danethree

Enxergamos o passado, não podemos ver o presente e o futuro é como uma utopia. A vida é uma surpresa

You aren't following danethree.

Follow her to keep track of her gaming activities.

Follow

  • danethree Daniela Fialho D
    2016-12-24 22:42:19 -0200 Thumb picture
    danethree checked-in to:
    Post by danethree: <p>Um jogo cheio de surpresas e uma história emocio
    Final Fantasy XV

    Platform: Playstation 4
    2206 Players
    585 Check-ins

    Um jogo cheio de surpresas e uma história emocionante! Eu me apaixonei por esse jogo, e quero sugar cada gota deste jogo, de forma a completá-lo 100 %( estou tentando kk).Abaixo estão algumas screenshoots que eu tirei e algumas fotos de Prompto no meio

    Agora tenho uma pergunta para quem terminou o jogo, abaixo está um spoiler da história, com algumas imagens do final spoiler também(porque eu amo tirar fotos nos momentos mais épicos xD!).

    Acontece que não entendi o final da história na seguinte questão: afinal, Lunafreya morreu? Noct e Luna aparecem casados no final do jogo, eu não entendi nada. Achei que ela tivesse morrido na luta contra o Leviatã. Alguém consegue me explicar o que acontece nessa parte?

    8
  • danethree Daniela Fialho D
    2016-12-14 11:17:32 -0200 Thumb picture
    danethree checked-in to:
    Post by danethree: <p>Que jogo lindo !pensar que demorou tantos anos p
    Final Fantasy XV

    Platform: Playstation 4
    2206 Players
    585 Check-ins

    Que jogo lindo !pensar que demorou tantos anos para ser lançado.Vou compartilhar algumas screenshots com vocês!

    Foto de Prompto.Noctis nem aparece  né?! kkkkk

    8
  • joanan_van_dort Joanan Oliveira Batista
    2016-11-21 16:19:39 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    Post by joanan_van_dort: <p>#img#[367731]</p>

    29
    • Micro picture
      santz · about 3 years ago · 2 pontos

      Isso se resolve com uma máquina do tempo.

  • danethree Daniela Fialho D
    2016-11-21 23:08:09 -0200 Thumb picture
    danethree checked-in to:
    Post by danethree: <p><strong>OBS: esse check-in contém Spoiler sobre
    Pokémon Sun

    Platform: Nintendo 3DS
    379 Players
    277 Check-ins

    OBS: esse check-in contém Spoiler sobre as novidades do  jogo e minhas impressões. Nenhum spoiler da história e essas coisas, mas se você não tem o jogo e quer ver as novidades com os próprios olhos, não veja este post!Precisei postar minha reação aqui, este jogo está magnífico!

    Cara que aventura maravilhosa! Nunca pensei que fosse gostar tanto de pokémon Sun & Moon! 

    Eu adquiri recentemente a versão Sun,mas tô pensando seriamente em um dia obter a Moon também.

    A Região de Alola mudou a fórmula de pokémon no seu vigésimo aniversário, trazendo um mundo rico, dando uma sensação de vastidão maior do que eu senti nos outros jogos da série. 

    Dá pra andar pelas ilhas e sentir o gosto e o prazer de andar por cada lugar. 

    Uma novidade que gostei foi a melhor utilização do Poké-Amie. 

    Agora é possível cuidar dos pokémon depois das batalhas, apertando Y sempre que aparecer uma opção para cuidar do seu poké machucado, sujo, etc.Isso fortalece o laço de treinador e pokémon, sendo mais fácil criar amizades com as criaturas durante as batalhas árduas.

    O fim das MTs  trouxe a oportunidade de montar em um animal e viver uma experiência totalmente diferente.

    E o melhor de tudo é que você é livre pra montar o time que quiser, sem precisar colocar um pokémon específico pra voar ou quebrar pedras.

    O modo de capturar pokémon só apertando Y é uma novidade muito interessante, facilitou a vida do treinador,que não precisa abrir a bolsa e procurar as pokéballs sempre que precisar delas.

    Inovação, Otimização das atividades corriqueiras do treinador e uma sensação de vastidão  é o que define Alola!Sem contar os pokémons novos ! E os desafios que substituem o ginásio.

    Muita coisa nova! Amei as novidades desse jogo! Grande jogo de 20 anos!

    Alola a todos! xD

    PS: Me desculpem  por praticamente bombardear o monte de novidades uma atrás da outra, mas estou jogando esse jogo com muita euforia,por isso a digitação frenética rs.

    13
  • 2016-11-16 19:35:13 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    34
    • Micro picture
      lukazz · about 3 years ago · 2 pontos

      parabens mestre! trouxe alegria pra muita gente com suas incriveis criaçoes! clap clap clap o/

    • Micro picture
      mardones · about 3 years ago · 2 pontos

      Vida longa ao mestre do game disigner.

    • Micro picture
      old_gamer · about 3 years ago · 2 pontos

      O cara !

  • danethree Daniela Fialho D
    2016-11-12 12:10:55 -0200 Thumb picture

    Comemorando os 20 anos/se preparando para o Pokémon Sun & Moon

    Aproveitei a empolgação dos 20 anos de Pokémon e adquiri o Mangá do Pokémon Adventures 1º volume! Nada como começar com pokémon Red kkk

    -

    -

    -

    -

    Agora estou no aguardo do lançamento do Pokémon Sun/Moon!Me dá uma aflição vendo a mensagem de baixo...mas enfim! Falta menos de uma semana para o lançamento! Só faltam 6 dias...mas a ansiedade faz parecer uma eternidade!

    Pokémon Sun

    Platform: Nintendo 3DS
    379 Players
    277 Check-ins

    11
    • Micro picture
      zir0 · about 3 years ago · 2 pontos

      e eu ja fui 5 veses na banca daqui e nada desse manga xD

      3 replies
    • Micro picture
      filp · about 3 years ago · 2 pontos

      Comprei o mangá ontem. *-*

      2 replies
  • danethree Daniela Fialho D
    2016-10-10 20:48:22 -0300 Thumb picture

    RPG em C-A lenda do Guardião versão 2.0

    Esta versão possui muitas melhorias comparadas a primeira versão, e adicionamos efeitos sonoros também, está muito legal, e corrigimos alguns bugs também.

    Quem quiser testar o game feito em C, é só acessar o link abaixo:

    https://drive.google.com/file/d/0B635EG1g8lxBUmoxV...

    Aproveitem para dar opiniões, críticas e essas coisas. Pra quem não viu o primeiro post, este joguinho é um projeto que estamos desenvolvendo para a faculdade, damos duro nele xD.

    2
  • danethree Daniela Fialho D
    2016-10-07 21:16:51 -0300 Thumb picture

    RPG em C

    Gente eu e meu amigo fizemos um RPG em C, um protótipo para o nosso projeto da faculdade.

    Fizemos um esqueminha bacana, e estamos muito orgulhosos do nosso game mesmo ainda sendo uma execução no console do Windows  haha.

    Se quiserem dar um apoio aí, vou postar o link do drive para baixar:Vocês serão os primeiros testadores do nosso jogo xD!

    LINK:

    https://drive.google.com/file/d/0B635EG1g8lxBVGxPW...

    OBS: Vai sair a próxima versão melhorada do jogo :D

    25
  • danethree Daniela Fialho D
    2016-09-30 22:41:59 -0300 Thumb picture
    danethree checked-in to:
    Post by danethree: <p>Finalmente depois de uma longa e cansativa seman
    Kingdom Hearts II

    Platform: Playstation 2
    6904 Players
    68 Check-ins

    Finalmente depois de uma longa e cansativa semana de provas, vou terminar o jogo !!!

    5
  • marcusmatheus Marcus Vinicius de Paula Matheus
    2016-07-22 15:07:12 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Você se comove ou se assusta fácil?

    Medium 3358316 featured image

    Para algumas pessoas você pode ser um “indivíduo bobo pouco exigente”, mas para a Ciência e a Psicologia, você tem um cérebro muito bem desenvolvido para o convívio social...

    Tudo começou quando peguei um Playstation 3 emprestado com um amigo meu e resolvi testar um dos games mais aclamados do console da Sony: The Last Of Us. O que aconteceu depois dos primeiros 30 minutos de gameplay realmente me deixaram surpreso: O meu coração disparou, minha respiração ficou entrecortada, meus olhos se encheram de lágrimas e levei minha mão livre à boca...

    Foi a primeira vez que me emocionei com jogos? Não, não foi. Quando falo unicamente de mim posso afirmar à vocês que isso acontece com muita frequência. Não apenas nos games: Livros, filmes, seriados e alguns desenhos também são capazes de me emocionar (tanto de forma boa quanto ruim: Da alegria à raiva, da tristeza à felicidade.). Mas The Last Of Us me impactou por ter me levado ao máximo da comoção em um jogo de videogame. Resolvi então que escreveria um artigo sobre este sentimento na internet, mas logo me deparei com outra curiosidade: Muitas pessoas não sentiram absolutamente nada com este jogo (e com muitos outros jogos que me despertaram inúmeras emoções)!

    Decidi então que meu artigo seria focado nesta significativa diferença de pontos de vista. Mas eu não queria criar um artigo com a minha opinião sobre o tema e abordar uma discussão (isso poderia abrir espaço para aquelas velhas e conhecidas briguinhas da rede com o tema “Porque amo ou odeio este joguinho”?)! Eu vou usar apenas o que a ciência descobriu sobre este assunto e o que a psicologia tem a nos contar sobre os intrínsecos mistérios da mente humana.

    Depois de 6 meses lendo revistas científicas, livros de psicologia, artigos e sites sobre o assunto, entendi um pouco a forma como o nosso cérebro funciona com as emoções. Num primeiro momento é importante frisar que, longe do que você imagina, o individuo quase não possui poder sobre suas emoções. Tudo o que acontece com nosso corpo, inclusive se comover ou se assustar, são resultados de processos químicos internos liberados por gatilhos automáticos que reagem de forma específica em cada situação. O cérebro é um órgão extremamente complexo. Mais de 100 bilhões de células nervosas compõem uma intrincada rede de comunicações que é o ponto de largada para tudo o que sentimos, pensamos ou fazemos. Algumas dessas comunicações levam ao pensamento e à ação consciente, ao passo que outras produzem respostas autônomas. A resposta ao medo e a comoção é quase inteiramente autônoma: não a disparamos conscientemente. Como as células do cérebro estão constantemente transferindo informações e iniciando respostas, há dúzias de áreas envolvidas nestes sentimentos.

    Mas claro que estas são duas emoções diferentes e, por isso mesmo, vou aborda-las separadamente. Vamos inicialmente falar da comoção:

    Basicamente a grande responsável por nos fazer ficar comovidos ao assistirmos às cenas de alguns jogos, filmes, desenhos e séries é a empatia. Uma capacidade de sentir e se comover com as emoções e os sentimentos dos outros como se fossem os nossos próprios sentimentos. Todo esse sistema basicamente depende de um bloco central do cérebro chamada Insula, que participa de um esquema complexo responsável por nossas emoções e prazeres – o sistema límbico. Estudos científicos mostram que a ínsula sempre se ativa quando vemos cenas de emoção e ela, por sua vez, ativa o sistema límbico fazendo com que agente passe a sentir as emoções dos personagens como se fossem nossas!

    De forma mais simples: Temos uma área em nosso cérebro que é ativada unicamente quando estamos diante de emoções “não reais” (afinal, é um filme ou um jogo que estamos assistindo e temos consciência PLENA disso!) e esta área ativa os nossos receptores reais de emoção para que possamos “sentir” aquilo que esta sendo nos apresentado! Fantástico, não é mesmo?!

    Mas porque algumas pessoas se emocionam em certas cenas e outras não?

    Isso é bem simples de explicar! A Insula se comunica diretamente com muitas outras partes do nosso cérebro, incluindo todos os nossos pacotes de memória arquivados ao longo de toda a nossa vida. Sendo assim ela sabe exatamente como nós somos e sabe exatamente quais são os sentimentos ou eventos que nos afetam de forma mais profunda. Por isso pessoas naturalmente românticas, ou que passaram por experiências românticas positivas e entendem estes sentimentos, terão suas emoções ativadas sempre que estiverem assistindo cenas de romance. Enquanto pessoas não românticas ou que tiveram experiências românticas negativas vão continuar assistindo a cena normalmente sem sentir nem mesmo o coração acelerar e os olhos marejarem; podendo inclusive sentir raiva ou achar engraçado.

    Isso explica também porque The Last Of Us quase me fez chorar: Por ser pai e amar meu filho demais, a maldita Insula se ativou “naquela cena emocionante” do jogo e o meu sistema límbico tratou de me fazer sentir a dor que o protagonista do jogo estava sentindo! Olha jovens, não foi fácil segurar as lágrimas! Isso também explica porque o jogo Ori And The Blind Forest também me acertou em cheio no rosto, com emoções fortes. Quem jogou o game sabe que, apesar dos gráficos, a comoção que o game passa é muito forte – tanto bonita quanto triste.

    Colocando estes dois games lado a lado, podemos notar que eles são muito diferentes um do outro, mas ao mesmo tempo, me passaram emoções parecidas. Logo podemos concluir que a Insula não se importa com a forma que a mensagem esta sendo transmitida (seja em forma de texto, gráficos realistas ou desenhos no estilo cartoon), se ela notar que a emoção que nos afeta esta “acontecendo” ela vai se ativar, vai enviar as informações ao Sistema Límbico e, consequentemente, vamos nos comover.

    Segundo a ciência essa nossa capacidade de se emocionar através da observação “do outro”, seja ele um personagem fictício ou uma pessoa que observamos, tem importância fundamental para a vida em sociedade e para o relacionamento entre indivíduos, pois, somente através desta capacidade, podemos compreender o que o outro esta sentindo sem a necessidade de precisarmos passar pela experiência.

    Pessoas mais facilmente emocionáveis possuem uma pré-disposição maior para o convívio social, são capazes de se expressar com mais clareza e de manter relacionamentos por mais tempo. Indivíduos pouco emotivos possuem mais dificuldade de manter relacionamentos longos e de se expressar de forma clara, bem como desenvolvem certa dificuldade em compreender porque as pessoas se comovem com certas situações enquanto eles não sentem absolutamente nada.

    Existem também algumas doenças psiquiátricas que afetam diretamente a empatia e por isso muitas pessoas tem dificuldade de entender algumas expressões faciais, sentimentos, ou mesmo lidar com situações de muita emoção. Isso ocorre no autismo, na esquizofrenia, na bipolaridade e apenas reforça o quão importante a empatia se mostra nos relacionamentos sociais. Te chamaram de emotivo bobão?! Não fique triste, comemore!

    Vamos agora falar sobre o medo! 

    Um dos primeiros artigos que escrevi no Alvanista questionava se era possível sentir medo jogando videogames. Bem, hoje eu mesmo sou capaz de responder esta pergunta com certeza absoluta e ainda explicar detalhadamente para todos vocês como este processo acontece:

    Sim, é possível sentir medo jogando videogame e é possível, inclusive, sentir medo “real” jogando videogames!

    O medo é uma reação em cadeia no cérebro que tem início com um estímulo de estresse e termina com a liberação de compostos químicos que causam aumento da freqüência cardíaca, aceleração na respiração e energização dos músculos. O estímulo pode ser uma aranha, um auditório cheio de pessoas esperando que você fale, a batida repentina da porta de sua casa ou a cena do game que você esta jogando. O que é mais importante perceber aqui é que o indivíduo não tem controle nenhum sobre este processo. Nem sobre o estresse inicial e muito menos sobre a liberação dos compostos químicos que irão afeta-lo fisicamente.

    O medo nasce de maneira totalmente inconsciente. Basicamente duas áreas do nosso cérebro recebem o estresse inicial que ocorre quando “vemos” ou “ouvimos” aquilo que vai gerar o medo: Uma parte é rápida e desordenada e a outra parte é lenta e interpretativa. As duas recebem o estimulo de modo simultâneo.

    O lado rápido e desordenado tem apenas uma filosofia de vida: “Melhor não contar com a sorte!!!”. Se você enxergar um vulto misterioso na cozinha, por exemplo, é mais seguro imaginar que seja um demônio tentando mata-lo e depois descobrir que era apenas a sombra da cortina do que imaginar que era a sombra da cortina e depois descobrir que era um demônio querendo mata-lo! Conseguiram entender?

    Funciona mais ou menos assim: O vulto que você viu é o estimulo. Seu cérebro fica estressado e envia a imagem ao tálamo. O tálamo, coitadinho, não sabe se aquela imagem que ele recebeu é algo perigoso ou não e, de forma inteligente, envia um alerta para duas áreas distintas do céu cérebro: Uma que vai pensar sobre o que você viu e outra que vai agir rapidamente para te proteger – a Amígdala. A Amígdala não vai perder tempo e vai dizer ao hipotálamo que é preciso agir com rapidez, afinal “é melhor não contar com a sorte!”. E neste momento você sente medo ou se assusta, tendo reações químicas e físicas em decorrência desta reação.

    Quando sentimos medo o cérebro solta em nosso corpo, nada mais nada menos, do que 30 hormônios diferentes a fim de ajuda-lo a enfrentar a “ameaça”. Todos estes hormônios basicamente iram causar, entre outros sintomas menos comuns: Aumento da pressão arterial e dos batimentos cardíacos, dilatação da pupila, contração das artérias da pele para que os músculos possam receber mais sangue (o que causa o habitual “calafrio”), o enrijecimento dos músculos devido ao excesso de adrenalina e glicose (causando arrepios) e muitas outras coisas! Todas essas reações são inconscientes e automáticas e o jogador/indivíduo não possui nenhum controle sobre os efeitos destes hormônios.

    Obviamente, todo este “longo” processo acontece em alguns micros segundos (quase ao mesmo tempo em que temos contato com o estimulo – seja um jump scare ou um cenário macabro em um jogo, seja uma cena num filme ou série). E enquanto todo este processo acontece a outra área do nosso cérebro – a área lenta e interpretativa – também esta reagindo ao impulso. Ela reflete sobre tudo aquilo que estamos vendo, ouvindo ou sentindo e manda suas conclusões de volta ao tálamo que, por sua vez, comunica o córtex sensorial que ira atribuir uma explicação lógica para tudo o que esta acontecendo. Após todo este momento de reflexão ele irá enviar à Amígdala as suas conclusões, deixando claro que não existe “perigo real” naquela situação vivenciada – e é justamente esta atitude que te impede de sair correndo da frente da TV ou da sala do cinema ^_^

    Devido à área “racional” ser mais lenta que a área “impulsiva” do cérebro, não somos capazes de evitar os sustos e as sensações de medo, mas somos rápidos o suficientes para ter consciência de que tudo aquilo não é real e não representa um perigo real. Todas essas reações físicas têm a intenção de lhe ajudar a sobreviver a uma situação perigosa. O medo (e a reação de luta ou fuga em particular) é um instinto que todo animal possui.

    Mas ai chegamos em uma parte muito interessante do estudo que fiz: Cada pessoa é diferente e possui “tempos” diferentes. Sabe aquele momento em que o tálamo envia a informação para duas áreas diferentes do cérebro? Pois é: Algumas pessoas não possuem a “área lenta” tão lenta assim, e são capazes de antecipar as reações impulsivas da Amígdala, e controlar os seus sustos e medos. Mas é importante frisar que tudo depende das informações do Cortex Sensorial.

    Vamos explicar: O Cortex Sensorial é aquele que é responsável por colocar as informações dentro do contexto racional, mas todo este contexto vai depender da estrutura psicológica da pessoa que esta tendo o estímulo. E justamente daqui nascem as grandes diferenças de opiniões entre as pessoas na hora de avaliar alguns jogos de terror, desconsiderando completamente que, aquilo que não assusta uma pessoa, pode assustar muito outras!

    Analisando-me para dar um exemplo: Eu sou fanático por filmes de terror, series de terror e jogos de terror. E por mais que já tenha assistido centenas de filmes, jogado dezenas de jogos e visto várias séries do gênero, não deixo de me assustar e sentir medo com novas experiências. Porque isso acontece? Simples: Por mais que eu já saiba muita coisa e até possa prever muitos eventos a região do meu cérebro que é “lenta e interpretativa” é de fato lenta, e é incapaz de impedir as reações químicas e impulsivas que a Amígdala envia ao meu corpo (por isso sempre me arrepio, me assusto, fico gelado e por ai vai!). Quer melhor exemplo do que o fato de eu não acreditar em fantasmas e, ao mesmo tempo, ter me assustado e me arrepiado muito vendo Invocação do Mal 1 e 2 nos cinemas?!

    É simples: Nossas crenças não são capazes de nos proteger do “medo” quando a área interpretativa do cérebro trabalha de forma lenta. Mas, se esta área do meu cérebro fosse rápida – como são nos cérebros de algumas pessoas – eu jamais me deixaria afetar por estas experiências e, provavelmente, acharia tudo muito engraçado. :D

    Vamos para outro exemplo?

    Minha esposa nem mesmo consegue ficar na frente de um computador quando um jogo de terror esta rodando, e isso só acontece com jogos. Porque isso acontece? Simples: Quando ela (minha pequena) esta no “controle” do evento – e não apenas assistindo – o cérebro dela processa tudo de forma muito mais lenta e o córtex é incapaz de alertar a amígdala que o perigo na tela do computador não é real. Por isso a reação dela, ao se assustar ou sentir medo, é levantar da cadeira e se afastar. O cérebro humano é muito interessante!

    Prezados, eu poderia escrever muito mais sobre o assunto, pois foram meses de pesquisa e leitura e acabei ficando fascinado por este tema. Mas o artigo já esta longo o suficiente e sei que é preciso parar. Agradeço por todos que leram e espero ter conseguido explicar como somos significativamente diferentes por dentro. Frações menores de 1 segundo em impulsos elétricos dentro da nossa massa encefálica são capazes de criar grandes diferenças no comportamento e na forma como um jogador reage à determinado impulso. Simplesmente fantástico e cientificamente gratificante.

    Um abraço à todos!!! 

    193
    • Micro picture
      rafaelseiji · over 3 years ago · 7 pontos

      Caramba, que texto bom! Também sou desses que se emocionam facilmente com filmes/jogos, recomendo pra vc o The Walking Dead da telltale, vai te emocionar e talvez te dar um medinho rs

      2 replies
    • Micro picture
      jorgegt · over 3 years ago · 5 pontos

      Consegui parar para ler e valeu cada minuto gasto. Texto muito bem escrito e assunto muito interessante.

      Me emociono mais assistindo séries e filmes, mas com jogos não é muito diferente. Brothers: A Tale of Two Sons me deixou "jogado no chão". Eu já esperava por algo parecido com o que acontece no final, mas mesmo assim foi extremamente emocionante.
      Até lembrando das minhas experiências com jogos eu fico emocionado. Eu estava ouvindo a ost do final boss de Dark Souls 3 enquanto escrevia meu post de "finalizado". Comecei a lembrar da luta contra o final boss do primeiro jogo e misturando com a batalha desse último e o resultado não foi outro: Tive que parar de escrever pois estava molhando o teclado todo. Chorei igual a uma criança.

      1 reply
    • Micro picture
      typhonite · over 3 years ago · 3 pontos

      Minha mulher também não consegue ficar nem 2 min com filmes/jogos de terror do meu lado.
      Eu, claro, também levo uns sustos e fico com medo, mas é engraçado que só quando sou eu tô no controle.
      Filmes quase não tem efeito sobre mim, só nos jumpscares, e mesmo esses, só quando são muito bem orquestrados.
      Sozinho, geralmente não consigo jogar muito tempo um jogo de terror, e não é nem pelos jumpscares, mas pelos momentos de tensão que antecedem um... como jogos puramente Stealth, a la MetalGear, aquele suspense de "vai dar merda, vai dar merda, vai dar merda!!..." me deixa num estado de ansiedade que acaba tornando o jogo desprazeroso.
      Dead Space foi meu ápice, consegui zerar o primeiro, o segundo passei da metade e está lá, largado, aguardando um dia eu resolver continuar... esses dias até peguei ele pra jogar um pouco, justamente numa parte que tinha um "miniboss"... matar ele foi tranqulo, moleza!
      Mas aqueles corredores, com luzes piscando, barulhos de monstros se mexendo em algum lugar... xD

      2 replies
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...