) | ExuGuerreiro (@leopoldino) | Fanherine (@fanherine) | igor_park (@igor_park) | DragonMaxpower (@z3karlos) | TheGamerClubber (@andre_andricopoulos) | LucasBarcelos29 (@lucasbarcelos5) | msvalle2011 (@msvalle) | TirantValzy (@valvatorez) | JhunVallim (@jhunvallim) | RiFF_Ric (@ricriff) | Rafaelnasso (@rafaelseiji) | Vitor_Sephiroth (@bahamut) | pedrotriforce (@pedrotriforce) | ed_great (@edeziomatias) | ZandryX (@zandryx) | RockySilvaBR (@rockysilvabr) | havink (@havink | Barroq (@barroq) | jhonyfera-rio (@jhonyfera) | ragafe (@vianna) | Sr-Nicko (@srnicko012) | mbsierra (@mauriciobsierra) | RafaaaTheater (@rafaaatheater) | DeadMemories25 (@deadmemories25) | FaelRocker (@faelrocker) | cacotives (@cacotives) | CRISTALESCUITE (@cristalescuite) | Daniel_Canelinha (@daniel_sobreira) | bcns29 (@brunocesar10) | Marculin039 (@marculin0) | chimianopao (@chimianopao) | Hero-of-time-JJJ (@kratos1998) | Lu4n_N3rg1n0 (@luannergino) | PRMontanaro (@montanaro) | jonnykamui (@jonnykamui) | nery_de_lima (@emphighwind) | Andregemeo23 (@andrexdl23) | lKatsuragiKeima (@katsuragi) | GlacialZefie (@zefie) | Cris_bolla (@ccmendes) | MVRigonati (@mrigonati) | DanOrichalcum (@danielori) | Thraphik (@thraphik) | HilquiasCortez (@hilquias) | Eisfeld_L3al (@eisfeld_l3al) | SirXavier676 (@darleysantos676) | zirototoro (@zir0) | licatrek (@lica) | AlphaGaara (@alphagaara) | EridsonKess (@kess) | Bottignon_G (@gabrielbottignon) | sergiotecnicobr (@sergiotecnico) | Ramzarify (@ramzarify) | Matsugaki01 (@matsugaki) | lordxsnow (@kalasjunior) | darlanfagundes (@darlanfagundes) | blinknn (@blinkn) | superfuso10 (@gv_silva) | FredSeph (@fredson) | Neophytu (@neophytu) | AllanWerghi (@allanwerghi) | thiagofslima_ (@thiagofslima) | maninhodmj14 (@maninhodmj) | Renato1bmatos (@warbraz) | gregalexander00 (@gregalexander00) | Adriano__AA (@_adriiano) | Winterstadter (@bubdaniel02) | iketeshima (@ike_teshima) | Thiones (@thiones) | GhostSnakin (@ghostsnakin) | joey_edig (@ralphdro) | DantyBr (@game_zone) | kIeber7777 (@kleber7777) | Xande_38 (@xande38) | Norax_Trycster (@trycster) | rodrigoqueiroz (@rodrigoq) gus_geek (@gusgeek)

    OMG HD Zombies!

    Platform: Playstation Vita
    2 Players

    26
    • Micro picture
      zandryx · 7 months ago · 2 pontos

      Essa eu ainda não tenho e to guardado o TWD justamente p pegá-la kkkk

    • Micro picture
      edeziomatias · 7 months ago · 1 ponto

      Acho que não vai rolar pra mim mas boa sorte aos amigos!👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

    • Micro picture
      xande38 · 7 months ago · 1 ponto

      já tenho essa xD

  • jcelove José Carlos
    2019-01-28 14:50:52 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Re 2 Remake - Behind the scenes

    Making of curtinho com algumas das capturas de movimento e trabalhos no jogo

    Resident Evil 2 Remake

    Platform: Playstation 4
    322 Players
    144 Check-ins

    21
  • raiden Raiden
    2019-01-27 15:33:23 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    raiden checked-in to:
    Post by raiden: <p>Se o remake do primeiro game já estava sensacion
    Resident Evil 2 Remake

    Platform: Playstation 4
    322 Players
    144 Check-ins

    Se o remake do primeiro game já estava sensacional, esse daqui é uma verdadeira obra de arte!!!! Que jogo!!!! Já enfrentei vários chefes lendários e estou aproveitando cada momento desse remake. É mais do que um presente para os mais fanáticos da franquia (como eu) bem como para os novatos. Um verdadeiro jogo de SURVIVAL HORROR RAIZ e com o melhor: aquela belíssima homenagem em cada cena do game original de 1998 com muitas inovações e uma dose de desafio na medida!!! RE2 remake pra mim já é disparado um dos melhores títulos desse ano!!! JOGAÇO!!!

    22
  • 2019-01-24 12:30:29 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Ranking Semanal - Série B (24/01/2019)

    Olá , @platinadores! Faça sua contribuição para que tudo isto aqui ainda exista, acesse e doe: https://apoia.se/alvanista

    Como estão se saindo nas férias de verão? Muitas platinas?
    @kalasjunior continua sua escalada e passa por @darleysantos676!
    @maninhodmj passa por @mrigonati!
    É, pelo jeito o verão está sendo longe do videogame XD

    E eis o ranking da semana:
    Essa marcação não é automática, temos de conferir "na mão", pode haver erros. Não hesite em chamar nossa atenção.

    Nossos rankings serão publicados às quartas (ou quintas).

    Top 5:
    1º - gus_geek (@gusgeek)

    2º - kIeber7777 (@kleber7777)

    3º - Xande_38 (@xande38)

    4º - Norax_Trycster (@trycster)

    5º - rodrigoqueiroz (@rodrigoq)


    E o último lugar:
    41º - lKatsuragiKeima (@katsuragi)


    Marcando o povo da série B:
    Andregemeo23 (@andrexdl23) | lKatsuragiKeima (@katsuragi) | GlacialZefie (@zefie) | Cris_bolla (@ccmendes) | MVRigonati (@mrigonati) | DanOrichalcum (@danielori) | Thraphik (@thraphik) | HilquiasCortez (@hilquias) | Eisfeld_L3al (@eisfeld_l3al) | SirXavier676 (@darleysantos676) | zirototoro (@zir0) | licatrek (@lica) | AlphaGaara (@alphagaara) | EridsonKess (@kess) | Bottignon_G (@gabrielbottignon) | sergiotecnicobr (@sergiotecnico) | Ramzarify (@ramzarify) | Matsugaki01 (@matsugaki) | lordxsnow (@kalasjunior) | darlanfagundes (@darlanfagundes) | blinknn (@blinkn) | superfuso10 (@gv_silva) | FredSeph (@fredson) | Neophytu (@neophytu) | AllanWerghi (@allanwerghi) | thiagofslima_ (@thiagofslima) | maninhodmj14 (@maninhodmj) | Renato1bmatos (@warbraz) | gregalexander00 (@gregalexander00) | Adriano__AA (@_adriiano) | Winterstadter (@bubdaniel02) | iketeshima (@ike_teshima) | Thiones (@thiones) | GhostSnakin (@ghostsnakin) | joey_edig (@ralphdro) | DantyBr (@game_zone) | kIeber7777 (@kleber7777) | Xande_38 (@xande38) | Norax_Trycster (@trycster) | rodrigoqueiroz (@rodrigoq) gus_geek (@gusgeek)



    --
    @msvalle

    Borderlands

    Platform: Playstation 3
    1388 Players
    201 Check-ins

    22
    • Micro picture
      thiagofslima · 7 months ago · 2 pontos

      Mais parado que saci de patinete.

    • Micro picture
      kess · 7 months ago · 1 ponto

      Agora saio da estagnação. RE2 vai me dar pelo menos uma colocação. E 32º vai ser a minha melhor colocação!

    • Micro picture
      xande38 · 7 months ago · 1 ponto

      3 uhul

  • 2019-01-26 22:19:44 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Ranking Semanal de Desempenho (31/12/2018- 06/12/2019)

    Olá @platinadores! Parece que os cinco primeiros da série A estão jogando bastante para ultrapassarem uns aos outros. Agora foi a vez de @edeziomatias de conquistar a coroa, na primeira semana de 2019 e também pegando o último dia de 2018. Ele chegou a ter uma pequena competição com @srnicko012, mas foi difícil para o nosso vice lider pegar mais de 3000 pontos nesses 7 dias. Mas é só olhar o pdm que entenderemos como um número tão algo se alcança em uma semana. @leopoldino subiu para terceiro e está com um ótimo desempenho consecutivo no ranking. O antigo rei, cai para a quarta posição. E o sumido @fanherine resurge na quinta colocação.

    O rei da semana: @edeziomatias

    O ranking de desempenho será postado as quartas-feira devido a atualização do Mypst que elege o líder semanal neste mesmo dia. Para garantir que os troféus conquistados no domingo entrem na pontuação, mesmo que você atualize o perfil na segunda-feira.

    CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

    CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

    E o Top 5 é:

    1° - ed_great (@edeziomatias)

    2° - Sr-Nicko (@srnicko012)

    3° - ExuGuerreiro (@leopoldino)

    4° - ZandryX (@zandryx)

    5° - Fanherine (@fanherine)

    Boa caça!

    Wild_Dark_Shadow (@wild_dark_shadow) | bmslf (@bymyself) | diogopaixao (@diogo_paixao) | u3_Marcos (@supermarcosbros) | SladerAngel (@sladerangel) | TheLastNineDays (@matheusps92) | misterpumpkin97 (@misterpumpkin) | ExuGuerreiro (@leopoldino) | Fanherine (@fanherine) | igor_park (@igor_park) | DragonMaxpower (@z3karlos) | TheGamerClubber (@andre_andricopoulos) | LucasBarcelos29 (@lucasbarcelos5) | msvalle2011 (@msvalle) | TirantValzy (@valvatorez) | JhunVallim (@jhunvallim) | RiFF_Ric (@ricriff) | Rafaelnasso (@rafaelseiji) | Vitor_Sephiroth (@bahamut) | pedrotriforce (@pedrotriforce) | ed_great (@edeziomatias) | ZandryX (@zandryx) | RockySilvaBR (@rockysilvabr) | havink (@havink | Barroq (@barroq) | jhonyfera-rio (@jhonyfera) | ragafe (@vianna) | Sr-Nicko (@srnicko012) | mbsierra (@mauriciobsierra) | RafaaaTheater (@rafaaatheater) | DeadMemories25 (@deadmemories25) | FaelRocker (@faelrocker) | cacotives (@cacotives) | CRISTALESCUITE (@cristalescuite) | Daniel_Canelinha (@daniel_sobreira) | bcns29 (@brunocesar10) | Marculin039 (@marculin0) | chimianopao (@chimianopao) | Hero-of-time-JJJ (@kratos1998) | Lu4n_N3rg1n0 (@luannergino) | PRMontanaro (@montanaro) | jonnykamui (@jonnykamui) | nery_de_lima (@emphighwind) | Andregemeo23 (@andrexdl23) | lKatsuragiKeima (@katsuragi) | GlacialZefie (@zefie) | Cris_bolla (@ccmendes) | MVRigonati (@mrigonati) | DanOrichalcum (@danielori) | Thraphik (@thraphik) | HilquiasCortez (@hilquias) | Eisfeld_L3al (@eisfeld_l3al) | SirXavier676 (@darleysantos676) | zirototoro (@zir0) | licatrek (@lica) | AlphaGaara (@alphagaara) | EridsonKess (@kess) | Bottignon_G (@gabrielbottignon) | sergiotecnicobr (@sergiotecnico) | Ramzarify (@ramzarify) | Matsugaki01 (@matsugaki) | lordxsnow (@kalasjunior) | darlanfagundes (@darlanfagundes) | blinknn (@blinkn) | superfuso10 (@gv_silva) | FredSeph (@fredson) | Neophytu (@neophytu) | AllanWerghi (@allanwerghi) | thiagofslima_ (@thiagofslima) | maninhodmj14 (@maninhodmj) | Renato1bmatos (@warbraz) | gregalexander00 (@gregalexander00) | Adriano__AA (@_adriiano) | Winterstadter (@bubdaniel02) | iketeshima (@ike_teshima) | Thiones (@thiones) | GhostSnakin (@ghostsnakin) | joey_edig (@ralphdro) | DantyBr (@game_zone) | kIeber7777 (@kleber7777) | Xande_38 (@xande38) | Norax_Trycster (@trycster) | rodrigoqueiroz (@rodrigoq) gus_geek (@gusgeek)

    __________________________________________________________________

    @marviiu

    LittleBigPlanet 3

    Platform: Playstation 4
    522 Players
    36 Check-ins

    29
    • Micro picture
      igor_park · 7 months ago · 2 pontos

      Fiquei na beirada de entrar no top 5

    • Micro picture
      kess · 7 months ago · 2 pontos

      Tá quase chegando num top onde vou voltar a aparecer...

    • Micro picture
      edeziomatias · 7 months ago · 1 ponto

      Comecei o ano bem! 🤴
      Nem tinha essa noção kkkk

Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...