claudia_mr

Recomendo jogos não cadastrados na Alva ou com 0 posts. Faço parte do Video Games Death desde 2011

You aren't following claudia_mr.

Follow her to keep track of her gaming activities.

Follow

  • 2019-07-09 20:27:55 -0300 Thumb picture

    O Jogo Feito no RPG Maker que Ganhou um Remake de Playstation

    Eu lembro que a uns anos atrás, jogos feitos no RPG Maker estavam em febre, mais ainda do que hoje em dia. A todo o momento eu via pessoas falando de Ib, desenterrando Yume Nikki e Ao Oni ganhando centenas de versões diferentes. Mas, como já vimos com Corpse Party, jogos feitos nessa engine do Maker já existem a mais tempo.

    Lá no ano de 1998 a empresa ASCII Entertainment organizou um evento onde vários desenvolvedores indies competiriam entre si, cada um apresentando um jogo de autoria própria.

    Nessa competição, um cara chamado Nishida Yoshitaka apresentou um jogo muito diferente do usual, intitulado: Palette.

    Em Palette, você começa vendo o famoso psiquiatra Cyanos B. Syan em seu consultório falando sobre sei trabalho para o jornal. Mais tarde ele decide ir embora, mas antes que pudesse sair de sua sala, uma mulher do lado de fora de sua sala o interrompe, dizendo que ele precisa urgentemente atender uma garota no telefone. Cyanos logo se vê obrigado a aceitar a chamada, e é ai que a trama começa de fato.

    Assim que o psiquiatra atende a menina, ela diz que se chama B.D e que tudo que ela vê é vermelho. A garota é cega e perdeu a memória, e Cyanos tenta fazer a garota recuperar sua memória de pouco em pouco.

    Na maior parte do jogo, você controla a garota, que é limitada por uma barra “de energia” que representa quantidade de memórias que ela já tem. Essa barra de energia existe pois como a personagem está comprometida mentalmente, a cada esforço que ela faz, a barra perde uma parte, e conforme a história vai avançando, a barra fica maior e com mais “energia” para gastar sem chegar no zero. Caso a barra chegue no zero, B.D fica com uma forte dor de cabeça, a chamada encerra e Cyanos tem que ligar para ela de novo.

    Esses esforços são feitos quando B.D “quebra” uma espécie de parede de vidro, que são as limitações de sua memória ou quando ela “desbloqueia” algum “interruptor” que seria algo ou alguém que representa uma memória muito importante e que abre uma nova cena para que B.D recupere mais memórias.

    Sem dar spoilers, apenas direi que esse jogo me surpreendeu muito. A história é extremamente bem construída, original, misteriosa e te prende do inicio ao fim.

    Não é atoa que Nishida foi o vencedor do concurso, e não só ganhou uma quantia generosa de dinheiro, como teve um remake de seu jogo feito para o Playstation intitulado Forget me Not: Palette.

    O jogo teve seus gráficos melhorados, músicas originais, cenas com animações diferentes e até dublagem em algumas partes.

    Infelizmente essa versão foi lançada apenas no Japão, mas para a nossa sorte, o jogo original foi traduzido para o Inglês e pode ser baixado aqui: http://www.vgperson.com/games/palette.htm

    Forget me Not

    Platform: Playstation
    2 Players

    24
    • Micro picture
      niji_surana · 4 months ago · 1 ponto

      Essa versão de PlayStation eu lembro da gnt jogando um pouquinho, quando der, zera cmg plssss

      1 reply
    • Micro picture
      santz · 4 months ago · 1 ponto

      E eu achando que essa pegada de jogos RPG maker era bem mais recente.

      1 reply
    • Micro picture
      claudia_mr · 4 months ago · 1 ponto
  • 2019-07-08 21:47:20 -0300 Thumb picture

    Recomendação de Jogo: Laplace no Ma (Demon of Laplace)

    Eu disse que ia tentar vir mais, e aqui estou eu vindo recomendar outro jogo! (e dessa vez vou fazer um post maior). O jogo da vez é um Survival Horror RPG para Super Famicom publicado pela Human Entertainment (Clock Tower, Twilight Syndrome). 

    Uma das coisas que eu amo nesse jogo, é que o time da Human, empresa  responsável pela publicação do jogo, inclui o Goichi Suda (época que ele estava na Human, trabalhou em vários títulos, como na série Twilight Syndrome, e Moonlight Syndrome). Hoje ele é mais conhecido por ser CEO da Grasshopper Manufacture ( inclusive tem outros antigos funcionários da Human, assim como ele), onde criou jogos mais conhecidos como Killer 7, No More Heroes, Lollipop Chainsaw, Killer is Dead, Fatal Frame IV e Shadows of the Damned (e outros, infelizmente menos conhecidos, como The Silver Case, Flower Sun and Rain e Michigan Report from Hell). E ele é com certeza meu desenvolvedor de jogos favorito entre todos. 

    No enredo de Laplace no Ma, um grupo de exploradores foram assassinados em uma mansão, e uma garota que foi atrás deles desapareceu. Desde então, todo mundo que vai investigar acaba morto ou sumido. No jogo você escolhe ser homem ou garota, e escolhe sua classe (detetive, médium, etc) e seu dever é investigar a mansão e a cidade. 

    Cada classe tem suas características e vantagens, e depois que você escolher seu protagonista, você pode aumentar sua party explorando a cidade, e escolher personagens com as respectivas classes que você deseja para seu time. 

    Em resumo: Você deve explorar a enorme mansão para desvendar seus mistérios, e a cidade possui vários lugares onde você pode descobrir outras dicas, comprar armas e recuperar a sanidade e a vitalidade de seus personagens. 

    Falando em sanidade, Laplace no Ma curiosamente possui uma barra de sanidade dos personagens (MP: Mental Points), e ela pode ser prejudicada inclusive por monstros atacando repentinamente; e caso a barra fique muito prejudicada, o personagem fica transtornado e difícil de ser controlado, podendo atacar até o próprio time. Esse lance da sanidade me lembra muito Eternal Darkness (jóia do Game Cube). 

    O jogo também possuí quests que você pode conseguir na cidade, e eles ajudam muito com recompensas e experiência. 

    Enfim, eu recomendo muito esse jogo para quem adora um RPG e um bom Survival Horror também. Eu amo a história do jogo, a ambientação e até o gameplay muito diferente para a época. Pode ficar frustrante se perder na enorme mansão e acabar em lutas repentinas e caindo em armadilhas, mas isso se torna divertido quando você explora com mais cautela, pois o jogo claramente não foi feito para ser fácil. O jogo não saiu do Japão, mas pode ser jogado tranquilamente, pois é fácil achar seu patch traduzido pesquisando na internet. 

    Uma curiosidade para quem lê livros do Lovecraft, é que com certeza você vai sentir referências nesse jogo.

    Ps: Tentei achar de onde veio essa fanart para dar os créditos, e achei um site com um RPG de mesa que tem essa arte na caixa (achei curioso, pois pareceu muito baseado em Demon of Laplace). Os créditos dos desenvolvedores e artistas estão no link: https://boardgamegeek.com/boardgame/152250/ghost-hunter-13-tile-game/credits

    Laplace no Ma

    Platform: SNES
    15 Players
    5 Check-ins

    27
    • Micro picture
      rax · 4 months ago · 1 ponto

      Nunca ouvi falar desse game,mas curti a arte dos personagens.

      1 reply
    • Micro picture
      emphighwind · 4 months ago · 1 ponto

      Pior que um amigo meu tava comentando deste jogo recentemente, pelo que ele descreveu, parece mais tranquilo que o Sweet Home.

      5 replies
    • Micro picture
      jcelove · 4 months ago · 1 ponto

      Esse nao conheço, mas adventure/rpg da human no snes é qualidade. Vou atras.

      4 replies
  • 2019-07-07 19:01:19 -0300 Thumb picture

    Recomendação de Jogo: Maggie’s Apartment

    Normalmente eu sempre atualizo meu Alvanista, mas eu fico MUITO ausente das redes sociais, e nunca posto aqui, mas vou tentar aparecer mais, recomendando brevemente jogos que eu gosto muito, e vejo poucas pessoas comentando. 

    Maggie’s Apartment é um jogo ótimo pra quem ama um Adventure Point and Click. A arte do jogo é MUITO linda, bem diferente, a dublagem do jogo é foda demais e as músicas do jogo são todas originais e muito boas também (inclusive as músicas são cantadas). E eu não vou dar spoiler, mas esse jogo me deixou de queixo caído e a história é muito muito boa, profunda e diferente. Eu já zerei muitos jogos na vida, e mesmo assim esse me surpreendeu pela originalidade. Mesmo o jogo sendo praticamente sempre no mesmo cenário, ele da conta de ser tão bom.

    A explicação breve do plot:  Uma garota que mora em um apartamento para poder ficar com seu namorado algumas vezes, e um tempo depois que seu namorado vai embora, ela descobre que o prédio foi fechado e ninguém entra e nem sai, e ela quer descobrir o motivo.

    Ps: Eu tirei essa foto pois parece uma referência ao jogo Harvester, e eu adorei hahaha

    Ele foi feito por Anatola Howard e Duncan Cross. Esse é o site oficial: https://www.anatolahoward.com/maggie

    Harvester

    Platform: PC
    19 Players
    4 Check-ins

    28
Keep reading → Collapse ←
Loading...