You aren't following bis.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • 2017-10-17 18:42:59 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    FINAL FANTASY X | X-2

    ...CURIOSIDADE: HISTÓRIA DE TIDUS ENTRE FINAL FANTASY X E X-2 SERÁ CONTADA EM MOBIUS FINAL FANTASY.

    A Square Enix começou um evento especial “Dream Within a Dream” em Mobius Final Fantasy (para celulares) no Japão com a temática de Final Fantasy X.

    O evento explicará o que aconteceu com Tidus entre FFX e FF X-2. Devido à cutscene Eternal Calm, nós sabemos a visão de Yuna da história. Agora, teremos a de Tidus.

    Vale ressaltar que Mobius Final Fantasy possui vários membros da equipe de FFX, como Motomu Toriyama, Yoshinori Kitase e mais, incluindo o roteirista Daisuke Watanabe. Dito isso, esse evento não será "aleatório" - estará nas mãos de uma equipe familiarizada com o jogo.

    Não há previsão para o evento começar no Ocidente.

    =============================

    FONTE: SILICONERAPSXBRASIL

    =============================

    Mobius Final Fantasy

    Platform: PC
    39 Players
    62 Check-ins

    9
  • bis Bismarque Silva
    2015-06-16 02:51:12 -0300 Thumb picture
    Post by bis: <p><a href="https://www.youtube.com/watch?v=f7sjdwc

    Aleluiah! Aleluiah! Aleluiah!Aleluiah!      Aleluiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa .......... aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhh

    2
  • julio777 Julio r a f
    2014-07-16 20:56:35 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    30
    • Micro picture
      gossouza · about 5 years ago · 0 pontos

      @fredson vc ja deve ter visto isso mas não custa marcar...

    • Micro picture
      barbarabai · about 5 years ago · 0 pontos

      @gossouza eu já ía marcar ele e dizer o mesmo huahauahuahauhau, não custa marcar...@fredson lol

    • Micro picture
      netosensei · about 5 years ago · 0 pontos

      Eu poderia ter ido dormir sem essa ein! HAuahUAhUAH!

  • 2014-05-05 20:58:59 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    Post by canal03: <p>@bluedragon</p><p><img alt="https://fbcdn-sphoto

    @bluedragon

    https://fbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn1/t1.0-9/q71/s480x480/10295710_662727263764168_48623218575663038_n.jpg

    34
    • Micro picture
      natansouza · over 4 years ago · 1 ponto

      Ouvi mt isso, faz muito tempo e ate hj nunca queimei tv com video game ... kkk

    • Micro picture
      michaeldmelo · over 5 years ago · 0 pontos

      Meu pai sempre dizia isso quando eu queria jogar na tv que era maior.

    • Micro picture
      dunks · over 5 years ago · 0 pontos

      Minha vó sempre dizia isso, eita saudades da minha vozinha =x

  • juninhowii360 Juninho Junior
    2013-12-08 00:25:52 -0200 Thumb picture
    Thumb picture
    132
    • Micro picture
      gusgeek · over 5 years ago · 0 pontos

      =O

    • Micro picture
      edufigueiredos · over 5 years ago · 0 pontos

      Dar uma escurecida aqui pra ficar melhor UHASUHAUSAS HUE

    • Micro picture
      le · over 5 years ago · 0 pontos

      Tipo... Isso faz alguma diferença pro jogo? Pra mim, a única diferença ali é o contraste, o que não tem nada a ver com a potência do sistema.

  • 2013-12-01 21:47:32 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Emulador ou console, qual é o melhor?

    Uma dúvida recorrente que, vez ou outra, aparece nos fóruns de jogos em toda a internet é esta pequena dúvida, o que é melhor, emulador ou console? Cada jogador tem a sua preferência, mas, as vezes, temos esta pequena dúvida, porque, por mais que tenhamos um console em nossas mãos, está ficando cada vez mais difícil achar jogos para um console especifico, quando que, em contrapartida, é relativamente fácil ter os jogos de sua preferência diretamente na internet e podê-lo jogar no emulador, já que o mesmo não requer um meio físico para “rodar” a rom, além, claro, do computador.

    Creio que devamos pesar os prós e os contras de cada meio, pois, assim, poderíamos saber com exatidão qual é a melhor maneira de jogar um jogo. E isto depende completamente do individuo. Eu poderia já dizer que o que escrevi acima é um contra para o console e um pro para o emulador, mas, aí, teríamos um pequeno porém, os controles, com exceção dos controles de dois botões e com configuração próxima ao do SNES, a jogabilidade fica um tanto comprometida para com os demais sistemas, já tentaram jogar Nintendo 64 com controles clones do PSX ou do 360? Não? Eu sim, e a configuração fica horrível, para não dizer péssima.

    Em contrapartida temos os filtros de imagem que servem, senão para deixar os jogos mais bonitos, mas, pelo menos, mais suaves se em comparação com o sistema original. Não é querendo reclamar, mas as imagens serrilhadas do Final Fantasy 8, no PSX, eram um tanto broxantes que são radicalmente suavizadas usando-se os filtros contidos no epsxe, dando um pouco mais de vontade de jogar o game, ou sem estouro de pixels em vários jogos de fliperama que podemos jogar no MAME, mas, aí, vários vão dizer: “A graça do jogo está no sentimento nostalgico que ele nos traz.”, e eu não deixo de concordar com isto, mas eu prefiro um jogo bonito nos olhos e nostalgico no coração.

    Voltando ao fato de arrumar jogos, eu acho que aí o emulador leva a maior vantagem, e desvantagem, pois achamos quase todos os jogos na internet e deixamos eles aqui no HD para jogar quando quisermos, mas, em contrapartida, não temos aquela mesma gana de ir atrás do game na sua caixinha original, com a label bem tratada e que, assim, podemos colocar na estante e com o HD lotado acabamos não jogando quase nenhum jogo como assim queríamos.

    E isto leva a outro problema do Emulador, os famosos Save States, que eu já falei deles aqui mesmo, que podem acabar com a graça do desafio do jogo com um pequeno apertar de botão, o Save State, como um todo, pode ser considerado um cheat. E é este tipo de coisa que não se tem no console.

    Fica aqui a pergunta, o que é melhor? Console ou emulador?

    185
    • Micro picture
      tiagobattousai · over 5 years ago · 0 pontos

      Console!

    • Micro picture
      tiagobattousai · over 5 years ago · 0 pontos

      Emulador é um quebra galho pra quem não tem console. Ou por não querer ter um, ou por não ter condições de ter um, ou por não achar pra comprar.

    • Micro picture
      artoriasblack · over 5 years ago · 0 pontos

      Console é legal, mas em emulador pode se jogar games que nem sequer foram lançados nessa parte do mundo por exemplo.

      e sobre os Save States, acho valido usar desde que não seja a cada 5 segundos. e pode ser util para zerar jogos que não tem passwords ou que esses são longos e complicados

  • 2013-11-30 16:20:30 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Quanto vale um jogo?

    Não querendo entrar no mérito na discussão sobre PS4, garoto e os 4k - coisa que já fiz no meu perfil principal, fico com uma questão premente a todos que estão aqui.

    Qual é o preço de um jogo? Seja ele para PS3/PS4, XBoX 360/One, PSVita, 3DS? Mas não o preço de mercado, mas sim aquele que deveria ser o preço justo para com o consumidor médio brasileiro?

    Será que as lojas praticam preços justos, de verdade, ou existe espaço de manobra para que os mesmos caibam de melhor tom em nossos bolsos? Existem, claro, todo um arcabouço de tarifas, impostos e afins que o governo impõe sobre qualquer produto, mas até onde estas tarifas interferem e até onde o lucro-brasil se acumula no preço final?

    Vivemos num país, ainda, de miseráveis, onde uma parcela não tão grande assim vive relativamente confortável, enquanto que o resto vive para trabalhar e, ainda assim, tem pouco o que gastar no final do mês.

    É fato que quando queremos algo, não importa o preço na tabela, nós queremos e pronto, mas até que ponto vale o preço? Até que ponto vale ter aquele jogo na prateleira?

    Não é um artigo dissertativo, mas deixo em aberto para discutimos sobre o assunto.

    20
    • Micro picture
      tassio · over 5 years ago · 0 pontos

      R$100 reais, lançamento. O que acham?

    • Micro picture
      netobtu · over 5 years ago · 0 pontos

      O preço de jogos de PC eu acho ótimo, pq é equivalente ao preço lá fora. 99 reais para lançamentos.

    • Micro picture
      tassio · over 5 years ago · 0 pontos

      Aí me colocam R$5.000 no jogo de SNES porque "é raro" e eu tenho que achar isso "justo" ahahaha XD

  • 2013-11-29 13:13:22 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Quando muito não é o bastante!

    Faço uma pergunta, quando foi que uma limitação de uma ferramenta limitou a capacidade do ser humano em criar? Eu fiquei impressionado assim por causa da seguinte afirmação de Matthew Karch, CEO da SABER Interective, nesta página.

    “A próxima geração de consoles fará coisas fantásticas. Estamos limitados em relação ao o que podemos fazer em termos de jogos e isso vem principalmente do poder dos processadores. A melhor forma de ilustrar isso é como tivéssemos um pacote de Lego com 100 peças e outro com 1000 peças – você pode fazer muito mais com o segundo pacote. Você terá mais opções e mais blocos para fazer algo grande e formidável.

    Se você pode gerar multidões dinâmicas fazendo coisas reais, você não pode fazer isso na atual geração de consoles. Se você pode ter simulações de líquidos e melhores simulações de roupas e ao invés de animações rígidas de corpos, ter corpos dinâmicos, com articulações flexíveis… pense sobre o tipo de jogabilidade que pode ser criada com a tecnologia permitindo.”

    Certo, é legal saber que já estamos chegando no limite teorico dos consoles novamente, também, o 360 foi lançado em 2005, o PS3 e o Wii em 2006, já se vão aqui quase 6 anos desta geração atual e sabemos que chega um ponto no qual, graficamente falando, o limite das gpu‘s pode chegar ao seu ápice. Agora, convenhamos, dizer que os consoles da atual geração estão limitando a criação de mundos, histórias e jogos, é uma verdadeira asneira.

    A VOLTA NO TEMPO.

    Lembro-me bem do tempo do Atari - não sou um jogador tão antigo assim -, onde a única limitação do jogo era a sabedoria do programador – que, vez ou outra era apenas um cara fazendo o jogo inteiro -, em torno da linguagem que o sistema usava para rodar os seus jogos e, convenhamos, o Atari era bem limitado, mas, ainda assim, trouxe vários clássicos inesqueciveis para as salas de muitos jogadores. Claro que muitos jogos não tinham história, mas enredo para que? O importante era a diversão. Ainda assim tinhamos vários jogos que nos prendiam a tal ponto que passavamos horas e horas jogando, como foi o caso, para mim, de Enduro, o bisavó do Gran Turismo.

    Quem diz que precisa de um computador mais potente, levando em conta que um videogame é um computador, é porque nunca deve ter trabalho nos tempos da Era de Ouro dos consoles e, tão pouco, ter jogado os games da mesma época. Não sei exatamente quem é este cara, na verdade, nunca tinha ouvido falar da empresa dele e, então, fui no Wikipedia para saber mais a respeito.

    Will Rock – PC (2003)
    TimeShift – PC, PS3, X360 (2007)
    Battle: Los Angeles (through Live Action Studios) – PSN, XBLA, PC (2011)
    Halo: Combat Evolved Anniversary – X360 (2011)
    Inversion – PC, PS3, X360 (2012)

    Basicamente só programaram jogos da atual geração, então o carinha não tem lá muito respaldo. Se fosse, pelo menos, um Yu Suzuki, que falou a seguinte coisa sobre o Saturno “Uma única CPU rápida seria melhor. Eu não acho que todos os programadores tem a habilidade de programar com duas CPU’s – a grande maioria só consegue pegar 1+1/2 da velocidade completa de um único processador SH-2. Eu acredito que um a cada cem programadores são bons o bastante toda essa velocidade [quase o dobro] do Saturno“, onde ele critica a arquitetura do Saturno, mas vê como o console tem um grande potencial; um Hideo Kojima ou um Miyamoto, eu até daria o braço a torcer, mas como nenhum destes grandes caras da área de jogos, até o presente momento, estão gritando aos plenos pulmões que a atual geração morreu, não temos com o que se preocupar. Depois de ver a lista de jogos desta empresa, pergunto, será que jogaram Super Pitfall? Sonic? Vectorman? Donkey Kong Country? Contra: Hard Corps? Alex Kidd? Super Mario? Algum console das antigas gerações?

    O ÚNICO LIMITE É A IMAGINAÇÃO

    Não importa em que sistema você esteja trabalhando, como o título acima, o único limite é a imaginação, pois, se o jogo é bom o bastante, o gamer vai produzir o resto do jogo na sua mente. Quem nunca imaginou – e foi ajudado pelo desenho do Mario da Globo – como e porque diabos o Mario e o Luigi foram parar no reino dos cogumelos? Ou quando e porque o Sonic é o heroí do seu mundo? E saber como o Arnold Schazenegui – não vou escrever o nome certo, nem vou copiar do wikipedia – e o Rambo se encontraram em Contra? Enfim, a questão é o limite teorico dos consoles, mas sim como envolver os jogadores nos seus games.

    A mágica para envolver as pessoas, em geral, em suas obras requerem um truque singular de saber o que elas querem e saber o que você quer passar. Descrever O Fantástico Mundo de Bob e fazer com que a pessoa seja envolvido completamente na narrativa da história, ou na falta dela, e se sentir no meio desta. É por isto que vemos muitos filmes que nos mostram efeitos especiais e visuais magnificos, mas falham completamente em envolver o espectador, livros com um quão sem número de páginas que acabam definhando nas prateleiras das livrarias por serem considerados densos demais ou obtusos demais, e assim vai para todos os produtos da cultura atual que existem por aí.

    A atual preocupação de gráficos e gráficos, não era uma coisa preocupante na época do NES-Master-Mega-Super, claro, todo mundo queria mostrar o que aquele console era capaz de fazer, mas, tenho de dizer que a maior preocupação era com os jogadores. É importante não ser um Graphic-Whore e sim se importar mais com os jogadores. É não se deixar limitar pela tecnologia atual, mas, apenas, pela própria imaginação. E vocês? Preferem jogos lindos ou uma narrativa/jogabilidade envolvente? Ou lindos mundos com gráficos exuberantes sem nenhum conteúdo?

    18
    • Micro picture
      renatolf · over 5 years ago · 0 pontos

      Cacete, limitando a criatividade? Sacanagem hein

    • Micro picture
      samuelgamer · over 5 years ago · 0 pontos

      Eu sempre dei preferência à narrativa e desenvolvimento de personagens na minha avaliação de jogos (deve ser por isso que detesto tanto simuladores e jogos de esporte). Gráficos pra mim são apenas o quinto quesito em ordem de importância. Hoje em dia, com essa super valorização dos gráficos não se vê mais aquela criatividade e empenho dos tempos antigos. Vemos muito mais do mesmo, pouca inovação e está parecendo que as produtoras perderam o amor pelos jogos. Agora só tratam de potência gráfica e arrancar dinheiro dos jogadores.

    • Micro picture
      lelukas · over 5 years ago · 0 pontos

      Existe uma coisa chamada COEFICIENTE FECAL, o desse cara que falou isso é alto, so isso gente :)
      Otimo texto (y)

  • 2013-11-28 13:14:55 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    O que faz uma trilha sonora ser memorável?

    Estava um dia desses pensando com os meus botões e acabei por ter a música do Top Gear na cabeça durante umas 3 horas... e a música continuou, continou, continuou até que eu pudesse jogar o maldito jogo, principalmente o 2, que pode até não ser tão lembrado quanto o primeiro, mas tinha ótimas músicas também.

    Daí eu faço uma pergunta, o que faz uma trilha sonora ser memorável?

    Será que as músicas de hoje em dia são tão memoráveis como de antigamente?

    Quais trilhas sonoras você acha a mais "perfeita" que existe nos dias de hoje?

    Streets of Rage

    Platform: Genesis
    4470 Players
    89 Check-ins

    17
    • Micro picture
      le · over 5 years ago · 0 pontos

      A questão é que, antigamente, como o poder sonoro era muito menor, as trilhas precisavam primar por um tema, algo mais "grudento", e mais por melodia do que por ambiente.

      Atualmente, grande parte dos jogos têm trilhas orquestradas, bem parecidas com trilhas de filmes, que tão mais lá pra dar o clima do que pra ser apreciadas de fato.

      Algumas conseguem fazer as duas coisas, mas a maioria é como as de filmes mesmo. Passaram a ser mais complexas, mas menos memoráveis por não terem nada que grude na sua cabeça.

    • Micro picture
      morreupassouocontrol · over 5 years ago · 0 pontos

      Não poderia ter escolhido jogo melhor para colocar como exemplo, rs.

    • Micro picture
      le · over 5 years ago · 0 pontos

      Ah, sim, sem falar que pouquíssimas faixas são reutilizadas ao longo do jogo. Tem coisa que vai tocar durante 30 segundos de um pedaço e nunca mais.

      Jogos com músicas que são mais repetidas (tipo Dynasty Warriors, Ken's Rage, Street Fighter IV, Skullgirls...) acabam tendo músicas mais memoráveis. Até trilhas mais orquestradas, só que com mais repetição ao longo do jogo (tipo a do primeiro Resident Evil) acabam ficando mais gravadas na cabeça da gente.

  • 2013-11-26 20:44:50 -0200 Thumb picture
    Thumb picture

    Franquias... até quando usá-las?

    Antigamente quando um jogo era criado, as empresa financiavam a criação do mesmo para que, quando fosse lançado, pudesse arrancar o máximo de grana possível dos consumidores. Este tipo de comportamento fazia com que os desenvolvedores criação os jogos em seu nível "máximo", com quase tudo completo e de uma forma que, por sua qualidade, ganhasse propaganda gratuita a partir do bom e velho boca a boca.

    Era particularmente interessante aquela época, até um pouco antes da geração PS2, onde os jogos viam completos e quase sempre sem bugs - mas isto é uma história outra -, onde os jogos eram únicos em sua acepção e se fossem bem aceitos era hora de fazer uma continuação.

    E aí vieram vários jogos que acabaram por se tornar franquias, citando apenas alguns exemplos: Mario, Crash Bandicoot, Tomb Raider, Pokemon, Sonic e Resident Evil, e muitas delas de sucesso, outras um tanto quanto esquecidas... mas o porém está aí... até quando uma franquia pode continuar a existir?

    Muitas delas que estão por aí parece que são outra coisa daquilo que foram originalmente, outras ainda conseguem extrair muito daquilo que já foi mostrado e acabam por se reinventar - Mario e Pokemon, apesar de serem o mais do mesmo ainda continuam muito divertidos, Tomb Raider retirou o nome Lara Croft - mesmo usando a mesma personagem - e voltou ao bom estilo de antigamente -, outras, apesar de terem se reinventado, na opinião deste articulista, acha que não são mais aquilo que eram antigamente, Resident Evil é um exemplo e Dead Space se perdeu no título 3.

    Outros exemplos que podem ser citados são os jogos de bandas, onde a Activision e a Harmonix foram ao extremo ao ponto de "estragaram" os seus próprios sucessos...

    Então voltemos a pergunta original: Até onde continuar com uma franquia e não seria melhor criar algo realmente novo e se arriscar um pouco?

    Resident Evil CODE: Veronica

    Platform: Dreamcast
    1638 Players
    13 Check-ins

    17
    • Micro picture
      artoriasblack · over 5 years ago · 0 pontos

      hoje em dia é assim, se seu jogo fez sucesso e quer continuação? beleza. mas só até O TERCEIRO JOGO DA FRANQUIA e encerre. sério, ultimamente essas franquias co mais de 3 jogos estão cagando e devido a pura e simples ganância.

      veja o que houve com Gears of War e o jogo do Kratos. e até Resident Evil já entrou nessa roda há tempos.

      ao menos Silent Hill parou com a franquia com o Downpour.....por enquanto

    • Micro picture
      blastprocessing · over 5 years ago · 0 pontos

      @bexus, quando o time principal debanda, se a empresa não tiver um plano contigência, certamente a franquia afunda...

      Outras vezes a mesma afunda quando eles tentam mudar demais de foco, vide Dead Space, um jogo que resgatou o Survival Horror em dois títulos e quase se destruiu no terceiro... por ganância da EA... que quer acabar com Mass Effect também.

    • Micro picture
      blastprocessing · over 5 years ago · 0 pontos
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...