2018-01-07 15:54:18 -0200 2018-01-07 15:54:18 -0200

Eu não tenho uma doença.

Single 3586336 featured image

Now Loading Talkers…

Estou aqui em meu grande trabalho vós escrevendo este artigo (e a cliente sem acesso a internet porque não pagou sua conta que venceu há 3 meses), trazendo um novo conteúdo para elaborarem uma grande tese entre todos nós “O Grandes Players que adoram se divertir”.

O assunto é um tanto delicado, delicado demais mesmo, final de 2017 a OMS (Organização Mundial da Saúde, obrigado por traduzir pois sem vocês nunca iria saber disto xD), declarou que em 2018, incluirá o Vício em Jogos Eletrônicos como um distúrbio mental.

Participo de várias comunidades de games de vários gêneros, desde o Retrô até os atuais, todos estão em polvorosa (sei lá se esta é a palavra correta), comentando kilos e kilos de palavras, letras e etc.

Até entendo perfeitamente o porque, pois eu sou um jogador de videogame, passei minha infância, adolescência e minha fase adulta agora jogando games…

Li e reli muitos comentários da galera, muitos dizendo que: “emissora X, Y e Z não tem o direito de falar nada, pois o conteúdo que trazem na TV aberta é um lixo (e concordo) não traz nada de algo útil, novelas chatas, BBB, A Fazenda, Tio Chico faz uma Deliciosa Pamonha, que não tem mais o que fazer e estão perseguindo à nós gamers, vão fazer algo útil ao invés de incomodar a gente.”

Isso é preocupante para nós que temos como hobby, jogar profissionalmente, para lazer, colecionadores, é um fator realmente de se pensar.

Mas ao ler a matéria, assistir ao noticiário que comentou sobre o caso, deu para notar que este tipo de problema de Distúrbio Mental, é para aquela pessoas que sofrem problemas e não tem um acompanhamento de pais ou alguém próximo que acaba apenas vivendo em função de jogos, este tipo de vício em jogos é totalmente prejudicial a saúde.

Essas pessoas deixam de fazer coisas do dia-a-dia, de se socializar, de frequentar as aulas em escola ou faculdade, que chega a impedir de fazer algo.

Li matérias onde teve uma pessoa morreu por passar 22 horas jogando, e isso que ele estava fazendo uma live do game. Outra de um rapaz teve um surto de tosse e veio a falecer, porque estava em uma lan house jogando.

Quem aqui do alva passa mais de 24 horas acordado jogando apenas? Eu acho que todos aqui tem uma vida lá fora e quer curtir ao máximo, como se fosse o último dia na Terra, até o porque não temos como colocar uma nova moeda e apertar o continue e seguir em frente.

Mas como mencionado, para muitos aqui e um motivo de diversão, aliviar o stress após uma semana cansativa de trabalho, reunir uma galera para dar risadas.

Isso não nos impede de socializar, de sair para uma festa, reunir amigos para um passeio, ir ao cinema para assistir filme X ou Y.

A maior preocupação que muitos aqui possuem e até eu mesmo, e que uma jogatina que você possa ter, muitos vão falar que você é viciado, que você só pensa em videogames e jogos, que você é isso, que você é aquilo.

Na notícia que foi passada, o recomendado é 3 horas de jogo apenas, após isso é prejudicial e blá blá blá…

Desculpe gente, 3 horas de jogo eu nem consigo fazer a imersão no game que estou, muitos até brincam que nem dá tempo de criar seu personagem de jogo.

Mas pare para pensar você que já é adulto, as suas obrigações do dia-a-dia é trabalhar, estudar um curso ou faculdade. Lógico que se você gosta de games você pode parar 1 hora por dia para uma jogatina sozinho ou online com amigos. Você aguarda um final de semana para aquele descanso merecido, e percebe a movimentação do grupo no whatsapp, a galera combinando um co-op de um determinado jogo, opa, bora que eu quero participar. Isto é uma coisa comum.

Agora pense nas crianças e adolescentes, eles tem algum curso, estão no ginásio ou colegial estudando, praticam alguma arte-marcial ou outra coisa, se para você se encaixa isto que estou escrevendo, e você também apenas joga por diversão, essa matéria no qual a OMS diz que vício em jogos é um Distúrbio Mental não se aplicará a você, pois você sabe seus limites, sabe que uma jogatina ou outra não irá prejudicá-lo.

Mas se você deixa isso impedir sua convivência com amigos, suas notas estão baixas demais depois de um bimestre no qual estava excelente, faltou no curso ou atividade por conta de uma jogatina, então amigo se preocupe, pois seus pais vão pegar no seu pé, pessoas que adoram cuidar da vida dos outros e não criam gato irão pegar no seu pé.

Eu mesmo trabalho em uma empresa numa escala 5x2, e nos meus dias de folga adoro ficar curtindo o dia jogando, aloprando meu sobrinho que joga junto comigo, não saio muito por conta de dívidas que possuo e estou no zero sempre (não ganhar na mega-sena da virada zoou meus planos U.U), finais de semana que pego folga vou ver meu filho e passo o dia com ele.

Mas isso não impede que eu saia em alguns eventos de animes (que de anime só tem o nome mesmo), saio de vez em quando no centro de São Paulo para ver algumas coisas interessantes, estou aprendendo outro idioma, meu trabalho faço o necessário.

E os games que estão em minha vida não me impedem de fazer algo diferente.

O assunto é extremamente delicado, até porque não queremos ser taxado como um doente, sendo que apenas adoramos nos divertir de forma diferente que a sociedade quer impor para nós.

Segue o link do Wikipedia referente a Distúrbio Mental para todos que se sentirem a vontade de ler e saber sobre o assunto:

Transtorno Mental

E bora comentar, quero saber a opinião de vocês, se concordam se discordam…

Importante é jogar com consciência e não perder a vida para o boss chato…

E para finalizar, se videogame e jogos fossem fazer mal mesmo, nunca teria tanto dinheiro envolvido, sendo que ele ajuda muitas pessoas até mesmo de socializar. E aqui no Alvanista, você já fez inúmeras amizades com várias pessoas, marcou aquela jogatina, até mesmo já marcou encontros com todos, apenas para se conhecerem pessoalmente e ficar em um lugar bacana, comendo uns petiscos e bebendo algo, e dando risadas.

@armkng

The Elder Scrolls V: Skyrim

Plataforma: Playstation 3
4650 Jogadores
399 Check-ins

78
  • Micro picture
    filipessoa · 1 ano atrás · 4 pontos

    E não é de hoje que perseguem os games, uma pessoa comete um atentado e vão investigar a casa do sujeito e encontram um videogame, então automaticamente o motivo pelo qual ele fez isso foi único e exclusivamente por causa do videogame? Tenso. Gostei da sua abordagem e que tenham mais discussões sobre isso.

    1 resposta
  • Micro picture
    artigos · 1 ano atrás · 3 pontos

    Parabéns! Seu artigo virou destaque!

    2 respostas
  • Micro picture
    mastermune · 1 ano atrás · 3 pontos

    Parabéns cara pela exposição do assunto, realmente é bem delicado o negócio. E a coisa não pode ficar muito legal mesmo se isso acontecer, principalmente aqui no Brasil. Eu lido com o público há alguns anos, e percebi que o brasileiro não se atenta à informações ou simplesmente tem preguiça de ler ou se informar, daí de onde eles tiram informações: da boca do povão... daí saí aquela bela opinião precipitada e mal informada, galera geral vai relacionar uma pessoa que curte um joguinho com doença.
    Se isso realmente se alastrar, realmente pode acontecer e até os gamers casuais podem ser taxados de doente mental, já pensou, que coisa terrível?
    Mas, pensando por outro lado, as pessoas estão cada vez mais interligadas com a tecnologia, eu passo na rua e não vejo uma alma viva sem um tablet ou celular na mão. Pode acontecer de mesmo se implantado essa situação, as pessoas não ligarão muito pra isso, nem mesmo com casos de pessoas que realmente são viciadas e precisam de ajuda.

    1 resposta
  • Micro picture
    pauloaquino · 1 ano atrás · 4 pontos

    Gostaria que fanatismo religioso tambem fosse considerado "distúrbio mental".
    Desde que, lógico, levasse ao banimento do cristianismo. A maldita religião do "não" e da opressão.

    8 respostas
  • Micro picture
    avmunico · 1 ano atrás · 2 pontos

    @armking parabéns, mais um texto maravilhoso. Sou gamer há uns 30 anos e jogo com frequência, os jogos nunca me atrapalharam em nada. Mas acredito que essa determinação vem pra ajudar. Imagino que com os smartphones tem muita gente realmente doente com os joguinhos mais casuais, porque está sempre ali na mão e espera aquela vida pra jogar, e talvez o faça no trabalho, faculdade algo assim, conheço umas pessoas assim. E talvez isso comece de maneira que parece só um viciozinho bobo e com o passar do tempo se a pessoa já tem pré-disposição piore.

    1 resposta
  • Micro picture
    fpsdungeon · 1 ano atrás · 2 pontos

    Ótimo texto. Vídeo game pode viciar, pois ele lida com o mecanismo de recompensa do nosso sistema límbico (principalmente jogo mais atuais), igual jogo de azar e drogas, lida com endorfina e outras coisas. Mas isso não quer dizer que qualquer pessoa irá ficar viciada jogando, assim como malhar também libera endorfina e não é todo mundo que vira marombeiro "pela saco". A coisa só vira um vício quando a pessoa deixa de ser funcional. Tive um conhecido que largou a faculdade pra passar o dia todo jogando wow. Chegou a ser o primeiro do servidor a ganhar lvl máximo em uma das expansões. Mas ele deixou de ser funcional, pois largou a faculdade pra jogar o dia todo e quase não saia mais.
    O problema dessa exposição toda a esse assunto é justamente das pessoas desinformadas (mães e tias chatas) que irão apontar e falar: "Tá vendo o que saiu na TV?! Sá porra de vídeo game vicia, moleque. Ana Maria falou que só pode 3 horas por dia agora".

    3 respostas
  • Micro picture
    marcusmatheus · 1 ano atrás · 2 pontos

    Na verdade a galera esta ficando um pouco nervosa sem muitos motivos. O vício em games eu concordo em ser atrelado à algum distúrbio mental, afinal se você é um viciado, muito provavelmente, prejudica a própria vida e as próprias relações por causa disso.

    Não concordo porém que o problema seja o jogo - o problema é a pessoa! Pois qualquer tipo de vício é prejudicial.

    Se você é viciado em sexo, Coca-Cola, futebol. exercício físico, selfies, Pica Pau ou outras atividades aparentemente corriqueiras, você faz as atividades em excesso e, obviamente, isso deve ser caracterizado como um disturbo.

    Eu só começo a discordar quando aparecem os especialistas de sofá, e iniciam as previsões ou apontamentos do que é aceitável ou não. Por exemplo: Acho ridículo dizer que a criança precisa se limitar a 3 horas por dia de contatos com a tecnologia! Em que diabos isso poderia fazer mal à ela? Ou quando dizem por ai que jogar apenas por uma hora é aceitável, mas por 3 ou 4 é exagerado demais!

    Porque ninguém vai na minha empresa e reclama das 8 horas que passo na frente do computador trabalhando? Porque só querem pontar o dedo na hora que estou me divertindo? É esses especialistas que eu tenho um pouco de repulsa e presto muita atenção sobre os limites que tentam impor.

    Acredito que o distúrbio apenas deve ser classificado se existir prejuízo na vida do individuo, de alguma forma. Se você consegue encaixar 5 horas de jogatina diária na sua vida profissional/pessoal e isto não esta de mantendo dentro de uma bolha solitária e nem começando a te fazer passar necessidade financeiras por não conseguir parar num trabalho (pois você não tem foco e só pensa em jogar o tempo todo), ai sim acho válido um apoio psicológico.

    2 respostas
  • Micro picture
    gigaalien · 1 ano atrás · 2 pontos

    vdd, e tbm acham que tenho sindrome do sabio só pq sou geek e nerd kkkkkkkkkj

    2 respostas
  • Micro picture
    kess · 10 meses atrás · 2 pontos

    Eu lembro que quando passei no vestibular, me prometi que ficaria jogando 24 horas direto, na época ganhei um N64... (sim, foi no milênio passado), Mas nunca fiz isso. Acho que meu máximo deve ter sido umas 12 horas, e olha que faz tempo isso. MUITO tempo atrás. A vida normal de adulto não me impede de jogar, mas certamente me impede de jogar MAIS.

    1 resposta
  • Micro picture
    isadoublex · 7 meses atrás · 2 pontos

    Ótimo texto!

    1 resposta
  • Micro picture
    gradash · 1 ano atrás · 2 pontos

    Só para avisar, algo só é um distúrbio/transtorno quando isto atrapalha sua vida.

    Por exemplo, muita gente fala que tem TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo), por ser absurdamente organizado, limpar a casa o tempo todo, etc.

    Mas isto só é considerado transtorno quando isto interfere na sua vida, você não sai mais de casa por nada, você não interage com outras pessoas e por ai vai. Assim como o vídeo em jogos de azar por exemplo é um transtorno, a maioria das pessoas não sofre disto, mas alguns sim.

    Mas é claro que algum político imbecil vai usar isto para benefício próprio como sempre.

    4 respostas
Continuar lendo → Reduzir ←
Carregando...