artigos

Persona para divulgação de artigos em destaque

Você não está seguindo artigos.

Siga-o para acompanhar suas atualizações.

Seguir

  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-09-07 20:21:11 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Porrada + fácil nos jogos de luta

    Medium 3668960 featured image

    Lembro - me de quando ensinei meu filho a dar os primeiros golpes no Marvel vs Capcom 3. Foi algo simples porque o game me ajudava nesse quesito e possibilitou o moleque a se divertir de uma maneira simples e rápida fazendo quase tudo dos personagens sem precisar sequer olhar a lista de golpes.

    Quando aprendi a jogar, nos primórdios dos árcades, a parada era sinistra: ou você olhava o que o viciado no jogo fazia pra aprender ou ficaria apertando botões e chacoalhando o controle como louco. Outra maneira que me serviu muito bem foi estudar os golpes das revistas, entender o significado de cada seta e por fim entender que aquele hum quarto de meia lua, mais o botão de soco resultaria numa “magia”.

    Era dura nossa vida nos anos 90. Pra alegria de muitos, alguns jogos, começaram a trazer modos mais simples. Nesses casos você só direcionava o controle pra alguma direção e apertava um botão ou apertava loucamente um botão pra executar um golpe especial ou combo completo.

    Meu primeiro contato com esse tipo de modo foi no Marvel vs Capcom do Arcade. Onde escolhia o modo EASY e se você apertasse dois botões acionava um super golpe, apertava um botão varias vezes fazia um combo e determinado botão rapidamente, um golpe especial. Não que eu usasse esse modo, mas entendia o porquê dele estar ali.

    Era uma maneira de facilitar pra quem quisesse se divertir casualmente, tipo um pai que nunca jogou o jogo com seu filho, mas quer fazer “os poderes dos personagens” porque viu alguém fazendo.

    Para a indústria, e importante que os consumidores se divirtam com seus jogos, e que sejam  acessíveis e essa tendência acabou ficando muito forte hoje em dia se tornando indispensável a cada lançamento. Games para celular usam essa acessibilidade como padrão em todos os games de luta que são lançados, um exemplo é a versão de The king of Fighter 13 e Mortal kombat X para android.

    Street Fighter 4 ganhou uma versão amigável para Nintendo 3DS, onde você conseguia fazer os golpes mais complexos apertando um só botão. Imagine só um guile mandando seu sonic boon andando pra frente e seu flash kick sem carregar pra baixo? Nesse game é possível com um só toque na tela do portátil.

    As Maiorias dos games de luta estão dando essas opções simples para os jogadores. Jogando The King of Fighters 14 notei que, com um botão consigo combar. Um combo simples é claro, mas não deixa de ser legal de se fazer. Em Marvel vs Capcom Infinity consigo Fazer air combos bem legais só com o botão quadrado terminando com um super golpe apertando dois botões no final. E no Tatsunoko vs Capcom de Nintendo WII, jogando com um Wii remote da pra fazer a festa! Sou completamente a favor dessa acessibilidade!

    Obviamente essa facilidade toda não formará jogadores habilidosos e muito menos profissionais, mas pode ser que, através dessa simplificação, eles venham a se interessar mais por games de luta e não se sentam intimidados com os  sistemas únicos  que esse gênero tem a oferecer.

    20
    • Micro picture
      kess · 2 meses atrás · 2 pontos

      Muitas vezes essa complexidade dos comandos realmente afasta a galera mais casual de gostar dum game de luta, mas essas facilidades tem que existir, e claro, sem estragar a diversão, muito pelo contrário!

    • Micro picture
      mattfenrir · 2 meses atrás · 1 ponto

      Meu primeiro jogo de luta (e de PS1) foi Marvel vs. Capcom! Eu jogava com o modo de controle "beginning".

    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-09-14 16:25:49 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 5:

    Medium 3671017 featured image

    Dedicação e esforço

    Você já parou pra pensar no quanto um gamer profissional se dedica pra alcançar seus objetivos? No tempo que ele passa treinando, aprendendo e literalmente suando a camisa pra conseguir bons resultados? Ele passa por tudo isso porque tem um objetivo e sabe que precisa se esforçar ao máximo pra conseguir e continua treinando mesmo com todas as adversidades que porventura, possam aparecer.

    Com você não precisa ser assim, ou se quiser, terá que trilhar um caminho parecido, mas como disse anteriormente no guia numero 2 (https://goo.gl/wf5b7j), você precisa saber qual é seu objetivo. 

    Passar algum tempo treinando, fará com que você melhore suas habilidades e conhecimento sobre o jogo. A cada novo movimento, a certeza que voce está evoluindo no aprendizado. No começo você terá muita dificuldade em fazer certas coisas e notará, entre um continue e outro, que, se fizer as coisas de uma maneira diferente poderá ter melhores resultados. Se algo que insiste em fazer não esta dando certo, tente fazer de outra forma.
    Use o modo de treinamento pra isso, e depois tente por em prática o que aprendeu contra seu adversário. No começo pode parecer impossível aprender certas coisas, mas te garanto que tudo é questão de esforço, paciência e insistência.

    Se você não esta conseguindo sozinho, procure alguém pra te ajudar com algumas dicas e ver o que está fazendo errado e corrigir. E com o tempo seu jogo vai ficar mais fluido e você mesmo notará isso. Perceberá detalhes que antes estavam ocultos, como saber a hora certa de usar anti - aéreos, ou golpes especiais, ou ainda usar combos pra punir seu adversário.
    São esses detalhes "mágicos" que tornam os jogos de luta tão cativantes: muitas opções pra se resolver uma situação e você nunca terá a sensação de "mais do mesmo", seja jogando com a CPU ou com algum amigo.

    23
    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      kess · 2 meses atrás · 1 ponto

      Não adianta, os games de luta não foram feitos para serem somente uma pancadaria no controle para que algo saia, tem que ter técnica, estudo, saber bem o que está fazendo, e principalmente, saber ler os adversários!

  • celoryuki1984 Marcelo de Souza
    2018-09-16 09:48:25 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Ku On: Uma Gema do Horror no Playstation 2

    Medium 3671468 featured image

    Desenvolvido pela From Software para o Playstation 2 em 2004, Kuon é um jogo do gênero Survival Horror ambientado no Japão Feudal. O desenrolar da trama se passa na cidade de Quioto, numa mansão pertencente a um Senhor Feudal que se queixa que talvez haja uma maldição sobre suas terras.

    O jogo disponibiliza em seu início, a escolha de dois cenários, como nos clássicos Resident Evil, podendo escolher dois personagens distintos para enredos únicos para cada um deles. O jogador pode escolher entre o cenário Yin que pertence a personagem Utsuki que com a ajuda de sua irmã, vão a mansão para investigar sobre o desaparecimento de seu pai, e o cenário Yang que conta a história de Sakuya, uma exorcista discípula de Doman. Após o término destes dois cenários, o jogador habilita um terceiro e conclusivo cenário para encaixar os dois primeiros: O Cenário KUON, pertencente a personagem Abe no Seimei, uma Exorcista Mestre que vai até a mansão para por um fim nos malignos cultos que amaldiçoam as terras do senhor feudal.

    Utilizando o sistema de gameplay único, um tanto diferente de Silent Hill e Resident Evil, Kuon tem seu próprio charme e consegue fazer com que o jogador fique preso a jogar por horas com bastantes sustos e tensão. Tratando-se de um horror clássico do folclore japonês, ele consegue trazer sensações únicas para seus distintos cenários.

    O sistema de combate não consiste em usar armas brancas, armas de fogo ou combate corpo a corpo, mas sim, um sistema único de Selos Espirituais de invocação elemental, Animal e selos para destravar portas ao invés de chaves ou cartões como nos jogos tradicionais.

    O jogo também consiste na ausência de uma “Barra de vida” trocando-a por Sanidade espiritual, que seu personagem deve se concentrar e manter a sanidade espiritual e mental para manter a jogabilidade fluida e seguir a frente para combates contra os inimigos e chefes. O que é um dos melhores desafios no desenvolver da trama.

    A História de KuOn

    Em Yin Phase, de Kuon, Utsuki e Kureha chegam à mansão de Fujiwara para encontrar seu pai. Ao mesmo tempo, durante a fase Yang do jogo, os discípulos de Doman, incluindo Sakuya e seu irmão mais velho, entram na mansão para investigar os estranhos incidentes que ocorrem lá. Utsuki e Sakuya se separam de seus respectivos grupos e ocasionalmente se cruzam entre si.

    Conforme a história avança, os protagonistas aprendem sobre a verdadeira natureza maligna de Doman. As estranhas ocorrências são resultado das tentativas de Doman de realizar o ritual proibido de Kuon. que envolve a fusão de uma pessoa com outros cadáveres dentro de um maciço casulo de bicho da seda. Quando isso é feito nove vezes, a pessoa é "renascida". Doman vê seus discípulos, os residentes da mansão e até suas filhas como dispensáveis em sua busca para formar o casulo de Kuon.

    Um por um, os colegas exorcistas de Sakuya morreram e ressuscitaram em monstros mortos-vivos. Enquanto isso, Kureha, revelado ter morrido antes dos eventos do jogo, se funde com o irmão mais velho de Sakuya, tornando-se uma abominação hedionda. Mais tarde, Utsuki e Sakuya entram separadamente na área subterrânea sob a mansão, onde Doman está trabalhando para realizar o feitiço Kuon. Utsuki se funde com outros cadáveres oito vezes; lentamente enlouquecida, ela ataca Sakuya.

    Na Fase Kuon, Utsuki recupera seus sentidos e libera Sakuya. Utsuki implora Sakuya para ficar longe dela, mas o último promete encontrar uma maneira de salvá-la. Neste momento, Abe no Seimei chega. Depois de se encontrar com Sakuya e mais tarde com uma Utsuki deformada, Seimei encontra e luta com Doman, que procura usar o corpo de Seimei para o último casulo. Depois que Seimei mata Doman, Utsuki, incapaz de se conter, arrasta o corpo de Doman e se tranca dentro de uma cesta de vime, iniciando assim a fase final do ritual Kuon. Sakuya convence Seimei a não matar Utsuki, e o mestre exorcista relutantemente decide não fazer isso.

    Durante os créditos finais, Sakuya persuade Utsuki - agora renascida quando jovem - fora dos terrenos da mansão Fujiwara. Surpresa com o mundo exterior e emocionada com sua recém-descoberta liberdade, Utsuki deixa a mansão para trás com Sakuya.

    O Jogo recebeu críticas diversas críticas boas de acordo com o Metacritic. O jogo teve uma das maiores pontuações segundo o Famitsu. Devido a seu lançamento limitado fora do Japão e até mesmo vendas fracas, Kuon é um dos jogos mais raros do Playstation 2.

    http://media.alvanista.com/uploads/timeline_image/20...(img)

    Cinematic de Abertura do Jogo.

    Gameplay.

    Kuon

    Plataforma: Playstation 2
    140 Jogadores
    6 Check-ins

    45
    • Micro picture
      manoelnsn · 2 meses atrás · 2 pontos

      Nunca tinha ouvido falar... Parece ser duca!

      1 resposta
    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      wilford_fernandes · 2 meses atrás · 2 pontos

      massa, n conhecia.. adicionando na lista ;p

  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-09-07 20:55:12 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 4:

    Medium 3668970 featured image

    Inicio dos treinos

    Agora você já está pronto pra cair na porrada e bater nos seus amigos como se não houvesse amanhã certo?
    ERRADO! Você precisa ter muita paciência no inicio.
    Não adianta ir logo pra um modo arcade escolher algum personagem, colocar o dedão na camisa e esfregar o direcional rezando pra sair algum golpe. A maioria dos games atuais oferecem tutoriais completos, mostrando quase tudo sobre o jogo, desde como aprender sobre os sistemas de jogo até como executar os golpes. 

    Street Fighter V é um game bem completo nesse quesito. O modo demonstração, te mostrará tudo que você precisa saber pra começar, e apesar de grande parte do conteúdo ser exclusivo desse jogo, ele servirá pra outros games também.

    É assistir todo o tutorial e executar o que ele pede. Muitas vezes é algo especifico pra esse game outras vezes servira pra outros jogos que você jogará no futuro. Faça tudo que o game oferecer antes de partir para o modo treino. Acredite, valerá a pena.

    Depois de ter se familiarizado com o game é hora dos treinos em si. Mas antes você terá que escolher um personagem pra treinar e é aqui que precisamos conversar.

    Sempre me perguntam: escolher somente um ou jogar um pouco com todos?

    Por mais que jogos de lutam ofereçam uma quantidade enorme de personagens pra escolher, eu recomendaria que você experimentasse alguns ou todos, se preferir, e escolher no máximo dois até que você conheça bem esses personagens.
    Eu sei que todos os personagens são atraentes e que gostaria de jogar com todos, mais isso você conseguirá fazer com o tempo, conforme for evoluindo. Escolha o que você gostar mas e entenda que existe personagens de todo o tipo. Personagens com "magias", "agarrão", rápidos", com longo alcance, ou seja pra todos os gostos.

    Escolhido seu personagem, procure saber tudo sobre ele: cada golpe normal, alcance desses golpes, movimentação e golpes especiais. Caso o game tenha um modo trial, que é um modo onde aprendemos a executar os golpes e fazer alguns combos, não deixe de faze - lo.

    No modo trial você aprenderá a executar comandos como "meia - lua + soco" ,"shoryuken", "tras - frente + chute" entre outros. Caso você não conheça nada sobre isso muita calma e paciência pra ir aprendendo aos poucos.
    No modo treino, você poderá colocar em pratica os golpes que aprendeu e até alguns combos básicos pra começar e quando se sentir a vontade já pode encarar um modo arcade em níveis mais baixos.

    Não recomendo de forma alguma que você, que não tem nenhuma ou pouca prática, se aventure no modo on line se não for com alguém que está no mesmo nível de aprendizado que você.
    O modo arcade ou vs CPU ajuda demais quem esta começando. É nele que você terá uma ideia de como os jogos funcionam e o que fazer pra ir melhorando.

    Jogos de luta são jogos competitivos e o objetivo é acabar com a barra de energia do adversário e pra isso, você terá que colocar em pratica tudo que está aprendendo.
    Aprender a defender é importante. Atacar na hora certa também. Ir pra cima ou recuar. Usar seus melhores golpes, são coisas que você terá que aprender pra se dar bem e acredito que com treino e paciência, logo você estará dominando esses fundamentos básicos.

    Por enquanto é só e se tiver duvidas não deixe de perguntar.


    Bom treino!

    18
    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      mattfenrir · 2 meses atrás · 1 ponto
      1 resposta
    • Micro picture
      mattfenrir · 2 meses atrás · 1 ponto

      Eu demoro bastante, mas acabo tendo depois os 10 personagens que mais gosto de jogar. Porém, tem sempre aqueles que eu nunca nem tento, tipo Zangief.

      1 resposta
  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-08-22 17:26:55 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 3:

    Medium 3664098 featured image

    Controle padrão ou arcade?

    Se você não saia das casas de jogos quando era pequeno ou ainda era um frequentador de botecos na década de 90, sabe que os games de luta tinham o mesmo formato de controle, os diferenciando apenas por marcas de botões, manche e qualidade, mas basicamente eram todos iguais.

    Isso, com o passar dos anos foi mudando, já que os games dos arcades podiam ser jogados nos consoles caseiros que rodavam vários estilos de jogos e precisavam de um controle que atendesse todos os tipos de games. E pra muitos isso foi uma dificuldade enorme e outros se adaptaram. Um exemplo foi o lançamento de Street Fighter 2 para Super Nintendo. Todos jogavam somente nos arcades e com essa versão, passaram a ter que jogar num controle padrão.

    Isso aconteceu com vários consoles, até mesmo com o famoso NEO GEO e sua versão em CD que, ao invés dos controles arcades, passou a ter um controle padrão no seu pacote básico.

    Mas nem por isso os jogadores passaram a jogar mal e com a devida adaptação e treino, realizavam tudo que faziam nas versões arcade sem problema, o que me leva a seguinte conclusão: qualquer controle é bom, desde que esteja funcionando corretamente e seja confortáveL pra você. O resto será apenas uma questão de treino.


    Pra esclarecer melhor fiz um vídeo a esse respeito :

    13
    • Micro picture
      vinicios_santana_3 · 2 meses atrás · 2 pontos

      Teve um cara que numa EVO jogava com um controle de psone usb, daqueles de 20 reais. E ainda sim se saia bem. O controle ideal é aquele que te faz bem ^^

      2 respostas
    • Micro picture
      kess · 2 meses atrás · 2 pontos

      Eu pensava em comprar um controle desses para poder melhorar minha técnica... Ainda acho que como fui criado em fliperama, os jogos de luta ainda me favoreçam nesse tipo de controle. Mas vou fazer o teste e ver se o controle normal não é melhor para mim do que ser nostálgico...

    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

      1 resposta
  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-08-14 20:12:53 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 2:

    Medium 3661628 featured image

    Qual é seu objetivo no jogo?

    Eu acredito que, se você está interessado nos jogos de luta, quer aprender, no mínimo, a executar cada golpe e saber o que está fazendo, já que, se for só pra apertar botões aleatóriamente, você não precisa de nenhuma informação ou tutorial, mas como eu sei que não é seu caso, temos 3 situações diferentes aqui. Temos jogadores que:

    . Querem somente "brincar"

    São aqueles que querem aprender a fazer um golpe ou outro, que não ligam pra mecânicas do jogo e se divertem simplesmente apertando botões e fazendo comandos de qualquer jeito.

    . Querem aprender sobre o jogo.

    São aqueles que treinam pra melhorar e executam golpes corretamente, e conhecem um pouco da mecânica e da jogabilidade do game e sabem o que estão fazendo.

    . Querem ser competitivos.

    São aqueles que buscam todo o tipo de informações sobre o game, e mantem rotinas de treino pra obter resultados. Conhecem o game profundamente em todos os fundamentos.

    Você, que vai começar, tem que ter em mente onde quer chegar e acredito que é por isso que está buscando informações, mas lembre - se: tudo vai depender do seu esforço pessoal pra alcançar seu objetivo, e o mais importante é não pular etapas pra não se frustrar. A base é fundamental.

    11
    • Micro picture
      kess · 2 meses atrás · 2 pontos

      Aprender sobre o jogo e platinar, beleza. Ser competitivo está em outro nível de realidade.

      1 resposta
    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 1 ponto

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

  • 2018-09-12 09:38:41 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Consoles de menor expressão da segunda geração

    Medium 3670300 featured image

    Antes do Atari 2600 chegar ao mercado, em janeiro de 1977, a RCA lança o seu console baseado em cartuchos, o Studio II é lançado com jogos em preto e branco e bem inferiores aos do Fairchild Channel F e foi descontinuado no ano seguinte. Ainda em 1977, a parceria Bally e Midway criam o Astrocade, trazendo um controle confortável, jogos coloridos e ports de alguns sucessos dos Arcades. Só deixou o mercado em 1985. Com o sucesso de seu primeiro console, o TV Fun, a APF lança, em 1978, o MP-1000, com controles destacáveis e teclado numérico. A Imagination Machine, lançada em 1979, transformava o MP-1000 num computador, mas o custo ficou alto e ambos perderam mercado.

     Ainda em 1978, a britânica Interton lança o VC 4000. Um console todo preto e moderno, com jogos coloridos e cheios de ação, mas foi encerado em 1983. O resto da Europa recebeu uma variante do mesmo videogame, o Acetronic MPU 1000 desenvolvido pela Audiosonic. No Japão, em 1979, a Bandai continua sua linha de consoles de mesa com o Super Vision 8000. Usava cartuchos e trazia jogos bem simples com apenas 2 opções de cores. Foi abandonado em 1983. Ainda no oriente, a Epoch lança o Cassete Vision em 1981. O aparelho é totalmente diferente dos convencionais, pois os controles ficavam presos ao console. Os jogos eram bem coloridos e detalhados. Em 1983, uma versão com custo reduzido é lançado, o Cassete Vision Jr.

     Testado em 1981 e lançado no ano seguinte, o CreatiVision da VTech foi lançado como um híbrido entre computador e videogame e lembrava bastante o Intellivision, mas foi descontinuado em 1985. O Arcadia 2001, lançado em 1982 pela Emerson Radio foi um dos consoles mais populares dentre os obscuros. Vários países receberam clones do aparelho, inclusive o Japão, produzidos pela Bandai. E falando na terra do sol nascente, alguns outros consoles baseado em cartuchos com gráficos simples foram lançados em 1983, como o Compact Vision TV-Boy com seu manche gigante preso ao console e o Pyuuta Jr. que vinha com um teclado completo e controles com disco como o do Intellivision, mas foram rapidamente esquecidos com a chegada dos consoles da terceira geração.

     Os cartuchos chegaram também aos portáteis e em 1981 a Mattel lança o Children’s Discovery System, uma espécie de mini computador com visor embutido e diversos jogos educacionais. Seguindo modelo de cartuchos do Microvision, a Entex lança o Select-A-Game em 1981, que oferecia jogos simples para 2 jogadores. Logo o projeto foi abandonado e no ano seguinte veio o Adventure Vision, uma espécie de Arcade tabletop que gerava jogos de ação em uma tela toda vermelha. Permitia 2 jogadores e vendeu relativamente bem. Outros portáteis com jogos utilizando tela de LCD, similar a do Game & Watch, foram lançados em 1983, como o Super Micro da Palmtex e os Gamate 3D e Variety da VTech.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo, @thecriticgames [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    51
  • arbitergamer Cesar Borges da Silva
    2018-08-08 18:21:38 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    Guia para iniciantes em jogos de luta. Parte 1:

    Medium 3659791 featured image

    Com qual jogo devo começar?

    Você, gamer, provavelmente já ouviu falar de games de luta. Mesmo se nunca jogou, já deve ter visto, ouvido falar ou assistido em algum video ou stream. Deve ter ido na casa de um amigo que estava jogando Street Fighter ou lá pelos anos 90 viu algum fliperama com KOF em algum bar. Isso era bem comum. Hoje, apesar do gênero não ser tão popular quanto nos anos 90, ele ainda está firme e forte graças a novos lançamentos e incentivos, seja das próprias produtoras ou das comunidades apaixonadas pelos jogos de luta.

    Mas a pergunta é: com qual jogo de luta devo começar? Bom, vamos lá.
    Se você assistiu aquele stream de Super Smash Bros e se interessou? Ótimo. Viu aquela galera tirando um contra no KOF no boteco da esquina e gostou? Maravilha.
    Foi num evento e viu aquele fatality que o player levou e achou sensacional? Mais uma boa opção.

    A resposta pra pergunta é simples: jogue o game que você mais gostar, aquele que você se identifica, que te faz bem. Mas entenda uma coisa: cada jogo possui suas particularidades, seja no estilo visual, nos sistemas de batalha ou até mesmo na complexidade.

    Um jogo como Street Fighter 2 por exemplo, tem um sistema mais simples de jogo, que, de certa forma é mais facil dominar.
    Já games como Marvel vs Capcom 2 podem ser de difícil assimilação, já que seus sistemas são um pouco mais complexos.

    Eu comecei jogando Street Fighter 2 e gostei tanto dele que foi o jogo que mais me dediquei. É claro que nesse tempo joguei vários jogos, como KOF e MK, mas me dediquei ao meu preferido até aprender a jogar. Isso me deu uma base muito boa pra continuar jogando os games que foram lançados na época. É claro que se você fizer uma pesquisa sobre popularidade, perceberá que alguns jogos são muito mais jogados que os outros, o que não quer dizer que são melhores ou piores e sim mais populares e o mais importante nisso tudo é que dê o primeiro passo, independente do jogo que escolher, porque depois, as possibilidades serão quase infinitas.

    Se começar a jogar um jogo popular agora, você terá algumas opções a mais pra melhorar. Terá pessoas jogando on line (caso o game tenha essa opção), seus amigos talvez joguem o jogo e possam te ajudar, stream de torneios, videos de pessoas dando dicas, entre outras coisas que vão te ajudar muito. No final das contas essa é uma decisão pessoal que pouco posso interferir. Conheco pessoas que não gostam de jogar KOF XIV e jogam só o KOF 2002 e vice - versa ou não curtem os games clássicos. Ou seja: vai de cada um, mas o importante é não ficar indeciso, escolher um jogo e se divertir.

    29
    • Micro picture
      le · 2 meses atrás · 2 pontos

      Na realidade, existem duas coisas diferentes: complexidade e profundidade. Pra dominar de fato um jogo, você precisa não só entender as mecânicas (a complexidade), mas também conhecer tudo que elas permitem (a profundidade).

      Só entender mecânicas não é suficiente pra dominar um jogo. Por isso, não necessariamente um jogo de mecânicas simples é um jogo fácil de dominar.

      Dentro da própria série numerada de Street Fighter, você enxerga bem essa diferença.

      O Street Fighter IV era um jogo com pouquíssimas mecânicas. Três já praticamente padrão de jogos de luta: EX, Ultra e Super. E uma nova, mas também muito simples de entender: o focus attack. Talvez um dos jogos de luta mais simples em termos de mecânicas dos últimos 20 anos.

      Mas pouquíssima gente dominou de fato. Eu arriscaria dizer que nem mesmo entre os profissionais existe esse domínio completo por parte da maioria.

      O Street Fighter V é o oposto. Ele tira o Ultra (algo bem padrão e simples) e adiciona novas mecânicas: Crush Counter, V-Reversal, V-Skill e V-Trigger. E CADA personagem tem um V-Reversal próprio, uma V-Skill própria e dois V-Triggers próprios, que são diferentes de TODOS os outros personagens do jogo (e ainda tem vários personagens que têm mecânicas próprias além dessas, como as cargas da Juri, o nível de presidencialidade do G, o veneno do F.A.N.G, as kunais da Ibuki....). Isso dá ao jogo uma complexidade que não existia no IV.

      MAS as variações, a profundidade permitida são muito inferiores à do Street Fighter IV. Um mesmo personagem não tem tanta variação de jogo e/ou planos de jogo diferentes. Existe muito pouca surpresa no jogo e muito abuso das mesmas coisas que funcionam. É justamente por isso que tanta gente fica irritada quando perde nele. No IV, você saía com a sensação de que tinha aprendido algo, entendido seu erro... No V, em geral, você sabe que perdeu por causa de uma situação 50/50 em que você adivinhou errado (isso, em grande parte, é culpa do Crush Counter, que transformou o jogo num Meaty Fighter V).

      Enfim, só pra esclarecer essa diferença entre os dois aspectos.

      1 resposta
    • Micro picture
      artigos · 2 meses atrás · 2 pontos

      Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    • Micro picture
      kess · 2 meses atrás · 1 ponto

      Quando ver, vai estar comprando controles específicos pra jogar uma pancadaria... hahahaha

      1 resposta
  • fabianoreng Fabiano
    2018-08-30 14:12:49 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    JOGOS PARECIDOS !

    Medium 3664593 featured image

    Introdução:

    Primeiramente o artigo não tem a intenção de denegrir nenhum jogo, mesmo porque muitos deles são tão bons quanto o jogo na qual foram inspirados.

    Sei que existem centenas de jogos clones principalmente no meio mobile, mas vou trazer aqui apenas alguns poucos exemplos mais conhecidos nos videogames. 

                                                  Como diz uma velha frase: 

                                      "A imitação é a mais sincera forma de elogio"

    ______________________________________________________________________________

    Legenda: 

    Com o intuito de informar e divertir coloquei um selo classificando cada jogo:

    A)- Selo com "Parece" = Usou a fórmula do jogo em que foi inspirado/influenciado e criou vários outros elementos.

    B) - Selo com "Clone"= Teve unicamente a  intenção de copiar/clonar um  jogo de sucesso .

    ______________________________________________________________________________

    1) Um dos primeiros clones que ouvimos falar no mundo dos games foi com "PONG" (Atari) que nada mais é que uma copia melhorada de "Table Tennis"(Ping Pong) do Odyssey. O caso foi parar na justiça e a Atari acabou fazendo um acordo de U$700.000 pela licença.

    Depois em 1981 a Philips com o Odyssey deu o troco lançando um clone de Pac-Man da Nanco, antes mesmo do jogo ser lançado no console da Atari que era a licenciada. O caso também foi parar nos tribunais e a Atari acabou vencendo o recurso e suspendeu a venda de "K.C Munchkin!" do Odyssey nos EUA.

    Outro jogo que recebeu muitas imitações devido ao seu sucesso foi o clássico "Donkey Kong" da Nintendo. O jogo proporcionou um fato curioso sobre o jogo "Popeye" da própria Nintendo, que devido a problemas de licenciamento acabou se transformando em ninguém menos que "Donkey Kong". E depois quando Popeye pode ser liberado e lançado, acabou virando uma imitação do que seria seu próprio jogo.

    ______________________________________________________________________________

    2) Devido ao grande sucesso que Mario Bros fazia no console da Nintendo (NES), em 1987 a Rainbow Arts lançou "The Great Giana Sisters". O jogo é um clone dos irmãos Mario, só que usando duas irmãs no lugar, a intenção era vender jogos para computadores domésticos de 8 e 16 bits (Amiga, Commodore 64, MSX e Atari ST ) que não poderiam receber o jogo do Mario. Dizem que a Nintendo forçou  a Rainbow Arts a parar sua produção e retirar os jogos das lojas, mas nunca foi confirmado.

    A série Castlevania da Konami era exclusividade do videogame 8 bits da Nintendo, então a solução que a SEGA achou para suprir a falta de um jogo nesse estilo foi lançar em 1992 um jogo 2D de plataforma com o mesmo tema para seu console Master System. A semelhança entre "Master Of Darknes" e "Castlevania" é bem visível, a SEGA conseguiu produzir um game muito bem feito explorando os elementos já conhecidos da série.

    ____________________________________________________________________________

    3) Como todo jogo popular acaba recebendo um clone, com "Strider" não foi diferente. O lado bom é que "Run Saber" foi um ótimo clone para SNES criado pela Hori Electric e distribuído pela Atlus nos EUA.

    Street Fighter II é com certeza um dos jogos de luta mais importantes e populares de todos os tempos e isso atraiu muitos jogos clones. Um dos mais conhecido é "Fighters History", um jogo de luta em que até mesmo as músicas, animações de fundo e lutadores são bem semelhantes.

    A Capcom processou a Data East por ter violado os direitos autorais com o jogo "Fighters History', mas acabou perdendo o caso no tribunal.

    ______________________________________________________________________________

    4) Que tal poder jogar Mega Man com uma Bruxinha? Foi o que “The Krion Conquest” produzido pela "Vic Tokai" fez com o clássico jogo de plataforma da Capcom. Tanto os cenários, movimentos, níveis de energia, músicas e até mesmo parte dos inimigos se parecem bastante com os três primeiros jogos do Mega Man. Bom eu fiquei na duvida, será que o jogo foi uma homenagem ao clássico robozinho da Capcom?

    Na época de ouro da SEGA X NINTENDO o grande sucesso dos arcades "Final Fight" produzido pela Capcom foi parar no console da Ninteno o SNES.  A resposta imediata da SEGA foi em criar um jogo similar ao seu concorrente para o seu console Mega Drive, nada menos que o ótimo "Streets of Rage". 

    Ambos os jogos expandem o modelo criado pelo famoso game de Beat'em Up produzido pela Technos o "Double Dragon".

    ______________________________________________________________________________

    5) No final da década de 90 os jogos de survival horror se tornaram moda, surgiram então muitos jogos clones que copiavam a fórmula de sucesso de Resident Evil. Vou comentar de apenas um desses muitos jogos, em especial um já no final da vida do Sega Saturn o "Deep Fear".

    O jogo é basicamente uma resposta da SEGA ao abandono das third parties em seu console, o game "Deep Fear" veio para tentar suprir a falta de jogos como RE2, RE3 e Silent Hill. O game trazia os elementos já conhecidos do survival horror em um jogo muito bem feito para o Saturn.

    O jogo "Lotus Esprit Turbo Challenge" para Amiga com certeza foi quem inspirou "Top Gear" para SNES, os dois jogos são muito semelhantes. Até mesmo algumas das músicas Top Gear pegou emprestado para não dizer copiou (www.zophar.net/music/amiga/lotus-esprit-turbo-challenge), basta ouvir no link os temas Title Screen, Track3 e 4. Outra semelhança é que o jogo Lotus Esprit para Amiga foi publicado pela mesma empresa que desenvolveu o jogo para SNES ( Gremlin Interactive).

    ______________________________________________________________________________

    6) O jogo "The Simpsons Road Rage" foi outro que rendeu uma briga na justiça movida pela SEGA contra a Electronic Arts, isso devido as muitas semelhanças com o seu jogo "Crazy Taxi". O caso foi resolvido entre as duas empresas em particular, por um valor nunca revelado.

    Bem quanto ao jogo da Sony "Playstation All Star Battle Royale", não resta duvidas que foi claramente inspirado em "Super Smash Bros" da Nintendo.

    ______________________________________________________________________________

    7) O sucesso do jogo God Of War fez surgir muitos clones no estilo hack-and-slash, um dos mais conhecidos por copiar sua fórmula e também por ser muito bem feito foi "Dantes Inferno" produzido pela Viceral.

    O jogo "Cold Fear" produzido pela Darkworks em 2005 trazia bons gráficos, na época foi comparado com Resident Evil 4 por copiar vários elementos dos jogos de Survival horror da Capcom. 

    O jogo acabou sendo ofuscado justamente por ter muitas semelhanças e por ser lançado muito próximo de RE4 da Capcom, o jogo também lembra "Carrier" do Dreamcast.

    ______________________________________________________________________________

    8)  Motal Kombat é outro jogo de luta muito popular que fez surgir uma grande leva de clones querendo copiar sua novidade da captura de movimentos, vou falar de apenas dois de muitas pérolas que saíram. 

    O que dizer do clone "Way of The Warrior" para 3DO produzido pelo aclamado estúdio da Naughty Dog, e acreditem ainda dizem que o game salvou a produtora da falência e proporcionou um contrato com a gigante Universal.

    O jogo "Kasumi Ninja" para o Atari Jaguar era outra pérola que tentou copiar MK, e acreditem havia um código especial que podia ser usado para bloquear sangue e fatalities para a garotada poder jogar.

    ______________________________________________________________________________

    9) Sonic the Hedgehog e Mario faziam muito sucesso no inicio dos anos 90 e estava na moda os mascotes Antropomórficos, foi então que surgiu uma leva de clones explorando isso nos games. Foi ai que apareceu o mascote da Accolad o Bubsy (Bobcat) tentando se aproximar do ícones dos games, segundo seu criador o personagem foi pensado enquanto se jogava Sonic

    As semelhanças com Sonic era devido ao personagem correr em alta velocidade por cenários que lembrava o clássico,  pegando bolas de lã em vez de argolas. O jogo tinha belos gráficos mas o problema é que as fases não foram feitas para se correr, morre-se de encostar em qualquer coisa, a parte técnica ficou meio a desejar com falha no sistema de colisões.

    O jogo "High Seas Havoc" da Data East para Mega Drive é um ótimo jogo de plataforma com bons gráficos. Desde o início já se nota uma semelhanças com o game do Sonic, principalmente na primeira fase que se parece Green Hill com trechos em que se corre e coleta diamantes. 

    Mario Kart sempre foi um enorme sucesso, é obvio que era questão de tempo até a SEGA, SONY e outras empresas colocarem seus principais mascotes para correr imitando o jogo da Nintendo. O bom disso tudo é que existe muitos clones tão bons quanto Mario Kart.

    _____________________________________________________________________________

    Existem muitos outros jogos clones ou que se parecem, mas o artigo já ficou muito grande.

    Obrigado a todos...

    66
  • 2018-08-29 09:26:56 -0300 Thumb picture
    Thumb picture

    A origem e o fim da Imagic

    Medium 3666022 featured image

    Após a formação da Activision, 1979, o mercado de jogos para videogames domésticos mudou radicalmente, pois passou a ser permitido que outras empresas desenvolvam jogos para plataformas que já estavam consolidadas no mercado. Com o grande sucesso da Activision, a segunda Third Party da história é formada nos mesmos moldes da primeira, com funcionários saindo da Atari para formar a nova empresa. Ex-funcionários da Mattel, Intel e da Versatec também faziam parte do quadro de fundadores da nova empresa. Em 1981, surge a Imagic com o intuito de produzir jogos para o Atari 2600, que era a plataforma que estava com a maior base instalada nos Estados Unidos.

     Os jogos chegaram ao mercado em 1982 e logo veio o maior sucesso da empresa, Demon Attack, que vendeu bastante na plataforma da Atari. Além dele, Atlantis, Cosmic Ark e Dragonfire venderam muito bem e logo a empresa se tornou famosa. Esses jogos começaram a receber ports para outras plataformas, como os consoles Intellivision, Odyssey² e Colecovision. Nos anos seguintes, além de consoles, a empresa começou a fazer jogos e portar seus maiores sucessos para os computadores domésticos, como o Commodore 64, TI-99/4A, VIC-20 e o IBM PC-Jr. A empresa conseguiu lucrar bastante entre 1982 e 1983, até um clube foi formado para repassar informações de novos jogos, o Numb Thumb Club.

     Demon Attack estava em todas as plataformas, mas a empresa não conseguiu emplacar nenhum outro jogo desse nível, além do quê, os jogos da Activision eram os favoritos do jogadores. O Crash de 1983 veio com tudo e a empresa não conseguiu se adaptar às mudanças do mercado americano. Com a chegada do NES da Nintendo, o Atari 2600 ficou ainda mais esquecido e a Imagic não demorou muito para declarar falência. Em 1986, as revistas começam a divulgar o fim dessa empresa que chegou a emplacar alguns bons títulos na sua era de ouro e suas propriedades intelectuais foram compradas pela sua grande rival, a Activision.

    @andre_andricopoulos, @filipessoa, @cleitongonzaga, @jack234, @old_gamer, @ziul92, @mardones, @porlock, @darlanfagundes, @velhoretrogamer, @jokenpo, @darth_gama, @armkng, @lgd, @luizkorynga, @marlonildo, @joanan_van_dort, @zak_yagami, @volstag, @manoelnsn, @shuichi, @gus_sander, @willguigo [Quem quiser ser marcados nas próximas postagens, é só botar nos comentários]

    46
    • Micro picture
      old_gamer · 3 meses atrás · 3 pontos

      Um das melhores third party do Atari 2600, laser gates e dragonfire são meu jogos favoritos dela!

      1 resposta
    • Micro picture
      porlock · 3 meses atrás · 2 pontos

      pena ela nao ter aguentado o crash de 83... soh tinha jogão....

      1 resposta
    • Micro picture
      darlanfagundes · 3 meses atrás · 2 pontos

      Dragonfire era foda... eu nem me importava com essa coisa de qual empresa fazia o que, mas agora vendo essas postagens vejo como tudo tem uma origem interessante...será que alguém dessa empresa continuou trampando com games?!

      1 resposta
Continuar lendo → Reduzir ←
Carregando...