2019-12-18 00:47:29 -0200 2019-12-18 00:47:29 -0200

Desafio : Melhores jogos de 2019

Chegou aquela hora de relembrar os melhores "joojinhos" de 2019, muito deles não são de 2019 porque, né, backlog tá ai para nos amedrontar diariamente. Então, que comece o @desafio dos melhores jogos de 2019 !

5 - Dishonored 2 :

Dishonored foi uma das maiores surpresas de 2012, ao joga-lo fiquei instigado com a quantidade de possibilidades existentes de se passar de um desafio posto em suas fases. Por isso, quando a Arkane lançou o teaser de Dishonored 2, eu entrei no hype e fico feliz que, mesmo pela demora em joga-lo, ele é superior em todos os aspectos que o primeiro.

A continuação se passa 15 anos depois do primeiro game e te põem para escolher entre, o velho de guerra, Corvo e a, canon, Emily. A história é muito boa e, mesmo que a protagonista real seja a Emily, ter a possibilidade de repetir as missões usando os poderes do Corvo é muito bem-vindo. Falando em poderes, Emily e Corvo são totalmente diferentes, Corvo está igual ao jogo anterior, enquanto Emily é bem mais equilibrada para vários tipos de formas de jogo.

Muito do brilhantismo de Dishonored 2 vem de suas missões e sua liberdade, cada missão tem 3 ou 4 formas de se completar, com mapas interessantíssimos e ferramentas bem encaixadas. Se você curte jogos em stealth, Dishonored 2 é um must-play e um dos melhores do gênero.

4 - Celeste :

Apesar de já conhecer Celeste desde o seu lançamento, nunca havia dado tanta importância para o título por achar apenas um novo plataforma com gráficos charmosos. Entretanto, minha opinião mudou ao ver as primeiras impressões por parte do público, todo o clamor da comunidade falando o quão complexo são os temas do jogo, o quão bem feito é o level design, e diversas outros elogios.

Graças a Epic consegui joga-lo esse ano e descobri que, sim, Celeste é realmente tudo isso. Tudo nele é feito com carinho e com muita precisão, história, jogabilidade, pixel art, é estupendo o quanto que a Matt Makes Games lapidou as estruturas do que faz um bom jogo. Madeline é uma ótima personagem e o cast é carregado de carisma. A jogabilidade é precisa e, aliado com o level design, cria estágios divertidíssimos (você não fase do hotel).

3 - Phoenix Wright: Ace Attorney – Spirit of Justice :

Ace Attorney é uma franquia já estabelecida, os primeiros jogos lá do GBA dirigidos por Shu Takumi estabeleceu uma nova forma de se criar uma Visual Novel. Apesar disso, os dois últimos jogos da série principal não foram dirigidos por Takumi e sim por Yamazaki, entretanto o diretor já estava amadurecendo com os spin-offs de um dos melhores personagens da franquia, Miles Edgeworth.

Esse amadurecimento ajudou a criar o melhor Ace Attorney lançado até o momento. O maior acerto é restabelecer a fórmula consolidada na franquia, e usada meio desleixadamente no quinto capítulo, Dual Destinies. O maior trunfo de Spirit of Justice é dividir justamente o tempo de tela das duas maiores figuras da franquia, Phoenix e Apollo, e não tentar fagocitar um ao outro. O novo país, Khura'in, é excelente e cria as melhores figuras já apresentada na série e contrasta bem com Los Angeles, sim Ace Attorney localizou a cidade para Los Angeles. Fãs de VN joguem Spirit Justice, se você não gosta tanto assim VN, assim como eu, de uma chace que não vai se arrepender.

2 - The Outer Worlds :

Na E3 de 2018, fiquei muito curioso com The Outer Worlds. Um jogo da Obsidian, da qual não havia jogado nenhum jogo, com a estética curiosa e com muita ironia e humor, chamou minha atenção. Gamepass me salvou nessa e consegui joga-lo logo no ano do lançamento, e que jogo em.

A temática de The Outer Worlds já é bastante especial, um mundo distópico ultra capitalista e sindicalista é fantástica. Mas nada seria desse universo se a escrita não tivesse qualidade, e, olha, os escritores estão de parabéns. A escrita dele é muito boa e jocosa, os personagens são marcantes e carregado de carisma, os encontros (e desencontros) são instigantes e as quests com um bom design.

O gameplay é padrão, ele não brilha, mas diverti o suficiente para quebrar os ritmos dos diálogos. Na verdade, existe um tipo de equipamento, as armas científicas, que adiciona uma camada hilária aos combate. Outra vantagem é a duração, The Outer Worlds entende o seu escopo e prefere fazer uma experiência mais contida, tanto na exploração, quanto em quests, para construir algo de qualidade.

E, antes de falar o grande vencedor do melhor joguinho de 2019, deixo aqui uma lista de 5 menções honrosas (o que seria meu top 10 ao 6) :

10 - Resident Evil 4

9 - Hyper Light Drifter

8 - Bayonetta

7 - Middle-Earth : Shadow of War

6 - Phoenix Wright: Ace Attorney – Trials and Tribulation


1 - The Legend of Zelda - Breath of the Wild :

Breath of the Wild é incrível. Finalmente tive oportunidade de jogar o último título de uma das minhas franquias favoritas, e que jogo. A história é ok, o boss final nem é essas coisas também, mas que aventura bem feita. A nova fórmula de Zelda caiu como uma luva para um já enferrujado modo de construir os jogos anteriores. Os Zeldas 3Ds não são ruins, longe disso são excelentes, entretanto um novo, e refrescante, modelo foi bem-vindo para reacender a chama de uma franquia tão antiga.

A direção de arte é estupenda, a ideia de transformar Hyrule em um cenário pós-apocalíptico é ótima. Além do mais, a mistura do medieval com a tecnologia Sheika é um contraste maravilhoso, já que a tecnologia proporciona uma nova forma de encarar um mundo já explorado anteriormente.

Cada canto do mapa é alcançável, por causa da adição da escalada e do retorno do paraglider. Graças a isso, a liberdade é a maior possível para um jogo do gênero, até mesmo deixando o jogador derrotar o boss final desde o começo da aventura.

Claro, a experiência não é perfeita, como dito, a história é bem padrão, apesar de que alguns personagens foram muito bem apresentados, a Zelda tem um arco interessantíssimo, os Campeões são uma bela adição ao cast e o Link calado ainda me incomoda. Entretanto, Breath of the Wild é um daqueles que tá próximo à perfeição, e suas virtudes esmagam seus pontos fracos. Joguem Breath of the Wild, qualquer pessoa precisa ter experiência, porque ela é única e maravilhosa (Prepara-se também para enxurrada de jogos que vão tentar mimetizar o estilo criado nesse jogo).

30
  • Micro picture
    manoelnsn · 10 months ago · 2 pontos

    Spirit of justice é incrível mesmo. Fico me perguntando quando a desgraça da Capcom vai lançar mais alguma coisa da franquia...

    2 replies
  • Micro picture
    _gustavo · 10 months ago · 3 pontos

    Adoro Dishonored, pena que a equipe original de dissolveu da Arkane, agora é até melhor que a Bethesda nem toque nele porque certamente não vai ser tão bom quanto os 3, alias se vc não jogou ainda recomendo o Death of the Outsider, é mais curto mas complementa muito a história dos dois

    1 reply
  • Micro picture
    sweet_lorelei · 10 months ago · 2 pontos

    Zelda - Breath of the Wild tbm foi um dos melhores que joguei esse ano,muito lindo e imersivo,explorar,coletar recursos,cozinhar nunca foi mais divertido rsrsrs,amo d+ o majora's mask mas esse ultimo zelda virou meu favorito

    2 replies
  • Micro picture
    santz · 10 months ago · 2 pontos

    A fase do hotel é a pior do Celeste, mas também não é como se fosse horrível.

    2 replies
Keep reading → Collapse ←
Loading...