crossanimation

Mais que diversão, inovando o novo conceito de amizades.

You aren't following crossanimation.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • 2019-05-30 20:37:13 -0300 Thumb picture

    Dead End: Suporte dos jogos para PS3, XBox 360 e Wii

    Medium 3724511 featured image

    Salve galera gamer,

    Venho lendo algumas notícias sobre tudo no universo dos videogames e jogos que hoje temos, durante essas leituras acabo me deparando com algumas notícias que não gostaria de ler, mas isso irá ocorrer em todo videogame: O Fim do Suporte das produtoras e o fabricante.

    Recentemente acabei lendo sobre o “Encerramento dos Servidores de Burnout Paradise” que a EA Games informou, o jogo está há 11 anos e meio no mercado e seus servidores ativos para o online, onde isso afetará, para quem adquiriu recentemente o Burnout Paradise Remastered podem ficar tranquilos que ele estará ativo, somente as plataformas PlayStation 3, PC e XBox 360 terão o encerramento dos servidores para jogatina online.

    A algum tempo atrás, a Sony divulgou uma lista de servidores de jogos que foram encerrados o serviço online, a EA Games e Konami a cada novo jogo de futebol lançado, uma versão antiga é encerrado seus serviços online, sendo que aproveitam para manutenção e aproveitar e ter mais suporte nos novos games que lançam.

    A Nintendo encerrou no final de Janeiro deste ano, o fim do serviço Nintendo Wii Shop, serviço dedicado a compra dos jogos para sua plataforma.

    As desenvolvedoras que disponibilizam os jogos para cada plataforma verificam o tráfego de dados dos servidores que cada jogo online possui, com o decorrer do tempo esse número começa a diminuir, seja ele por conta de novas versões do jogo, outros lançamentos e até mesmo a perda do interesse de jogar.

    O custo destes servidores é enorme com devidas manutenções do serviço com troca de peças e atualizações que o jogo recebe, manter durante anos esse número só aumenta.Algumas empresas possuem as famosas Lootbox, no qual é a nova laranja que ao espremer, dará suco a vontade para vender para seus clientes, ou seja, nós gamers.

    A minha preocupação como ocorre com cada console, quando vem uma nova geração, com o avanço da tecnologia, um novo console videogame é construído pelas fabricantes como Sony, Microsoft e Nintendo, procurando novas tendências de recursos que o seu novo produto virá a adquirir com novos projetos, é claro, as desenvolvedoras seja first party ou third party, utilizaram esses novos recursos disponibilizados pelos fabricantes, podendo expandir ainda mais seus jogos e capacidades de exploração.

    Estamos já com as notícias referentes que a Sony logo mais anunciará o PlayStation 5, Microsoft com o projecto XBox Scorpio (ou devo estar enganado com o nome) e Nintendo arquitetando um novo design de seu Switch que já está no mercado, quanto tempo mais de vida os consoles PlayStation 3 e XBox 360 terão de vida?, sabemos que a Nintendo encerrou seu suporte com o Nintendo Wii e Wii U, quanto a alguns modelos de Nintendo 3DS também (ou posso estar enganado escrevendo isso, me perdoem).

    A Sony encerrou o suporte para o PlayStation Vita, também nos planos da empresa o serviço PSN Plus nos consoles PS Vita e PlayStation 3 não disponibilizando jogos para ambas plataformas à partir de março deste ano (2019).

    Conforme cada ano vai passando, alguns serviços de jogos online também estão sendo encerrados, como mencionei no início deste artigo, a EA Games encerrará os servidores de Burnout Paradise com data de 1º de agosto para o fim do online, vou poder jogar offline com tudo que possuo no game, sim é claro, mas se você procurar nas lojas online da Steam, PSN e XBox Live não encontrará o game mais disponível para compra, apenas itens de DLC complemento do jogo.

    Ano passado ocorreu o mesmo fim do suporte do jogo Demon’s Souls (Fevereiro/2018), muitos fizeram campanhas para jogar online, já que seu servidor ficou ativo por 9 anos, hoje ao iniciar o game no PlayStation 3, apresenta uma mensagem de erro ao conectar online. Atualmente um grupo ou um fã do jogo, acabou disponibilizando um DNS que é necessário para jogar online Demon’s Souls novamente, ao inserir nas configurações do console, ele automaticamente encontra o servidor e mostra a quantidade de pessoas online no jogo e a área em que se encontram.

    Confesso que é uma pena que o suporte de jogos online que muitos gostam e consideram que poderiam ficar por um longo e vasto tempo, mas não depende de nós gamers para que isso ocorra, mas sim um incentivo das desenvolvedoras de jogos.

    Eu possuo um PlayStation 3 (que é o meu segundo), e tenho uma boa variedade de jogos, e com o fim do suporte online de modo cooperativo, acaba apresentando aquele sentimento, até quando a Sony vai manter seu suporte a loja e conteúdo online, e quando acabar esse suporte, o que irá acontecer com o conteúdo de jogos que acabei comprando ao longo dos anos.

    Pensamentos assim, que voltam a pirataria no próprio console da Sony, sendo que há ativos desbloqueios para efetuar o download e instalar no seu console conteúdos no qual você nem comprou quando ativo o suporte online. Sabemos que o Nintendo Wii e XBox 360 por optarem a mídia DVD, foram lançados mod-chips para desbloqueio dos consoles e muitos acabavam comprando os jogos por 10 reais.

    A Google está querendo entrar no mercado de games com seu Stadia e um serviço de streaming para jogos junto com o Youtube, onde tudo será totalmente online e seus servidores estarão aptos para garantir uma jogatina sem problemas com sua conexão, só o fato que pedem o mínimo de 25 Megabytes de conexão para que possa utilizar uma excelente qualidade de resolução.

    A Microsoft também está com um mesmo projeto e recentemente lançou um novo modelo do console XBox One S sem o leitor de Blu-Ray Disc, somente o HDD interno com a capacidade de compra de jogos digitais.

    Agora vem alguns questionamentos que fiz para alguns amigos meus:

    É vantagem ter um suporte totalmente digital dos jogos?

    Caso o serviço se encerre, e quanto o que você pagou, como você poderá ter este conteúdo novamente?

    Mídia Física dos jogos um dia irão desaparecer do mercado? Isso é bom ou ruim?

    Em minha resposta a essas perguntas, eu não acho uma vantagem ter somente jogos digitais, podem ter a facilidade de troca no momento sem ter a necessidade de retirar do console e colocar um novo, se o serviço se encerrar, eu nem tenho ideia como a empresa que disponibilizou o conteúdo irá me dispor aquele conteúdo novamente ou se irá ressarcir o valor pago do jogo, e eu amo a mídia física, pois sei que é um conteúdo seu e tem ele ali a sua disposição, a única coisa ruim é caso arranhar, pois isso destrói a trilha e as informações que contém na mídia.

    É isso, comentem, me xinguem, divulguem...quero ler a opinião de vocês galera.

    Até o próximo artigo...

    @armkng

    Burnout Paradise: The Ultimate Box

    Platform: PC
    1511 Players
    62 Check-ins

    41
    • Micro picture
      firerockbird · over 1 year ago · 4 pontos

      A necessidade de ter "tudo" digital e tals é um dos argumentos que me faz questionar "até que ponto o ser humano sera dependente demais disso?" e se um dia, nós fomos que nem celulares, avançados mas ao mesmo tempo sendo dependentes de recarga? como é que fica se estivermos em um lugar com bateria fraca e não podemos recarregar? meu maior medo é que sejamos tão digitais no futuro (ou agora, do seu ponto de vista) ao ponto de esquecer como é ser um "ser vivo natural" e abandonar qualquer tecnologia velha que não seja "modernizada" como uma tesoura por exemplo, e no fim, encontramos situações em que a nova tecnologia não possa resolver o prolema mas a "antiga" poderia se ainda tivéssemos ela em mãos.

      1 reply
    • Micro picture
      jongamezon · over 1 year ago · 3 pontos

      é foda q muita gente que malmente ta pensando em comprar PS3 quando puder comprar PS4 nao vai poder desfrutar direito.

      3 replies
    • Micro picture
      italo_bandeira · over 1 year ago · 2 pontos

      As empresas poderiam ao menos liberar uma forma de jogar online, em respeito ao pessoal que pagou (às vezes uma nota) pelo produto e quer continuar usando o mesmo.

      2 replies
  • _gustavo Luis Gustavo Da Luz
    2019-05-21 19:23:54 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    GRID 2 está free na Steam

    Em comemoração ao anuncio do novo GRID a Codemasters está dando o segundo jogo (e melhor até agora) da série totalmente na faixa

    https://store.steampowered.com/app/44350/GRID_2/

    Só colocar no carrinho e fazer check-out

    GRID 2

    Platform: PC
    539 Players
    70 Check-ins

    29
    • Micro picture
      cacotives · over 1 year ago · 1 ponto

      Concordo que é um ótimo jogo.

    • Micro picture
      santz · over 1 year ago · 1 ponto

      Tinham que ter liberado o primeiro.

      3 replies
  • 2019-05-13 09:16:42 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Os computadores da segunda metade dos anos 80

    Medium 3721243 featured image

    Como visto no post anterior sobre o assunto, o lançamento do Macintosh lançou a nova tendência de interfaces gráficas e todas as fabricantes começaram a trabalhar em modelos de computadores com suporte a isso. Em 1986, a britânica Acorn lança o BBC Master, o mais potente computador 8-bits da empresa. A Amstrad lança o PC1512, compatível com a família IBM-PC e vem com o sistema GEM de interface gráfica, presente geralmente em computadores Atari ST. A Apple lança o mais poderoso computador da linha II, o Apple IIGS, com destaque para o primeiro sistema com interface gráfica colorida e foco na parte sonora. Há também uma atualização na sua linha principal, com o Macintosh Plus, melhorando recursos de memória e processador.

     NA CES de 1987, a Commodore lança 2 novos computadores da linha Amiga. O Amiga 500 é o de baixo custo que ajudou a popularizar a sistema e o Amiga 2000 é o high-end que permitia diversos cartões de expansão. O Acorn Archimedes é um dos primeiro computadores com arquitetura ARM de 32 bits lançado também em 1987. No mesmo ano, chega o IBM PS/2, um dos maiores sucessos da empresa que popularizou o novo sistema operacional da Microsoft, o Windows. No Japão, o Sharp X68000 é mais robusto e caro computador do mercado, capaz de rodar jogos de Arcade com extrema fidelidade. O Apple IIc Plus é o último modelo da linha 8-bits da empresa, que logo caiu no esquecimento dada a grande demanda por processadores de 16-bits.

     Em 1989, o britânico SAM Coupé é um clone de ZX Spectrum que ficou muito popular no Reino Unido. No Japão, a Fujitsu lança o FM Towns, um computador em forma de torre com grande foco em games e aplicações multimídia. A Apple lança uma série produtos baseado na linha Macintosh II, que iniciou em 1987. Em 1989 Macintosh IIcx é o sucessor do IIx lançado no ano anterior e traz ainda mais poder tecnológico, seguido pelo Macintosh IIci com 3 slots de expansão. A linha principal também recebe upgrade com o Macintosh SE/30. A Apple também lança seu primeiro computador portátil, o Macintosh Portable, com grande duração de bateria, tela monocromática e uma trackball para simular os movimentos do mouse.

    @andre_andricopoulos, @lipherus, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb, @sergiotecnico, @srdeath [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    47
    • Micro picture
      leandro · over 1 year ago · 2 pontos

      Como sempre fui mais consolista ( fui ter contato com PC´s em 1997, em um curso básico de informatica e, em 2005, fui ter o meu primeiro PC ( já com Doom 3, instalado ). Esses posts sobre a historia dos PC´s é sempre bem vindo pra mim. Valeu

      1 reply
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · over 1 year ago · 2 pontos

      Bizarro esses modelos... já tivemos um desses ou a variação deles...

      1 reply
    • Micro picture
      onai_onai · over 1 year ago · 2 pontos

      Só fui ter acesso a um PC depois dos anos 2000...

      1 reply
  • guerreira Flavi
    2019-05-07 15:02:27 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
  • 2019-05-03 22:17:22 -0300 Thumb picture

    Toxina Forte: Jogadores, Comunidades, Grupos

    Medium 3719692 featured image

    Press Start to Continue…Salve galera,

    Essa semana me veio na mente um artigo interessante para escrever, e lógico como comentei no artigo anterior, um conteúdo agradável para a leitura de todos aqui (ou não).

    A vida gamer é bastante interessante, pois são jogatinas únicas que proporcionam experiências diferentes, porém ao percorrer esse longo caminho nos deparamos com situações inusitadas e que até mesmo acaba ficando rotineira, o que quero colocar neste artigo é: Jogadores Tóxicos.

    Para deixar um pouco mais claro, vou dividir em alguns tópicos chave no qual dará uma compreensão melhor para identificar os Jogadores Tóxicos e também abordar comunidades, grupos e algo que se assemelha e abriga esses tipos de jogadores.

    Os tópicos são:

    1 - Anonimato;

    2 - Experiência no jogo;

    3 - Comunidade, grupos;

    4 - Respeito

    Eu penso que é definido em 3 tópicos no qual você identifica esses jogadores, o quarto tópico eu coloquei e vou explicar em meu ponto de vista a visão que este jogador possui durante uma partida de um game offline ou online.

    1 - Anonimato

    No mundo voltados a um monitor, com um teclado e mouse, seu sistema funcionando em perfeitas condições, nós vivemos através da internet hoje em dia que traz suas facilidades por trazer uma comunicação rápida através de programas ou aplicativos de mensagens instantâneas.

    É verdade que utilizar este recurso em um jogo online é bastante promissor e aproxima muito os gamers em uma jogatina, combinar partidas, comentar sobre aquele feito, mas também traz um tipo inusitado de jogador, aquele que adora falar bastante, utilizar mensagens em massa para chamar a atenção: o jogador tóxico.

    Xingar durante a partida, colocar seu headset e denegrir a pessoa durante o jogo, poluir um chat e continuar denegrindo a pessoa, se auto proclamar pró-player, afetar o estado psicológico de um grupo em um MMORPG online, ameaçar, gritar para intimidar as pessoas, comportamentos esses num ambiente online que ocorre com frequência. E o porque ele faz isso, só para ganhar a partida e manter seu alter ego alto.

    Em seu pensamento é comum você imaginar que tipo de lixo na sociedade é essa pessoa, mas na realidade é diferente, seu comportamento é igual ao seu, ele se relaciona muito bem com outras pessoas, possui amigos, familiares, grupos no qual ele possui um certo grau de intimidade e social.

    Por que ele age desta maneira ao jogar online? A resposta que vem a minha mente é, ser competitivo, não admitir que perdeu para uma pessoa que tem seu rank abaixo que o seu, não sabe se comportar de maneira correta e precisa ser o centro das atenções, impor sua imagem que ele é SUPERIOR a você.

    Qual a idade desta pessoa? Muitos vão achar que são crianças de seus 10 à 13 anos, que ganhou seu videogame ou pc dos pais e lá ele pode fazer tudo o que quer online, mas nem sempre este comportamento é de uma criança, já vi adolescentes, adultos agirem desta maneira.

    Eu mesmo tenho em meu grupo de amigos, alguns que são tóxicos, tenho um amigo que é extremamente competitivo, não admite perder para mim em certos games, e quando perde começa a agressão verbal, comenta suas horas e horas treinando para aperfeiçoar seu personagem e nunca errar, ao presenciar isso fiquei totalmente pasmo, sem acreditar que acabei absorvendo de uma forma em não confrontá-lo, mas deixar de lado que tenho uma mentalidade que jogo apenas para me divertir, se eu irei ganhar ou perder, pouco importa para mim.

    Outras ocasiões em que jogo online FIFA, não sou um excelente jogador (tanto virtualmente quanto na vida real hahaha xD), quando ganho uma partida, em seguida recebo uma notificação de mensagem da pessoa, sendo ela brasileira ou um estrangeiro, a cada 10 mensagens, 9 são me xingando e dizendo que não sei jogar e somente 1 mensagem que o cara me elogia e pede para ser meu amigo.

    Eu jogo com um grupo que conheci através de meu amigo do trabalho, nos dias de folga entro no discord e jogamos muito Dark Souls (seja ele 1, 2 ou 3), fazemos campanhas ajudando cada um a subir de nível e finalizando o game e iniciando outra jornada. Um momento legal durante o jogo é quando o mundo que presenciamos é invadido por outro jogador, os chamados de Dark Spirit, acaba rolando PvP no game, porém utilizo uma única regra: “Meu mundo, minhas regras.”

    Eu não vou perseguir o invasor, se ele quiser ele vai me enfrentar onde estou com meus amigos juntos, pois não pedi para ele me visitar naquele momento hehehe, e quando acabamos de expulsar o invasor, logo em seguida vem uma mensagem linda (não pessoal, não é uma mensagem do tipo me dando os parabéns) me xingando e que eu não sei jogar, que sou um noob, lixo e etc.

    Eu apenas dou risada e apago a mensagem, ignorando a presença e momento tóxico que a pessoa faz.

    A pessoa muda da água para o vinho em questão de segundos, a internet traz um anonimato no qual muitos pensam que possam estar protegidos, outros pensam que a internet é a terra de ninguém, mas poucos pensam antes de digitar algumas palavras que possam deixar uma pessoa triste, magoar outra ou até mesmo afetar o estado psicológico.

    E muito menos pensam que não tem como pegar essas pessoas, mas o crime virtual é alto, e pode um dia uma pessoa da promotoria entregar uma intimação para comparecer em juízo e se explicar o que aconteceu por algumas palavras ditas por você.

    Pense.

    2 - Experiência no jogo

    No mundo dos games, muitos que leem este artigo apenas jogam para diversão, outros possuem grupos no qual jogam periodicamente, outros se dedicam para ganhar alguns campeonatos.

    Eu mesmo apenas jogo para diversão, porém nos deparamos com algumas pessoas que jogam horas e horas um determinado gênero de game, e como ele se sente confortável, acaba adquirindo todos os macetes e truques que uma fase pode ter.

    Se você que acabou de comprar o jogo, tirou ele da embalagem ou terminou de baixar e inicia sua primeira jornada no jogo, acredite, essa pessoa está lá já um tempo.

    Por conta deste tempo, ele se autodenomina um “Pró-Player”, um jogador extremamente experiente, um expert, o que começa os problemas quando você se depara com esta pessoa, pior é, você está no mesmo time com ele.

    Esse tipo de jogador se apresenta mais em MMORPGs, FPS, qualquer outro jogo que tenha um PvP coletivo, senão, individual também.

    Essa pessoa quer mandar em você, quer obrigar, comandar, para que a vitória venha da forma que ele prevê e diz para todos no grupo, quando nada segue conforme seu script, ele põe seu headphone, liga seu microfone, e o show começa.

    Proferindo xingamentos, palavrões, denegrir a imagem da pessoa, entre uma série e outra de show que ele promove dentro da sessão do game, isso não vindo de um “RAGE Quit Game”, procurando o time adversário para poder mostrar que sabe jogar, que conhece tudo sobre o jogo, que ele é “O CARA”, e todos devem reverenciá-lo.

    É lamentável quando ocorre isso, pois estraga toda a diversão e experiência que todos tem no jogo.

    3 - Comunidades, Grupos

    Comunidades, ah comunidades, o que seríamos sem as comunidades ou grupos dedicados aos jogos.

    Seja ela no extinto Orkut, no Facebook atualmente, aqui mesmo no Alvanista, ou qualquer outra comunidade online existente em fóruns ou derivados.

    O peso é enorme, e o porque?

    “pois sua opinião é a mais pura e correta, e ninguém, ninguém pode discordar, colocar opiniões contrárias”.

    Seja uma simples dúvida que você possua, uma dica para iniciar, uma ajuda, qualquer coisa, ele estará lá para comentar algo:

    preciso de ajuda para passar de uma área pois não consigo, estou há horas e horas sem sucesso;

    resp: essa área é muito fácil, você que não sabe explorar, quebra um pouco a cabeça ai, você é muito noob, eu passei de primeira.

    galera não consigo achar um determinado item X para pegar finalizar a quest line do NPC Y, onde fica?

    resp.: nossa cara, você é muito burro, como não encontrou, ele tá muito fácil…

    pessoal, alguém pode me ajudar a matar o boss Z, pois não consigo.

    resp.: esse é mamão com açucar cara, passo fácil sem tomar um tapa sequer dele…

    Alter egos inflados, não existe dificuldade ou tempo ruim para eles, e quando você tenta argumentar algo sobre o jogo, vira uma verdadeira batalha de quem entende mais, quem detém a melhor informação, e quando os argumentos acabam ou são inválidos para continuar, o que acontece?, vamos para o bom e velho xingamento, denegrir integridade moral, escrever em caixa alta (letras maiúsculas).

    Em fóruns, outras comunidades, você pode postar sua dúvida ou conquista, comentar ou mencionar algo, nas respostas terá uma discussão no qual não agrada esta pessoa, ou para incitar o caos, ou para aparecer e causar mesmo e ter seus momentos de fama.

    Toda comunidade ou grupo abriga uma parte enorme destas pessoas, um exemplo foi quando eu comentei no grupo de Whatsapp sobre o valor do XBox One S, e de fato ele está muito barato e acessível para comprá-lo, comentei isso que estou estudando o caso de pegar um, pois tem jogos no qual tenho interesse, e um dos membros deste grupo só comentou isso: “- XCaixa não tem os melhores jogos exclusivos, chorem pois só o PlayStation tem GoW, TLOUs e Spider-Man”, olhei aquele comentário e ignorei, mantive a conversa com a galera, mas a gana de aparecer, xingar, denegrir é forte demais e ele soltou diversos comentários, vendo que não me abalei e o ignorei totalmente, ele percebeu que aquela pequena guerra que queria iniciar já perdeu no início, eu não caindo na provocação e continuando a conversa com quem estava interessado, o deixou sem reação para inflar seu alter ego.

    Sim, a galera que defende com unhas e dentes também o classificou como Jogador Tóxico, não acho errado você defender a empresa que distribui seu console, mas pare e pense um pouco, se hoje em dia não existisse outras empresas e a concorrência, não iria existir os consoles de videogames e jogos que temos hoje em dia.

    Reflitam sobre isso. ^^

    4 - Respeito

    Um Jogador Tóxico não sabe respeitar ninguém, pois ele não sabe o que é isso, ele pensa que é normal fazer isso, que todos fazem isso, muitos fazem a bel prazer fazer este tipo de comportamento.

    Em comunidades e grupos podem observar que suas críticas são destrutivas, não se apegam a qualquer tipo de informação oficial, tudo que querem é apenas incitar o caos e desrespeitar todos que estão naquela comunidade ou grupo.

    O mesmo fator ocorre com “FanBoy” de um determinado console ou sistema, não aceitam qualquer opinião ou crítica, apelam para os famosos xingamentos, tudo no outro console é ruim, se apegam a informações que muitos não ligam, e força sua opinião replicando seus comentários em diversas comunidades, fóruns e grupos.

    Adora não ser contrariado, e dentro de uma comunidade que tem o mesmo comum senso de informação é devastador, podendo até mesmo procurar todos os seus perfis de redes, e-mails, enviando ameaças e o incomodando psicologicamente.

    Concluindo tudo isso, o quarto e último tópico que menciono: Respeito.

    Ninguém nasce sabendo de tudo, não detém todas as informações, é um expert em tudo que sai ultimamente.

    Mas uma coisa que muitos esquecem quando inicia uma partida, Respeito.

    Respeitar seu adversário é um sinal nobre;

    Respeitar uma opinião ou crítica construtiva;

    Respeitar a pessoa como ela é, seja que tenha dificuldade em começar um jogo, passar uma fase, matar um chefe, conseguir um item.

    É muito difícil hoje em dia, a internet deixa a todos extremamente competitivos, todos querem ser o dono da razão, não há críticas construtivas e positivas, o console da sony é superior que todos, não o do XBox é o melhor, a Nintendo que tem história e blá blá blá.

    Durante uma partida, que é difícil fechar um time, seja uma partida que suba seu Ranking, ninguém consegue não perder, então permaneça online, perdeu amigo, tudo bem, haverá dezenas, centenas, milhares de partidas.

    É frustrante você conseguir localizar uma pessoa para jogar, e receber mensagens de texto ou voz no qual a pessoa do outro lado tem um cérebro de ervilha e o quer intimidar na partida.

    Se a pessoa fez uma crítica em uma comunidade, rebata com fatos, mostre números, pesquise e procure trazer informações que talvez ela nem saiba.

    Demonstrar Respeito com os outros fará um bem estar para você mesmo, pode parecer bobeira, mas se tudo isso não der certo, ignore o jogador tóxico, existem sistemas no qual você poderá bloquear a pessoa seja na PSN, XBox Live, em fóruns comunidades.

    Se caso o problema for realmente sério, você poderá procurar a delegacia online e denunciar a pessoa, tire prints e não comente nada, encerre o assunto e fique na sua, o que muitos pensam que a internet é terra sem lei, amigo você está só mal informado.

    E divirta-se sempre, comente algum caso se já ocorreu contigo…

    @armkng

    FIFA 19

    Platform: Xbox One
    23 Players

    25
    • Micro picture
      kess · over 1 year ago · 3 pontos

      Pequena história: Num aniversário de criança (acho que era do meu sobrinho) nessas casas especializadas, haviam videogames, e logo a piazada estava em volta do PS3, jogando Mortal Kombat. Média de 12 anos de idade. TODOS falavam merda. Do quão bom eram, do quanto jogam bem, quantas vitórias tem, lalalala. Quando perdiam: Tem que jogar lá em casa, aqui não é a mesma coisa, não tou acostumado com esse controle, você é apelão e tal. Meu primo chegou, perto dos 20 anos de idade. Venceu todos eles. Quieto. Eles continuaram a provocação, mas entre eles. Ao vivo é outra coisa.

      1 reply
    • Micro picture
      artigos · over 1 year ago · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      spider · over 1 year ago · 2 pontos

      Um belo text, parabéns!

      1 reply
  • criticasrasas Críticas Rasas
    2019-02-09 01:07:16 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Críticas Rasas - Edição Irmão #1: Ben 10 (2017)

    Meu irmão zerou o seu primeiro jogo e eu o acompanhei pela jogatina para caso ele precisasse de ajuda em algumas partes, e aproveitei pra analisar o jogo para depois comparar as minhas impressões com as de uma criança de 7 anos, que realmente é o publico alvo desse game.


    Bom... O jogo é triste - Tem uma jogabilidade muito simples e enjoativa que te leva a passar todo o game apertando 3 botoes. Com o decorrer do jogo novos aliens vão sendo desbloqueados, mas não tem nada em suas habilidades que deem um gás a mais pro jogo.  

    A única coisa que realmente muda é a “skin” do Ben e nem mesmo as batalhas contra os vilões do jogo conseguem empolgar pela falta de carisma dos mesmos que chega a ser admirável.

    O visual e level design do jogo deixa a desejar até para jogos de PS2, a única coisa que remete à atual geração é a sua alta resolução. E a trilha sonora, fazendo jus a todo o resto do jogo, é bastante esquecível.

    O que meu irmão achou ?

    Pra saber o que ele achou, fiz duas perguntinhas básicas:

    - Eae, gostou do jogo ?

    - Gostei muito. É muito legal.

    - Por que você gostou ?

    - Por que da pra se transformar em vários aliens pra bater nos bichos e ganhar dos chefão.

    Considerações finais...

    Ele gostou bastante do jogo e eu podia ver a empolgação dele a cada alien que ele desbloqueava e a cada onda de inimigos que ele conseguia derrotar. 

    Então para o publico alvo do game, é um jogo muito bom que com certeza vai entreter bastante seu irmão, filho ou sobrinho que ainda está começando nesse caminho sem volta, que é jogar video game. 

    Ben 10

    Platform: PC
    4 Players

    9
    • Micro picture
      xch_choram · almost 2 years ago · 2 pontos

      Eu acho que gostaria de jogar isso se eu fosse menor mesmo, acho que também não fugiria dessa avaliação de "ah gostei da pra transforma e é legal" kkkk

  • 2019-03-29 16:09:54 -0300 Thumb picture

    O que é jogar games para você?

    Medium 3712732 featured image

    Salve, salve galera…

    Estou aqui escrevendo meu primeiro artigo para a persona Crossanimation.

    Estou um tempo pensando em algo para escrever e entreter vossas leituras aqui no alvanista, com um pouco de dúvidas referente ao meu futuro (sim, estou pensando em mudar de área profissional e me arriscar em outra totalmente nova para mim).

    Uma pergunta que terá diferentes respostas e sentimentos…

    Sim, diferentes respostas e sentimentos, pois nem todos terão a mesma opinião, mas em conjunto será algo sobre a sua pessoa, algo só seu e que ninguém há de discordar disso.

                                           O que é jogar games para você?

    São poucas pessoas próximas a você fez esta questão, ou até mesmo, ninguém efetuou esta questão para você.

    Para quem está de fora do mundo gamer, que não tem afinidade ou acompanha a todo momento as novidades, não sabe definir ou entender o que pode significar você passar de uma fase de Mega-Man X6, conseguir o título da FA Cup com um time da 4ª divisão da Inglaterra no modo carreira do FIFA, finalizar o modo Arcade em Tekken 7 na última dificuldade, conquistar um item raro em um jogo de RPG (não vou saber dizer um nome, sorry), posso citar diversas coisas sobre isso, mas prolongarei demais o texto.

    Em minha opinião respondendo esta pergunta: 

    “É um momento somente seu de diversão, onde você mergulha para mundos inexistentes, aventurar, explorar. Em um momento você é um herói salvando um mundo, em outro é um lutador de artes marciais enfrentando seu inimigo.

    É diversão, esquecer que a vida real tem seus altos e baixos, tragédias que podem o deixar para baixo.

    Momentos de superar limites desconhecidos, despertar sua criatividade, raciocínio, buscar aprendizado de coisas que você acha que nunca iria buscar na vida, uma história real, um cálculo, um ditado, uma cultura.”

    A imagem acima é uma foto de minha coleção pessoal, onde iniciei em 2010 comprando alguns jogos com preços abaixo de 50 reais, alguns tem um preço de lançamento que adquiri e outros que amigos meus venderam a preço acessíveis ao meu bolso, quando eles compraram um PlayStation 4.

    Sim, amo jogar, sou um viciado nato, com os games co-op online, você acaba criando novas amizades, até mesmo pessoas de outros países, cria vínculos com outras pessoas.

    Compartilham de um sentimento e sensações diferentes.

    Bom galera, é isso, espero que tenham entendido um pouco o que quero passar neste texto, e comentem também, respondam essa questão. Um forte abraço a todos.

    @armkng

    Super Street Fighter II X - Grand Master Challenge

    Platform: Arcade
    13 Players

    50
    • Micro picture
      dantlast · over 1 year ago · 4 pontos

      Eu me deparei com um momento aonde me questionei sobre o que é o vídeo game recentemente, aonde minha namorada disse que não entendia como eu não me emocionava com filmes mas com jogos sim. É algo inexplicável mesmo, só quem joga entende a sensação. É como se fizéssemos parte daquele mundo.
      Boa sorte na nova empreitada, o que há de melhor virá!

    • Micro picture
      artigos · over 1 year ago · 3 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      andre_andricopoulos · over 1 year ago · 3 pontos

      Boa sorte...e sucesso. Também estou mudando de área...mudar faz bem...sai da rotina e monotonia, além de novos conhecimentos.😉
      ...
      Jogar game, pra mim, é um estilo de vida. Não vejo minha vida sem jogar videogame. Consigo vivenciar qualquer época, qualquer sentimento e sempre estou livre para fazer o que bem entender.
      ...
      Jogar games também é uma válvula de escape desse mundo tão conturbado em que vivemos. Mas vai além...estimula minha mente, aprimora meus idiomas, me acalma, me deixa feliz.
      ...
      Quem pensa que videogame não é cultura... está muito enganado. Saiba que os gamers lêem tanto quanto um leitor com seu livro (vide anotações in game para lermos,).
      ...
      Vou encerrar por aqui... porque meu amor por games...geraria uma coletânea de livros. É muito amor!

      1 reply
  • 2019-03-12 09:34:06 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    O contrato de licenças da Nintendo

    Medium 3709161 featured image

    O Crash de 1983 deixou o público americano desacreditado com videogames e a Nintendo veio com a importante missão de salvar a indústria com o lançamento do NES. Depois que a Activision ganhou o processo de poder criar e distribuir jogos para o Atari 2600, criando o conceito de Third Party, várias outras empresas começaram a lançar jogos de baixíssima qualidade. Para evitar que isso acontecesse, a Nintendo criou uma série de restrições para que as desenvolvedoras terceirizadas pudessem lançar jogos para o seu novo sistema. A criação do selo de qualidade Nintendo passava ao consumidor a ideia que tal jogo era licenciada e, portanto, um jogo de qualidade. Porém, para conquistar esse selo, as empresas tinham que seguir uma série de regras bem rigorosas.

     Em questão de software, jogos eram facilmente censurados. Não podia haver nenhuma conotação sexual, cenas de violência, sangue ou mesmo imagens profanas ou com ligação religiosa. As produtoras de jogos estavam restritas a publicação de até 5 jogos por ano, que fez com que muitas empresas criarem marcas adicionais para publicações de mais jogos, como a Ultra Games da Konami e a Namcot da Namco. Outra restrição imposta pela Nintendo é de que se a empresa optar por trabalharem com o NES, deveria ficar exclusiva a plataforma por pelo menos 2 anos. Isso limitava o alcance de jogos de terceiros para as concorrentes NEC, Atari e Sega.

     Em questão de hardware, a Nintendo incluiu em todos os videogames o 10NES Chip. Era um chip de autenticação que se comunicava com outro chip que vinha em cada cartucho. Como ela era a única fabricante de cartuchos para o NES, isso obrigava as empresas a comprar cartuchos apenas da Nintendo. As empresas eram obrigadas a comprar, pelo menos, 10 mil cartuchos dela. Mesmo que o jogo não vendesse bem, a produção já estava paga e o prejuízo era inteiramente da produtora. Essas práticas de mercado gerou muita revolta para as produtoras e um processo foi aberto junto ao órgão regulador dos Estados Unidos, o FTC, contra o quase monopólio que a Nintendo havia criado nos videogames.

     A Nintendo acusou a Blockbuster de desonestidade mercadológica com a prática de alugar cartuchos do NES. Jogos de lançamento podiam ser facilmente alugados e prejudicava a venda. O Blockbuster teve que parar de distribuir os manuais originais para poder continuar com a locação. A Tengen, que era a subdivisão de jogos para consoles da Atari Games, criou o chip Rabbit por meio de engenharia reversa que simulava a autenticação do 10NES Chip. A partir daí, uma leva de jogos não licenciados pela Nintendo foram lançados pela Tengen. Outras empresas usavam um Dongle para conectar o jogo não licenciado e burlar as regras da Nintendo.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    50
    • Micro picture
      manoelnsn · over 1 year ago · 6 pontos

      É bem plausível essa atitude da Nintendo na época após o crash, mas mesmo hoje em dia ela continua com umas ideias um tanto retrógradas

      2 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · over 1 year ago · 5 pontos

      Obrigado, NINTENDO!
      😍

      6 replies
    • Micro picture
      speedhunter · over 1 year ago · 5 pontos

      Para a época, foi até compreensível as restrições que a Nintendo fez. Hoje em dia, ainda há muitas ideias arcaicas da que me distanciam cada vez mais da Nintendo.

      3 replies
  • 2019-02-08 10:07:36 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Mega Drive: O poderoso console de 16-bits da Sega

    Medium 3702529 featured image

    O console de 8-bits da Sega, o Master System, embora tenha feito sucesso na Europa, não conseguiu superar as vendas do NES nos EUA e nem do Famicom no Japão. O CEO da Sega japonesa, Hayao Nakayama montou uma equipe para desenvolver um novo console doméstico para a nova geração. O lançamento do PC Engine da NEC deu ainda mais urgência ao desenvolvimento, que propunha adaptar a placa de Arcade System 16 em formato menor. O console foi anunciado com o nome de Mark V, porém, a administração da Sega propôs um nome mais forte. Em 29 de Outubro de 1988, o Sega Mega Drive é lançado no mercado japonês, porém, o aparelho foi ofuscado por um novo jogo da série Super Mario lançado 1 semana antes.

     A Sega, mais uma vez, acertou no design do aparelho. Ele vinha escrito “16-BIT” no topo em grande destaque, pois era o verdadeiro videogame de 16-bits da nova geração, uma vez que o PC Engine vinha com 2 processadores de 8-bits. A carcaça era preta com um grande círculo no topo acompanhado da entrada de cartuchos e os as funções do aparelho no canto. Ele vinha com 2 entradas para controles e uma curiosa entrada para fones de ouvido. Por dentro, ele vinha com uma CPU Motorola 68000 de 16-bits com 7,6 MHz como processador principal e um Zilog Z80 de 8-bits para o controle de som. 72 KB de RAM e 64 KB de RAM de vídeo, era capaz de produzir 61 cores simultâneas com resolução de até 320x240 pixels.

     O Control Pad do Mega Drive é um dos primeiros controles de videogame a apresentar um design ergonômico. Há pegadores em formato de bumerangue que se ajusta melhor nas mãos dos jogadores, fugindo do design quadrado dos controles das concorrências. O D-Pad circular permite acessar as 8 direções com mais facilidade. Há 3 botões de ação posicionada em fileira, de modo que o polegar consiga alcançar todos com grande precisão. Os botões foram chamados de A, B e C e possuem orientação da esquerda para a direita. Além disso, o botão de Start agora estava no controle, situado acima dos botões de ação. Os cartuchos eram pretos e vinham com uma belíssima arte do jogo, ocupando quase toda a frente do cartucho.

     Os títulos de lançamento do Mega Drive eram adaptações ou portes de Arcade. Altered Beast é o jogo principal e o que mais se assimilava a versão de Arcade, inclusive, era o único jogo com que permita 2 jogadores simultâneo. Osomatsu-kun: Hachamecha Gekijō era um jogo de plataforma que promovia o anime lançado no mesmo ano. Space Harrier II era muito semelhante a versão do primeiro jogo de Arcade, mas com opção de selecionar a fase que deseja se aventurar. Era incrível ver aqueles efeitos de Super Upscale 3D dos Arcades rodando em um console caseiro. E por fim, Super Thunder Blade, também similar a sua versão de Arcade.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    75
    • Micro picture
      kb · almost 2 years ago · 5 pontos

      O Motorola 68000 era um processador bem poderoso no final da década de 80. O meu Mega Drive é esse original japonês da foto. Foi com o Mega Drive/Genesis que a Sega atingiu seu ápice e se tornou uma forte potência na indústria dos videogames. Enquanto o sucesso no Japão foi de certa forma modesto, nos EUA o console brilhou devido às estratégias acertadas do CEO da Sega for America, Tom Kalinske e o Genesis foi um adversário e tanto para o SNES da Nintendo. O modelo original com saída de fone de ouvido fazia um diferencial e tanto nos jogos, com acústica e sonoridade bem melhor do que o som exibido na TV.

      8 replies
    • Micro picture
      darlanfagundes · almost 2 years ago · 5 pontos

      O melhor da era 16 bits.... NADA supera Sonic! IJOSoijasoiasjioasjasoas!

      1 reply
    • Micro picture
      porlock · almost 2 years ago · 2 pontos

      eu adoro altered beast...

      2 replies
  • 2019-03-21 09:10:16 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    A evolução das placas de Arcade

    Medium 3710954 featured image

    Os primeiros Arcades criados, como o Computer Space (1971) e o Pong (1972) eram baseados em circuitos integrados e lógica booleana, mas em 1975, a Taito cria o primeiro jogo de Arcade baseado em processador, Gun Fight, baseado em um Intel 8080 de 2 MHz e sem cores. A partir daí, a Atari também começa a criar Arcades com processadores da Motorola, como o 6800, e o 6502 que permitia gráficos coloridos e era capaz de criar gráficos vetoriais. A mais poderosa placa de Arcade dos anos 70 foi a Namco Galaxian, criada em 1979 e usava o processador Zilog Z80 de 2,5 MHz. Suportava cores em RGB, sprites multicoloridos e fundo com tilemap. No ano seguinte, o hardware permitia que vozes sintetizadas fossem emitidas, como no jogo King & Balloon.

     A fim de diminuir os custos de troca de gabinete, a Data East introduz o DECO Cassete System em 1980. Era uma placa de Arcade onde os jogos eram distribuídos em fita cassete. Apesar de revolucionário, o sistema ficou defasado quando os jogos de Arcade se tornavam cada vez mais complexos. O Bubble System da Konami de 1985 usava jogos em disquetes e foi onde Gradius nasceu. Em 1984, a Nintendo lança o VS. System, que também seguia essa mesma premissa, com jogos focados em competições e distribuídos em cartuchos. Os jogos eram semelhantes a sua versão de NES ou Famicom. Também em 1984, a Atari lança suas placas de Arcade. Marble Madness estreia a System 1 e PaperBoy a System 2. O PlayChoice-10 da Nintendo de 1986 vinha com 10 jogos de NES disponíveis para o gabinete.

     A Sega foi uma das empresas de maior destaque nos anos 80. A ideia de criar vários jogos para uma mesma placa nasceu na VIC Dual de 1977, com Depthcharge. A Z80 era uma versão modificada da Namco Galaxian e estreou com Moon Cresta em 1980 e teve upgrades até 1984. A VCO Object foi criada em 1981 e trouxe o jogo Turbo, com um revolucionário gráfico pseudo 3D com sprites escalonados. Essa técnica foi aprimorada com a Hang-On e Space Harrier de 1985, Out Run de 1986, X-Board de 1987 com After Burner e a Y-Board de 1988 com Power Drift. Além dessas placas, a série System também teve destaque, como as System 1 de 8-bits que foi lançada em 1983 com Star Jacker, a System 16 em 1985 com Teddy Boy Blues e a System 24 em 1988 com Gain Ground. A Sega também foi pioneira nos jogos em laserdisc, com Astron Belt em 1983.

     Outra empresa que teve grande destaque nos Arcades foi a Namco. Depois do lançamento da placa Pac-Man em 1980 e a Galaga em 1981, a placa de Pole Position de 1982 é a primeira com processador de 16-bits da história. A Namco Pac-Land de 1984 inaugura os jogos de plataforma com side-scrolling. Em 1986, a System 86 estreia com Sky Kid Deluxe e no ano seguinte, duas placas poderosas, System 1 com Yokai Dochuki e a System 2 com Final Lap. Mas a grande revolução vem em 1988, com a System 21 Polygonizer rodando Winning Run. É a primeira desenhada especificamente para renderizar polígonos 3D. A Capcom, que sempre focou em jogos com sprites 2D, lançando, no mesmo ano, a CPS-1 e Forgotten World é o jogo estreante.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames, @fredson, @kb [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    49
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · over 1 year ago · 3 pontos

      Lembro da época, em especial anos 80...meados dos 90...que ARCADE era absurdamente bem superior graficamente aos games "de casa".
      ...
      Uma pena que pararam com tal investimento, né? Seria massa os arcades com gráficos que vemos na atual geração...
      ...

      2 replies
    • Micro picture
      leandro · over 1 year ago · 3 pontos

      Baita matéria. Uma curiosidade: Qual placa seria a do clássico Arcade Donkey Kong ? Eu nunca cheguei estudar isso, a respeito

      3 replies
    • Micro picture
      porlock · over 1 year ago · 3 pontos

      q maneira a historia das placas... quero uma continuação disso, com as placas mais modernas...

      1 reply
Keep reading → Collapse ←
Loading...