avmnetto

Um cara que cresceu apaixonado por games e através deles viveu em vários mundos. Retrozeiro!

You aren't following avmnetto.

Follow him to keep track of his gaming activities.

Follow

  • blackerhp Eric Nantes
    2018-03-15 09:22:09 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Recomendem games de PS1/PSP

    Alô! Estava aqui procurando uns jogos para deixar baixado para um futuro gameplay, mas como é difícil ter uma base sem ver um gameplay. 

    Peço a humilde opinião de vocês sobre qual jogos jogar para PSP e PS1. Bom eu não ligo para gênero quando há uma boa história ou gameplay. Então apenas me diga os jogos que lhe marcaram e realmente te divertiram.

    30
    • Micro picture
      rafaelseiji · over 1 year ago · 4 pontos

      Yu-Gi-Oh! Forbidden Memories de PS1, ame ou odeie xD

      12 replies
    • Micro picture
      andre_andricopoulos · over 1 year ago · 3 pontos

      SILENT HILL

    • Micro picture
      lcfreezer · over 1 year ago · 2 pontos

      Ps1 - Bushido Blade 2, Soul Edge, Castlevania Symphony of the NIght, Driver 2, Evil Zone, FF7, FF9, Macross Plus: Game Edition, Mega Man 8, Mega Man Legends, Tenchu 1 e 2, the Misadventures of Tron Bonne
      PSP - Mega Man Powered Up, Maverick Hunter X, FF Crisis Core

      1 reply
  • 2018-03-14 09:36:15 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Os jogos cancelados de Resident Evil

    Medium 3610244 featured image

    Resident Evil é uma série consagrada, querida por milhares de gamers e, desde 1996, segue tendo lançamentos que, mesmo vivendo altos e baixos, e expandindo seu universo para além de Raccoon City, mantém sua base de fãs firme e fiel. Porém, para uma série deste tamanho, vários games acabaram sendo projetados, mas, por várias razões acabaram sendo cancelados.

    Vamos conhecer quais são estes games cancelados, que praticamente poderiam se transformar em uma série, de tantos games que foram apresentados, mas não entregues. Seja para a geração 32-bit, para portáteis, ou mesmo jogos que acabaram se transformando em outras franquias, Resident Evil tem uma lista considerável de games que nunca existiram.

    Resident Evil: Dash – Saturn (1996)

    Todos nós sabemos que Resident Evil ganhou uma versão para o Saturn com muitas exclusividades, como documentos exclusivos, um segundo Tyrant, Wesker zumbi em um modo batalha e cenas sem censura, porém o 32-bit da Sega contaria com um game exclusivo da série para chamar de seu. Resident Evil Dash foi mencionado por Yoshiki Okamoto, da Capcom, na revista Genki Playstation, no final de 1996.

    Na entrevista, o produtor chegou a explicar um pouco do enredo, que se passaria três anos após o primeiro Resident Evil, e teria como "inimigos" as plantas, que foram infectadas e também se transformaram em ameaças para a população de Raccoon City. Com a descoberta de uma nova sala, secreta, sob o laboratório de Tyrant, dois novos protagonistas voltariam à Mansão Spencer, que ofereceria novas salas e se apresentaria danificada graças aos eventos do game original, e funcionaria de maneira semelhante a Resident Evil 3, que reaproveita alguns elementos de seu antecessor.

    A Mansão Spencer seria o cenário em RE: Dash, porém destruída após os eventos do game original.

    Porém, Resident Evil 2 já estava em desenvolvimento, e tal jogo foi cancelado para não atrasar o gameque seria prioridade. Deste projeto, as plantas de fato foram um incômodo na cidade em RE2, e também apareceram com o seu veneno em RE Outbreak File #2.

    Resident Evil 1.5 (Playstation) – 1997

    Com o sucesso do primeiro Resident Evil, a Capcom partiu para o desenvolvimento do segundo game, e, em um primeiro momento, ele seria bem diferente da versão que conhecemos. Conhecido como Resident Evil 1.5, o game já apresentava alguns elementos da versão final, mas contavam com diferenças importantes, que fariam a diferença caso fosse a versão definitiva.

    A principal delas, talvez seria um tiro no pé. Junto com Leon S. Kennedy, que já era um dos protagonistas, a inédita Elza Walker, seria uma motociclista que também chegaria na Raccoon City condenada. Além da personagem, que mais tarde foi adaptada e definida como Claire Redfield, a irmã de Chris que vai até a cidade em sua procura, o policial não começaria a história nas ruas da cidade, e sim já na delegacia, e os zumbis seriam bem diferentes. Mas, apesar do seu estágio de desenvolvimento bem avançado, acabou sendo cancelado e o game foi direcionado para a versão que foi lançada em 1998, com Leon, Claire, Ada e os demais personagens.

    Um grupo de fãs se reuniu para tornar jogável o projeto, cancelado em 70% de seu desenvolvimento, e é possível encontrar a ISO em sites de emulação.

    Resident Evil 2 (Saturn) – 2000

    Resident Evil 2 estava em desenvolvimento para o Playstation, e a Capcom também queria levá-lo ao Saturn, assim como aconteceu com o jogo original. Porém, em 2000, Shinji Mikami, o produtor da série, divulgou pessoalmente um pedido de desculpas pelo cancelamento do game, alegando que o console não teria a mesma qualidade no sistema da Sony, mas garantiu que o time de desenvolvimento estaria focado em um game para Dreamcast, o Code: Veronica, e o segundo RE acabou sendo portado para o videogame da Sega posteriormente.

    Foi cancelado em data próxima a Final Fight Revenge, o último game da Capcom para o problemático 32-bit da Sega, que reinou soberano apenas como console para jogos de luta.

    Resident Evil (Game Boy Color) – 2000

    Com o anúncio do Game Boy Color, que além de colocar cores no portátil da Nintendo, também ofereceria um hardware melhor, a Capcom tentou levar o seu Resident Evil original para o console. O problema é que, enquanto outras produtoras transformavam suas franquias em games de plataforma ou simplificavam-os para serem funcionais no portátil, a Capcom tentou encaixar o jogo de Playstation na telinha recém-colorida.

    O resultado foi um game complicado, pesado e, embora caprichado, por explorar os limites do console, o game, feito pela HotGen, acabou cancelado, uma vez que a Capcom assumiu que não seria uma boa ideia colocá-lo nas plataformas. Mais tarde, Resident Evil Gaiden chegou, fez feio, e a Capcom conseguiu, enfim, lançar Resident Evil em um portátil da Nintendo com a versão para o DS, que usava razoavelmente bem a tela de toques do portátil.

    Onimusha (Playstation 2) – 1997

    A Capcom sempre se demonstrou bem experimental com sua série de zumbis, e prova disso era a tentativa de um spin-off da história principal, levando os zumbis para o Japão feudal, o que seria bem interessante, pois a cronologia de RE vai muito além dos eventos de seus games, e seria interessante ver "como tudo começou" em um Resident Evil Alpha. O cenário seria um castelo com armadilhas e demônios, com as espadas sendo a arma da vez.

    O game em si não foi cancelado, mas não recebeu o nome Resident Evil na capa. Em seu lugar, nasceu Onimusha, série que renderia quatro jogos e que seria um dos grandes nomes na geração 128-bit.

    Resident Evil 3 com HUNK protagonista (Playstation) – 1998

    Durante o desenvolvimento do que hoje conhecemos por Resident Evil 3, a Capcom trabalhava com vários profissionais em vários times a favor da franquia. Junto com a aventura de Jill em Raccoon City, também estavam em desenvolvimento RE: Zero e Code: Veronica, todos estes games passíveis de adaptações de acordo com o andar da carruagem da indústria de games, já que as antenas estavam ligadas na chegada do Dreamcast, e no anúncio do Playstation 2.

    Uma ideia que estava em consideração para ser o terceiro game oficial da série apresentava como protagonista o mercenário HUNK, que, em um cruzeiro de luxo, buscava levar em segurança uma amostra do G-Virus, do game anterior. Porém, seu desenvolvimento iria entrar em conflito com os consoles que estariam para chegar e os outros games, e a Capcom acabou decidindo colocar o 3 na história de Jill, assumindo um projeto que estava em pauta, mas como um game menor, que apresentaria a fuga dos habitantes sobreviventes de Raccoon City, em ideia que foi melhor trabalhada nos jogos Outbreak.

    Com a versão com HUNK descartada, a definitiva extinção de Raccoon City, os eventos acontecendo de maneira paralela a RE 2, e uma personagem forte como Jill Valentine foram as apostas da Capcom para apresentar um game de maneira rápida e com qualidade para os jogadores, uma vez que os outros games chegariam apenas um, ou dois anos depois.

    Devil May Cry (Playstation 2) – 1999

    Assim como Onimusha, Dante e sua história nasceu através de Resident Evil, que, em princípio, seria um RE 4 bem diferente da aventura que todos conhecemos. Nesta versão, o grande problema seria o vírus Fog, codinome do projeto, que se espalharia pela neblina e atingiria as pessoas, transformando-as adivinha em quê? Sim, em zumbis.

    Leon já era o protagonista desejado para o game, mas, em uma decisão que sabiamente foi descartada, o protagonista ganharia poderes ao ser afetado pelo vírus. Só este Super-Leon, já faria com que o game fugisse mais da proposta da série do que já estavam fugindo naquela oportunidade, então o projeto acabou por ser rejeitado, mas com o seu potencial observado. Com isso, Leon se "transformou" em Dante e o resto da história você já sabe.

    Resident Evil Zero (Nintendo 64) – 2000

    Este game acabou sendo lançado, mas não em sua plataforma original. Com o milagre que foi Resident Evil 2 para o Nintendo 64, que acabou encaixando todo o conteúdo de dois CDs, com CGs e tudo, dentro de um cartucho, a Capcom se animou e partiu para desenvolver Resident Evil 0, com Rebecca Chambers como protagonista, em uma trama que ocorria antes dos eventos na Mansão Spencer. Como o cartucho não tinha problemas com loadings, uma das novidades do game era a troca rápida entre os protagonistas.

    Porém, a Nintendo anunciou o seu Dolphin, que viria a ser o GameCube, e a Capcom decidiu então migrar todo o seu projeto, que já contava com imagens para revistas e até um vídeo com gameplay no trem pronto, para o novo console da Nintendo, por permitir maior exploração do mesmo. O resultado foi um game bastante competente, que ganhou posteriormente uma versão para o Wii, além de ganhar remaster em HD anos mais tarde.

    Resident Evil 4 Hook (GameCube) – 2001

    Voltando a Resident Evil 4, assim como aconteceu com o segundo game da franquia, algumas versões estavam em desenvolvimento, sendo descartadas em favor de uma nova, com adaptações e novidades. Além da versão que originou Devil May Cry, uma versão mais avançada, também com Leon de protagonista estava em desenvolvimento, com uma "pressão" extra: um fantasma que carregava um gancho e perseguia o agora agente especial.

    Aqui o game ainda lembrava mais os jogos clássicos do que as novidades que seriam implementadas no game de 2005, como os corredores apertados e as câmeras fixas, mas o problema era o fantasma. Mesmo com uma explicação científica para justificar sua presença, o elemento, que funcionava bem em Fatal Frame, não foi bem aceito em Resident Evil, que acabou sendo cancelada para abrir espaço para o RE 4 que todos conhecemos.

    Resident Evil 2 (Game Boy Advance) – 2003

    Este game não foi necessariamente cancelado, mas sim, rejeitado. Em 2003, a Raylight Studios descobriu uma nova forma de renderizar gráficos em 3D para o Game Boy Advance, e para conseguir chamar atenção dos estúdios, a empresa decidiu por ela própria investir em conversões de games famosos e assim, tentar levá-los ao portátil, já famoso por adaptar diversos games de Super Nintendo.

    Resident Evil 2 foi um dos jogos escolhidos, e apresentado para a Capcom, que disse não para a proposta. Mas um vídeo da demo vazou, e uma ROM desta demo ficou disponível, e é funcional para qualquer emulador do GBA.

    Resident Evil Portable (PSP) – 2009

    Durante a era de ouro do PSP, e a chegada de franquias importantes, como Grand Theft Auto e Metal Gear Solid, a Capcom chegou a anunciar na E3 2009 o Resident Evil Portable, que teria inclusive a participação dos fãs para escolher o protagonista, em votação. Mas esta foi a primeira e a última vez que tal game foi divulgado.

    Totalmente ignorado, o jogo não recebeu nem uma nota oficial de cancelamento, mas há quem diga que algumas de suas ideias foram reaproveitadas posteriormente para o Resident Evil Revelations. Só que tal informação nunca foi confirmada, nem desmentida.

    Resident Evil 7 da Creative Assembly (PS4 / Xbox One / PC) – 2015

    E até o Resident Evil 7 já foi imaginado de maneira diferente da oficial. Mas, assim como o port de RE 2 para o Game Boy Advance, a iniciativa não partiu da Capcom, e sim da Creative Assembly, que mostrou saber fazer jogos de terror com o ótimo Alien: Isolation. Buscando assumir o sétimo jogo da série, o estúdio procurou conversar com a Capcom para obter este direito, mas tiveram um não como resposta.

    Tempos depois, um artista da Creative Assembly de nome Brad Wright mostrou algumas artes de seu portfólio, e entre eles, alguns desenhos de sua versão de RE 7, que apresentava uma dupla em posição de ação, e uma garota infectada. O que eles significariam para a trama, talvez só iremos saber no futuro.

    Fonte: Tribo Gamer

    Resident Evil 7 biohazard

    Platform: PC
    305 Players
    133 Check-ins

    31
    • Micro picture
      cacotives · over 1 year ago · 1 ponto

      ótimo post pessoal da tribo.

    • Micro picture
      luan_toigo · over 1 year ago · 1 ponto

      uma pena que o onimusha 4 (dawn of dreams) é um dos mais fracos da série

    • Micro picture
      kess · about 1 year ago · 1 ponto

      Eu conhecia a pretensão do RE Dash, mas essa é a primeira vez que eu vejo imagens relacionadas à ele. Muito obrigado por isso.

  • andre_andricopoulos André Zanetti Andricopoulos
    2018-03-16 22:34:53 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    57
    • Micro picture
      gradash · over 1 year ago · 3 pontos

      Somos OPRIMIDOS! Exigimos nossos direitos!

      1 reply
    • Micro picture
      onai_onai · over 1 year ago · 3 pontos

      Minha adolescência foi assim, era por isso que eu passava mais tempo na locadora do que em casa.

      1 reply
    • Micro picture
      roberto_monteiro · over 1 year ago · 2 pontos

      Ahuhuhajauhua

  • darlanfagundes Darlã Fagundes
    2018-03-16 23:22:59 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Nossa Senhora que oportunidade perdida!!!

    Acabo de ver o link do programa Trato Feito aqui... chega me deu arrepios...
    Um dos donos desses cartuchos, o cinza e o raríssimo dourado,EM PERFEITO ESTADO, esteve no programa e pediu SOMENTE 35mil dólares nos cartuchos... o dono da loja chorou, ele baixou pra 32mil, e o cara da loja não comprou!!!
    https://www.facebook.com/groups/1558284557741400/p...

    Pra quem até aqui não entendeu o que se passa eu vou passar o link DE UM LEILÃO NO EBAY SOMENTE DO CINZA, O MAIS FRACO!

    https://www.ebay.com/itm/221357006206?ssPageName=S...

    SIM! O CARA DO TRATO FEITO PERDEU UM NEGÓCIO SENSACIONAL!!!!

    Nintendo World Championships 1990

    Platform: NES
    11 Players

    36
    • Micro picture
      gradash · over 1 year ago · 4 pontos

      Se bem me lembro, me corrijam se eu estou errado, o trato feito é uma loja de penhores né?
      Os caras deixam algo e pegam o dinheiro para pagar de volta depois de um prazo, caso paguem eles devolvem o produto.

      2 replies
    • Micro picture
      mateusfv · over 1 year ago · 3 pontos

      O AVGN fez um video sobre esse dai ele realmente é caro pra caramba, o dourado msm acho que tem umas 10 cópias no mundo todo, perdeu altos negócios por n saber o valor real da parada uhashusauh

      3 replies
    • Micro picture
      gradash · over 1 year ago · 3 pontos

      PUTA MERDA!

  • gradash Elton Gradash
    2018-03-15 10:43:10 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    31
  • jugemu 寿限無
    2018-03-15 06:28:32 -0300 Thumb picture
    Thumb picture
    50
    • Micro picture
      onai_onai · over 1 year ago · 3 pontos

      Legal! E sem esquecer o PC que também não deixa de ser um console.

      1 reply
  • 2018-03-13 09:57:27 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Castlevania- Revista Warpzone Clássicos

    Fala galera, de novo mais um post diferente, dessa vez se refere a um produto ai que você fã da franquia pode estar adquirindo por um preço bacana pra sua coleção ( ou não). Hoje falarei sobre a revista lançada pela Warpzone, farei uma breve review do que você pode encontrar na revista, que tipo de conteúdo você vai achar nela, como é a "qualidade" do produto, emfim, esse tipo de detalhe.

    Mas antes mesmo de começar a falar sobre a revista quero agradecer a galera da Warpzone por ter sido atencioso comigo, pois tive problemas com a entrega do produto, foi tudo resolvido através de uma conversa com eles por e-mail, e eles foram atenciosos, cuidadosos, e mostraram que se importam com os seus clientes, algo raro hoje em dia! Eles realmente merecem agradecimentos e respeito por isso.


    Segue a postagem, dá o play na musica e vamos embora!



    A revista

    Como podem notar temos na capa o adorado Alucard, em uma arte já conhecida mas muito bonita, facilmente uma boa escolha para a capa, afinal Alucard é amplamente conhecido, praticamente um simbolo da franquia!


    Não posso deixar de citar também a beleza das artes da Ayami Kojima  nessas paginas da revista, que alias é feita em uma qualidade excelente,uma especie de papel fotográfico, para efeito comparativo as paginas se assimilam mais ou menos ao papel utilizado para capas de DVD´s e jogos, então nesse quesito temos uma revista de excelente qualidade, imagens em uma ótima definição, papel utilizado na produção não deixa nada a desejar.


    E falando nas artes, devo também citar o quão lindo foi a escolha dos designers da revista, cada pagina é tematizada com o jogo em questão, simplesmente bonito!


    A unica coisa que deixa a desejar no ponto de aparência, qualidade do livro é o seu tamanho, bom como eu realmente não lembro de ter visto ( mas também não posso afirmar que não tenha essa informação) as dimensões do livro no site deles, o que me deixou meio desanimado é o tamanho da coisa ( UI!)


    Para efeito de comparação coloquei uma caixa do X360 ao lado, a revista por pouco não ficou do tamanho de um encarte de jogo!




    O conteúdo

    E agora não teremos mais imagens, basicamente texto explanando pontos positivos e negativos referentes ao conteúdo, e é aqui que o bicho pega, tendo pontos positivos excelentes como problemas na hora de dosar conteúdo sobre a franquia. E por motivos de compre se quiser ler não irei tirar fotos em boa qualidade dos textos da revistas ( e se você conseguiu ler algo ali de cima, meus parabéns pois não era pra conseguir, a qualidade da minha câmera é horrenda!).


    Bom como é meio vago falar sobre o conteúdo em si da revista vou separar por tópicos, tópicos tais que a própria revista usa.

    Cronologia

    A revista logo de cara joga na sua cara uma linha cronológica da franquia, com um breve resumo sobre os jogos, o ano em que se passa, dando uma boa ideia para os fãs novatos da franquia de como a coisa anda em Castlevania, nesse ponto não tenho nada a reclamar ( por que incluíram as versões diferentes, spin offs e até arcades) , porem prestem atenção na parte em que eu disse sobre "Breve resumo" dos jogos.

    Dissertação sobre os jogos

    Logo após a pincelada entramos na dissertação sobre cada jogo, um setor onde a pincelada vira uma bela parede pintada primorosamente e com pontos feios diga-se de passagem.

    Cada jogo da franquia ( exceto pelas versões do mesmo jogo, como Castlevania, e Super Castlevania IV ) são citados aqui, onde a revista disserta sobre enredo, mecânicas do jogo,algumas pequenas curiosidades sobre os jogos e algumas imagens de sprites explicando suas funções nos jogos, e em alguns casos a revista conta com um "Roadmap" pra ter caminhos diferentes, e antes que perguntem, sim tem mapa do CV 2 e do 3!

    É bem bacana alias ler isso na revista, mas como nem tudo é  perfeito, a revista conta com alguns problemas na gramatica, claro isso não atrapalha muito, mas o que de fato incomoda é que alguns jogos da franquia não são tão bem explanados como os outros, por exemplo, temos em Castlevania 2 e 3 paginas glamourosas de conteúdo sobre os jogos, enredo, mecânicas, curiosidades e mapas, tudo agraciado pelo design lindo da revista, mas chegando em paginas mais avançadas (80 pra frente) onde mais ou menos é citado os Castlevania´s 3D a coisa desanda... Não digo na qualidade dos designs da revista, mas sim em conteudo, não sei o que causou isso, se foi por que o editor não gostava de Lament Of Inocence, Curse Of Darkness, Castlevania 64, Legacy Of Darkness e LOS, ou se é por que eles tinham que manter a revista com 100 paginas, mas emfim, chegando mais ou menos na pagina 80 em diante a coisa desanda, pois a parte de dissertação sobre os jogos diminui, por exemplo, Castlevania 64 e Legacy Of Darkness são resumidos em duas paginas, LOI e COD em apenas uma para cada, LOS são duas paginas para 3 jogos.

    Lembram que eu disse la em cima sobre "breve resumo "?
    Então, o breve resumo dos jogos que eu citei ( LOI,COD, 64, LOD, LOS) é mais detalhado do que as paginas que dissertam sobre eles, dando um ar de desleixo ou de "Temos que enfiar isso em 100 paginas", um pequeno grande deslize. 

    E provavelmente alguns fãs vão falar, " Mas os de 64 e o LOS são uma bosta! Nem castlevania é", e sim, você pode achar isso, mas independe do seu gosto pessoal, se é um Castlevania, o minimo que você deve fazer é dissertar sobre eles de igual para igual, não importa se você gosta ou não.

    Curiosidades

    Falta de espaço, ou falta de pesquisar o setor de curiosidades da revista ficou ralo, temos sim boas informações, como CD´s de trilha sonora, HQ, Action Figures e afins, mas apesar de ter coisas boas, existem mais 1001 curiosidades sobre a franquia que poderiam ter sido citadas, um bom exemplo seria as influencias cinematográficas dentro dos jogos, a arquitetura gótica e composição musical poderiam ter sido dissertadas ( a arquitetura gótica é citada no começo da revista, mas bem breve).




    Vale a pena ?

    Apesar dos pequenos e grandes defeitos que eu citei a revista ainda vale a pena, o preço é um pouquinho salgado mas vale o dinheiro gasto, a qualidade da revista em si é muito boa, o conteúdo é bacana, a escrita alias é bem simples e de fácil entendimento para qualquer pessoa, é um produto bacana pra se ter na coleção, e serve como guia para quem é novo no universo de Castlevania!


    E de novo agradeço a Warpzone pela atenção com seus clientes! 

    Feed Vampírico !

    @volstag , @matsugaki , @ralyson , @vinicios_santana_3 , @mateusfv , @elionazio , @thecriticgames , @ggreed , @zak_yagami

    Quer ficar sabendo sobre novas postagens ? Comente em qualquer postagem da persona que te colocaremos no Feed Vampírico :D

    Não se esqueçam também de dar uma passada na nossa Central de postagens! estaremos atualizando ela constantemente e ali você pode ver todas as postagens sobre a historia, a mitologia as inspirações, personagens e curiosidades da franquia Castlevania, conteúdo criado e editado com muito carinho aqui pela gente, para que você fã de Castlevania tenha acesso mais fácil a informações da franquia, e o melhor, aqui no Alvanista e em português ;)

    Castlevania: Symphony of the Night

    Platform: Playstation
    9834 Players
    302 Check-ins

    31
    • Micro picture
      santz · over 1 year ago · 3 pontos

      Essas revista da WarpZone eu tenho muita vontade de ter. Mas ainda não tenho nenhuma.

      2 replies
    • Micro picture
      vinicios_santana · over 1 year ago · 3 pontos

      Sou um grande fan da franquia e adquiri essa revista, concordo com tudo que foi dito nessa análise, principalmente com a disparidade de informações nos jogos finais, alguns nem são citados os itens como nos do começo.
      Tirando isso, adorei a revista, além do marcador muito bonito que recebi.
      @italochianca tem alguma relação com a Warpzone? Ou é só do Jogo veio?

      4 replies
  • 2018-03-12 20:57:16 -0300 Thumb picture

    Considere HONESTAMENTE a posição dos Correios

    Hoje esperava dos Correios uma encomenda já registrada para entrega. Ninguém tocou o interfone de casa, ninguém deixou nenhum papel de tentativa. Nos registros foi lançado "Carteiro não atendido". Estão em trânsito mais 3 produtos que comprei sem saber da greve que viria.

    Já vi algumas discussões por aqui com o argumento de "Correios não são um monopólio de encomendas, somente de cartas" e que, "qualquer empresa pode competir no mercado de entregas caso deseje".

    Não faça isso. Você entende pouquíssimo como funciona uma estrutura de mercado e como pesam diversos subsídios estatais e como NÃO PESA a falta de qualquer responsabilidade sobre apresentação de resultados e gasto do dinheiro alheio.

    Assista ao vídeo abaixo e se surpreenda com as facilidades que os queridos Correios têm para "trabalhar". Muitas delas um verdadeiro tapa na cara de qualquer trabalhador e empresa brasileiros, do ramo de entrega ou não:

    3
  • 2018-03-09 00:07:30 -0300 Thumb picture
    avmnetto checked-in to:
    Post by avmnetto: <p>Matando saudade desse hoje... ô triha sonora do
    Double Dragon

    Platform: Neo Geo
    289 Players
    3 Check-ins

    Matando saudade desse hoje... ô triha sonora do car****! 

    s2

    6
  • 2018-03-09 00:01:57 -0300 Thumb picture
    Post by avmnetto: <p>(Um pouquinho atrasado, mas tá aí...)</p>

    Medium 532419 3309110367

    (Um pouquinho atrasado, mas tá aí...)

    Double Dragon

    Platform: Neo Geo
    289 Players
    3 Check-ins

    4
Keep reading &rarr; Collapse &larr;
Loading...